Skip to content

Conheça o café que se toma na Espanha

21/02/2011

Edu
A Coruña, Espanha

 

O café é e sempre foi meu único vicio.

Quando era adolescente, passei por inesquecíveis e traumáticas ressacas alcóolicas, típicas da idade e da imaturidade da época. Tornei-me adulto e até hoje bebo álcool, mas bebo como gente grande. Uma copa de vinho no jantar para relaxar e ponto. Moderei no álcool, mas em compensação, me acabo em café.

Adquiri o vicio quando comecei a trabalhar, no distante ano de 1991 (tinha 18 anos). Trabalho na área de tecnologia, e se tem 3 coisas que combinam são: tecnologia, escritório e café. 

No Brasil só conhecia 3 tipos de café. O café de garrafa térmica do escritório, o café Mellita – que era feito pela mamãe em casa naqueles filtros de papel – e o velho e forte café de botequim. Quando vim à Espanha pela primeira vez, estava com 23 anos, já era viciado em café. Era o ano de 1995 e no Brasil não havia a variedade de maquinas de café que temos hoje. Desembarquei aqui e fiquei impressionado com o que eu vi: café puro, com leite, pingado, moccachino, capuccino, carajillo, café mocca, café latte, café bombom, café com licor, café de pota, café de todos os tipos. Ia às cafeterias e ficava olhando para as maquinas italianas de café expresso e me impressionava com a variedade.

 Aqui na Espanha o campeão dos bares é o café puro (que aqui se chama café solo) e também o café com leite (café con leche). Existe uma classe de café que também é muito consumida e que eu nunca tinha visto no Brasil que é o café descafeinado, que eu nunca quis provar, porque acho que café descafeinado é o mesmo que dançar musica lenta com a irmã: não tem graça nenhuma.

Já fiz um tour completo pelos cafés vendidos na Espanha e confesso que apesar de serem muito gostosos e terem um visual espetacular, prefiro o velho cafezinho puro. A Espanha tem um café típico que é o carajillo, que combina café com alguma bebida destilada, normalmente cachaça ou conhaque. Sua origem remonta a época que as tropas espanholas ocuparam Cuba e os soldados costumavam misturar café com rum para criar “corajillo” (coragem) e daí saiu o nome carajillo. Eu particularmente acho muito forte, mas para quem gosta é uma boa pedida. Também são muito consumidos os cafés chamados de “montados“, porque costumam ter uma cobertura grande de nata  e são misturados com chocolate e licores suaves como Cointreau ou Bayles

Na Galícia, região onde eu vivo, existe uma bebida típica que tem café em seus ingredientes, se chama “Queimada“. A Galícia é muito conhecida por ser uma região “mística”, onde está o caminho de Santiago e as meigas (bruxas). Portanto a “queimada” é uma bebida que se toma em rituais místicos (ainda que o ritual aconteça em um bar mesmo, sinal dos tempos). A queimada tem os seguintes ingredientes: aguardente, açúcar, limão, laranja, e café. É uma bebida extremamente forte, daquelas que descem queimando tudo, mas é uma bebida milenar que tem muita tradição.  

Tenho uma história muito curiosa que envolve o café brasileiro e uma espanhola. No ano 2000 uma prima espanhola veio ao Brasil nos fazer uma visita. Era sua primeira vez em terras tropicais e ela, como boa cafeteira, estava ansiosa para provar o café brasileiro diretamente da fonte. Como queria fazer bonito, fomos a uma cafeteria mais arrumadinha que servia café em cafeteira italiana. Ela gostou, mas esperava que fosse melhor. Afinal, ela estava no Brasil, a terra do café!!! Segunda, terceira tentativa…. e nenhuma surpresa. Até que um dia, estávamos no centro da cidade do RJ e com vontade de tomar um café. Eu estava evitando leva-la a um botequim, mas estávamos em uma região da cidade que só havia botequins antigos, pés-sujo tradicionais, que eu particularmente gosto muito, mas não para levar uma prima gringa! Não teve jeito, entramos no primeiro pé-sujo e pedimos 2 cafés. O garçom pegou 2 copos daqueles de servir cachaça, e serviu 2 cafés daquelas máquinas antigas que o café sai por uma torneirinha e que já haviam sido preparados desde cedo. Minha prima olhou para aquilo, estranhou um pouco, mas como a vontade do café era grande, não pensou e mandou ver…. Fiquei olhando para ela, já esperando a reação, quando ela me olha e abre um sorriso de orelha a orelha…. Finalmente havia encontrado o verdadeiro e mundialmente famoso café brasileiro. Nada de cafeterias chiques, bistrots ou livrarias. O nosso cafezinho está nos botequins que nos cercam!!!  E daquele dia em diante, até o fim de sua viagem, provamos dezenas de cafés dos melhores (ou piores) pés sujos cariocas!

About these ads
3 Comentários leave one →
  1. 23/02/2011 13:33

    Edu, esse episodio da sua prima so serve para comprovar como a preferencia por um tipo de cafe e’ extremamente pessoal e dificil de se medir. O que para alguns seria classificado de “sabor encorpado” para outros e’ um “purgante amargo”, o que e’ “forte, no ponto” para uns e’ “ataque a ulcera” par um outro, o que e’ “fraquinho/docinho… uma delicia” para um cidadao, para outro e’ “chafe’ ” ou entao “aguado”… O grao usado no Brasil e’ “frutado e de madeira” pelo que andei lendo e pesquisando. Eu descobri que meu paladar vai mais pro intenso e amargo, por isso compro mais graos da classificao “Etiopia” e “Arabia”.

Trackbacks

  1. Tweets that mention Conheça o café que se toma na Espanha « Brasil com Z -- Topsy.com
  2. Café para fortes e sem adornos « Brasil com Z

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 951 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: