Skip to content

Por que é tão difícil ter vontade de voltar a viver no Brasil?

06/07/2011

Glenda Dimuro
Sevilha, Espanha
.

Depois de duas semanas lendo sobre o porquê dos meus companheiros de Brasil com Z não quererem mais voltar a viver no Brasil, decidi escrever meu texto. Em 2009 já havíamos feito uma ronda sobre “voltar ou não voltar” entre os colaboradores do blog… os tempos eram outros, o pessoal também, mas quem quiser conferir pode clicar aqui. Inclusive eu dei minha opinião sobre a volta e decidir escrever de novo não porque tenha mudado de ideia, mas sim porque ampliei um pouco meu pensamento.

Não vou enumerar aqui a quantidade de problemas, principalmente sociais, ambientais e econômicos que existem no Brasil, uma porque depois dessa série de posts não vale a pena repetir, outra, porque todo mundo está careca de saber que no nosso país falta segurança, falta educação e saúde pública, falta tolerância, falta tanta coisa e sobra outras mais, como desigualdades, exclusões, injustiças.

Não sei quando volto ao Brasil pelo simples fato de que não sei se quero voltar ao Brasil. Gosto muito da vida que levo atualmente. A principal lição de vida que aprendi nestes 6 anos de Sevilha é que não é pobre o que menos tem, mas o que menos necessita. Aqui aprendi que não preciso de luxos para viver feliz, que com pouco dinheiro no bolso posso me divertir, ter uma vida cultural relativamente agitada e ainda viajar de vez em quando. Aprendi que a felicidade não se encontra em shopping e que autoestima não está diretamente relacionada com chapinha e unhas bem feitas. E não que no Brasil eu tivesse um padrão de vida alto ou fosse uma patricinha de carteirinha, mas depois de viver 6 anos em uma casa com móveis alugados, nossa percepção de vida muda muito.

Futilidades à parte, aqui aprendi que se trabalha para viver e não se vive para trabalhar. Isso significa realmente aproveitar a vida. A grande maioria do pessoal aqui do sul trabalha o justo e necessário para poder garantir um lazer a nível máximo, um happy hour no final do dia, uma escapada no final de semana e umas férias de verão de um mês. Horas extras, 60 horas de trabalho semanais, um final de semana em casa atolado de prazos esgotados? Óbvio que isso acontece, mas não é regra e nem o cotidiano dos sevillanos. Conheço funcionários públicos que pedem redução de salário para poder ficar uma hora a mais com os filhos em casa.

Aprendi a deixar o carro na garagem (leia-se estacionado na rua) e usar o transporte público. Voltei a aprender a andar de bicicleta. De onde eu moro eu chego a qualquer parte da cidade em menos de 40 minutos de pedalada (e Sevilla não é uma cidade pequena, tem quase 800 mil habitantes fora a zona metropolitana). Não tem preço poder ir e vir respirando ar fresco (ok, nem sempre, afinal, estamos numa zona urbana) e de quebra fazer exercícios.

Aprendi a ser tolerante, a respeitar mais as diferenças, a descobrir a diversidade de raças, culturas, estilos de vida e pensamento muito diferentes dos nossos, brasileiros, muitas vezes machistas, egoístas e hipócritas (como também já foi citado nos posts dos meus colegas de Brasil com Z). Aprendi que viver no mesmo edifício que o motorista do caminhão de lixo e comer no mesmo restaurante da faxineira da piscina é uma coisa absolutamente normal, pois a tal diferença de “classes” é estupidamente menor. Aprendi a conviver com famílias com dois pais, duas mães e até duas mães e um pai (juro), a não falar mal de uma mulher escabelada na padaria, a não ficar horrorizada com um «modelito» fora do «normal». Aprendi que o normal pode ser qualquer coisa, que cada pessoa é um mundo e que cada um de nós cuida do seu próprio mundo pessoal, sem precisar de aparências ou máscaras. E ao mesmo tempo aprendi que todos devemos cuidar do nosso mundo coletivo, que a força do ser em conjunto é muito importante e que, melhor de tudo, dá resultados.

Aprendi que as diferenças nem sempre geram integração, que podem causar desigualdades por estes lados também. Que imigrante é uma classe de pessoa que tem que correr atrás do prejuízo, que tem que lutar muito para conseguir se estabelecer e que, por questões que fogem as suas capacidades, nem sempre consegue o seu lugar ao sol. Aprendi que o ser humano, não importa a sua nacionalidade, está longe de ser perfeito, e apesar de tanta tolerância e igualdade por um lado, pode ser bastante preconceituoso e injusto por outro.

Então, depois de conviver com tantos outros valores e realidades, muitas vezes penso que não tenho vontade de voltar a morar no Brasil. Quem, depois de aprender a cruzar uma rua pela faixa de segurança sem nem precisar olhar para os lados ou se acostumar a voltar para casa a pé às 3 da manhã, desfrutando do cheiro das flores de laranjeira e do silêncio da madrugada sem precisar olhar para trás, pensa um dia em regressar à sua pátria amada? Quem depois de dar risada (ou se irritar, no meu caso) com as crianças de uniforme do colégio jogando bola em plena praça central, de se habituar a pegar a sua bicicleta e fazer um piquenique no parque público ou de ver uma roda de velhinhos e velhinhas tomando cerveja (sem álcool) felizes e cheirosos no mesmo bar que a garotada de 20 anos pode cogitar a hipótese de não viver mais essas coisas, aparentemente tão banais, mas que no Brasil parece que há muito tempo não existe?

Claro, nem tudo são rosas… Não tenho meu diploma de arquiteta homologado para assinar projetos na Espanha (se bem que na atual situação econômica, «projetos» é coisa rara por aqui), vivo com um visto de estudante que não me dá direito à nacionalidade, não tenho direito à saúde pública (apenas atendimento de emergência) e pelo menos nos próximos anos não vejo nenhum futuro profissional na minha área (nem eu, nem 26% da população ativa do país, nem a maioria absoluta dos jovens recém-formados). Não tenho filhos espanhóis e em teoria, nada me prende aqui. Mais cedo ou mais tarde (cada vez mais é mais cedo, já que estou no segundo ano do doutorado) vou ter que tomar a fatídica decisão: volto ou não volto ao Brasil? Qualidade de vida acessível a um bolso pouco cheio ou um bom trabalho (ou um trabalho qualquer)?

Meu consolo é que este mundo é enorme, como já dizia o poeta, «grande demais para nascer e morrer no mesmo lugar». Confesso que não sei se tenho o mesmo ânimo para recomeçar tudo de novo em um país novo, mas quem disse que se eu voltasse ao Brasil eu não teria que recomeçar do zero? E entre recomeçar com qualidade de vida e recomeçar rodeada de violência, desigualdades e injustiças, só fico na dúvida porque neste último caso também estaria rodeada de muito amor, amigos e família (únicos motivos reais que me fazem pensar em voltar a viver no Brasil).

Enfim, todo mundo deveria ter a oportunidade de sair da sua bolha, ver o mundo com outros olhos, aprender novos valores e, quem sabe, voltar e conseguir lutar por um lugar melhor. O Brasil é um país com duas caras, lindo e horrível ao mesmo tempo. Sei que sou uma privilegiada por estar onde estou e que muita gente se tivesse condições já estava com as malas prontas e a passagem comprada para se mandar… e a gente aqui falando em voltar. Adoraria poder voltar e tentar fazer do meu Brasil um lugar melhor para se viver, mas ao mesmo tempo me sinto muito ingênua em pensar que isso poderia ser possível. Ninguém tem a resposta e não sou a única em duvidar do “desenvolvimento” do Brasil.

Queria viver entre os «meus», mas a cada dia que passa me sinto menos parte dos que ficaram. Já não penso em altos salários, altos cargos, muito dinheiro para ser feliz. Embora muita gente siga pensando ao contrário, dinheiro não é e nem nunca foi garantia de felicidade. Felicidade para mim é isso, poder levar a vida sem pausa, mas sem pressa, sem paradeiro se eu assim quiser. Posso não estar com os bolsos cheios, mas percebi que não necessito nada disso para ter uma vida confortável, alegre e divertida.

Tive que cruzar o oceano para perceber isso? Sim. Não poderia ter aprendido tudo isso no Brasil? Claro que sim, mas quem sabe a comparativa não existiria. Enquanto isso, continuo aproveitando esta grande oportunidade de fazer parte de outro mundo, que apesar de todos os problemas que existem como em um lugar qualquer, parece que é mais justo e respeitoso que o mundo onde nasci.

********

Este texto tem continuação, escrita em 2012. É uma (nem tão) breve  resposta àquelas pessoas que acabam me julgando, na maioria das vezes negativamente, não somente por serem contrárias a minha opinião (coisa que respeito), mas principalmente por não ter paciência de ler o post até o final… ou por apresentarem sérias dificuldade de interpretar textos. Gente grosseira, sem um pingo de educação e, de certa forma, ignorante. Se chama “O livre arbítrio da interpretação”: http://www.coisaparecida.com/2012/01/o-livre-arbitrio-da-interpretacao/

********

Comentários com palavras ofensivas e mal educados, obviamente, não serão publicados.

Glenda escreve o blog Coisa Parecida. Siga no Facebook!

About these ads
621 Comentários
  1. 06/07/2011 11:53

    Eu não conseguiria acrescentar uma unica linha nas coisas que vc falou. Todos os motivos que me fazem querer ficar na França foram descritos com perfeição por vc. A unica coisa que vez ou outra me faz querer voltar é a comida e o fato de eu não me sentir em casa aqui na França. A sensação de viver o tempo todo em um lugar que não é o meu, com pessoas de habitos tão diferentes dos que eu conheço, me faz querer voltar sim. O dominio da lingua tb é muito importante, apesar de falar bem francês, eu não domino a lingua como domino o português e poucas coisas são tão importantes pra mim como o dominio da lingua (eu trabalho com isso, afinal). Mas é so pensar na violência, nas desigualdades, nas cotas do clube privado que eu vou ter que pagar se quiser ir à uma piscina, no insufilm que eu vou ter que colocar no carro pra ter segurança e até no carro que vou ser obrigada a comprar, ja que o transporte publico no brasil é um lixo, e dai a vontade de voltar logo passa. Ainda assim, acho que um dia eu vou ficar de saco cheio, vou acordar e decidir voltar. Sou feliz aqui, mas é no Brasil que eu me sinto em casa.

    beijos!

    • 06/07/2011 11:58

      Com relação aos hábitos, eu me acostumei fácil, fácil com esses espanhóis do sul, sabia? Povo bruto as vezes, mas nada que um comentário a altura não resolva. Com relação à lingua, claro, não trabalho com “comunicação”. Há tempos deixei de acreditar que um dia falaria igual a este povo. Eu falo, o pessoal me entende, sabem quando abro a boca que não sou daqui e isso, infelizmente, não vai mudar. E já nem dou mais bola… tô ficando velha e já digo tudo que me vem à cabeça mesmo! Mas vc tem razão quando diz que a nossa “casa”·, onde a gente se sente a gente mesma, é no Brasil. Eu também penso assim… Mas como lá tá tão bagunçada, não dá vontade de voltar e começar a faxina…

      • Mario Paraiso permalink
        05/05/2013 13:17

        Olá, vivi 11 anos em Portugal, voltei ao Brasil em 2011, me arrependo demais, me deixei enganar por uma promessa de trabalho que não se concretizou, estou agora me sentindo mais estrangeiro que em Portugal. Tudo que disseste é verdade, ficamos ai pensando em voltar e encontrar o país onde crescemos e vivemos felizes, este não é mais o país onde nascemos, foi dominado por alienígenas que transformaram tudo em pesadelo, a segurança não existe, não se sai de casa sem pensar se vai ser assaltado ou atropelado, a violência é total, ao atravessar a rua pode se morrer, pois não existe o respeito ao pedestre. Não voltem, eu gostaria de poder voltar a Portugal e morrer lá, como pensava antes, de velhice, aqui não é mais o nosso Brasil. Foi vendido e alugado para nós, pagamos caro a vida horrível que levamos, educação não existe mais, estou fazendo de tudo para que meu filho continue em Portugal, não quero nem pensar que ele possa voltar a viver aqui. Bjo, sorte para todos os brasileiros que não voltaram ao nosso inferno chamado Brasil.

      • 06/05/2013 5:18

        Una mujer es violada en un autobús de Rio de Janeiro delante de los pasajeros
        Una mujer de unos treinta años fue violada en un autobús en Rio de Janeiro (sureste de Brasil) ante los pasajeros durante un asalto, un mes después del caso de una turista abusada sexualmente en otro vehículo de transporte delante de su novio, informó el sábado la Policía Civil local.
        Una mujer de unos treinta años fue violada en un autobús en Rio de Janeiro (sureste de Brasil) ante los pasajeros durante un asalto, un mes después del caso de una turista abusada sexualmente en otro vehículo de transporte delante de su novio, informó el sábado la Policía Civil local.
        El ataque ocurrió en los suburbios de Rio cuando un asaltante “entró armado en el autobús de la línea 369, a la altura de la favela Muquiço y anunció el asalto”, explicó la policía en un comunicado enviado a AFP. “El asaltante obligó a los pasajeros quedarse en la parte delantera del autobús y violó a la mujer y la agredió a golpes”, explicó la policía.
        Según cálculos divulgados en la prensa, el autobús continuó su trayecto por una veintena de kilómetros, mientras ocurría la violación y el asalto, hasta que el asaltante descendió en una de las principales avenidas de acceso a la ciudad, en la zona portuaria.
        Los hechos ocurrieron la tarde del viernes, aunque fueron divulgados por la policía este sábado. Los testigos
        informaron que el asaltante parecía estar bajo efecto de drogas, y que aparentaba tener unos 24 años.
        El pasado 30 de marzo una estudiante estadounidense fue violada en un minibús de Rio de Janeiro ante la presencia de su novio francés, también duramente golpeado. Ese caso conmocionó a la ciudad, que acogerá la multitudinaria Jornada Mundial de la Juventud (JMJ) en julio próximo, será sede del Mundial de Fútbol 2014 y los Juegos Olímpicos de 2016, y que está haciendo un gran esfuerzo por mostrar que controla la seguridad.
        La turista estadounidense cogió el minibús junto a su novio en el barrio turístico de Copacabana (zona sur). Entonces, cuatro hombres, entre ellos el conductor del vehículo, los secuestraron y golpearon durante seis horas y violaron a la joven, y fueron detenidos días más tarde.
        Mientras la ciudad brasileña se prepara para acoger la JMJ en julio y ser sede del Mundial de Fútbol 2014 y los Juegos Olímpicos de 2016, las noticias sobre asaltos sexuales alertan y asustan a la población y los turistas.
        Concuerdo en todo contigo , tengo familiares viviendo en varias partes del mundo y estan de acuerdo en que la seguridad en Brasil no esta bien . suerte

    • EstrangeiroPensaEmVoltar permalink
      22/07/2011 13:15

      Apos 7 anos vivendo fora, em 2007 tive a oportunidade de regressar ao Brasil mesmo que temporariamente. Eu tinha o mesmo pensamento que mirellesiqueirairelle de que “Sou feliz aqui, mas é no Brasil que eu me sinto em casa”. Mas isso caiu por terra logo que cheguei e pude presenciar a realidade do Brasil. Eu e minha esposa ficamos por 3 meses por la e nao posso te dizer que me senti em casa, com medo de assaltos, falta de estrutura do governo etc. E aqui estou novamente, insistentemente pensando em voltar como a a Glenda escreveu “vou ter que tomar a fatídica decisão: volto ou não volto ao Brasil? Qualidade de vida ou um bom trabalho (ou um trabalho qualquer)?” Por agora fico com o “trabalho qualquer” mas aqui onde estou, nos EUA.

      • Marisa Passos permalink
        07/07/2012 1:21

        Também vivo nos EUA no Texas, perto de Houston e amo isto aqui. Amo a paz que sinto quando vou as compras! Por poder sair da minha casa as 3 da manhã pra alimentar alguns gatos na minha varanda e não ter medo de ser assaltada, De poder sair e ir fazer compras no meio da noite se me der vontade, De ver as bicicletas das crianças na minha vizinhança do lado de fora no jardim sem medo ou perigo de serem roubados, E claro que existem crimes e roubos por aqui. Também com a economia atual, mas não tem comparação com o Brasil. Eu voltei em 2003, depois de 22 anos fora e não gostei nada do que eu encontrei la. A começar pela falta de educação
        do povo em geral. A falta de civilidade e respeito mutuo nas ruas do Brasil foi impressionante, eu nunca havia me dado conta disto antes de viver em outros países. Entrar em um elevador com crianças e ouvir dois rapazes falando a respeito do encontro sexual deles na noite anterior nos mínimos explícitos detalhes, e ainda estranharam quando lhes perguntei se haviam notado a presença das crianças ( 5 & 7 anos), A maneira como todos lhe empurram nas ruas sem a menor consideração se são velhos ou gravidas enfim acho que eu sofri um choque de cultura! Naquele momento cheguei a sentir vergonha do meu marido americano pela falta de educação do meu povo do qual eu sentia tanto orgulho antes de voltar la.
        Enfim quem já passou por isto sabe do que eu estou falando, e se voltou la e não notou isto então não aprendeu nada vivendo em outros países,
        Desculpem me não vim aqui para falar mal, Mas vejo muitos brasileiros que estão aqui, que vivem como se estivessem dentro de uma redoma de espelho só enxergam a si mesmos, nem notam a falta de educação que exibem e o mal que isto faz a nossa comunidade brasileira em geral.

      • 03/05/2013 19:25

        Espero muito que os seus filhos não sejam assassinados por algum colega na escola! Ou pelo irmão mais velho que acabou de ganhar a “minha primeira arma”, ou pelos extremistas (terroristas) com bombas caseiras… Não acho os rednecks mais educados em nada do que os brasileiros. Cada país tem os seus pros e contras. Cada um de nós escolhe as próprias prioridades. O que a garota descreveu se refere a uma parte da classe média (ou medíocre) aqui no Brasil. Tem muita gente que não vive assim e tem muita gente na Europa e US que vive exatamente assim. Boa sorte aí!

      • Ana permalink
        05/05/2013 14:56

        Certeza que os da “primeira arma” e os extremistas ainda não cobrem o tanto de assassinatos para roubar celular que acontecem na “pacata” João Pessoa.

      • ccmm permalink
        05/05/2013 15:47

        Aqui ninguem mata simplesmente porque nao gostou da cara, porque voce olhou de cara feia na boate/bar ou deu um fechada sem querer no transito. Quando acontece mortes tem alguma razao ( mental ou politica), diferente do nosso Pais que se mata por qualquer coisa, a vida nao vale nada, se gasta bala para roubar um par tenis, sequestra e tortura um estudante ate a morte por causa de 200,00 reais. Outro dia assisti uma reportagem de uma brasileira que morava na faixa de gaza, o reporte perguntou; Voce nao tem medo? Nao se sente insegura? Porque nao retorna ao Brasil? Ela responde; Aqui quando vem um bombardeio somos avisados e corremos para o abrigo. No Brasil voce encontra a morte na esquina sem aviso previo.

      • Rita permalink
        07/05/2013 2:59

        vivi tudo iso tambem. Voltei em um momento dificil onde precisava de colo de mae, e tive esse colo com todo carinho. Pena que nao e o suficiente e o dia a dia e mais duro no Brasil. Me senti uma estrangeira na minha terra natal. Voltei para os Estados Unidos. 26 anos depois de todo vai e vem, acho que nao volto mais, criei raizes, filho e ate um neto . Respeito quem decida voltar, cada estoria e uma estoria. So que no fundo esse texto resume os nossos sentimentos de imigrante. So quem saiu da bolha sabe o que e isso.

      • Leonardo Moura permalink
        03/06/2013 21:43

        Valentina, eu fui nascido e criado em uma favela no Rio de Janeiro e hoje em dia moro em Vancouver. Deixa eu te falar uma coisa que aconteceu aqui perto essa semana: Um policial que cuidava do trânsito ali em Seattle foi atropelado e morreu durante o serviço. Fizeram uma carreata de 125 viaturas para escoltar o caixão, e as pessoas na rua hastevam bandeiras e faziam saudações ao cortejo. O homem foi descrito como herói. Ele não morreu subindo uma favela pra trocar tiro com traficantes. Ele não foi morto porque tentaram levar o carro e descobriram que ele era policial. Ele só estava cuidando do trânsito. A vida aqui fora não descartável, como eu cresci vendo. A sensação de segurança é absurda. Tanto ali nos EUA quanto aqui no Canadá pode sim vez ou outra surgir um maníaco. Mas o que me dizer do Brasil, que é um lugar onde você sai sem saber se volta pra casa? Se você vai ser morto por causa de um tênis, de um celular, de 5 reais ou porque esbarrou no retrovisor do carro de alguém? Eu acompanho diariamente noticiarios do Brasil e todos os absurdos relativos a violência e corrupção que vejo me servem como combustível pra perseguir meu sonho e seguir dizendo: Brasil, nunca mais.

      • 04/06/2013 17:26

        oi Leonardo,

        acho que o Brasil é excelente para quem gosta de dar uma de herói cotidiano. Não somos nós, creio. Eu vivo na Bélgica há 10 anos e conheço a prática do valor dado ao policial. São profissionais sérios e respeitados, que desempenham com ética e responsabilidade o duro trabalho que tem. Neeeeeem pensar em propor suborno, ou… Pois é, por aí vamos. Deixa a vida heróica prá quem gosta, né?

        bom ter lido teu post.

    • Simone permalink
      09/02/2013 2:56

      SIMPLESMENTE SENSACIONAL…

      • ligia carretta permalink
        06/05/2013 18:08

        E quando um pai americano dá um rifle de aniversário de cinco anos pro filhinho e este mata a irmã de 2 anos? Esta arma foi comprada alí na esquina. E dai vem a avó americana e diz que “era a hora da nenen e que Deus sabe o que faz. Por aqui os crimes não são abalizados pela familia..

    • DSD permalink
      29/04/2013 21:47

      Concordo em grande parte. Mas algumas cidades do Brasil possuem qualidade tão boas ou melhores que a vida na “europa”. O que tenho pensado ultimamente é que, o que evidencia e degrada de maneira significativa o estilo de vida brasileiro são as concentrações de pessoas nas cidades. Acredito que isso, atrelado a falta de infra pública, gera o que temos hj nas grandes cidades, como SP. ,por exemplo.
      Cidades com menos de 10mil hab e com planejamento, podem sim ter a qualidade que todos necessitam…

      • fernando permalink
        29/05/2013 4:11

        Fui ingenuo em voltar ao Brazzil, morar em cidade pequena onde a violencia seria mais baixa que as capitais porem a estrutura é do tamanho da cidade: minúscula, quase qualquer coisa que precise tem pegar o carro e ir para cidade maior ou capital. Infelizmente não é igual aos Estados Unidos e Europa.

    • 30/04/2013 20:37

      Muito lindo uma lição de vida, nunca morei fora mais sei que a vida aqui não é fácil a violência, desigualdade social deixa é muito grande e triste.

    • A. Pedro permalink
      03/10/2013 2:56

      O Brasil é um país jovem se comparado a outros da Europa. Acho que vc deveria ficar onde está agora! E se faz realmente falta, que leve os “seus” para junto de ti….

      • 19/10/2013 14:12

        Vc ja morou fora do pais pra postar um comentario desse? Eh esse tipo de atitude tipico de muito brasileiro q estraga esse pais. Gosta de criticar as pessoas q fazem o q nao pode fazer, mas se tivesse a chance faria exatamente igual.

      • Marcus Pinhole permalink
        19/10/2013 22:00

        Esse é um argumento um pouco recorrente… Até certo ponto acho que está certo, mas sem nem entrar nessa discussão de por que o Brasil é de um jeito e outros países de outro, voce essencialmente se depara com a questão “ficar e ajudar a mudar o Brasil para as futuras gerações” ou “mudar pra um país mais civilizado”. Eu não me orgulho (nem me envergonho) disto, mas sem pensar 2x escolho escapar. Não acho que seja egoísmo meu, mas a vida é curta demais pra esperar que as coisas (tão intrínsecas à nosa cultura) mudem.

  2. 06/07/2011 13:18

    O melhor texto que li aqui sobre o assunto. Não desmerecendo os outros, mas vc resumiu a essência dessa dúvida muito bem. Concordo com a Mirelle, com o não me “sentir” em casa e com a dificuldade da língua. mas, essa é uma decisão muito difícil e individual. Cada um tem seus motivos pra ficar ou não. BJ

  3. Aliki Ribas permalink
    06/07/2011 13:25

    Eu só estou na parte de planejamento para a Europa. Me mudo daqui um ano. Não sei como é morar na Europa, mas confesso que quase escorreu uma lágrima ao pensar nessa qualidade de vida que você descreve. Belo texto. Abraços.

  4. 07/07/2011 12:15

    Queria muito comentar seu post, mas fiquei sem palavras. Qualquer coisa que eu tentar acrescentar, na verdade nao vai acrescentar nada. Parabéns !!

    • 07/07/2011 12:22

      Poxa Edu, obrigada! Beijão.

      • Esmenia permalink
        20/11/2011 18:21

        Faço das tuas palavras as minhas.Um texto muito rico! Mas ao contrário de muitos eu nunca pensei retornar ao Brasil…prefiro trabalhar no que der e vier e ter sempre dinheiro para as minhas viagens pelo mundo afora.
        Parabéns pelo texto.

      • deley permalink
        23/11/2011 16:44

        fora que vc e linda

  5. Lucas permalink
    08/07/2011 20:50

    To morando 5 Anos Fora , Agora vou Mudar para a Europa , E isso tudo que voce falou eh verdade absolutamente tudo! Comprei tudo do melhor fora e agora to jogando tudo pro Alto pra comecar do zero denovo mas nao no Brasil, percebi que nós no Brasil vivemos com essas mascaras , vivemos para que os outros pensem que somos melhores ou piores e acabamos nao nos dando o cuidado que merecemos, quero vicer tranquilo em paz sem preocupacao ao sair na rua sem pressao da sociedade de como tenho que ser, gosto de coisas boas? Sim , mas ja sei que isso nao eh oque me faz feliz e agora buscando em outros caminhos pouco a pouco estou voltando a ser feliz.
    Parabens pelo Post muito Bom!

  6. Antonio permalink
    10/07/2011 4:39

    Concordo com tudo, discordando plenamente. Acredito que o melhor lugar do mundo é aonde somos felizes. O que vc e os outros estão tentando fazer é encontrar motivos para uma coisa muito simples. Criar raízes, não como uma metáfora, mas uma real ligação com a terra. É natural vez por outra as pessoas se questionarem sobre os caminhos tomados. Talvez, por isso se fale mais do Brasil do que qq outra coisa aqui.

    Quanto mais o tempo passa, a idade e o conhecimento tem me mostrado que as paisagens mudam, mas o ser humano é o mesmo, acima e abaixo do equador, para o bem e para o mal.

    Quando jovem sempre imaginei mudar em definitivo para outro país. Hoje, não estão nem na minha lista de férias. A propósito, a vontade de usar o passaporte tem diminuído com o tempo.

    Não importa em que cidade do mundo, não existe lugar perfeito e cada um deve encontrar seu caminho para a felicidade.

    Da mesma forma que o esteriótipo do francês esnobe ou do espanhol grosseiro, que aqui é criticado com razão, tenho percebido no blog a repetição destes mesmos esteriótipos contra nosso país.

    O Brasil é um país muito grande que nenhum de nós poderá em apenas uma vida conhecer por completo. Não existe um Brasil, mas muitos. Quantos brasileiros vc conhece? Somos 190 milhões. Quantas cidades vc conhece? O Brasil tem mais de 5.500. O que é o Brasil? Não sei. O que são os brasileiros? Não faço a menor ideia.

    A descrição que vc fez de Sevilha, eu ouvi no mês passado de um amigo… sobre Sorocaba. Sevilha é maravilhosa para os que vivem e são felizes nela, mas Sorocaba tb:-)

    Talvez, Pelotas possa ser sua Sevilha ou sua Sorocaba, ou não.

    O que vc procura não está em lugar algum, está dentro de vc.

    • 10/07/2011 8:46

      Olá Antonio, assim como vc, discordo e concordo com suas palavras. Embora a essência do ser humano esteja dentro dele mesmo, o contexto lhe ajuda (e muito) não só a lhe formar como pessoa quanto ao tipo de vida que você pode levar, que o estado lhe premite levar, que a sociedade contribui a que você leve… Vivemos em conjunto e isso, querendo ou não, influencia na sua vida. Acredito que nos construimos e desconstruimos a cada dia que passa, internamente e externamente. Certamente existirá pessoas infelizes vivendo na Martinica (sonho em conhecer) e felizes em Zimbaue… prova de que seu conceito e formas de alcançá-la são muito relativos… E além do mais para mim não existe “felicidade” em si, mas momento mais felizes, alegres e gratificantes que outros. Quando somos privados das nossas necessidades básicas, não alcançamos a qualidade de vida que desejamos e podemos sim, ser menos felizes. Acho que não cheguei a comentar aqui no BRZ, pois também publiquei este texto no meu blog pessoal (www.coisaparecida.com), mas TODO mundo que já morou fora do país pensa mais ou menos parecido, e os que do contrário, nunca saíram do Brasil, nos criticam por “criticar” o Brasil (sendo que muitas vezes apenas fazemos uma trsite constatação de uma realidade que, embora possa mudar um pouco em alguns aspectos de uma região para outra, de forma geral, é a mesma). Não estou dizendo, de forma alguma, que este é o seu caso, mas acredite, quem provou da fruta de viver fora da nossa terra, sabe como é difícil se acostumar com outro sabor. Abraço.

      • Antonio permalink
        10/07/2011 16:55

        Glenda,

        Não posso falar de coisas que não conheço. Até porque ser empurrado por guias de uma van para outra em pontos turísticos não é conhecer um país.

        Mas minhas queixas do Brasil são muito limitadas.

        Com algum esforço, mesmo sendo de origem muito humilde (meu pai era motorista e minha mãe costureira), obtive tudo aquilo que sempre desejei.

        Consegui completar duas graduações e duas pós. Tenho um emprego que paga relativamente bem, sem que eu tenha que me matar (36 horas/semana no máximo, em média, 20), até o dia da minha aposentadoria que será integral (sou funcionário público). Tenho apartamento e carro confortáveis, próprios e pagos com 36 anos de idade.

        Sou casado com uma mulher linda, inteligente e que é apaixonada por mim (o amor é cego).

        Faço caminhadas de uma hora todos os dias com tranquilidade pelas ruas do rio de janeiro. Não vejo um assalto há dois anos, desde a instalação das UPPs. Faço checkup todos os anos e, em regra, não espero mais que minutos para ser atendido em um plano de saúde empresarial pelo qual pagamos uns 40,00. Faço uma viagem por ano nas férias para o lugar que a esposa escolher e todo o feriadão dá para dar uma escapadinha em uma cidade de veraneio. Paraty é a favorita.

        Estou longe de ser um gênio e conheço várias pessoas com histórias parecidas. O país vive um momento maravilhoso e próspero, melhorando em todos os sentidos, exceto com relação a corrupção política. Até a PMRJ está tomando jeito.

        Vejo tantas obras públicas e privadas, no asfalto e na favela, e a remodelação dos espaços numa velocidade impressionante. OBS: Certamente, uma urbanista como vc evitaria a construção daquela passarela monstruosa na frente da prefeitura. A maior ode ao mau gosto da história da arquitetura moderna. Bem como a derrubada da cobertura do maracanã, que junto com as rampas era o que definia a edificação.

        A comida é barata e só como picanha e mignon, o que é um problema para a barriga. Frutas e verduras frescas custam centavos na feira.

        Não há fila de desempregados, pelo menos em carreiras qualificadas. Meus amigos vivem pedindo indicações para vagas abertas em diversas áreas que não conseguem preencher. Engenheiros e TI são disputados a tapa, sendo normal as disputas por pessoas já empregadas.

        Uma faxina no rio está saindo de 80,00-100,00, isto é, 1600 a 2000/mês. Encontrar um marceneiro é mais difícil do que ouro e mais caro também.

        Concordo com o Edu sobre o problema da falta de comportamento, em particular do carioca. Acredito que esse seja o maior problema da cidade. Contudo, discordo ser uma característica do brasileiro de forma geral. Em outros estados, a coisa varia muito. Considero os mineiros em regra muito educados e discretos e os nordestinos, honestos e trabalhadores.

        Pode ser só ingenuidade ou otimismo da minha parte.

        OBS2: Abraço nada, são dois beijinhos sem fingimento na bochecha.

      • 11/05/2012 0:00

        kkkkkkkkkk é verdade, minha mãe esta a 7 anos em França, sente saudades de tudo e todos, menos da vida difícil…e quando pensa nela, desiste em voltar.

      • Felippe permalink
        02/05/2013 21:51

        Acreditar que viver como servidor público é realização de uma carreira, realmente o Brasil tem muitos esteriótipos que jamais conseguiremos mudar.

      • EncontreseuparaísonoBrasil permalink
        05/05/2013 16:33

        Vcs estão certos mas se esquecem que o Brasil também é muito grande. Há locais muito diferentes. Eu mora fora há 04 anos, cresci muito morando aqui mas quero voltar porque não me sinto em casa: não é meu povo, não é minha cultura e não há minha família por aqui. De onde venho no Brasi (interior) não há tanta violência, o ar é puro, as pessoas são amigáveis e a vida é MT simples… realmente eu nunca voltaria para morar em uma grande metrópole brasileira, mas pro meu interior: posso fazer as mesmas coisas que faço com tanquilidade por aqui na Europa (com exceção da vida cultural)… Até hoje penso que as pessoas que não querem voltar para o Brasil é porque voltarão paras os piores lugares do país… Não conheço ninguém vindo de um cidade boa brasileira que não pense, mesmo que não agora, em voltar… mas é só minha opinião…

      • Cris permalink
        23/05/2013 23:12

        Antonio, que bom que você conseguiu sucesso na vida. Mas e os outros milhões que nasceram e continuam na miséria? Que nasceram e vão morrer na miséria? O Brasil é um país de poucas oportunidades para alguns (para a maioria).. Sou professora em uma escola de periferia. Meus alunos já crescem sem visão de mundo, sem visão de crescimento pessoal, pois não se enxergam fora da situação atual em que se encontram. Não se sentem permitidos a mudar de vida. Alguns poucos irão conseguir, mas a maioria esmagadora não vai nem entrar no ensino médio. E não é porque eles são preguiçosos, poque não se esforçaram, é porque ter uma carreira nunca foi um valor de vida pra eles. Porque eles acham que não são dignos disso. Então, se tu és um desses que nasceu na miséria e conseguiu sair dela, estatisticamente és minoria, és exceção, infelizmente.

      • 25/05/2013 8:37

        oi Cris,

        me permito acrescentar algo, entre os motivos que voce mencionou relacionados com a falta de visão de futuro dos estudantes no Brasil: o desvalor ao esforço para aprender. O desvalor ao trabalho do professor. O desvalor à Educação. Na terra do ‘jeitinho’, pra que estudar e batalhar para construir uma carreira através do trabalho honesto?

        vamulá pessoá! no fim, tudo acaba em pizza…
        e, prá quem souber ‘fazer direitinho’, compensações não faltam.

      • Ricardo permalink
        02/10/2013 15:09

        Os únicos felizes no Brasil, são os que mamam na teta do governo. Ops, quer dizer, os servidores públicos.

      • George permalink
        05/10/2013 18:15

        O Antônio não deve estar acompanhando as noticias do RJ entao, o lixo que está, aliás todo o país, e este está entregue a políticos burros e analfabetos que não sabem nem o mal que estão fazendo a eles e seus filhos e próximas gerações.

    • tathiana permalink
      08/08/2011 15:33

      Super concordo com o Antonio!!! Nos dois posts! Já morei fora por duas vezes e hoje moro no Rio. E acho que o Antonio está certíssimo! A vida é feita de fases, amei as duas em que vivi fora, mas a minha fase atual aqui tb estou amando! Tudo é uma questão de se sentir confortável com o que se tem e é uma prática do ser humano avaliar a situação em que se encontra para saber se está no caminho certo ou não. Eu sou feliz aqui no Brasil!

      • Ana Rodrigues permalink
        20/09/2011 18:08

        Olá, me chamo Ana, e moro em Madrid há dois anos, li o post através de publicação de um amigo no facebook!
        Escrevo pra expressar um pouco um outro olhar sobre a questão… Vim pra Madrid, pois meu marido recebeu uma proposta de trabalho, vivemos em um bairro ótimo, em um apartamento confortável, já fizemos algumas viagens pela Europa e algumas mais já planejadas, tenho cidadania portuguesa, o que facilita muuuuiiiito a vida, tenho direito a tudo como um cidadão da União Européia. Estive no Brasil em agosto por 15 dias pois meu primeiro sobrinho nasceu, gente, por favor, nosso país é maravilhoso!! Concordo com a Glenda no sentido da segurança, na qualidade de vida, e em algumas outras coisas, mas concordo muito mais com o Antônio quando mostra as maravilhas e formas de vida no nosso país! Acho realmente que a felicidade ou os momentos feitos dela estão dentro de cada um, mas na minha opinião não tem preço estar e fazer parte do meu país! Eu que tenho cidadania européia, falo o español, me sinto todos os dias há exatos 2 anos uma fora do lugar completa, o brasileiro machista?! Meu Deus, moro em Madrid, quer povo mais machista do que esse?! Acho incrível ter a oportunidade de conhecer novos lugares, novas culturas, mas a cada vez e a cada nova descoberta, sinto mais ainda um amor enorme pelo minha terra e uma saudade louca do meu povo, um povo simpático, acolhedor, sorridente, que mesmo com tudo de ruim que existe, não desiste e está sempre pronto pra próxima! Dá pra generalizar? Claro que não! Mas isso em lugar nenhum do mundo, em qualquer lugar acredito existir o lado bom e o ruim da coisa, mas o ruim pelo ruim, fico com o ruim do meu Brasil! Acredito sim, que serei feliz no meu retorno, que ainda não tem data, mas espero que seja breve! Sou do Rio de Janeiro, e pouco antes da minha mudança pra cá, morei em São Paulo por 3 anos, quer dizer, vivi em duas grandes cidades, e simplesmente não tenho do que me queixar desse tempo. Se aqui, por um lado, posso voltar pra casa caminhando sem medo de madrugada, no Brasil ao longo do meu dia, ganho inúmeros sorrisos que começam com o porteiro do prédio, ao moço da padaria, o trocador de ônibus, e por aí vai. Muito dinheiro nunca tive na vida, sei que as pessoas e culturas são diferentes há um tempo, famílias com 2 pais, ou 2 mães tenho na minha própria, e realmente acredito que o Brasil pode ser um lugar maravilhoso pra viver! E acredito também que no meu pequeno círculo e mundinho brasileiro posso fazer minha transformação e levar daqui o que aprendi pra fazer ao menos uma pequena parte desse nosso enorme país um lugar melhor!

      • M@ria permalink
        07/05/2013 23:12

        Para mim o comentário do Antonio foi o mais conciso e justo que li aqui até o momento.
        Acredito sim que o Brasil possa ser um país muito bom para aqueles que se esforçam e correm atrás do seu ideal.
        Já vivi fora do Brasil por algum tempo, portanto, acredito ter propriedade no que estou dizendo (se isso for motivo para desqualificar minha opinião), a experiência que tive no tempo em que estive fora é indiscutível e enriquecedora, adorei esse momento e não trocaria por nada a oportunidade de vivenciar uma nova cultura e idioma, de conhecer pessoas incríveis de hábitos culturais tão distintos mas que se tornaram grandes amigos, poder viajar, desfrutar do transporte público de qualidade dentre outras coisas. Mas confesso que estarei mentido se disser que em nenhum momento dessa experiência deixei de sentir falta da nossa comida, do nosso clima, das nossas paisagens, de receber um simples “bom dia” do desconhecido – e por que não de enfrentar a fila do metrô e assim conseguir “semear” uma conversa com alguém (algo que nunca consegui lá fora)? – dar um sorriso para um senhor ou uma senhora, brincar com a criança risonha no ônibus – sem que seus pais se aborreçam –, saudades das nossas gírias, das nossas praias, da nossa música, enfim, da “nossa gente”.
        Pessoas mal educadas, violência, corrupção e muitos outros problemas não são de exclusividade apenas do nosso país, só acho que…os olhos nos mostram aquilo que queremos ver, talvez se “esses mesmos olhos” nos mostrassem as qualidades que vemos em qualquer outra parte do mundo no Brasil, poderemos perceber algo positivo a ser levado em consideração nesse nosso grande país!

    • Naomy permalink
      30/01/2013 2:10

      Europeus as vezes parece que morreram e esqueceram de deitar. Não têm vida pulsante aqui. Nem filhos mais querem ter. Vcs já viram o que é um sueco?! O “ser” sueco! Neve e escuridão metade do ano! Criatividade brasileira dando nó em pingo d’água, pessoas se virando, driblando a sorte – aqui estão falindo mas não descem do salto pra fazer um trabalho manual… O charme do carioca, o Rio é a cidade mais linda do mundo, a praia o lugar mais democrático do Globo terrestre. Mas ainda temos o nordeste com praias frutos e peixes, gente feliz, simples, que acolhe. Brasileiro é mais acolhedor – os estrangeiros muitas vezes vivem na Europa em guetos, sem contato real com a sociedade (sentido amplo) local. Porque no Brasil as pessoas querem dinheiro?! De onde tiraram isso? Mais do que em Londres ou NYC ou Dubai?! Lá sim tem que ralar dia todo e jamais alguém terá sequer uma casa própria para a velhice depois da vida toda num trabalho normal. Há cidades no Brasil seguras, limpas. Concordo com Antônio. Visão parcial de ambas as realidades. Talvez estar fora dê mais liberdade pessoal àqueles que têm relações familiares ou sociais ruins na cidade brasileira de origem… Tudo o que se disse serve pra ambas as realidades, mudando a classe social. Diria que aqui na Europa as pessoas têm mais cultura e honestidade na média – mas nem todos, adoram em muitos países as novelas brasileiras! Ganharam em alguns aspectos mas perderam felicidade. Eu era feliz no Brasil e não sabia.

      • 12/02/2013 13:00

        Bom, isso aí depende não tanto do lugar, mas da pessoa em si… a maioria das pessoas aqui critica o brasil e elogia os países estrangeiros, em particular a europa, pois não conseguem gostar exatamente do tal “jeitinho brasileiro”, da cultura de “balada e festa”, novela, futebol, carnaval etc. que são o pão do brasileiro. Quem gosta exatamente dessas coisas vai mesmo detestar os “frios” suecos. Pra mim essa é a maior diferença, sem levar em conta a segurança e tranquilidade… é a possibilidade de conversar com pessoas que tem uma visão de mundo que vai além de encher a cara, comentar o BBB e querer “comprar um carro zero”

      • Grecia Bell permalink
        12/02/2013 15:56

        Então pq nao volta pro Brasil se está tããão infeliz aí? Agora que a Europa está em crise é facil falar. Mas a verdade é que não temos segurança no Brasil muito menos educação de qualidade para as crianças. Justiça no Senado nem pensar! É uma robalheira só. Olha aí o Renan Calheiros eleito presidente do Senado! Olha aí o Fernando Collor há ANOS MAMANDO NAS TETAS DO BRASIL. Me desculpe mas brasileiro é um povo alegre e sorridente como vc diz mas que que sabe puxar teu tapete qndo quer. Por nao terem educação, são invejosos, julgadores, fofoqueiros, competitivos no mais fútil sentido: quem se veste melhor. Não sinto saudade nenhuma.

        Pelo menos aqui em Washington DC eu tenho segurança, ruas limpas e lindas. Opções de lazer, cultura e esporte a preços acessíveis. No predio que moro tem piscina, academia, sala de TV gigante com maquina de café de graça com biscoitos pros moradores. Eu amo pegar o metrô, ir no centro, entrar nos museus de arte ou de história natural que são GRÁTIS. Aqui é fácil juntar dinheiro pra viajar pra outros países nas férias. Minha irmã é dentista concursada no Brasil e rala muito o ano todo pra conseguir pagar UMA UNICA viagem pro exterior nas férias. Ela ganha uns 5 mil reais por mes e não consegue comprar a casa própria pq os imóveis estão CARÍSSIMOS. Um apto de 2 quartos em Ctba nao sai por menos de 200 mil (nao estou falando de bairros nobres nao).

        Quanto ao Antonio ali em cima, eu ri qndo ele disse das frutas frescas e baratas no Brasil. Cheias de agrotóxico não conta Antônio. Vá no mercado de orgânicos pra ver o qnto vc vai pagar numa bandejinha de morangos. Morangos se nao forem orgânicos na verdade fazem mal pra saúde de tanto pesticida que colocam.

        Eu não sou convidada pelos vizinhos pra ir no churrasco de domingo, mas as pessoas aqui são super simpáticas e educadas. Param o carro pra vc atravessar antes mesmo de vc pisar no meio fio. Toda vez que passo na frente da Casa Branca um guardinha cumprimenta dando bom dia. No bairro que moro tem bastante gente da America do Sul. Fiz amizade com uns brasileiros de outra cidade já, então saudade do Brasil mesmo só pq minha mãe e minhas irmãs estão lá. Se eu pudesse, traria todas elas pra cá.

        Sou enfermeira e estou estudando a possibilidade de validar meu diploma aqui (graça a Deus é possível) e andei vendo, um enfermeiro aqui ganha uns 9 mil reais por mes pra trabalhar 3 dias por semana. Enfermeiro em Curitiba ganha 2 mil reais por mes!!!!!!! Qndo que no Brasil eu poderia sequer comprar um carro? Só as roupas custam os olhos da cara.

        Sou realista e sincera. Acho que esse povo que fala que o Brasil é maravilhoso se refere na beleza natural das praias, e tal. Mas de que adianta viver num lugar onde o povo paga 40% de imposto pra nao ver nenhum retorno? Ano retrasado achei aqui pra comprar castanha do pará no mercado vindas logicamente do Brasil. Adivinha? Paguei mais barato aqui na castanha importada do que se eu tivesse comprado no Mercadorama de Curitiba. Brasileiro é feito de palhaço pelo governo. Se está rindo feliz é pq é ingênuo pra nao dizer outra coisa.

      • Grecia Bell permalink
        12/02/2013 16:01

        Escrevi rápido e saiu errado: Pará.

      • 21/02/2013 3:34

        Marcos Rodrigo – Brasileiro só fala de BBB? as pessoas com quem convivo são ótimas e muitos cultas obrigada! Toda generalização é…

      • Hugo permalink
        05/05/2013 1:12

        Grecia Bell disse tudo. Brazileirada bando de alienado, trabalhando 5 meses por ano pra pagar IMPOSTO e sustentar os coronéis da política Brazileiro é tão otário que paga fortuna por produtos de segunda linha, carros 1.0 sem os “luxuosíssimos” opcionais (coisas de brazil) custando R$ 30 mil… isso é qualidade de vida? Continuem com suas praias brazileiros, eu continuo aqui morando na minha cidadezinha, que graças a Deus fica em SP (poderia ser pior!!!), enquanto invejo e parabenizo todos os que se livraram da insegurança, da corrupção, do jeitinho brazileiro, da malandragem, do funk, do bbb, etc, etc, etc. E o outro Antonio lá em cima, funcionário público se achando realizado na vida… fala sério, tinha q ser brazileiro mesmo…

    • maria permalink
      03/05/2013 22:33

      Muito bem!!!eu tambem vivo aqui na Europa porém eu amo meu país, e ele só 530 anos hai muito que desenvolver porque ele e uma imensidao de país,…………….

      • Pamela permalink
        05/05/2013 15:28

        Exatamente, Maria. Nosso país tem apenas 530 anos vividos a partir de um contexto específico, muitas vezes pautado pela exploração estrangeira (inclusive européia). Sempre acho muito simplório essas comparações que fazem do Brasil com países europeus. Nessas comparações vejo as pessoas apontando os erros presentes no Brasil e os acertos presentes nos países europeus. Mas vejo poucas pessoas indo além disso, questionando os porquês de existirem esses erros e dificuldades no Brasil e, o mais importante (no meu ponto de vista), não vejo ninguém se questionando sobre qual é sua contribuição para que o Brasil esteja com esses problemas apontados e nem vejo ninguém se perguntando o que poderia ser feito para que melhorasse. Não vamos tirar a bunda da seringa, meu povo. Um país é feito de e por pessoas, apenas elas podem transformar o contexto em que vive um país. Na minha experiência de viver dois anos na Espanha, percebi que as qualidades daquele país são frutos das pessoas que lá vivem que, ao contrário de muitos brasileiros, não ficam apenas falando e reclamando dos problemas, eles se incluem como responsáveis pelos problemas que existem e refletem sobre o que podem fazer para mudar. Considerando que, comparado com os países europeus, ainda somos bebês em termos de existência, acredito que ainda temos muito que desenvolver. Se as pessoas que tem a oportunidade de conhecer outras culturas utilizassem as coisas boas vistas nos outros países para construir um Brasil melhor, talvez esse desenvolvimento fosse alcançado mais rápido.

    • 04/05/2013 18:17

      Antonio, Sorocaba não é tudo isso não, seu amigo está um pouco equivocado. Estou morando aqui desde 2007. Minha amiga teve o carro assaltado na rua (era 7 da noite!), abriram a porta do carro com pé de cabra ou algo similar e levaram tudo q estava dentro. Ainda teve alguns casos de amigos da faculdade que tiveram a casa invadida enquanto não havia ninguém lá e fizeram a “limpeza” na casa. Recentemente os alunos do campus da Unesp estavam reivindicando segurança no estacionamento, pois estava acontecendo uma onda de assaltos. Falar que Sorocaba não tem violência e nem crime? Só procurar pra ver o que acontece no Habiteto, na zona norte de cidade…
      Sorocaba é cidade para quem tem carro, dependendo do lugar que vc for, se for de ônibus tem que sair de casa com muita antecedência, contando que aos finais de semana e feriados os horários de ônibus são super escassos. Já morei em 3 bairros diferentes aqui (Jd. Iguatemi, Jd, Europa e no centro) por isso sei a dificuldade de mobilidade com ônibus. Quando morava no Iguatemi, era tudo longe, ainda mais quando se precisava ir ao centro no fds, se perdíamos o ônibus era 1h20 até o próximo. Já tentei andar de táxis aqui, horrível, principalmente quando se precisa de um de madrugada, tem uns que te passam o cartão com telefone e não atendem, fora isso que tem alguns que querem cobrar um preço absurdo, muito diferente de SP, que não é um preço exorbitante para se andar de taxi.
      A cidade é bonita em certos lugares, não se pode generalizar uma cidade inteira apenas por uns bairros. Campolim é o bairro “nobre” com restaurantes, vida noturna, tudo muito lindo e perfeito. Zona norte de Sorocaba, em alguns bairros a rua nem é asfaltada, de terra mesmo!

    • Priscila permalink
      05/05/2013 17:24

      Tá certíssimo Antônio!Moro na Alemanha,e vejo milhares de pessoas com segurança,dinheiro no bolso pra comprar coisas ecologicamente corretas,um bom emprego e ainda deprimidas e infelizes.Lugar bom é aquele onde se é feliz,seja no Brasil,ou em qualquer outro lugar!

    • 06/05/2013 23:06

      Oi Antonio,

      Lendo seu post mais abaixo não consegui ver a cidade do Rio de Janeiro onde morei até Janeiro de 2012 e que visitei a cerca de um ano. E eu morava na Zona Sul, em Laranjeiras (onde cresci e onde meus pais residem até hoje), em apartamento próprio. Como você me formei, pós-graduaei e fiz mestrado no Brasil, na UFF, pra ser bem exata. Só muita resignação para andar de Barca, mas a UFF é a melhor na minha área, e sempre achei amendrontadora a Ilha do Fundão. Bom, em frente ao meu edifício via mendigos tomando banho no chafariz e famílias morando na rua. Uma imundície espalhada por todo o lado (só é um pouco diferente do Leme ao Deck do Leblon – no Leblon é bem diferente! Talvez porque o governador more lá). Fui assaltada em 2011, praticamente em frente a cabine da PM no Largo do Machado e NADA foi feito! Aliás, os meliantes andaram tentando usar meus documentos mês passado, o que me causou vários transtornos! Continuam vendendo droga na Pereira da Silva, apesar de a rua ser o principal acesso ao batalhão do BOP e da favela lá em cima ter recebido UPP. Corria todos os dias de manhã no Aterro e via craqueiros e população de rua pelo parque, apesar da polícia os casos de assaltos são constantes. Em julho passado, quando fui visitar meus pais, presenciei um grupo de funkeiros entrarem no vagão do Metro na Arco Verde e aterrorizarem os demais passageiros. Tivemos de deixar o vagão. Não encontrei um único segurança na Siqueira Campos, onde desci. Li, por volta de duas semanas atrás, que uma menina de 17 anos foi estuprada na praia, não do Flamengo, mas do Leblon. No último mês foram divulgados 3 casos de estupro em transportes públicos e um jogador de futebol foi eletrocutado por um traficante, notícia da Folha. O Rio de Janeiro que você descreveu não é o mesmo que eu vi em Julho passado, não é o mesmo apresentado nas manchetes dos jornais.

      • George permalink
        05/10/2013 18:04

        Tinha o 996 também, eu gostava mais do que ir pela praça XV e barcas.

    • Silcampos permalink
      07/05/2013 22:59

      Oi Antonio, adorei seu texto. Vivi por 7 anos. fora do Brasil, numa cidadezinha medieval, linda e de alta qualidade de vida. Tinha casa e emprego, amigos e estrutura. Vi que a vida pode ser muito boa com pouco dinheiro, depende do governo que nos sustenta, porem, nunca me senti tao deprimida com tanta coisa boa. Voltei. Aqui tambem nao foi bom no incio, mas agora, apesar de saber do caos que o Rio é, nao penso em morar na Europa outra vez, tenho ate saudade do que é bom, pois o que é bom não se esquece, nè? Mas me dá preguiça do povo e suas chaturas. O melhor lugar do mundo é onde vc se sente em casa. Tentar detonar o Brasil pra se sentir melhor pela opção tomada, acho que é uma visão limitada e preconceituosa. Saudaçoes a todos!

    • Hanna Souza permalink
      08/05/2013 1:40

      Achei seu texto Glenda,bastante interessante.Está mais Espanhola que Brasileira.O Brasil é realmente um país de muitas desigualdades,de muitos contrastes e talvez seja isso que o torna um país tão especial.Acho que assim como as pessoas,todos os países têm suas características,seus defeitos,suas particularidades,desigualdades,diferenças sociais,todos os tipos de preconceitos e por aí vai…Antônio,parabéns pelo texto!me emocionei muito.E concordo plenamente com você.País perfeito,não existe!O melhor lugar para se viver,é realmente onde se é feliz!

    • Vania permalink
      10/06/2013 11:43

      O problema principal é a violência. Simplesmente não tem como se sentir segura em Pelotas ou Sorocaba, mas sim em Sevilla ou muitas das cidades européias.
      Esse é o principal problema do Brasil e que não vejo solução tão cedo. É muita violência, muita insegurança. Seja andar no centro da cidade (mesmo pequena como Pelotas) sem ter medo de ter sua bolsa, carteira ou celular roubados ou do medo de voltar da academia as 21h e ser estuprada, assassinada por não ter carteira, bolsa, celular para entregar ao bandido. A vida no Brasil não vale nada. Criminosos são inúmeros e estão em toda parte, até nas menores cidades no meio do nada, onde nem tem academias abertas até às 21h, mas estupro, assalto e crime tem. E não vejo melhoras nisso, pois não vejo criminosos sendo punidos no Brasil. Muito diferente da Europa, que põe criminosos onde eles devem ficar, na prisão.

      • Roberto permalink
        11/10/2013 2:01

        Essa questão relatada de insegurança no Brasil e de segurança na Europa, tenho duvidas. Quando estive na Europa fui alertado para ter muito cuidado com assaltos em Madri, também em conversa com outros turistas brasileiros, tive conhecimento não de um ou outro, mas de quantidade razoavel que NUNCA tinham sido assaltados no Brasil, mas que em Roma foram assaltados, em Madri levaram tudo o que tinham entre outros relatos (e novamente era alertado para se ter cuidado com assaltos e roubos). Enquanto tive na Europa os pedintes são perigosos e insuportaveis e ameaçam que tem HIV e mostram suas unhas. Aqui no Brasil, nunca nenhum pedinte me ameaçou e olha que vivo em São Paulo. A Europa tem muitas virtudes e qualidades que me impressionaram e conheci Europeus muito simpaticos e de um carater incrivel além de possuirem um senso de honestidade admiravel que me deixaram encantado além de serem educados e atenciosos, mas também “presenciei o contrário”, ou seja, presenciei europeus com atitudes opostas (mal educados, grosseria, arrogância, PRECONCEITO entre outras atitudes reprováveis). Todo ano irei para la e no ano que vem estarei na Europa novamente (sempre como turista), pois adoro a Europa e sou fã desse continente lindo e maravilhoso, mas essas comparações injustas feitas ao Brasil que estão sendo feitas nos comentários acima rebaixando o Brasil no texto não condiz com a realidade. E um outro porém, quando acontece uma guerra ou terremoto, todos os brasileiros que estão nesses locais de uma ora para outra procuram suporte para voltar ao Brasil. E em relação a Autora sugiro que a mesma fique onde esta, pois de cá no Brasil como cidadão PATRIOTA irei lutar pelo meu querido e amado Brasil e fazer a minha parte em procurar soluções para que problemas sociais sejam amenizados (porque perfeição não existe) e em resposta a outros comentários que li acima, digo que sou Brasileiro e conheço muitos Brasileiros que como Eu não pensam em bbb, samba e futebol, mas sim, valorizamos a cultura linda do nosso Brasil e não temos a sindrome de vira lata de achar que os estrangeiros são Deuses e nós brasileiros somos inferiores, pois como vi em uma entrevista de um médico brasileiro conceituado que esta nos Estados Unidos, o mesmo comentou que são eles Estadunidenses (sim Estadunidenses, que de forma burra e ignorante são chamados de americanos de uma forma como se a América fosse apenas os EUA, pois nós Brasileiros, os Argentinos, Mexicanos e todos que nasceram na América somos AMERICANOS) que tem medo de nós Brasileiros e fiquei impressionado em ele dizer com orgulho que era Brasileiro, para isso basta ver como os Estadunidenses estão espionando nós Brasileiros.

    • cyro permalink
      16/06/2013 15:22

      Bem….não concordo absolutamente, amigo Antonio. Eu, a propósito, conheço todas as capitais e as 3 maiores cidades de cada estado brasileiro,por força de executar obras civis pelo Brasil durante 18 anos. Sou hoje aposentado e bem mais velho do que vc, e viajo a Europa quase que todos os anos porque tenho filha e parentes de minha mulher na Espanha e na Alemanha. Infelizmente eu também gostaria de adotar uma atitude patriótica quanto as questões levantadas, mas o que a experiência me ensinou é que educação e cidadania são as coisas mais importantes para tornar um local “bom para viver”, pois que são o verdadeiro elemento transformador do ser humano, das políticas de segurança, transporte, saúde, cultura, lazer, etc. Alguns paises, como a Alemanha, a Coreia do Sul e outros já entenderam isso há muito tempo e dessa forma ressurgiram das cinzas Aí está o deficit do Brasil. O Brasil está degringolando irreversivelmente nesses quesitos pelo menos desde os anos 60, e eu sinto muito, sofro ao constatar que não há luz no fim do túnel. Vejo as coisas piorarem por aqui ano a ano, e já perdí a ingenuidade de acreditar numa solução, E estou também eu, a pique de me mudar e curtir em paz o outono de minha vida com alegria em algum bom pais do exterior. Bye bye Brasil, a última ficha caiu

    • Leila permalink
      04/10/2013 22:58

      Concordo com a análise do Antônio. E eu posso completá-la com a minha experiência, vivi dez anos fora do Brasil e voltei há mais ou menos 8, não estou arrependida como alguns que comentaram aqui. Não descarto a possibilidade de um dia voltar a viver em outro país, mas não pelas razões citadas, na verdade, mais pelas razões que o Antônio citou. É uma certa inquietude, uma vontade de conhecer outros lugares, não simpatizo com essa ‘malhação’ do Brasil (se for com Z, então me dá náuseas), acho que é procurar o culpado errado. Problemas há aqui? Sim, problemas há em outros lugares, eu vivi nos Estados Unidos e não tenho a menor vontade de voltar pra lá, já outros que escreveram aqui se sentem bem no país, depende do que cada um procura.

    • Paulo Kasparian permalink
      08/10/2013 18:32

      Concordo com vc. plenamente.

    • 09/10/2013 12:54

      Perfeito Antônio, conheço vários outros brasis, trabalho em cantos que a maioria dos brasileiros não vão, trabalho com comunidades indígenas, e posso te dizer que é um outro mundo, maravilhoso de estar dentro, não viveria isso se morasse na Europa. Tenho amigos que já moraram fora (EUA, Europa) e adoraram, e outros que moraram fora e não gostaram, enfim…

    • Francisca permalink
      13/10/2013 19:48

      Adorei.

    • neusa fragoso permalink
      20/10/2013 11:09

      Moro em Portugal faz tempo. Conheço Londres e Amesterdam. E a conclusão a que chego é que brasileiro gosta mesmo é de falar mal do seu país. Tudo que aqui foi dito a favor ou contra o Brasil e tendo eu conhecido brasileiros por onde passei, além de outros emigrantes, me apercebi que EM TODO LADO tem o bom e o mau, e o grau de qualidade varia de acordo com o padrão de vida que cada um tinha em sua terra natal antes de emigrar. Tudo é muito relativo. Eu NUNCA fui assaltada no Rio nem NUNCA tive segurança nas portas, pois aos TRÊS meses de Portugal (isto em 1998) meu filho foi assaltado por 5 pivetes. O mais velho com 15 anos e o mais novo com 7! Isto para não comentar que um policial deu o meu endereço à mãe de um deles e que não me largou a porta durante uma semana, tentando me convencer a tirar a queixa contra o filho! TENHO segurança na porta porque i prédio já foi assaltado 3 vezes!
      Não dá para comparar alhos com bugalhos! E realmente cada um tem que fazer suas escolhas de acordo com as suas necessidades. E alguém disse um dia que a nossa casa está onde está nosso coração. O problema é quando o coração está dividido ao meio!
      Fiquem todos bem.

    • MARIA permalink
      21/10/2013 12:26

      OLÁ AMIGO ANTONIO; GOSTEI DO SEU COMENTÁRIO EU ACHO ISSO TAMBÉM, TUDO ISSO ESTÁ DENTRO DE CADA UM NÓS É QUEM DECIDIMOS O NOSSO CAMINHO OU; DESTINO COMO COSTUMA-SE DIZER….É BEM POR AÍ…

  7. Jeanine Almeida permalink
    13/07/2011 2:00

    Oi Glenda. Eu amei o seu post! Quando estive em Curitiba no final do ano passado/início deste ano, eu senti que seria muito difícil voltar a viver no Brasil principalmente por causa das diferenças sociais e futilidades às quais parece que temos que nos submeter. Chegou a me dar nojo assistir umas partes das novelas da globo e ver tanta futilidade em um país com tantos problemas.
    Depois de morarmos fora nossos olhos e nossa percepção muda muito e é muito difícil explicar para alguém que nunca morou fora do Brasil como passamos a enxergar as coisas.
    Mas para os ricos e para os funcionários públicos como o Antonio, que não têm que trabalhar 50-60h por semana para conseguir manter o emprego, que não precisam usar a saúde pública ou o transporte coletivo, o Brasil ainda pode se muito bom para se viver.
    Um casal de amigos nossos decidiram voltar para SP depois de 4 anos aqui na NZ para que a filhinha deles, que nasceu aqui, pudesse conviver com a família no Brasil. Depois de 2 meses e estando trabalhado 10-12h por dia, enfrentar o caos do trânsito e todos os outros problemas, eles terminaram o email que me enviaram dizendo “A gente era feliz na Nova Zelândia e não sabia”.
    Beijos e parabéns pelo seu excelente post.

    • 21/02/2013 3:37

      Acho mesmo que ha pessoas muitos felizes e realizadas fora do Brasil, mas olha não sou funcionária pública nem rica, tenho uma profissão desgastante (contadora) mas nunca na vida precisei trabalhar 50-60h p manter emprego, tenhamos cautela ao falar do Brasil pessoal

      • maria permalink
        03/05/2013 22:43

        Voce e como eu defensora do Brasil, porém os proprios brasileiros falam mal do brasil aqui, assim si no brasil as pessoas sao mal como eles e o que será que pensam deles aqui quando falam mal de sua patria. Uma coisa eles nao dizem que os europeus sao racista com os latinos americanos nada mensiona isso, e que a maioria trabalham de forma inferiores e estao falando mal do brasil e chamando os seus compatriotas de mal educado entao o que pensarao os daqui dos brasileiros que falam mal de seu proprio país????????

    • Nao gosto de bagunca, portanto, odeio o Brasil permalink
      03/05/2013 14:57

      Morei 7anos na Australia e so voltei porque minha mae precisa de alguem para cuidar dela, e infelizmente nao eh possivel contratar alguem para cuidar dela, pois aqui no Brasil nao se confia em ninguem, eu digo, NINGUEM.

      Percebi que as pessoas que gostam do Brasil sao, de duas, uma: ou tem uma qualidade de vida boa, ou gosta do estilo de vida Brasileiro.

      A sogra do meu primo tem condicoes financeiras boas e vai para os EUA comprar roupas e acessorios. Ela tem uma colecao de sapatos diferente para cada estacao, e quando uma estacao termina ela joga os sapatos fora. Por esses poucos e muitos outros motivos, acredito que ela e a familia dela possam gostar de morar aqui.

      Essas sao as pessoas que gostam de morar no Brasil: as pessoas que gostam de falar alto, agir com falta de educacao, ter o “jeitinho Brasileiro” para resolver as coisas (errado e disonesto), gosta de ver pornografia na rua e em todo lugar, gosta de ouvir essas musicas com letras de teor imundo, gosta de usar essa “mascara” todos os dias, querendo parecer uma pessoa que nao eh, muitas vezes financiando um carro zero para o resto da vida e ficando com as contas da casa atrasada so para mostrar para a sociedade que ele/ela tem um carro zero, gosta de reparar os outros e criticar o jeito de se vestir dos outros, nao faz amizade com pessoas de profissao que ganham menos, etc.

      Ate hoje nao consigui ter uma noite sequer de sono tranquila por causa desses Brasileiros grossos e egoistas que querem se exibir e ficam passando com suas motos com o escapamento desregulado somente para “fazer barulho” e mostrar para os outros que eles tem uma moto. Sem contar os babacas que ficam passando com o carro com o som alto tocando esse lixo de funk que so fala besteira.

      Nao conseguir dormir porque os vizinhos ficam berrando nas janelas e nos portoes para conversarem com os outros vizinhos depois das 11pm eh tipico de Brasileiro. Nunca que na Australia eu passei por isso.

      Claro, se voce mora em um bairro nobre no Brasil, provavelmente voce nao passa por isso, mas quer coisa pior do que ter que olhar esses Brasileiros que tem dinheiro e acham que sao reis? Eles sao arrogantes, insuportaveis, nao tem nada na cabeca, a nao ser a intencao de sempre querer mostrar que eh melhor do que os outros (melhor em ser nada, pois eles nao sao nada).

      Nao tem absolutamente nada barato aqui no Brasil. Frutas, roupas, telefone, contas, carro, cinema, produto de limpeza, imovel, convenio medico, etc., tudo eh MUITO mais caro aqui que nos paises de primeiro mundo.

      PARA AQUELES QUE DEFENDEM O BRASIL E GOSTAM DAQUI: continue aqui! Por favor nao va morar no exterior, pois voce vai estragar o lugar para onde voce for. Por favor, se voce gosta de porcaria e faz porcaria, continue nessa porcaria.

      Para os que gostam do Brasil, juntem as maos com os politicos, corruptos, policiais, bandidos, marginais, baderneiros e continuem desfrutando deste projeto de inferno na Terra.

      • Mariana permalink
        04/05/2013 13:22

        Meu Deus encontrei alguem que fala como eu .Voltei da espanha tem um ano e nunca mais consegui ser feliz .Tenho pavor de tudo aqui mencionado por vc, mas devo dizer que não é o pais é o povo,o pais é só mais uma vitima de quem o governa.

  8. 14/07/2011 16:44

    Adorei o post e os comentários. Sobre os comentários do Antônio acho que tudo é muito relativo. É o que a Glenda falou tem pessoas felizes e infelizes vivendoem cada lugar, tudo depende da situação da pessoa. Acho que o Antônio fala de uma realidade diferente. Sim, aquele velha história do Brasil de mil faces. Eu vivo no mesmo Rio de Janeiro que você e sou louco para viver uma experiência maior fora do País (morei 6 meses na Holanda). Está sendo difícil a readaptação aqui. E olha que eu tenho uma carreira relativamente boa (sou Gerente de Projetos), já cheguei ao Brasil empregado, sou certificado, etc.. Mas a realidade que eu vejo é outra. Voltei a morar com a minha família no bairro da Pavuna e tenho a oportunidade de conviver com realidades totalmente diferentes como a trabalhadora que faz três diárias por dia para ter dinheiro para pagar as passagens do filho na universidade do ProUni. Com casos de desempregados que estão a tempos tentando emprego e não conseguem (a fila do emprego continua grande – apesar da demanda), com casos de familias que precisam acordar de madrugada e ir para fila no hospital para tentar pegar uma senha para ser atendido num posto de saúde caindo de velho. Sabe, estive em Santiago outro dia conversando com um amigo e comentando essas coisas e ele desanimou de vir aqui ao Rio.. Eu não havia entendido o porque, ele me disse que o Rio que conhecia era outro e me apressei prontamente para explicar que o Rio dele estava intacto mas que esse outro Rio existe, não muito longe do centro. Não é que esse tipo de problema não exista, como a Glenda disse, os imigrantes (principalmente ilegais – eu conheci muitos na Holanda, porque fiz amizade com uma colombiana que limpava a minha casa) sofrem mais porém ainda sim, o nível de desigualdade não é tão grande como o nosso Brasileiro. Me extendi no comentário mas acho que a questão voltar ou não que foi tratada no início tem muito peso quando pensamos no tipo de realidade ao qual vamos viver. É dificil imaginar para quem tem uma vida fora dos padrões classe média brasileiro (mesmo com um salário acima da média) viver sem um carro, numa casa alugada, com orçamento livre até o fim do mês.

    • silvia permalink
      02/05/2013 22:17

      concordo plenamente com vc Roberto.Eu moro na Suiça a 8 anos com marido e filhos brasileiros. É muito bonito ver a felicidad do meu povo e realmente quando eu vejo reportagens do brasil me da um aperto no coraçao afinal de contas é minha raiz,mas ai eu penso nos meus filhos,na segurança e na comodidade q eu tenho aqui ai passa na hora. Na Suiça eu tenho com a minha familia a liberdade q nunca teria no Brasil e quanto mais dinheiro vc tem mais na mira do fogo vc esta,nao sabe o que é pior se é ser rico com perigo de ser sequestrado ou ser pobre e trabalhar q nem um desgraçado, entao muito obrigada e boa sorte pra quem esta la ou quem quer voltar. Alias pra quem tem a ideia de voltar eu dou um conselho de irmao mesmo—- NAO VA kkk—- ja fiz essa besteira uma vez agora so se for da vontade de Deus mesmo

  9. Renata permalink
    16/07/2011 2:00

    Você simplesmente disse toda a verdade!!
    Eu morei por 06 meses em Sevilla e posso dizer que senti as mesmas coisas que você!! E que fiquei com a mesma questão na hora de voltar ou não, infelizmente não pude escolher muito, pois não pude renovar o meu visto e acabei voltando!
    Já faz 05 meses que estou de volta a louca São Paulo e ainda não consigo me adaptar aqui!
    Pode ser pelo fato de que na Espanha eu tinha uma liberdade e independência que eu não tenho aqui, lá eu morava sozinha e tudo mais ou também pode ser por causa de um pequeno e terrível detalhe de que minha casa foi invadida por 3 assaltantes na minha primeira semana de Brasil..
    Qualquer que seja os motivos, a questão maior é que hoje em dia nem mais a família me tira o desejo incontrolável de querer voltar a viver na Europa! Assim que possível, eu volto, mesmo que não seja pra Sevilla.
    Eu amo o meu Brasil e tenho muito orgulho de ser brasileira, mas infelizmente não quero passar o resto da minha vida aqui..
    Tenho ainda a esperança de que o Brasil vai evoluir muito e melhorar! E acho que se cada pessoa que conheceu essa outra realidade, esse outro jeito de viver (melhor) passar pelo menos uma parte desse conhecimento para os familiares e cada um mudar, nem que seja em apenas um ponto (e isso inclui você mesmo, porque não adianta ser certinho na Europa e acabar com o seu próprio país), assim, aos poucos, o Brasil (e porque não o mundo?) vai melhorar! =D
    Enfim, foi muito bom ler o seu post! Agora não me sinto tão mal por não querer voltar ao Brasil (apesar de isso ter acontecido).
    Boa sorte pra você!! E por favooor, passe um dia ao lado do rio Guadalquivir, tomando um solzinho por mim?! hehe
    Bjos

    • 16/07/2011 8:40

      Renata, quando passar o calor insuportável pode ter certeza que voltarei ao rio!

    • 10/02/2013 18:22

      oi Renata, só tenho uma frase para voce: nunca desista de ser feliz!
      eu escrevi um comentário para a Glenda, talvez te interesse ler.
      se vier à Bélgica, terei prazer em te mostrar um pouco do tanto que amo aqui.
      repito: NÃO DESISTA DOS TEUS SONHOS.

  10. 17/07/2011 22:25

    Gostei muito do seu post e não tenho coisas a acrescentar. Eu voltei da Espanha fazem 5 meses e foi uma decisão difícil depois de 3 anos aí. Ainda não sei se ficarei o resto da vida aqui, mas tenho certeza que por enquanto essa era a melhor decisão a ser tomada na minha vida. Acredito que voltarei a esta condição de expatriada algum dia. Porque gosto da experiência, porque a gente aprende muito e porque esse tipo de desafio é o que me faz feliz.
    Enquanto isso disfruto do calor da terrinha, do aconchego da família e amigos e da delícia de falar o nosso português até cansar a língua ;)

    Tudo de bom pra você e para todos os que estão “fora de casa”.

  11. Tito permalink
    18/07/2011 1:50

    Olá…
    Li o seu post muito atentamente.
    O Meu sonho desde pequeno é ir viver para o Rio de Janeiro! É! Mas quando penso nisso tudo, não sei até que ponto trocava a minha cidade ( Porto ) o meu país ( Portugal ) por algo que é tão belo como de feio…
    Sim, aqui tenho segurança, posso andar na rua a qualquer hora do dia e noite e em qualquer lugar sem qualquer problema de ser assaltado ou em ser raptado etc
    Também tenho acesso a sáude pública, onde a média de espera é avaliada por caso de emergência ( normalmente se for verde é no espaço de 1h, 1h30, sim porque se for laranja o tempo já diminui consideravelmente, então se for vermelha és logo praticamente atendido! )
    No caso da educação, falo no caso das escolas públicas ( onde, existe internet sem fios, laptop’s para os mais carenciados, almoço gratuíto para os mais carenciados ) um jovem aqui só não aprende se não quiser, porque de resto o estado dá muito boas condições para um jovem se instruír!
    Quanto a nivel de transportes a cidade está muito bem servida seja ele qual for o tipo de transporte Bus/Metro/Elétrico/Comboios, embora os horários do Metro podiam ser 24h por dia pois param da 1h da manhã até ás 5h30!
    A nivel de apoios sociais a população, o estado Português sempre cuidou bem das pessoas a nivel geral populacional, sejam eles Portugueses ou imigrantes!! E nisso até os Portugueses em geral não se podem queixar não!
    Em geral não vejo desigualdades, porque as coisas estão lá, só não vê quem não quer! As vezes as pessoas se queixam na televisão, mas isso é puro jornalismo das 20h! Hora de jantar, normal, politics!!!! Simple!!
    E repare, segurança, sáude, educação, e outros fins, não são somente para os portugueses!! Mas sim para a população em geral, seja qual for a sua nacionalidade!
    Sim, claro, nem tudo são rosas…aqui por ex: falta um pouco de justiça, nomeadamente para os crimes de colarinho branco ( senhores do poder ) porque para o resto ai a justiça funciona e é bem rápidinha!
    Podiam também melhorar a economia no sentido de arranjar mais trabalho para as pessoas, podiam também aumentar os salários, sim, podiam bem!
    Mas é como vc própria disse, dinheiro não é felicidade nem garantia da mesma! Aqui sim, podes ser feliz com pouco e levares uma vida conforável!

    Besos, Tito

    • Marco permalink
      04/02/2013 4:25

      Desculpa, eu viví 4 largos años no Porto…Sai de dois trabalho sem cobrar o acerto salarial, contrai uma doença na mão esquer da e Quando fui tratar os donos da empresa não Tinham o seguro pago! O Portó cai a troços e a segurança Já FOI boa! Portugal não se comporta bem com os imigrantes e o preconceito alí é muito forte, para vcs os Brasileiros são Gays ou ladrões e las Brasileiras Prostitutas! Vivo em España a 5 años , amo o Brasil e tenho Saudades…não sei ainda se volto o que sei é que sou feliz..e acho que vou ser onde estiver! Obrigado pelo post! Um Abraço a todos os Brasileiros!

  12. Edilson Malcher Muniz permalink
    06/08/2011 2:55

    Eu gostei do post e dos comentarios do Antonio, nunca morei no exterior, mas tenho uma experiencia “parecida”, sou de Santarem – PA e moro em Fortaleza – CE, faco engenharia, aqui eu tenho alguns privilegios como a infraestrutura de uma grande cidade e tenho os problemas das grandes. cidades, como a falta de seguranca, concordo com o Antonio, o problema destes posts e que eles sempre generalizam o Brasil, como se o Brasil fosse so Rio e Sao Paulo e mais algumas cidades, a verdade e que toda grande metropole tem os seus problemas agravados, Londres ou NY tambem tem problemas de seguranca, so ver que horas termina a festa de virada do ano na Times Square, isso sem falar dos atentados nestes paizes, se vc quizer comparar Sevilla com alguma cidade brasileira compare com Campo Grande, ou Natal ou outras tantas cidades que tem uma boa qualidade de vida, toda vez que volto de ferias para Santarem eu esqueco que existe assalto, onibus lotado e outras diversidades das grandes cidades, entretanto sim, concordo que para o cidadao comum, que paga.seus imposto e que vive na Europa e North America existe respeito pelo seu dindin e estes recebem pelo que pagam, mas em lugar algum existe essa historia que nao precisa de dindin para viver, nao traz felicidade, mas traz uma seguranca e conforto nao importa aonde vc esteja. Eu tenho uma vontade enorme de conhecer outros paizes, nao so a Europa e paizes de primeiro mundo, mas o mundo todo, pq o mundo e mto grande para nascermos e morrermos no mesmo lugar, pq ha mto o q conhecer, pessoas a encontrar, trabalhos a realizar e emocoes a sentir, o seu lugar certo e onde vc esteja feliz, independente das condicoes de vida. (desculpe o texto sem acentos, e dificil digitar textos pelo ipod XD) bjos e t

  13. evandro permalink
    17/08/2011 22:57

    Adorei seu post, mas colocando em questão as circunstâncias relacionadas ao brasil. você não precisaria ir tao longe para viver o que você esta vivenciando na Europa, sendo que brasil e um pais continental e que tem vairas culturas, existe santa catarina região sul do brasil que e tao aconchegante quanto a Europa .

  14. alexandra permalink
    24/08/2011 17:52

    MINHA QUERIDA…..como todos os outros comentarios eu nao acrescentaria ou tiraria nada….eu nao sou brasileira,moro no brasil faz 2 anos mes que vem…desde os meus 16 anos que moro fora da minha terra natal…(PORTUGAL)…..ja la vao uns 10 aninhos….morei em londres por 8 anos….e foi la que conheci meu marido que no caso e brasileiro….do mesmo jeito que vc se questionava …..a gente decidiu arriscar e voltar pa o brasil(no meu caso…me mudar pa o brasil)….eu nunca tinha morado aqui antes ….as vezes que vim no brasil foram de ferias e cm mt dinheiro no bolso pa gastar….kkkk…agora tanto eu cm o meu marido ja pensamos na hipotese de voltar pa europa…..a gente nao se pode queixar mt da vida que temos aqui mas mesmo assim nao nos sentimos seguros pa criar a nossa filha de apenas 2 anos aqui….eu como qualquer mae quer dar o melhor pa s seus filhos e no brasil nao e facil ……a educaçao,a saude publica….etc.querida sei k e dificil tar longe de quem mais amamos….mas nao tem nada melhor do que vc deitar a cabeça no travesseiro e dormir descansada sem se preocupar se vai ter dinheiro pa pagar o cartao de credito…kkkkk….um beijo no coraçao de alguem que ja teve essa vida e ta querendo ter de novo….

  15. thais permalink
    28/08/2011 5:01

    Nossa adorei o post. Me deu até vontade de ir p/ espanha, e olha que meu objetivo principal é um país que fale ingles…adorei e meu maior ‘medo’ ao sair daqui é nao querer mais voltar..

    • Leonardo permalink
      04/10/2013 2:51

      Estou pretendendo ir para Europa aperfeiçoar o inglês e trabalhar durante seis meses e o meu maior medo é não querer voltar mais! Por isso penso em ir antes de acabar a faculdade pra ter um motivo pra voltar.. E é um medo grande que eu tenho!

  16. Tina permalink
    03/09/2011 18:45

    ola gente, tudo bem? achei este otimo blog por acaso. ha16 anos na suiça, estou voltando para minha terra natal, belem do para, no proximo ano. depois de morar tantos anos em Zurique, cidade com melhor qualidade de vida do mundo, em minha opiniao, estou anciosa pra voltar pra casa. estou cheia de projetos e muito otimista. sempre aproveitei o tempo aqui estudando muito e trabalhando, mas sem deixar de aproveitar a vida. amo a neve, o frio e a vida. eu sei que a vida no brasil e dificil, sobretudo pra se fazer negocios. mas eu volto com a purpose de dividir com meus conterraneos o que aprendi por aqui, assim, o que eu posso fazer pelo brasil e nao o que o brasil pode fazer por mim. abrir um negocio, gerar empregos, isso sim me motiva. Aqui vivo muito bem e vou pelo menos 2 vezes ao ano ao Brasil, apesar disto a cada dia, mes ou ano que se passa a saudade so aumenta. nao me desligarei para sempre da suiça ja que tenho uns bens, famila e amigos por aqui. Voces conhecem um bom padeiro que pudessem me indicar? contrato de trabalho de 1 (um) ano com possibilidade de esticar ate dois anos. obrigada por sua ajuda. tina.helbling@hispeed.ch

    • 10/02/2013 18:24

      boa sorte!

    • silvia permalink
      02/05/2013 22:30

      espero que de tudo certo pra vc Tina. Eu ja tive esse sonho do Brasil tentei, foi um pesadelo e estou aqui de volta na Suiça, realmente espero q de certo pra vc de todas as maneiras 16 anos aqui vc ja praticamente é suiça e se nao der certo volta como eu fiz. Nao é pq nao deu certo pra mim q pra outro nao va dar tambem by: Neuchatel

  17. Victor permalink
    06/09/2011 0:30

    Morei fora por 2 anos(Boston), nunca cogitei realmente ficar de vez por la por causa da familia e dos amigos que ficaram, principalmente da familia. Nesse tempo que passei longe do Brasil, passei por bons e maus momentos, e curti muito todas as vantagens/facilidades/seguranca do pais, mas por outro lado senti muita tristeza tambem, tristeza porque percebi que muitas coisas nao sao tao dificeis de serem implementadas, e que o Brasil poderia ter aquilo tambem, podia ter ateh mais e melhor, tinha tudo para ser o melhor pais do mundo (dinheiro, clima amigavel, extensao territorial, pessoas bem formadas, pessoas bem intencionadas, populacao grande, solidariedade, ausencia de guerras, praias lindas, montanhas lindas, campos lindos, comida deliciosa, MPB, bossa nova, axe, tem tudo que tem de melhor no mundo) e no entanto, por algum motivo que eu nao entendo bem (e acho que nunca vou entender) a massa do bolo desanda, aparece a corrupcao, a lei de Jerson, a violencia, e o Brasil continua sendo o eterno pais do futuro. Ainda bem que o brasileiro tem tambem esperanca… Parabens pelo texto!

  18. Ademar permalink
    08/09/2011 1:49

    Olá!!

    Gostaria de deixar meu contato para quem quiser tirar dúvidas sobre bagagem desacompanhada para o Brasil.

    e-mail: ademarcomex@gmail.com
    Skype: ademar.admcomex

  19. 20/09/2011 0:35

    BRAVO !! Não li os outros comentários, mas foi impossível fechar a pagina sem te deixar algumas palavras.
    Moro na França ha 5 anos, Você tem razão em cada paragrafo, cada frase, cada palavra!
    Não vou dar opinião sobre voltar ou não. Acredito que isso é decisão pessoal.
    Gostaria apenas de lembra-la sobre o “Valor Agregado” de você mesma.
    Tivemos a oportunidade, porque não devolve-la para a sociedade?
    Incentivar o próximo, colaborar, trabalhar passo a passo para vivermos em um mundo melhor? Alguém construiu a França e a Espanha para elas serem o que são… Topa construir o Brasil que eu você e tantos outros sonhamos?
    Boa sorte na sua caminhada querida.
    Abraços

  20. Gláucia Gonçalves permalink
    29/09/2011 11:34

    No seu lugar eu não voltaria!!! Não vejo a hora de arrumar um outro país pra morar e me beneficiar de tudo isso que você disse: trabalhar pra viver e não viver pra trabalhar. Qualidade de vida é tudo! Sem contar na violência crescente do Brasil, algo que parece não ter fim!

    • Jane permalink
      06/05/2012 14:47

      Hummm….a pessoas que vivem nos EUA ou Europa tem qualidade de vida melhor que no Brasil sim…MAS TRABALHA-SE MUITO,HEIN….Se for com o pensamento trabalhar pra viver /viver pra trabalhar..melhor ficar no Brasil mesmo.

      • silvia permalink
        02/05/2013 22:38

        é verdd Jane, eu nao trabalho por isso ja nao tenho do que reclamar mesmo e meu marido passa realmente o dia todo no trabalho so que ele vai de carro numa estrada super boa um trabalho super bom mas vale-se lembrar q ele vive aqui desde criança e pra quem chega de para-quedas nao é facil nao. Quem tem papel trabalha muito e pra quem nao tem trabalha muito mais..so que eu prefiro aqui mesmo se trabalhasse eu vejo o meu imposto sendo aplicado de forma correta

  21. cleuder dias de morais permalink
    08/10/2011 18:11

    ola pessual!
    BRASIL/ITALIA duas naçoes dois mundos completamente diferentes.
    vivo aqui na italia desde 04/2000, como todo brasileiro que foge para o esterior atraido pela curiosidade de viver num pais onde nao “existe disigualdade social”, melhor condiçao de vida, mas hoje como em todo o mundo, as coisas estao mudando italia nao é mais aquela e o mesmo com o brasil que nao é mais aquele, italia deu e contribuil para o crescimento tecnologico industrial e hoje daqui sai grandes maquinas industriais em rumo ao brasil e tantos outros paises mesmo daqui paises ditos europa do leste, maquinas que aqui sao sucatas estao fazendo a revoluçao industrial nestes paises (brasil incluido) ainda hoje. me lembro de quando era criança houvia dizer que ia chegar um dia em que as maquinas iam tomar o lugar do homem e isto ja acontece por aqui ha muitos anos isto fez com que a mao-de-obra tenha se espostado para paises mais pobres ditos 3° mundo e aqui os homens sofrem sem trabalho e com toda esta confusao economica mundial as coisas estao ficando cada vez mais pior e o brasil melhorando “até quando!?”. toda europa italia incluida, houve um crescimento gradual e hoje tem uma mentalidade mais afinada mais lapidade em todo sentido, tudo aqui funciona, todos teem tempo para tudo o que eu nao tenho hoje compro amanha sem pressa. o brasil esta passando por um processo de evoluçao muito rapido sem tempo de lapidar os costumes da nova geraçao tudo muda num piscar de olhos e a populaçao procura agarrar tudo ao mesmo tempo sem se preparar bem para a nova evoluçao. talvez isto tenha acontecido por aqui, mas ha muitos e muitos anos atraz. é inadimissivel fazer comparaçoes com o jeito de viver de um velhinho e um jovem e isto é brasil e italia (um velhinho com seus costumes e tradiçoes que agora esta passando a bola para os jovens cheios de vida e curiosidades mas sem aquele preparo adequo) isto é brasil/italia.
    saudaçoes a todos.

  22. 02/11/2011 21:37

    Bem, eu moro no Brasil e apesar que as pessoas duvidem muito, vou um dia para Madri. Quase ninguém entende o que eu sinto por esse lugar, amo de verdade e desde criança! Ainda sou uma adolescente, mas em toda minha vida minha grande paixão foi a Espanha, quando cresci um pouco, percebi que era e é possível sim ir para lá. Se engana quem pensa que um dia já conheci esse lugar, o mais próximo que estive de outro país foi a fronteira com o Uruguai (moro no Rio Grande do Sul). Agora estou pesquisando sobre o que devo fazer para sair do Brasil, mas só por curiosidade, isso ainda vai demorar um longos anos. E parece estranho, talvez seja, mas o que tu disse sobre o que é morar aí e sobre o aqui, é o que acho. As pessoas desejam ter dinheiro e mais dinheiro, e algumas não querem nem pensar em como conseguir isso, querem que as coisas caiam no seu colo do nada! Vivem mais o trabalho do que qualquer outra coisa e eu não acho isso justo. Aqui o preconceito é enorme, e sei que existe em todos os lugares do mundo, mas só vi o tamanho real disso foi quando minha própria mãe comentou que não aceitaria que eu tivesse uma amiga lésbica. Também há vários outros fatos que estamos cansados de saber e convivemos com isso todos os dias. Sabe, ler esse texto conseguiu aumentar minha vontade de realizar esse sonho (e eu achando que não era possível). Claro que temos de ter conhecimentos dos problemas do lugar que iremos e eu procuro saber, mas não me importo, só quero ir para o “meu lugar” – não me sinto em casa aqui.
    Por enquanto vou estudando e, se Deus quiser, no ano que vem irei aprender a falar espanhol.
    Adorei o texto, parabéns. :))

  23. Isa permalink
    22/11/2011 15:25

    Moro ha mais de 7 anos no Canada, juntamente com meu marido brasileiro, e meu filho (nascido aqui). Temos um padrao de vida tanquilo (sou interactive designer e meu marido trabalha com tecnologia).

    Sou filha de costureira + estofador e meu marido de feirante + professor. Tivemos uma infancia pobre, mas fizemos boas faculdades (com muito sacrificio), e tinhamos otimas carreiras em SP. Decidimos vir, pela “aventura” e tambem no meu caso, pra finalmente aprender ingles.

    Estamos sempre pensando “em um dia voltar”. Sinto saudades do pais onde nasci… sao minhas raizes, minha cultura e tambem o pais onde fiz faculdade, e aprendi a ser o que sou.

    Acho que nao existe “lugar perfeito”. Se voce mora fora (passeando, ou estudando) tera uma realidade bem diferente da de “realmente morando”… pagando impostos, e tendo um dia-a-dia verdadeiro.

    Sao Paulo eh horrivel! Mas acredito que ainda existem lugares bons no Brasil… ou irao existir… O Brasil esta crescendo muito! Europa ta caindo, os EUA tambem… Na Franca vi criancas de rua, e uns maloqueiros correram atras de mim e da minha amiga (ha 12 anos atras)… nunca passei tanto medo, quanto aquele em Paris… sim! Paris.

    Tudo depende do que voce quer pra voce e sua familia. Fazer faculdade fora, eh muito mais caro e dificil… aqui nao tem como trabalhar + estudar ao mesmo tempo…

    Viver longe dos avos, dos pais, e dos irmaos, com quem voce tem boa relacao, tambem nao eh facil. O balanco geral, eh pensando no meu filho: pra ele, acho que eh melhor viver aqui… sem tanto medo de tudo! Andando de bicicleta em tantos parques de Toronto… mas nao sei… a vida muda tanto! Tudo muda o tempo todo.

    O melhor lugar do mundo, eh aquele onde voce se sente bem e feliz!
    ;-)

  24. Mirlene permalink
    04/12/2011 16:31

    Glenda,

    Você acredita que a taxa de desemprego crescente na Espanha está modificando a tendência dos brasileiros a retornarem ao Brasil?

    Mirlene

    • 04/12/2011 18:06

      Olha Mirlene, eu vejo brasileiros voltando ao Brasil desde 2008, quando a crise começou a dar as caras… E principalmente, tem menos gente chegando para trabalhar. Mas tenho vários amigos arquitetos que já se mandaram… E acho que essa é a tendência de todos os estrangeiros que viviam de trabalhos eventuais e sem contrato aqui na Espanha.

  25. Joao Paulo permalink
    22/12/2011 15:30

    Cara Glenda, moro na Espanha a 3 anos. Vim apenas para fazer um mestrado, mas me apaixonei tanto pelo estilo de vida daqui que resolvi ficar para o doutorado. Voltei ao Brasil nesse meio tempo e foi um choque terrível.

    Quanto mais o tempo passa, mais fico em dúvida se quero voltar ou não. Como você destacou, e que penso ser o mais interessante daqui, é a forma como as pessoas vivem. Você não vale o que tem (como no Brasil), você não precisa ganhar muito para viver bem, comer bem e ter boa vida cultural, (bem diferente do Brasil).

    Fica aquela dúvida… aquela sensação pairando entre o estômago e o peito, que as vezes beira a angustia. Voltar ou não?

    Vivo em Barcelona e antes vivia em São Paulo. Aquí posso caminhar pela cidade, tem transporte público de qualidade, posso usar bicicleta, a chance de alguém apontar uma arma para minha cara é praticamente nula, as pessoas SABEM CONVIVER COM AS DIFERENÇAS. Há muita gente “exótica” que passa desapercebida… tudo é muito tranquilo.

    Quando penso em voltar para um lugar em que já fui assaltado, que é um inferno poluído, com transporte público de má qualidade, em que as pessoas preterem um teatro a um shopping… minha dúvida aumenta.

    Lógico, “nem tudo são rosas”[SIC], há coisas ruins aquí também… mas em um balanço geral, Espanha oferece uma filosofía de vida inexistente no Brasil. Quando cheguei aqui me senti em casa, pois sempre tive uma filosofía similar. Posso dizer com toda sinceridade: 50% do meu coração é brasileiro, 25% Espanhol e 25% Catalão (apesar de que esse nacionalismo exacerbado que cultivam aqui não me agrada).

    Parabéns pelo texto. Compartimos sentimentos similares…

    • 10/02/2013 18:29

      Oi João Paulo,

      se voce voltar pra Sumpa, depois de morar em Barcelona, eu…choro!
      também escrevi um post-resposta para a Glenda. Talvez te interesse?
      mi abrazo a Gaudi…

  26. maria permalink
    24/12/2011 6:02

    O problema do Brasil e a bagunca, violencia e o povo que so dar valor ao material . O povo brasileiro nao aceita a velhice . Se voce vai a praia vai comentar da celulites ao invez de ve aceitar o ser humano como ele e.. Esse negocio de sorriso do povo brasileiro tudo e falcidade….. Infelizmente o povo e invejoso, mal educado.

    • Jane permalink
      06/05/2012 14:48

      Falaste a mais pura e simples verdade.

  27. Stern permalink
    06/01/2012 18:19

    Eu vivo no exterior a apenas 3 anos, casei com um alemao que fala fluentemente 6 idomas inclusive português. Aqui fiz novos amigos, muitos deles falam português, nao houve problema algum em me integrar á sociedade alemâ a qual me recebeu muito bem, minha querida sogra dona Hilde é uma senhora idosa loira com olhinhos azuis profundos, quando me viu pela primeira vez ficou espantada com minha cabeleira longa e cacheada, ela nunca havia visto de perto e ficava me olhando como se eu fosse uma ET, hehehe mas faz tempo que o susto dela já passou. O idioma foi um pouco complicado no início e ainda nao sou fluente, em casa meu marido alemao prefere falar português comigo mas apesar disso eu me comunico bem em alemao com as pessoas, nada tenho do que reclamar sao gentis, sao atenciosas e tentam ajudar. Conquistei minha carteira de motorista ano passado e meus documentos estao todos em dia gracas a Deus. As vezes sinto falta da minha terra, sou paranaense de Curitiba e desde que cheguei ainda nao voltei, quem sabe esse ano de 2012 eu poderei passar uns dias junto com meu marido e matar saudades da terrinha, nao digo que jamais voltaria a viver no Brasil porque a vida dá voltas e o futuro quem pode saber? abracao fraterno a todos e os parabens, o blog está muito bom!

    • Carmem de fatima lima permalink
      14/02/2013 12:14

      Meu sonho viver em outro país. Trabalhar muito, conhecer outra cultura…Outro idioma..Outro clima.. Viver, sofrer e aprender mais sobre o mundo e suas diferenças…Se alguém ver este post e puder me dar uma chance de sair do Brasil eu só tenho o dinheirinho para as passagens..

  28. Adri permalink
    08/01/2012 22:59

    Seu post fala tudo que eu queria ouvir de bom que a Espanha tem de melhor que nosso Brasil. nao tem..antes de agosto eu tb pensava dessa maneira ficar por aqui trabalhar ter meus filhos etc etc.. ) mas a partir de agosto estou pensando diferente. estar com a familia rever os amigos sair pra pescar nos fins de semana ir pra fazenda com os parentes, juntar com todossss os amigos em clima subtropical na varanda da lanchonete pra tomar aquela cerveja suja ou ate mesmo um caldo quenteee..fazer barulho sem ser ouvido pelos visinhos de cima que esta incomodando.. NAO ser incomodado tocando na sua porta a plena 5hr da tarde o visinho dizendo: a policia esta andando la em baixo acho que è sua musica que ta um pouco alta!! AFF. (NAO TEM PREÇO) A liberdade de expressao e tem mais NAO SER CHAMADO DE IMIGRANTE..la tem uns altos e baixos de muitooo caro tem la seus pontos negativos mais tem tambem os pontos positivos..eu durante 4 anos nao senti a alegria e o prazer que senti em viver durante esses 30dias.. vi muita coisa quebrada a saude publica os onibus pela carretera o asfalto remendado a cidade que ainda nao foi modificada esta tudo muito igual minha cidade..mas eu me vejo dentro da unidade familiar mas compensativa todos com seu carro novo sua casa reformada e com diploma universitario na mao..e sendo feliz..;)

  29. Silmara permalink
    11/01/2012 12:25

    adorei o texto, maravilhoso

    Moro na Inglaterra, tenho um otimo emprego, qualidade de vida, seguranca, tenho agora a dupla cidadania, nao tenho nadinha a adicionar ao texto – so’ um porem:

    “quem mora no pais dos outros e’ a mesma coisa que morar na casa do vizinho, nunca sera a sua casa”

  30. MarcelobackinBrazil permalink
    13/01/2012 12:57

    Eu vivi 25 anos fora do Brasil eu acho que o Brasil melhorou em algumas coisas , piorou em outras. Resumindo, eu amo o pais mas odeio o governo ladrao e safado e sem vergonha que esta no comando. E com muita tristeza que vejo bandidos como Jader Barbalho , Antonio Palocci e outros fazerem tantas falcatruas e sair rindo enquanto o cidadao comum e massacrado pelo sistema mafioso implementado pelo governo do PT.

  31. 18/01/2012 22:02

    que legal, amei o seu texto. voce e mesmo uma escritora de qualidade. tambem, li todos os comentarios. tantos pros e contras de nossa terra mae gentil. moro nos estados unidos por 10 longos anos. ha exatos 10 anos atraz, vi que minha minha vida precisava de uma sacudida. escolhi ” USA” pelo simples motivo de aprender ingles. aqui trabalhei, estudai, amei, fiz novas amizades, conheci um mundo novo, aprendi coisas novas, conhecei pessoas novas, velhas, diferente, de outros costumes. Nos primeiros 5 anos de minha vida aqui, foram realmente agitados. muitos estudos, muitos trabalhos, muitos amigos. muitas viagens, festas, namoradas, alegrias e tristezas andavam juntos numa velocidade imaginavel. so um exemplo: nos meus primeiros anos de america, destrui 5 caminhonetas, conheci de oito a dez estados americanos, enfim, fiz muitas coisas que muitos nao tiveram a oportunidade de fazer morando aqui toda uma vida. Mas apesar de tudo isto, meu coracao estava com minha gente, com minha terra, com as coisas que deixa pra traz. Quando lembro do Brazil, com Z, lembro o quanto era feliz, lembro da minha mae, dos meus primos. lembro daquele sorriso maroto e com jeito de menina sapeca, que so a mulher brasileira tem. Lembro de todos os parentes que fizeram parte de minha vida. Dos rios, mares, prais, bares, e lugares que conheci. Lembro das escolas, dos colegas, dos professores e lembro tambem dos chefes e colegas de trabalho que tive. enfim, lembro de um brazil bonito que me viu crescer. lembro daquele moleque pobre e sem camisa, so de cueca correndo atraz de uma bola, rodeado de pobreza, porem, muito feliz. Aqui aprendi muitas coisas, foram dias bons e ruins, alegres e tristes. porem, mais uma vez, sinto que minha vida precisa de outra sacudida. sinto que preciso voltar ao meu pais. conhecer os lugares que nao tive oportunidades de conhecer, receber os sorrisos de minha gente. ajudar aqueles que poderei ajudar, trabalhar, estudar, e mais importante, saber que estou em casa. penso em voltar ao Brasil em 2013. tenho visto as dificuldades atravez da midia. leio sobre a experiencia daqueles que voltaram, os pros e contras, porem, nada disso importa. voltarei ao meu Brasil com o mesmo pensamento de quando partir. partir com um objetivo em mente sem contar com as dificuldades e as pedras no meio do caminho. -Glenda, ouca seu coracao, apesar das dificuldades de nosso pais, ainda assim, vale a pena fazer parte deste verde amerelo que nos viu crescer. este pais que esta de bracos abertos pra te receber; voce e todos os brasileiros que queriao voltar com um objetivo e uma mente limpa e aberta pras dificuldades e alegrias de um novo comeco, feito de objetivos e metas e nao de dificuldades e tristezas. uma abracao.

    • 10/02/2013 18:38

      Dalton,

      o verde amarelo que nos viu crescer não parece ter jamais sido suficiente para cobrir os tons vergonhosos do desrespeito que prevalece no país que, segundo você, está de braços abertos para receber os brasileiros que retornam. Espero que Glenda ouça sim, seu coração, e continue a viver bem e feliz na linda Sevilla. E desejo que, ao retornar ao Brasil voce possa se sentir realmente benvindo! good luck, kid!

  32. Ricardo M. permalink
    26/01/2012 14:37

    Realmente, me senti a escrever cada palavra que com muita categoria propusestes neste Post. Vivo em Portugal e 7 anos e depois de altos e baixos( Primeiro ano legal como turista, segundo e terceiro anos ilegal mas sempre tentando o visto) Nestes primeiros anos sempre pensei que se não desse certo, a primeira coisa seria voltar para Florianopolis que é uma linda cidade mas sempre me faltava ali qualquer coisa(aventura e um pouco de cultura mundial popular in loco). Hoje após 7 anos de vida cá fora com uma verdadeira bagagem e com mais uns aninhos na cabeça penso que mesmo com a atual crise a se espalhar pela europa e pelo mundo não penso em voltar para novamente morar no Brasil. Deixo o Brasil para os brasileiros uma vez que me sinto um cidadão do mundo!! Tenho minha familia ali no Brasil e gosto muito do país em que nasci. Um país perfeito nao existe(utopia) mas temos que estar bem e sermos felizes onde quer que estejamos caso contrário nao vale a pena lá estar…

  33. Xavier permalink
    04/03/2012 1:54

    Acho um tanto egoista conhecer a boa vida da europa e nao voltar para o Brasil onde podemos fazer a diferença, onde podemos compartilhar experiencias e ajudar aquilo a mudar com microrevoluçoes cotidianas. No fim das contas ficar na europa é escolher a boa vida pra si e deixar os irmaos na mao. Eu volto logo pra meu Brasil.

    • vanessa permalink
      23/05/2012 12:20

      Xavier, não sei se podemos ajudar nas microevoluçoes cotidianas. Morei 9 anos na Alemanha e há 6 meses estou de volta ao Brasil. De que adianta aplicarmos as coisas boas que aprendemos nos países de 1o. mundo, se o que mais falta para o brasileiro é educação? E não estou falando só de escola, estou falando de educação que se aprende em casa, respeito ao próximo, respeito ao meio-ambiente, respeito no trânsito…. Se a gente tenta fazer as coisas corretas, é taxado de otário. O brasileiro não tá nem ai, só enxerga o que está na frente do nariz. Me desculpa, mas estou contando os dias para voltar para a Europa. No fim das contas, temos que fazer o que é bom para nós, não tem nada a ver em deixar os irmãos na mão.

      • Xavier permalink
        28/05/2012 16:20

        Não existe diferença entre o que é bom pra mim e o que é bom pra você, se todos, e cada um, que estiverem bem fizesem seu trabalho pelo que não esta bem o mundo todo seria melhor. Quer uma vida de conforto e tranquilidade? viva onde quiser, mais se quiser paz de espirito e certeza de que se esta fazendo o melhor para melhorar o mundo? isso nao se faz dentro de uma casa cheia de confortos.

      • Carmem de fatima lima permalink
        14/02/2013 12:18

        Quero ir morar fora do pais tbm.. Não sei como fazer….

    • Anelise permalink
      05/05/2013 14:31

      É Xavier gostei! todos que viajam por algum motivo, estão sempre fugindo das dificuldades que enfrentam, aceitam qualquer coisa lá fora mas no seu próprio país, não aceitam. Enfin tudo que li mostra que as pessoas continuam semdo brazileiras porque são egoistas em deixar seu povo, suas raizes, sem dar uma força para mudar os políticos, as leis que são as dificuldades no Brazil, os problemas maiores estão nas drogas que veem de fora, que esta acabando com nossos jovens, e com a educação, respeito, mas ainda assim, somos um povo caloroso, esperançoso, com grandes fé para um país que tem tanto para nos oferecer, falam mal do seu proprio país, mas muitos desses terão que voltar, a crise mundial vai empurrar para esses brasileiros que reclamam da falta de infra-estrutura e tudo mais, mas alguns pelo que escreveram continuam fazendo parte desse sistema horrivel que temos aqui, só viajei para os Estados Unidos para passear, mas mesmo assim não troco meu país, existe tb mendigos, roubos, racismo, e muitas coisas como em tds países. Aqui no Brazil (Z) existem muitas cidades e pessoas boas, não vamos generalizar porque em tds países tem coisas boas e ruins. Estamos caminhando para um país melhor, a força quem dá é aquele cidadão que apesar do sistema não se é corrompido, pensa no coletivo, fala no plural e não no singular. A felicidade esta dentro de cada um. Boa sorte para todos independente das escolhas

      • Isadora permalink
        05/07/2013 20:44

        Anelise e Xavier, eu não sei quanto a vocês, talvez vocês sejam descendentes unicamente dos Índios Brasileiros, mas eu venho de uma bela mistura de imigrantes europeus que migraram para o Brasil na crença de terem paz e felicidade e trazerem para seus descendentes uma vida mais próspera.
        Morei em Madri por 4 anos incríveis e voltei para o Brasil com o coração cheio de expectativas. Descobri que os anos longe do Brasil nos fazem amar muito a qualidade que encontramos lá, mas também nos fazem esquecer os defeitos do nosso povo. Nos voltamos para as qualidades culturais e para a beleza da terra Brasileira e nos esquecemos que o problema está justamente no povo Brasileiro. O país é lindo e mesmo tendo pouco mais que 500 anos ainda levará mais uns 500 para as coisas mudarem, você sabe por que? Por que se trata de hábitos culturais, educação que vem do Lar e de postura diante da vida por que sempre vai existir o “jeitinho brasileiro” para solucionar as coisas.
        A palavra das pessoas não tem mais valor. Existiu uma época em que as pessoas tinham caráter e a palavra valia mais do que qualquer coisa. Hoje, especialmente no Brasil, as coisas são solucionadas do modo de não só trazer benefícios próprios, mas também feitas para prejudicar o próximo, pelo simples prazer de ver a desgraça alheia! Na Europa, ao menos na Espanha, as pessoas estão preocupadas em ser felizes independente do que você ache disso. No Brasil as pessoas precisam ser felizes para que a vizinha morra de inveja.
        As pessoas perderam o sentido das coisas. (É claro que existem as exceções). Vivo no Rio Grande do Sul, e acho que das regiões brasileiras a que mais pode se comparar à Europa é o Sul (Paraná, Santa Catarina e RS) mas mesmo assim ainda estamos muito longe de ter aqui a qualidade de vida que há na Europa.
        Algumas pessoas acham que o brasileiro que vai para fora se submete a fazer coisas lá que não faria aqui. Isso é bobagem! O que é mais humilhante, estudar por anos, fazer uma faculdade e ter que ser humilhado nas salas de aulas por alunos vândalos e mal educados para receber um salário ridículo que mal paga as contas básicas ou ir para um país estruturado cuidar de uma pessoa idosa, educada e que te paga um salário que te permite pagar as contas com folga, comprar boas roupas, se alimentar com qualidade e de quebra ter laser frequentemente!
        Este patriotismo de que vocês falam é pura utopia. O povo grita quando “aperta o sapato” , mas basta a Seleção Brasileira ganhar um campeonato ou chegar a época do carnaval que todos esquecem do que estavam falando! “Pão e Circo” e o nosso povo ainda está na Época Medieval, quando muitos se sacrificam e poucos se esbaldam!!!
        Volto para a Europa até o final do ano, desta vez muito bem acompanhada (marido e filhos) e sei que lá viverei muito melhor do que aqui!
        Sorte para os que ficam, espero que tenham êxito na luta pelo Brasil. Conheço a história dos meus antepassados e sei que a Europa também é meu lar por que a menos de 150 anos meu tataravô veio ao Brasil com os mesmos sonhos que me levam de volta à Europa!!!

    • Victoria permalink
      03/10/2013 16:23

      Já pensei como vc xavier, mas infelizmente não se muda alguém/outros (povo) sem q este queira mudar.. Desigualdade social mto Grande, pais mto populoso, eu n consigo Aceitar

  34. Lucas permalink
    04/03/2012 13:21

    Quem lê este texto, tem a impressão que o Brasil é uma terra de ninguém, sem atrativos e sem futuro. Muito romântico o seu ponto de vista europeu (refiro-me à autora), e acredito que deves permanecer onde se encontra, uma vez que o mundinho encantado das flores de laranjeiras existe … Caro leitor, antes de ser influenciado pelo discurso acima, leve em consideração que a Europa é o VELHO mundo, onde todas as coisas se estruturaram primeiro e, por este motivo, ela está a nossa frente em termos culturais e econômicos e isso não é tão simples alcançar. Como brasileiros fizemos parte do NOVO mundo: há muito ainda a ser feito, estruturado e conquistado, e temos SIM nossos atrativos, um povo e uma terra com potencial para sermos primeiro mundo! Somos, pelo que li em algum lugar, a sexta economia mundial, e quando morei em Berlin, ouvia as pessoas falar que somos a “bola da vez”. Acredito que brasileiros que não se sintam bem aqui, mudem-se, vão viver em outros lugares, contudo não menosprezem ou subestimem qualquer lugar que seja, pois todo lugar tem sua importância para a sociedade.

    • 22/05/2012 2:17

      Discordo totalmente de sua opinião.
      A Europa não encontra-se a frente do Brasil por ser “VELHO MUNDO”, onde as coisas se estruturaram primeiro, até porque, se este motivo fosse verdadeiro, Estados Unidos e Austrália, que fazem parte do “NOVO MUNDO”, não seriam tão desenvolvidos e com índices de qualidade de vida tão altos. E não vamos colocar a culpa na forma de colonização que passamos, tão pouco nos portugueses, pois o que já foi roubado por corruptos, sejam políticos ou empresários, mamatas de mensalão e super faturamento de obras publicas, dentre outras coisas mais, já daria para pagar a conta.
      O fato de ser a sexta maior economia do mundo só deveria gerar mais revolta, pois como um país que possui a sexta maior economia do mundo pode ter tanta desigualdade, tanta pobreza e tanta falta de saúde e educação? Algo esta errado, ou não?
      Mas isso não é de agora, pois para o Brasil o fato de possuir uma das maiores economias do mundo nunca nos disse nada. Na época da Ditadura Militar houve uma alavancada monstruosa na economia do país, saímos de quinquagésimo alguma coisa para a oitava maior economia mundial. Porém nesse mesmo período, o índice de mortalidade infantil aumentou 40% e a miséria se propagou de forma alarmante.
      Com certeza há muito ainda a ser feito, mas muito mesmo, se formos parar para pensar o quanto deve ser feito iremos desanimar.
      O problema é que a questão não é só dinheiro com melhor distribuição de renda, saúde, transporte e segurança. O maior problema daqui é a educação e cultura ou melhor a falta de ambas. Brasileiro, na maioria, o povo, não conhece sua história, não sabe de onde veio e não sabe aonde vai, não conhece seus direitos, mas pede por justiça, não sabe nada de política e é obrigado a votar, não cumpre seus deveres e por isso sempre quer dar um “jeitinho”, não sabe quem é o ministro da justiça mas sabe quem está no paredão de terça-feira no BBB. Em resumo, acha que isso aqui é bom porque não conhece “lá fora”.
      Desculpe mas é minha opinião.

      • luiz alberto permalink
        10/02/2013 16:25

        e não se esqueça que o BBB é um invenção dos holandeses copiada por nós, nós não, rede globo. Acho que todas estas conversas sobre quem mora fora e mora dentro chatice grande perda de tempo. Muitas das opiniões externadas aqui demonstram só o preconceito em relação ao Brasil e o mais fácil é sair daqui para encontrar lá fora o paraiso. Não vamos esquecer que muitas destas benesses européias só foram conseguidas a custas de muitas guerras e revoluções, muita fome e sofrimento e luta de muitas pessoas que deram sua cota de sacrificio. Mesmo assim a maior parte destas benesses são apenas pura ilusão, claro a não ser que vc já seja rico ou casada ou casado com algum rico europeu ou americano. De resto os brasileiros que vão morar lá fora já carregam consigo toda a carga de preconceito e educação recebidos do brasil.

      • 10/02/2013 18:50

        oi Diego,

        não ficou claro onde você está morando, mas acho que lucidez é boa companhia em qualquer lugar, e tua análise sobre o que tem sido a realidade brasileira me parece impecável… talvez eu devesse dizer ‘tragicamente impecável’. Meu post neste excelente espaço que a Glenda criou talvez te interesse, como complementação do que voce escreveu.
        não tendo medo de ser feliz, ficarei na Bélgica. Sem fantasias que neguem os problemas aqui, mas sabendo agradecer e valorizar a qualidade de vida e a honestidade intrínseca que embasa as relações neste país.

    • 29/01/2013 17:58

      Concordo e descordo com vc, aki na europa tambem tem Bigbrother o sistema de saude em alguns paiises que visitei eh um lixo e o brasil ta muito mais avancado, ateh mesmo que aki na irlanda. e tambem o transporte publico eh uma merda em muitos outros, mas os precos sao justos, por exemplo tenta comprar um carro no brasil ganhando um salario minimo!?!?!? soh que a educacao de a maioria dos paiises que estive da um baile de no brasil. e educacao eh 99% na minho opiniao, e professores sao bem pagos(sou professor no brasil). mas a corrupcao no brasil, o que eh culpa da populacao e nao dos politicos. alias politicos no brasil nao deveria ser profissao.

    • jeane permalink
      04/05/2013 1:18

      Lucas concordo com você quando diz que europa é o velho mundo. Fazemos parte da juventude, temos muito que aprender ainda, mas vendo tudo o que esta acontecendo no nosso pais você acha que estamos no caminho de aprender? Desculpe, mas eu nao acho. Somos a juventude transviada. E infelizmente nao vejo como isso pode ser mudado. Espero que haja maneira mas realmente nao tenho palpite de como faze lo. Talvez tomando como exemplo o velho mundo e nao o Tio Sam seria uma hipotese.
      E a visao das laranjeiras da autora pode ser romantica porem baseada em fatos reais.

    • Andreas Friedrich Berendsen permalink
      20/10/2013 15:49

      Bom, Australia e Nova Zelandia sao entao o NOVISSIMO mundo. E estes dois paises deram muito certo. As mericas inteiras, do Norte ao Sul, sao o NOVO mundo. O Canada deu certo. Os EUA deram certo. Todos os paises das Americas tem mais ou menos o mesmo tempo de vida.

  35. dagols permalink
    20/03/2012 14:46

    Essa discussão está muito boa! Quanto ao comentário anterior, do Lucas, acho que nem todo mundo é “chamado” para tentar fazer diferença no Brasil. Até alguns anos atrás eu sentia um certo patriotismo, mas agora tenho uma filha de 2 anos e notei que é mais fácil ser patriota quando não se tem filho. Eu até tolerava ser assaltado, ter carro e bicicleta roubados, agressividade contra ciclistas, burguesia fedorenta consumindo e pobreza esperando a vez de poder consumir igual burguês.
    Dizem q o Brasil está melhorando. Também creio que do lado financeiro está. Mas crer no progresso por essa via é viajar num barco furado. Quem quiser que aposte suas fichas. Não condeno o povo brasileiro por querer se dar bem… já levou tanta bordoada que quer mais é curtir o momento. Lambuze-se.
    Na Europa reina o consumismo também, o ser humano é o mesmo. Mas lá já estão em outra fase… aqui no Brasil as pessoas acham um absurdo ir ao supermercado com sacola de pano e consideram sinal de pobreza ou tendência a suicídio andar de bicicleta pelas ruas. Aqui se tem medo da polícia (vou ter q molhar a mão do guarda?), culpa-se o governo por tudo, mas o governo é reflexo da nossa identidade. Talvez seja preciso o brasil ser assim pra sair tanta música boa e tantos exemplos de pessoas do bem… talvez… Quem quiser que tente mudar isso… tenho a desconfiança de que quem prega auto-sacrifício (ou arriscar sacrificar o filho) no fundo tem uma síndrome de Jesus… acha-se deus. O brasileiro médio nem vai chegar a ler um blog desse… vai ser induzido a mudar somente se a Ana Maria Braga fizer uma campanha ou se as novelas pregarem o que se deve. Seria a cura pelo veneno.
    Tenho uma ideia: propor para Dilma que todo brasileiro, sem exceção, more fora (com bolsa) por dois anos, e depois volte. Aí quem sabe assim o Brasil melhore :-)
    Segundo Tom Jobim, “Morar no exterior é bom mas é uma merda. Viver no Brasil é uma merda mas é bom.” Sei lá…

    • 21/03/2012 8:39

      Dagols, aonde está o espaço para eu assinar no final do seu post ?

      • dagols permalink
        21/03/2012 14:37

        Hehehe… não assine ainda… esto com síndrome de regresso… pode ser que daqui a 2 anos minha opinião mude :-)
        Beijo
        Dago

    • 10/02/2013 19:00

      Oi Dagols,

      gostei muito do teu post. Criativo e sincero. E muito objetivo também. Concordo com a idéia no fim, seria uma forma muito prática de eliminar-se estas dúvidas. Ah, me permite uma observação? não estou totalmente segura, mas creio que a frase do Tom se referiu à Alemanha, não a ‘morar no exterior’. Se não me engano, foi: ‘A Alemanha é uma merda, mas é bom. O Brasil é bom, mas é uma merda’. Quem sabe você quer conferir?

    • Mariana permalink
      08/05/2013 19:35

      Muitoooo bommmmmm falar mais o queee??? Quem se atreve a descordar ou a interpretar mal seu discurso ??? Pq vc sabe brasileiro adora interpretar a sua maneira e ofender :)

  36. Xavier permalink
    20/03/2012 23:09

    entrem no http://www.osonhobrasileiro.com.br e vejam qual, e como os brasileiros podem fazer a diferença. viver na europa é claramente mais confortavel do que no Brasil, mas viver no Brasil não pode ser confundido com viver o Brasil.

  37. Ayako Miyashiro permalink
    28/03/2012 16:48

    Lia
    Moro a 5 anos no Japão, não vim para cá tão jovem, meu sonho era de viver na Europa, mas por conveniência de visto, acabei por aterrisar no País do sol nascente. Me pergunto porque não tive a coragem de me aventurar mais cedo.
    Encontrei um País em que tudo funciona, todos se respeitam e cumprem a sua parte na sociedade.
    Crianças vão e voltam para a escola sozinhas, não há amontoado de mães congestionando o trânsito na porta das escolas, pois sabem que seus filhos retornarão com segurança para suas casas.
    Garis para limpar as ruas poucos vi, na maioria são funcionários ou voluntários que se propoem a recolher um ou outro lixo deixado por uma pessoa menos cuidadosa.
    Zelador e faxineira (domesticas) não há, os próprios moradores se reunem para limpar e conservar a redondeza.
    O que mais me impressionou foram os motoristas de ônibus, não conduzem o veículo como se estivem conduzindo cavalos, tomando o cuidado de verificar se todos estão sentados ou segurando em algum lugar para que possa colocar o veículo em movimento.
    Utilizamos a bicicleta para tudo, trabalho, lazer, encontros, festas, compras e ficam chocados quando uma pessoa não possui uma.
    Nos próprios Hospitais, após a consulta e exames (que são realizados dentro do hospital e não em laborários) tbém e fornecido o medicamento contado com exatidão para o tratamento (nada de comprimidos sobrando…não se despediça).
    A diferença de tudo em relação ao BraZil é tão absurda que chega a chocar.
    Claro que tem sua parte ruim, mas no conjunto, gostaria que meu BraZil, fosse mais consciente com sua riqueza de alegria, calor humano e toda beleza e natureza que possui.
    Antes me orgulhava do nosso carnaval, que festa maravilhosa e quanto explendor, até que me perguntaram porque as mulheres precisavam sair peladas…..
    A mídia brasileira imputou uma cultura de bundas, peitos, mulheres frutas, saradas, são as que fazem e tem sucesso no BraZil, apologia sexual em musicas, novelas, filmes.
    O povo Japones tem adoração pela Bossa Nova Brasileira, em muitos shoppings, lojas ou hoteis o som que se ouve é a nossa Bossa Nova, que o brasileiro nem ouve.
    Andar com Jóias ou roupas de marca e tão comum que saio tem ter medo de voltar descalsa por terem roubado meu tenis de marca.
    Brilho nas roupas de dia pode, aliás qualquer moda é permitida, ou simplesmente levar seu radio e ensaiar passos de dança em uma calçada.
    Morar fora do País, viajar para outros Países, faz toda diferença, meu mundo se abriu e não vejo o BraZil com os mesmo olhos de antes.

    Adorei seu Post, é todo o meu sentimento e impressoes.

  38. 10/05/2012 23:50

    Olá, gostei do seu post.
    Apenas quero deixar minha opinião em relação a vida medíocre que o brasileiro leva, essa de viver de trabalhar e ajuntar dinheiro.
    Bem, eu acredito que parte disso se deve a falta de atenção e investimento em áreas básicas como educação, saúde, cultura e laser no Brasil-
    Exemplo: Imagino que um lugar onde a educação é de qualidade os pais não se preocupam em trabalhar arduamente para garantir uma boa formação para os seus filhos.
    Este é um dos milhares exemplos que eu poderia citar que faz com que o brasileiro, na minha opinião, seja escravo o trabalho e de suas vaidades.
    Aqui o povo precisa fazer economia pra levar a família para tomar um sorvete.
    O nosso pais em si, não oferece para a população nem se quer o básico…tem coisa mais frustante que a bolsa família? Não estou querendo ser egoísta, mas me indigna saber que depois de tanto imposto e de tanto trabalhar eu ainda tenha que pagar uma “esmola oficial ” a um brasileiro miserável e escravo da politicagem. Logo, o jeito é lutar pra ter dinheiro mesmo, para compensar o que a corrupção brasileira nos arranca: uma vida digna em troca do pão e circo de cada dia.

    • Luiz permalink
      14/05/2012 1:16

      Fazem 8 anos que moro fora do Brasil. Vivi na Espanha, França e agora vivo em Santiago de Chile.Particularmente me chama atençao a descriçao de alguns internautas. É bem verdade que a Espanha é linda, que tem um sistema de transporte bem interligado , que a França tem bons queijos e “beaucoup savoir faire”.É bem verdade que o Brasil , é um país de contrastes, entre o rico e o pobre, que os salários sao desiguais e claro é o país da corrupçao.
      Sinceramente posso dizer que nem tudo na Europa sao Flores. O brasileiro de um modo geral, que mora na Europa, acha chic comer “une baguete”, arrotar, e finalmente dizer: ” Comi a melhor refeiçao da minha vida. O brasileiro acha “demais” pegar um TGV de noite e acordar numa cidade que segundo ele sao cheias de cultura. O brasileiro considera qualidade de vida comprar um “pichet” em Saint German D’aprés, bairro chic de Paris e tomar o bendito vinho na rua, pensando eu sou muito chic, estou com a minha bolsa Victor Hugo comprada em 30 vezes no Brasil e até agora, nao fu roubado.Agora ( detalhe o pichet é uma espécie de água de vinho, barato )que os franceses odeiam.
      Por favor, na Europa tem gente cafona também, mau educada, mau vestida, mau perfumada,preconceituosa e pior xenófobas. Quando estava na França, viajei a Europa inteira.Conheci Itália, Espanha , França(morei em Paris), Portugal ,Londres e Bruxellas.Nessa época reclamava também.Aos domingos dizia:merda de cidade, tudo vazio,ninguém olha para ninguém, comércio fechado, uma solidao de fazer gosto…”. As boates todas(diga-se 3 e únicas) fechadas às 5 da manha. E em Sampa, algumas festas estao começando as 5 horas da manha.Vejamos também um dado científico, muitas das cidades européias têm alto índice de depressao e alto consumo de antidepressivos(kkk q felicidade é essa), talvez para alguns a felidade é um TGV ou la petite baguette….Paris nos últimos anos, tem alto índice de suicídio, por que será? Paris , há alguns anos atrás, valia a pena comer um ovo frito num Bristô de Place de Vosges, hoje, uma m….porque servem comida congelada e pior: Você é atendido(a) por um garçom de mal Humor terrível, te olha e pensa, que você quer seu SUDACA ?(pessoa da América do Sul).
      Bem sendo assim,que dizer entao da imensa quantidade de pedidos de vistos temporários feito por franceses, espanhóis, italianos, filandeses que querem morar no Brasil?Tenho amigos que sao franceses, gente que vive num apto maravilhosooo no Rio em Ipanema que estao saindo de Paris para viver no Brasil, ah! dizem ” Je suis très heureux ici”….que lugar feliz, eu sou feliz aqui com àquele sotaque francês.Amigos e amigas, a felicidade estar dentro de cada um, nao estar dentro do TGV Paris à Bruxelles, ademais tao pouco estar em Brugge, cidade que parece fazer parte de um conto de fadas. Eu estou voltando para Natal, cidade pequena,mais que tem um calor humanoooo 10.Ademais , vou morar em Ponta Negra, que delícia!

      • 14/05/2012 15:24

        Muito bom Luiz, eu conheci Paris no final de 2010 e retornei no final de 2011. Minha mãe foi infelizmente casada com um português e morou por la, tenho que concordar com vc em vários aspectos, mas por incrível que pareça, não conheci garçons da forma que você descreveu…muito pelo contrário, talvez porque estive acompanhada o tempo todo com um francês. Bem, a conclusão que eu posso chegar de acordo com a opinião de cada um é que:
        Não existe felicidade plena. Felicidade é um estado momentâneo e passageiro.
        Ser feliz é estar bem consigo mesmo, é sentir-se realizado e sentir-se assim é algo complexo de explicar. Cada um tem uma ideia diferente do que é ” estar feliz ou ser feliz” como queiram.
        Acho que o mais importante é se encontrar e estar vivendo momentos desejáveis com as pessoas certas, em lugares certos… e este “certo” é muito relativo, vai de de acordo com as necessidades, vontades ou sonhos de cada um.

        Tem gente que se realiza vivendo no estrangeiro, tem gente que nem sonha em deixar seu pais por mais maravilhoso que seja do outro lado. Enfim, apenas quando a gente sai de casa e pisa na casa do vizinho é que a gente passar a ter condições de avaliar o quanto é bom ou ruim o nosso cantinho.

        Geralmente, quando a gente sai do Br e vai para um pais mais “desenvolvido” ficamos maravilhados com a diferença (ou não), mas aqui, em este blog, diz ai quem foi capaz de falar de alguma experiencia em países menos desenvolvidos que o Br? Aposto que a opinião seria bem diferente…Como é o meu caso que vivo na Bolivia….uma hora terei o prazer de dizer a respeito….
        Enfim,
        quando vou a Paris, sinto raiva do Brasil (em alguns aspectos), mas quando saiu da Bolivia e piso em território nacional tenho vontade de lamber o asfalto, rsrsrs então, vejo que mesmo no Br com todos os problemas sociopolíticos, econômicos, etc eu ainda posso e consigo ser feliz!

      • kaline permalink
        16/09/2012 14:28

        Luis,

        Nao sei se vc vai poder tomar banho de mar em ponta negra, a praia esta interditada, a cidade esta toda “esburacada”, tenha cuidado com os arrastoes nos onibus,esperando que vc tenha um plano de saude, jah que os hospitais estao super -lotados, e quando for comprar alguma coisa olhe bem os precos. Mas Natal ainda è uma bonita cidade, achei muito “maltratada”,mas bonita. saudacoes

      • 08/02/2013 2:31

        Oi Luiz, moro ha 10 anos nos E.U.A
        estou pensando em voltar para o Brasil…gostaria mais informacoes
        sobre Natal, pois sou do Rio, mais quero distancia de la
        ok,
        Adrianna

  39. 22/05/2012 1:30

    Adorei ler o que você escreveu, pois mesmo morando ainda no Brasil, concordo com tudo que você expôs. Meu pai mora em Portugal e me diz a mesma coisa, depois que conhecemos a vida que se leva fora daqui, em um país desenvolvido, não se consegue enxergar isso aqui como antes.
    Meu pai mora em Lisboa há 12 anos e nunca mais voltará ao Brasil, pelo menos não para morar, ele diz que não conseguiria se readaptar. Estou para seguir os passos dele dentro de alguns meses, pretendo estudar e me aperfeiçoar, tanto intelectualmente como humanamente também. Já que tenho direito a nacionalidade portuguesa, acho que não regressarei ao brasil após vivenciar a experiência de residir em um país mais justo, sem violência (pelo menos nada que se compare com aqui), onde o transporte publico é digno, onde as coisas boas e de qualidade não precisam ser caras para assim o serem, onde de uma forma geral o indivíduo consegue viver com qualidade, com dignidade, com segurança e com saúde, mesmo sem ganhar muito.
    Você conseguiu expressar em palavras, de forma unica, tudo aquilo que meu pai me passava, mas não de forma tão precisa, clara e realista. As vezes sinto que não sou daqui (Brasil), sinto uma necessidade enorme, monstruosa de sair deste país, de uma vez para nunca mais.
    Não sei se você já voltou ou se decidiu ficar, mas eu no seu lugar, não voltaria de jeito nenhum, jamais. Caso decidisse sair da Espanha, pensaria em ir para Alemanha, Inglaterra, Suíça, Austrália, Noruega, sei lá (rsrsrs), qualquer coisa menos Brasil, voltar ao Brasil seria andar para trás e na vida precisamos sempre seguir em frente, por mais que doa, por mais difícil que seja, por mais que a saudade dos familiares e amigos fale alto, penso que sempre devemos seguir em frente.
    Desejo a você sorte e lucidez em sua decisão, se é que já não a tomou. Mas se ainda houver tempo, pense bem, pense em tudo que foi escrito por você, na felicidade e estado de espírito em que você se encontrava, parece que dava para sentir o prazer de viver que havia em seu ser. Eu não trocaria isso por nada nesse mundo. Se ainda estiver por aí pela Espanha, espero poder conhece-la.
    Um forte abraço e boa sorte.

  40. Ana permalink
    05/06/2012 4:38

    Felizmente, eu penso que a maioria das pessoas que emigram do Brasil sao pessoas que tiveram a ma sorte de nascerem e crescerem em lugares ruins, pobres, sujos ou de violencia. Eu vim de uma cidade do interior e existem muitas iguais( e so olharem a extensao territorial do Brasil e tentar explicar la fora que Brasil nao e so Rio de Janeiro/SP grandes cidades e praias), nao era rica e nem pobre; moro no exterior ha 05 anos ja morei na Europa e hoje moro nos E.U.A., tudo que voce diz ai eu tive mas quando morei no Brasil, tinha uma casa grande com grande quintal com arvores frutiferas, cheias de passaros cantando ao alvorecer, ia a padaria de manha comprar pao quentinho e fresquinho caminhando e tinha a opcao de escolher a padaria, gostava de ir na mais longe por que la tinha um sonho(doce) maravilhoso e caminhava um pouquinho no frescor da manha, dava Bom dia as pessoas e recebia um sorriso de volta, nao precisava me preocupar com a quantidade de roupas que tinha de por, bastava um vestidinho simples e fresco e uma rasteirinha e estava pronta para todo o dia. Detesto ficar ate 01 hora colocando quilos de roupa, sentir-me sufocada e ainda ter frio… No Brasil, em minha cidade eu andava de bicicleta a cidade inteira e nao me preocupava com trafico, andava de onibus tambem(mas isso quando tinha tempo, mas nunca era lotado) passava na praca da igreja onde dava aulas de catecismo com aquele jardim maravilhoso o ano inteiro, o sol amo o sol, nao tinha frio real(depois que vim pra ca descobri o que achamos que e inverno no Brasil nao e inverno), a tardinha ia caminhar no campo de aviacao sozinha ou acompanhada de uma amiga e conversavamos qualquer coisa, sentia a brisa da tarde com minha bermuda e camiseta e nao precisava de mais nada, olhava as fazendas com paisagem lindas de pinturas nas longas tardes de verao. Ouvia em casa meu som alto(por que tenho um problema de audicao), e nenhum vizinho reclamava, nao ha nada melhor que poder ouvir sua musica preferida como quer,…Tinha meus animais(cachorros, gatos, galinhas e meu galo que me acordava, meu reloginho), e ninguem reclamava, pessoas eram ensinadas para viver socialmente, ter educacao, cumprimentar os outros(isso e coisa de educacao e nao de sociedade), Muitos dizem ah! e a cultura dos gringos por isso ninguem te cumprimenta, besteira, e pura falta de educacao! Eu morei em cidades do interior da Europa e as pessoas mais velhas costumam cumprimentar mesmo os que nao conhecem nas ruas. Eu reclamava da minha vida no Brasil e o que perdi, nao vale o que eu ganhei, ganhei 15 kilos a mais, descobri que tenho alergia a comida industrializada e vivo inchada. E pensar que eu comprava tudo fresquinho e organico direto da fonte no
    Brasil, frutas, legumes, verduras, fazia aquele almoco gostoso para a familia, fora os doces maravilhosos que comia e nao engordava aqui nao posso ver acucar. Tenho fibromialgia que causa sensacao de dor, frio e depressao todo o tempo, alem dos hormonios estarem loucos pois nao me adaptei a anticoncepcionais aqui. Nao concordo em dizer que depois de ter filho deixa de ser patriota, sou casada e fui dar um beijinho no rosto de uma crianca conhecida uma vez na Europa e ela limpou o rosto varias vezes e fez cara de nojo, existem sim otimas escolas no exterior nao e a toa que as pessoas importantes da nossa historia no Brasil, estudaram no exterior e depois voltaram a sua patria para exercerem e fazerem o melhor por ela com que o aprenderam, mas tambem existem boas escolas no Brasil, estudei em escola publica e prestei vestibulares em varias universidades no Brasil e passei. Pode ser e viver bem no Brasil nao se preocupando com aparencias, eu sempre fui eu mesma, andava de sacolinha de pano na rua que eu mesma fazia bordando, nunca segui modismo, aparencia e por isso nunca tive verdadeiros amigos no Brasil, mas hoje aqui fora nao tenho falsos amigos muito menos verdadeiros, nao sei nem quem e meu vizinho, pois o preconceito contra brasileiro(latinos) e grande e fazem questao de demonstrarem isso. Nao sou critica politica e economica apenas cuido e sempre cuidei de minha vida, exerci meu voto consciente e descobri que a verdadeira essencia da vida e felicidade esta nas pequenas coisas e valores, e se Deus quis que nascesse em um lugar nao foi a toa.

    • Marisa Passos permalink
      07/07/2012 5:35

      Ana onde você mora nos EUA? Eu vivo no Texas desde 1982, mas já vivi em outros estados e sempre fui bem tratada e tive (tenho) bons amigos. Sinto muito que você
      se sinta assim. Eu não vim para os EUA como imigrante ilegal, vim como esposa de um engenheiro americano e também não tive vida ruim no Brasil.Ha muitos sites de brasileiros onde você pode se comunicar fazer amigos e se divertir sem nem sair de casa.
      só o que você precisa e ter a internet. Ter a rede globo internacional também ajuda muito você assiste as novelas que passam no Brasil e vê as noticias de tudo que acontece por la e o melhor vinte dólares que você vai gastar na vida bem mais barato que remédio para depressão. Eu também engordei aqui e que a gente não anda aqui como andava no Brasil.
      A minha filha também tem fibromialgia, não se sinta ofendida pela criança ter limpado o rosto apos o seu beijo, e a diferença de cultura. Na verdade minha filha e meus netos também não gostam de serem tocados por estranhos. se você quiser se comunicar comigo me mande um email para salome47@yahoo. abraços,

      • Ana permalink
        08/08/2012 17:59

        Ola Marisa eu te agradeco pela boa vontade de se comunicar comigo, mas eu sou uma pessoa extremamente verdadeira e nao consigo viver de aparencia, como a maioria vive aqui e tambem em alguns lugares do Brasil, acho muito estranho voce ir para um pais e ter que se relacionar com brasileiros simplesmente por que os nativos nao te acolhem, aceitam…; para mim e viver uma existencia sem sentido, tambem sou casada com americano e nunca Se Deus quiser vou ter filhos para serem robots como eles sao, sou humana e quero ter filhos humanos, sociaveis que possam viver e conviver em harmonia com outros seres humanos(aceitando as diferencas e defeitos e virtudes de cada um), e nao e isso que vejo aqui, ter criancas frias e distantes(desculpe) mas isso no nosso pais e problemas psicologicos, e todos vem com essa desculpa de cultura, por favor olham o significado da palavra cultura, cultura nao e desumanizacao, ignorancia,perda de valores, falta de crenca como tem aqui e exatamente ao contrario. Meu marido em meu pais e acolhido, todos querem se comunicar com ele, quem nao consegue ao menos tenta, sao gentis, acolhedores, te convidam para comer, passear, conversar… agora viver num lugar onde voce nao enxerga futuro, e ver passar os anos de sua vida como um vento e quando olhar para tras simplesmente ver que sua vida foi inutil e infeliz e nao construiu nada, por que o Status que os cegos vem nesse lugar tem tempo certo para acabar e depois que se acaba fica com muitos americanos que vejo, sozinhos, tristes, abandonados e que muitas vezes morrem sem ao menos ter alguem que os vele…. Agora viver em funcao de computador e televisao, desculpe essa nao e a minha praia, vida para mim e interagir com o meio ambiente e pessoas coisa que nao consigo aqui, por mais que tente. Tenho pena de pessoas que nao conseguem, ou de alguma maneira nao podem perseguir seus sonhos e a verdadeira “vida” e sao obrigadas a viver num contexto social artificial onde nao se vive apenas sobrevive. Minha viagem para o Brasil esta marcada dessa terra nao quero levar nem o po.

    • Isadora permalink
      05/07/2013 21:27

      Ana, no Brasil também existe esta situação, o seu marido é bem tratado por que é americano!!!! Aqui vc não pode ser atendido no SUS se vc estiver usando um casaco de couro, por que apesar de vc pagar todos os impostos e a saúde pública ser um direito se vc usa um casaco de couro vc tem dinheiro para pagar um plano de saúde!

  41. roger permalink
    02/07/2012 19:54

    boas.como descreveu os comentarios.nada tambem a acrescentar.otimo texto parabens..em numero genero e grau.rs.morei 22 anos em alguns paises da europa.sai jovem e me moldei la fora.entao a saudade é constante.dois anos aqui por causa da crise.esta sendo complicado.habituar?nao sei.vivendo apenas.rs..abraços e parabens pelo texto.

  42. Amalia permalink
    15/08/2012 14:31

    Eu só tenho uma pergunta a fazer. A minha avó e dois amigos meus morreram de dengue hemorrágica. ALGUÉM NA ESPANHA SABE O QUE É ISSO?

  43. Alex permalink
    02/09/2012 18:13

    Me desculpem, mas o Brasil não passa de um país corrupto, sujo, ineficiente, onde as pessoas comprar a prazo seu NIKE, um carro q ao sair da loja já perde valor, e os que tem sorte financiam uma casa em 30 anos de prestações.
    Os parametros q me fazem chegar a esta conclusão ?
    Vivia na europa, em Londres, UK, de tanto ouvir a propaganda enganosa q é feita deste lixo de país, voltei pra SP.
    Me dou conta que ha mais de 1 mes não arranjo trabalho, quando em Londres no inverno rejeitava 2 por dia.
    Meu amigos com faculdade e graduação ou estao desempregados trabalhando em shoppings por 800 reais mes, ou ganham no máximo 1.200 reais mes.
    90% da população ganha miseros 600 reais mes, e tudo q tem é pelo cartão de credito.
    Uma minoria vive bem.
    Não se pode andar nas ruas, é assalto ou morte mesmo, na minha rua, q é considerada bairro mais tranquilo, de idosos, sem nenhuma favela ao lado, ja presenciei dezenas de roubos e furtos, nao posso deixar meu carro só na rua !
    Saúde: o povo morre nas filas, a espera de leitos e vagas, os planos de saude privados são um lixo, as vezes pior q o público. A dengue mata. Uma consulta demora 2 meses para ser agendada.
    Drogas: o crack esta matando os jovens, andarilhos aos montes esmolando para comprar crack. Traficantes mandando mais q a policia nas ruas.
    Transito: lixo puro, roubo nos pedágios, ruas com crateras, nenhum respeito ao pedestre. Industria de multas.
    Preços: tudo é caro e sem qualidade, uma coca cola 6 reais, uma latinha de coca 3 reais, um lanche no MAC DONALDS 20 reais, uma calça jeans 100 reais, um tenis 200 reais.Um carro popular conseiderado LIXO na europa custa 25 mil reais.
    Educação pública: inexistente, as escolas publicas sao antros de marginalidade e drogas, onde os professores sao ameaçados e atacados.
    Povo ignorante: o povo adora a cultura do sexo, basta ouvir as musicas q eles ouvem, ontem mesmo ouvia numa praça um fank pra todo mundo ouvir, muitas crianças inclusive ” vou ficar de 4 pra chupar o seu peru ” deixa eu chupar o seu peru ” ou então Ai se eu te pego. Este povo jamais saberá o que um Demis Russou.
    Lazer : aqui no Brazil é Shopping, nao tem outra coisa. Quem pode se gaba de ir ao Guaruja, nadar naquelas aguas sujas, ou entao pagar 1000 reais pra ficar 2 dias em Porto Seguro.

    Tudo isso me leva a dizer que este país de forma geral é um lixo de 5º mundo. Nunca será um país desenvolvido socialmente, culturalmente e economicamente.

    Logo estou indo embora com a certeza q evoluí demais para viver aqui e aceitar tudo isso de novo.
    Abraços, Alex.

    • 03/09/2012 12:09

      Resumiu bem……..falou tudo.
      E infelizmente, acho muito dificil alguns desses aspectos melhorarem. Está enraizado na cultura do povo brasileiro pagar muito caro por porcaria, aqui, carro é divisor social e não meio de transporte, musicas, propagandas e até programas de tv possuem um enorme apelo sexual, e as coisas, cada vez mais, vão se tornando normais. Eu poderia ficar digitando aqui o dia inteiro dando exemplos, mas não tenho mais saco pra isso…..rsrs…..
      Até pq como disse no inicio voce já falou tudo.

      • 04/09/2012 19:27

        Diego, mas te digo uma coisa, existem lugares bem piores que o Brasil. Estou a quase cinco anos na Bolivia, e aqui médicos professores aniversários se vendem orgulhosamente. Eu fui professora de ensino fundamental e médio no Brasil quando recém formada e nunca, nunca pensei que pudesse existir este tipo de coisas….fora outras mais que, tenho até vergonha de dizer.Aqui, eu aprendi o verdadeiro sentido de duas palavras: desigualdade social e corrupção. No Brasil elas são camufladas aqui são descaradas….

    • 10/02/2013 19:21

      Diego, tudo na vida tem seu lado positivo, acredito. Assim, acho que esta sua experiencia te deixou mais alerta para uma coisinha muito perigosa chamada ‘propaganda enganosa’…? Espero que você não perca de vista o que há de beleza em todos os lugares. No meu post, menciono várias razões para minha decisão de não retornar, mas sigo lutando para que a desqualidade da vida lá destrua minha percepção sobre o bom que ainda existe no Brasil. Te desejo o mesmo. E…bons vôos para você!

  44. Lucrezia permalink
    12/09/2012 15:57

    Oi eu vivo na Italia, sou brasileira mas tenho a cidadania italiana, certo… a Italia està cheia de problemas politicos e financeiros porém eu pensaria 2 vezes antes de voltar para o Brasil. Em todo caso me identifiquei muito em uma coisa que voce escreveu e dou a minha opiniao/experiencia: hoje vejo que o Brasil é muito e “imbecilmente” racista. Aqui na Italia a cor da pele é secondario, o que vale é se a pessoa é ou nao una boa pessoa, se trabalha e é honesta. Onde eu vivo tem pessoas ricas, outras que tem trabalhos humildes mas com esforço compraram o apartamento. Estive no Brasil agora 1 mes atras e reparei: gente mas com tantas pessoas negras no nosso pais as publicidades sao cheias de pessoas brancas, loiras de olhos claros… parece até que se vive na Alemanha!! O Brasil se envergonha das origens e das pessoas, o negro serve para fazer o papel de domestico…. Entao eu pensei: como se pode? O brasil è muito mais racista do que a Europa (a branca o quase branca Europa).

    • 13/09/2012 17:14

      Como pode? Muito simples. era-se o tempo em que o branco era o verdadeiro vilão racista e o negro o mocinho, hoje estou pra te dizer que não tem ninguém mais racista que o próprio negro. É notório que a sociedade negra sustenta camufladamente a ideia de inferioridade racial e mais, agora deram pra se achar uma classe especial, por isto não podem ouvir sequer uma piadinha a respeito de sua aparência. Por exemplo, chame um branco de alemáo, descascado, branquelo, azedo, etc, dificilmente vai tomar parte da brincadeira como algo ofensivo ou agressor….agora, tente fazer o mesmo com um afrodescendente…. Vish, é cana! Sabe porque? Porque existe na própria sociedade afro um ideia formada e pejorativa sobre a etnia e a cultura negra.E volto a dizer: os próprios negros são responsáveis por isto tudo: Eles se acham feios, burros, pobres, injustiçados, incapazes, incompetentes, deslocados, etc.

      Agora sobre as propagandas: bem, a coisa é simples, normalmente os grandes empresários vão colocar aquilo que chama a atenção da maioria. Quem é a maioria no BR? Brancos? Nao, mestiços. Mestiços de que? A maior parte de brancos com negros. E do que é que eles gostam? De mulheres mestiças. Só? Não, também das brancas. E o negros? quase sempre BRANCAS! Loiras se for possível. Oras, e porque alguém faria propaganda com uma negra se nem mesmo os próprios negros apreciam? Eu não faria! A propaganda é a alma do negócio e quando o assunto é negócio é normal se preocupar com a preferencia do cliente.

      Dá uma olhada pra mulherada negra? Cabelo esticado, pele descolorida com água oxigenada, lente de contato AZUL rsrsrs, etc. Nem elas se aceitam, então os “brancos” deveriam aceitar por que? Por piedade ? Obrigação? Negativo. E além do mais uma mulher com todas essas características sitadas é simplesmente horrível!

      E outra….vou aproveitar esse espaço para desabafar algo:
      Sou afrodescendente, mestiça, e tenho estado muito chateada com a cultura brasileira, com a apologia a prostituição e a libertinagem principalmente nas musicas. Agora me responde ai: Que população predomina na apreciação desse ” lixo cultural ” brasileiro de hoje em dia? Sem comentários né? Respeito se dá e se recebe.A falta de respeito e instrução destrói a imagem d todo um povo.

      Quem vai querer colocar uma negra com cara de funkeira em um outdoor? Que imagem ela passará? Uma mulher de moral, de boa conduta, instruída, equilibrada, etc? Aham, ok.

      E que não me venham falar de pobreza porque vim de uma família miserável e nem por isto me dedico a esse lixo cultural dos dias atuais. Se cheguei até onde cheguei foi porque minha mãe, negra, pobre, lutou pra superar todos esses esteriótipos e me ensinou a lutar contra minhas as próprias limitações.

      Enfim, vistamos a camisa da responsabilidade e do amor próprio, é amando a nós mesmos que poderemos exigir que nos amem também. se isto não for possível, então que nos conformemos com o desprezo, a começar claro, pela cor da pele….Isso é Brasil.

      • Kate permalink
        30/01/2013 16:40

        No Brasil existe um racismo velado, mas eu não acho que na Itália a cor da pele seja um fator secundário, não mesmo!! É que por ex. eles precisam de estrangeiros para certos tipos de trabalho (como eles mesmo dizem “extra-comunitários” num tom negativo, porque ngm menciona os suíços como extra-comunitários) que muitos italianos não querem fazer, e por isso são bem tratados tb. Acontece que muitos italianos também se interessam por estrangeiras como as latinas por ex., pois além de italianos não estarem mais fazendo filhos como antigamente, acredito que haja uma curiosidade e uma preferência por outros povos, pessoas mais amáveis e mulheres mais femininas, não feministas…
        Só para salientar esse ponto que mencionou!

  45. Fabrício permalink
    29/01/2013 1:06

    Acabo de sair do pais. Antes mesmo, estava no metro de São Paulo, vendo as pessoas, e pensei comigo mesmo, estamos chegando lá. Espanha, Cingapura e diversos países desenvolvidos só são assim pois em certo momento da sua história seus governantes, por pressão ou não, resolveram seguir o caminho da formação de seu povo. A Espanha por exemplo passou da mão de Reis para uma elite mais esclarecida que permitiu o estabelecimento de uma democracia. Aliás, muito dos confortos dos países desenvolvidos são comprados com a exploração dos países menos desenvolvidos. E para isso é necessário que eles comprem a elite local e mantenham o controle econômico na rédea curta. O Brasil pode não estar indo para o melhor dos caminhos, mas tenha certeza que as coisas estão mudando. E continuaram. Você ainda vai se surpreender em vida com as melhorias da condição de vida, com o surgimento de um população menos ignorante e um pais que caminha pelas próprias pernas. Eu já vivi fora, trabalhando e estudando legalmente anteriormente, fiquei encantado sem ser crítico ao local em que vivia, Londres. O Reino Unido só é assim tão poderoso, pois pisou com poder bélico em nações durante séculos. Ignorância não é só um mal de um povo que não teve escolha, mas também a opção daqueles que preferem respostas simples.

  46. Cleber permalink
    29/01/2013 15:56

    que pena que a blogueira precisou ir para a Espanha para aprender a ser tolerante…

    • Mariana permalink
      04/05/2013 13:38

      Ola Cleber ,sem querer ser grossa.Se vc não entendeu nada do que ela escreveu é pq realmente vc nunca saiu da sua bolha ,nunca conheceu outra cultura que te ajude a entender que o que acontece com o nosso pais é injusto pra vc pro seus filhos,seus netos seus familiares. E tolerancia é uma palavre muito bem usada por vc pq quem vive fora do pais como imigrante aprende muito bem a ser tolerante .
      O QUE ACONTECE NO SEU PAIS BRASIL NÃO TEM NADA HAVER COM TOLERANCIA MUITO PELO CONTRARIO,NÃO TEMOS QUE TOLERAR A VIOLENCIA,A FALTA DE ESTRUTURA O DESCASO COM O CIDADÃO AEDUCAÇAO DE PESSIMA QUALIDADE QUE TEMOS,COM CERTEZA VC NÃO VAI ENTENDER NADA QUE EU DIGA SE NUNCA TIVER DESPREGADO OS PES DAQUI.

  47. 29/01/2013 17:53

    Moro na irlanda sou casado com uma polaca, temos uma filha e um entiado.
    Fomos ao Bra(z)il ha algum tempo por duas semanas, nao tive aquela sensacao de que estava em casa tambem, como muitos outros ja citaram, e pouco depois fomos passar ferias de verao na Polonia, ficamos por tres semanas, qdo voltamos a irlanda, eu tive a estranha, mas gostosa sensacao de que estava efim em casa. Concordo com tudo que nossa amiga escreveu no artigo. algo que poderia acrescentar seria que pelo fato de que somos quatro em casa, podemos nos dar o luxo de um trabalhar enquanto o outro cuida da casa e das criancas, no momento sou eu quem estou trabalhando, mas por dois anos desempregado, minha esposa trabalhava e eu cuidava das criancas. no Brazil nao seria possivel dar-se a esse luxo.

  48. Paulo permalink
    29/01/2013 19:14

    Olá, gostei do texto. Só uma coisa me preocupa. Vc por acaso faz Doutorado pago pelos Brasileiros? Se for, recomendo que cogite voltar não pensando em vc, mas sim para retribuir um pouco o que lhe foi dado por seu país (ser pago para estudar é o que eu sempre quis). Caso o seu doutorado não seja pago pelo Brasíl, pelo amor de Deus, nem pense duas vezes, fique onde vc vive melhor!

  49. Carlos permalink
    29/01/2013 20:44

    Eu estive no Brasil em 2003 depois de ter passado 8 anos na Suiça. Eu só posso dizer que o horror de ter estado la me persegue até hoje. Fui muito mal tratado. Tive que passar por poucas e boas e fiquei assustado. O nivel de Insensibilide, educação é assustador !
    Os funcionarios publicos foram agressivos e maldosos comigo. O povo é tão degradado e desleixado, e o nivel de miséria e pobreza é indescritivel. Eu me lembro que após um tempo eu não estava suportando mais ficar no Brasil, e estava contando as horas para voltar para a europa ! Eu percebi que o MEDO é o sentimento que mais te persegue quando você pisa no Brasil, no meu caso no Rio de Janeiro. E depois PANICO. Eu ja tinha esquecido destes tipos de sentimentos, antes de ter voltado… Nâo sei se vou poder permanecer na europa pra sempre, mas se tiver que voltar pro Brasil de novo…Que Deus me ajude…
    Eu desejo a todos vocês que tiveram que deixar o Brasil muita, muita sorte. Paz, felicidade e uma vida próspera e digna.

    • 05/05/2013 20:44

      Carlos, compartilho com vc !! Moro ha 13 anos no Canada e rezo a Deus nao precisar voltar para o Brasil…. Eu tb desejo a vc forte e sucesso em ficar por ai. Para nos ne ?!?! rs…..

  50. 29/01/2013 21:02

    Ola, vi este texto no Facebook de uma amiga, achei muito interessante, e ate “inverti” alguns minutos do meu tempo em ler os comentários.
    como sempre este é um assunto que gera muita polémica.
    Penso que, o que importa não é o lugar em que você se encontra, e sim, como você se encontra neste lugar.
    Vivo em Barcelona faz anos, 10 para ser exato. (Acho que entrei para ler este texto ate mesmo porque estou nesta fase da minha vida, voltar ou não voltar?¿ eis a questão…)
    Posso dizer que não há nada que me prenda aqui, não tenho filhos, minha noiva é Paraguaya e estaria encantada de viver no Brasil, sim que tenho irmãos, primos, tios e tias aqui, e também minha querida mãe, mas acho que já somos todos “mayorcitos” e um par de visitas ao ano não estaria tão ruim, afinal, vivemos em diferentes cidades.
    Sempre falei, (e a risco de ser tachado de anti patriota) que o problema não é o Brasil e sim grande parte dos Brasileiros, porque é mas fácil assistir a novela das 8 ou o jogo do corinthians que lutar pelos ideais do pais.
    Não sei se a maioria das pessoas que vão ler este comentário esta ciente da historia de Catalunya, caso seja assim, recomendo que investiguem, é muito interessante. A verdade é que não gosto muito do bordão “Catalunya no es España” mas me fascina como os catalanes lutam por isso que eles chamam “pais”
    Voltando ao assunto. Amo Barcelona, como também amo minha Minas Gerais.
    Mas por um lado, é ótimo Voltar pra casa as 3 da manha depois de tomar algo em um bar sem se preocupar por ser assaltado ou de uma bala perdida, essa segurança eu encontro em Barcelona (ainda que, não sou capaz de andar toda a “la Rambla”, sem comprovar ao menos umas 4 vezes se a minha carteira segue no meu bolso) Até os ladroes de aqui são mais “sofisticados” te roubam a cueca sem tocar no teu sapato.
    por outra parte, talvez eu gostaria de voltar à casa não as 3, e sim as 6 da manha, isso eu encontro na minha queria Minas Gerais, porque em Barcelona, falando de bares, não é possível. Mas será que vale a pena 3 horas a mais de diversão, pela incerteza de se você vai chegar em casa ou não?
    Eu creio que toda a diferença entre o Brasil e alguns outros países se reduz a una palavra: Organização. Com uma policia organizada, não há tanta violência, com um sistema educacional organizado, não há tanto fracasso escolar, com um sistema sanitário organizado, não há tantas filas de espera nos hospitais.
    Em termos de organização, para o Brasil falta muito para se quer, poder comparar com os países de Europa.

    Diferente seria a questão económica, neste sentido o Brasil vive um grande momento, talvez o melhor da sua historia. Mas a pergunta é. ¿Hasta Cuando?
    Penso que, por pior que esteja aqui, ainda esta melhor que lá.

    A verdade é que vim para em Barcelona por um motivo, pensei que, um diploma da Universitat autònoma de Barcelona valeria muito mas do que um diploma da UFMG. ¡GRANDE ERRO! Os diplomas são iguais, o que importa são as pessoas que estão por traz deste pedaço de papel, e isso aprendi aqui.

    Como disse antes, não há nada que me prenda aqui, mas sempre coloco qualquer desculpa para pensar que sim.
    faz uns meses, deixei meu trabalho em uma importante empresa española, com a intenção de voltar ao Brasil. Semanas depois comecei a treinar um time de Voleibol de segunda divisão estadual para ter um motivo para ficar. E o mas engraçado é que mesmo treinando um time qualquer de voleibol (para vocês terem uma ideia, o voleibol na España é o mesmo que o cricket no Brasil, um esporte que quase ninguém conhece) eu posso ter o mesmo estilo de vida que tinha trabalhando em uma grande empresa. Coisa que no Brasil não aconteceria.

  51. J.S.Martins permalink
    30/01/2013 2:13

    Eu tô morando fora a quase 6 meses e nao vejo a hora de voltar pra casa. Há casos e casos… Pra quem pensa que os EUA é um sonho, que tudo funciona aqui, tá muito enganado… as pessoas são muito mais preconceituosas que no Brasil, menos pacientes, mais preocupadas com tempo/dinheiro, poucas têm interesse em você e nem te dizem oi quando te ve (pois nunca vi gente tao viciada em celular quanto esses “americanos”). Claro que tem seus lados bons tbm, mas como disse, são casos e casos… Mas o que eu posso dizer que uma coisa que aprendi aqui foi a dar mais valor ao país que moro…

  52. ... permalink
    30/01/2013 14:21

    Não deixem de lembrar quantos anos os países europeus têm a mais de “civilização” que o Brasil, quanto tempo tiveram pra melhorar a qualidade de vida e por quantas coisas ruins também passaram pra chegar onde estão (ou vocês acham que sempre foi seguro, que os políticos sempre foram honestos e que todos sempre tiveram empregos e uma qualidade de vida maravilhosa?)… O Brasil está crescendo, melhorando e temos que admitir isso. Assim como vejo mal educados no Brasil, aqui na Europa também há muitos. Inclusive passei por maus bocados na Itália (creio que um dos países mais idolatrados da Europa) devido à falta de educação e grosseria dos italianos!
    Não estou discordando, porque tudo o que você disse é verdade, e o Brasil realmente é um país que tem muito a melhorar. Só acho que não adianta apenas sair do país, apontar todos os erros e esperar que tudo se resolva… Nós brasileiros temos que lutar por melhoras mais efetivas, ao invés de apenas criticar e se mandar do país. Eu concordo que a qualidade de vida aqui é maravilhosa, mas digo que não vejo a hora de voltar pro meu Brasil, pro meu calor, pra minha comida, pra minha gente alegre e calorosa, com todos os seus defeitos e tentar fazer a minha parte pra que a vida lá seja cada vez melhor!!

  53. Kate permalink
    30/01/2013 16:52

    Uma vez emigrante, nada será mais do mesmo jeito, nem na Europa, Oceania, América do Norte, nem no Brasil! É ilusão pensar que voltar ao Brasil nos faz viver e sentir tudo que vivemos nas nossas vidas como antigamente, tudo muda porq. nós mudamos o modo de ver a vida…voltei da Europa depois de 5 anos, e o sentimento de que existe algo incompleto dentro de mim é constante, assim como era lá fora. Procuro usar os bons costumes que aprendi para uma nova vida no Brasil. Aqui na terrinha também vivi muitos bons momentos simples (como comer cachorro-quente depois de uma festa, conversando altas horas com os amigos, pois nunca fui de me focar em ostentar marcas e por isso acredito que nesse ponto não precisei ir para o exterior para vislumbrar isso). Claro que, a revolta com o sistema daqui existe, deixo de comprar certas coisas pois sei que o preço é extremamente injusto….quero poder ter uma vida livre num país que nos encarcera, mas a família, amigos e contato com pessoas gentis da sociedade, mas faz ver também que não preciso ser maltratada de graça como fui muitas vezes no exterior. É tudo um paradoxo, é tudo muito relativo e pessoal, me identifiquei muito com muitos pontos que vc abordou nesse post, viva intensamente esse momento, e aproveite esse aprendizado com pessoas de todo mundo que encontrar no seu caminho, pois isso é único e enriquece a alma. Abraços

  54. Eddy Eltermann permalink
    30/01/2013 17:10

    Pelo seu texto penso que havia uma boa dose do preconceito e de tudo que você fala, apesar de ter morado bastante tempo fora, já havia aprendido no Brasil. Nunca dei bola para os supérfluos ou para o luxo, nunca notei a roupa da pessoa que ia à padaria. Como li em outro comentário aqui, acho que cada um encontra o seu canto, ou como eu, vive em constante adaptação e idas e vindas. De qualquer forma, acho que o problema não está no Brasil, mas em preconceitos que pertenciam a você e dos quais conseguistes enxergar somente em outro lugar.

  55. Mari C. permalink
    30/01/2013 19:57

    Muito legal a discussão, mas acredito que “achar” um lugar pronto é mais fácil do que considerar ajudar seu próprio país, também sinto vergonha de algumas pessoas que aqui escreveram… o problema do país é a sua população, e nós fazemos parte disso, pq não ajudar a melhorar?

    “Numa comparação esdrúxula, mas verdadeira:

    É muito mais fácil pegar comida congelada do que tentar fazer.”

    É lindo querer viver em um país que poucos problemas tem, e vejo que se depender de muitos o Brasil vai continuar assim, pois conhecem uma realidade boa e sequer se interessam em melhorar o próprio país.

    Ah… e como já disseram, nem todas as pessoas vivem essas experiências maravilhosas (conheço várias que não querem voltar, principalmente pra Europa)

    No primeiro trimestre de 2012 foram concedidas aproximadamente 13.000 vistos de trabalho para estrangeiros, quase 50% destes com ensino superior. Revejam seus conceitos, nenhum lugar “nasce” bom, é necessário que o seu povo trabalhe por isso.

  56. Juliana Bonassa permalink
    30/01/2013 20:47

    Oi Glenda,
    acabei de voltar a morar no Brasil, fiquei dois anos e meia em Lisboa (PT). Voltei porque não tinha mais emprego e já tinha terminado o mestrado. Ainda não me acostumei a estar estar aqui e não acho que vá me acostumar tão cedo. Só quem viveu isso sabe como é, por isso fiquei feliz em descobrir o seu blog. Fez com que eu me sentisse compreendida e com companhia. Um grande beijo.

    • 05/05/2013 20:56

      Oi Juliana, Oi Glenda !!!
      Glenda, me identifiquei muito com seu Blog !! Obrigada pelas palavras… ecoou dentro de mim :). Juliana, eu tb me senti assim, compreendida e com companhia !! bjus

  57. Mário permalink
    30/01/2013 21:27

    sinceramente eu n vejo isso tudo aqui na espanha

  58. Ana permalink
    31/01/2013 14:17

    Que tal aprender com a vida, no mundo, mas fazer um pouquinho para tornar o Brasil o país que todos, brasileiros, queremos?

  59. 01/02/2013 4:17

    Glenda, fabuloso o texto. Tive minha experiência no exterior (França) durante 1 ano e meio e estou de volta no Brasil há um ano. Concordo com tudo o que escreveste. A volta é realmente uma experiência desafiadora, mas acho que está produzindo seus frutos.

    Não sei de que cidade és, mas se um dia vieres para Porto Alegre, não deixa de me contatar para eu te mostrar as coisas fantásticas (que poucos vêem) mas que muitos já estão fazendo.

    Aqui tu encontras diversos exemplos: http://trilhos.maodupla.org/2012/10/23/nem-direita-nem-esquerda-voce-mesmo/

    E aqui um texto que chamei de “Jogo da Vida”, que procura elucidar a loucura na qual vive o povo brasileiro: http://trilhos.maodupla.org/2013/01/12/jogo-da-vida/

  60. Emma permalink
    01/02/2013 20:35

    Morei nos EUA por dois anos, e ha dois meses estou de volta ao Brasil. Não vou ficar aqui, tenho um noivo americano e vou voltar pra la logo mais. O problema do brasil é essa cultura enraizada no nosso povo, essa mania de dar jeitinho pra tudo, de levar vantagem em todas as situações. O não cumprimento das leis e das regras quando elas existem. Esse é o problema do Brasil. Não vou ser hipócrita e dizer que eu tb ñ dou meu jeitinho brasileiro, já estacionei o carro no estacionamento do mercado ou da biblioteca nos eua pra econimizar uns trocados…mas quando vc vive em meio de gente educada e que respeita as regras, vc se sente culpado em não fazer o mesmo. Não quero mais morar aqui, se pudesse levava todas as pessoas que amo pros eua comigo, mas ficar aqui, não dá mais.

  61. 01/02/2013 23:19

    Poxa Glenda, quase chorei com seu texto. O jeito com que você conta suas experiências dá uma puta vontade de morar fora. Eu e meu namorado já estamos estudando a ideia de ir embora do Brasil há um tempo e eu fico muito dividida por ter que me separar de amigos e família, mas confesso que seu texto me influenciou um pouco. :)

  62. Liliana permalink
    02/02/2013 10:05

    Discordo em muitos pontos. O Brasil não é ruim do jeito que brasileiros que estão fora pintam não. A verdade é que muitos brasileiros, especialmente os mais abastados (e abestados), quando vão pro exterior lembram do Brasil com a visão preconceituosa que tinham quando moravam lá e que só mudou quando saíram do pais e viram que o mundo não gira em torno da divisão de classes que tanto valorizavam quando ainda viviam dentro da caixinha “papai tem dinheiro”. O exterior nunca ganhou o meu coração, pois não descobri nada disso aqui. O Brasil é a minha casa. Mesmo tendo morado em dois outros paises e conhecendo vários em diferentes continentes, o Brasil nunca vai deixar de ser a minha casa. Tem problemas? Sim. Mas nenhum deles supera o sentimento de pertencer. Concordo o comentário do Eddy ai em cima. O problema maior não esta lá, mas estava em voce.

  63. 02/02/2013 22:14

    oi Glenda,

    Nunca nos vimos nem falamos, e no entanto nos reconhecemos através de nossa experiencia e percepção sobre este fato tão importante que é o sentimento de ‘belonging’.
    Costumo dizer que a alma da gente tem seu lugar e que este lugar não é definido pela geografia no momento do nascimento da gente.
    Estou no planeta há bem mais tempo que voce, e nunca me senti ‘parte’ do Brasil, ainda que o Brasil seja parte da minha vida, porque lá estão meus familiares e muitos amigos queridos. E porque meu corpo fala a gestualidade brasileira e meus ouvidos dançam samba (não forró…), e porque sou pessoa de sol e mar…
    Só que as pessoas que amo, estão e estarão sempre comigo, em qualquer lugar. E a música que mais me chama é a da Natureza, e o sol e o mar são lindos sempre, onde eu souber encontrar luz e movimento.
    A qualidade de vida que desfruto na Bélgica, onde vivo há 10 anos, não tem como ser substituída por nenhuma – repito: nenhuma – emoção positiva/bela que estar no Brasil possa me fazer sentir. Claro, o fato de ter vindo para casar-me com meu amor belga tem sido um facilitador para minha integração, mas nunca seria A porta para entrar em nenhum ambiente se eu não tivesse, sempre, batalhado por isto. Digamos que, por exemplo, aprender o Holandês (moro em Antuérpia) não é uma missãozinha fácil…só para citar o canal mais evidentemente necessário para se fazer parte de uma sociedade e cultura. Fiquei feliz quando, após 4 anos aqui, pude receber a nacionalidade belga. Acho maravilhoso poder ser uma ponte entre duas culturas.
    Desde que estamos juntos, meu marido e eu já fomos ao Brasil 4 vezes, e eu me sinto paranóica no minuto mesmo em que o avião aterrisa! O medo se instala e a atitude de constante defesa se torna uma segunda pele, odiosa mas necessária.
    Me lembro da vergonha que senti quando, na primeira vez que fomos, o funcionário que controlava os passaportes deu um verdadeiro show de grossura e agressividade, humilhando 4 rapazes que estavam na fila e que não pareciam ‘bem-nascidos’. Eles conversavam entre si, e o ‘ortoridade’ os expulsou da fila, gritando que estava sendo desrespeitado (ele!!!) pelos risos entre eles!!! foi um horror que me deu vontade de voltar atrás e entrar no avião de novo!!!
    Menciono este fato, porque é emblemático. O ‘sabe com quem está falando?’ é marcador da atitude que permeia o país, de desrespeito ao ser humano. A corrupção, impune e existente em cada nível de relação, o ‘tirar vantagem em tudo’ como slogan, o oportunismo escondido em sorrisos ‘simpáticos’, o desvalor à educação, à cultura e, sobretudo, à honestidade. No Brasil todo mundo é mentiroso até provar o contrário…e voce passa o tempo todo tendo que provar que não é corrupto. Tua palavra não vale nada, e ‘todo mundo tem seu preço’…
    Num país tão lindo, não há amor pelas belezas da terra. Não se protege a natureza, não se cuida da vida. Assistencia médica é luxo, não direito. Escola é luxo, não direito. Dignidade? Ética? Honra? palavras esquecidas, se jamais praticadas.
    De há muito que digo, Glenda, que o Brasil é um país moralmente aidético e que a única saída é o Gate Number 5…lamentavelmente, este tem sido meu sentimento e não tem mudado no tempo.
    Adoro viver num país onde lei é para todos. Onde uma consulta médica custa 5 euros. Onde posso andar de noite e nos parques, a qualquer hora, sem medo. Onde sou respeitada como ser humano. Onde pais que não colocam as crianças na escola são multados. Onde o patrimonio histórico é preservado por todos. Onde jogar lixo na rua é passível de multa. Onde carro pára para pedestre e pedestre também respeita o farol vermelho, porque existe multa nas duas direções. Tem muitos outros fatos, lista longa a minha. Mas quero ressaltar um: onde oferecer suborno a policial é motivo para prisão. Dispensa comentários.
    Alguns brasileiros que partiram, pensam em voltar.
    Eu não volto.

  64. danny permalink
    03/02/2013 16:30

    Vivo 10 anos na europa, e cada ano que vou no brazil tenho menos vontade de volta!! o brazil e pais para RICOS e nao para POBRES! europa e para clase media!Aqui posso viver bem , sem ser rico!! coisa que no brazil para viver-se bem tem que ser rico, com os presos que esta tudo , dificilmente se pode viver com o minimo!

  65. gustavo permalink
    08/02/2013 2:09

    eu acho que espanha nao e la aquelas coisas, nao se podi mora sozinho ,os catalanes sao gente muito fria,muito dificil te amigos catalanes,eles so quer os brasileiros brasileiras para cama,vai pelas ruas de barcelona so ver velhos,gente com aspecto sujo e pura realidade levo 12 anos aqui,quero ir emborra mas me dar medo mora no brasil nunca mas voltei,tem seus lados bom tambem,mas a vida europa muito solitaria!!!por mas bonito que voce seja,dificil encontra alguem,eles sempre tem medo dos estrajeiros

    • Kal permalink
      20/05/2013 8:05

      Nao parece que voce mora ha 12 anos na Catalunya.
      Os Catalanes nao sao gente fria,sao educados,e Catalunya recebe muito bem o estrangeiro,nao e a toa que esta cheio de Nous Catalans,agora você nao vai querer que os Europeus sejam iguais aos Brasileiros,pois eles tem sua maneira de ser,sua cultura tem Brasileiro que tem que aprender isso,e você nesse meio tempo parece nao ter aprendido nada dessa cultura rica e maravilhoso,deve ser um pessoa difícil e complexada,…eu nao posso entender o que faz uma pessoa em um pais por 12 anos,do qual ele acha as pessoas frias…e eles nao querem os Brasileiros somente para cama nao meu amigo,se fosse dessa forma,nao teria tantos Catalanes que constituíram família com Brasileiras..se fossem frios e quisessem somente para cama,nao se casariam com essas mulheres e muito menos teriam filhos com as Brasileiras,nao concorda ? somente velhos em Barcelona ??? kkkk qual o seu problema com os velhos ??? e outra de onde vc tirou que somente tem velhos nas ruas de Barcelona,nunca ouvi tanto absurdo de uma somente vez…sera que entre esse meio tempo vc ao menos aprendeu o Catalão ou somente ficou no Portunhol,em suas comunidades Brasileiras ??? Pois os Catalanes dao o maior valor para o estrangeiro que se esforça para falar o Catalan….gente suja ??? Meu Deus,as pessoas sao super limpas,arrumadas e bem perfumadas…. bem que com essa crise nao deixa de chegar imigrantes dos paises do Leste que nao sao la essa beleza em limpeza..se for dessa forma,deixe isso claro para que as pessoas nao conhecem nao levem uma ideia errada..e muito estranho que vc esteja sozinho na Catalunya..pois o que nao falta e Brasileiros por essas terras…e somente fica sozinho quem quer ou e muito chato,rsrrr…..mas e preciso irmos de mente aberta para o pais dos demais,e respeitar a cultura deles,afinal vc que e a visita e nao eles.:D

  66. gustavo permalink
    08/02/2013 2:16

    nao sei que fazer sao 12 anos sem ver minha familia sem ir por brasil,sai do brasil as 20 ja estou nos trinta mas com crisi europenha e dificil seguir na europa,bom daqui e a segurança nao sei que fazer???me dar medo leva tiro no brasil,nao quero morrer ainda!!quero ir para australia,antes de morrer jejeje q duvidas!!!si facar o bicho pega se correr bicho comer disculpa meu portugues faz tempo nao escrevo

  67. 08/02/2013 15:22

    Que belo texto!
    PARABÉNS!!!
    Posso dizer que, após 5 anos em Montreal (a mais europeia cidade da america do norte), voltamos ao Brasil (Eu, minha esposa e nossa filhinha). Já faz 1 ano e meio que regressamos com o espirito aberto de viver aqui, sabendo de todas as dificuldades, em prol do “aqui que é a nossa terra de verdade” ou “aqui que está nossa família”.
    Balela!
    Trabalhamos tanto que não temos tempo de ver nossas famílias e amigos. Nosso dinheiro vai todo embora com as coisas que temos que “comprar” para ter um padrão classe média bom (seguro saúde, escolas, clubes, condominios dos aptos com estrutura etc, etc, etc). Outros podem dizer: “mas vcs não deveriam trabalhar tanto preocupando ter esse padrao de vida”. Pois digo: é quase insuportavel viver com poucos recursos no Brasil. Sem dinheiro, não há acesso a nada. E “nossa terra” é essa bagunça violenta que não nos dá nenhuma esperança num futuro melhor. Pelo contrário, só se melhora um país com a melhora da educação. E no Brasil, ela está piorando segundo as pesquisas que medem isto.
    Pois bem, já começamos a arrumar as malas para retornar para lá, que não é onde nascemos, mas que nos faz nos sentir mais em nossa casa do que no próprio Brasil. Pois lá, nos temos segurança, paz de espírito, lazer gratuito, o respeito das pessoas, educacao boa e barata, esperança de um futuro mais tranquilo, justiça social, menos necessidade de ser ambicioso, pessoas mais educadas, politicos menos corruptos (sim, menos, pois corruptos eles são em qualquer lugar do mundo), transporte urbano com mais qualidade e funcional, bicicletas (opa, trabalhar de bicicleta nem mastercard!), pessoas do mundo inteiro, etc etc etc

    • 10/02/2013 19:43

      Oi Lúcio,

      tua experiencia deveria poder servir para pessoas que ainda não perceberam como a ‘coisa’ é. Infelizmente não é assim…donde tudo o que voce pode fazer agora, depois do desperdício do teu ‘espírito aberto’, é voltar para onde você sabe que pode viver melhor. Bom retorno a Montreal e parabéns pelo depoimento. Sincero e real.

  68. Agostina permalink
    08/02/2013 16:58

    Pois eu, que moro em Montréal há 7 anos, acho que alguns de vocês estao alienados e deslumbrados. Entao a Espanha é perfeita? Ou Paris? Nao existe corrupçao, machismo, xenofobia ou homofobia? Abram os olhos! O sistema de saúde do Québec é péssimo, temos um primeiro-ministro (o Canadá) que quer retirar dinheiro da educaçao e aplicar na construçao de mais cadeias. Existe o Plan Nord, que pretende desmatar e explorar mais e mais territórios ao norte da província. A polícia é truculenta e imigrantes demoram pelo menos 6 meses mais a encontrar trabalho do que um canadense. O resto tem, multiculturalismo, ciclovias, piscinas públicas, mas vamos ser atentos. Alguns de vocês reproduzem esse discurso de intolerância que só prejudica e oculta o que o Brasil tem de bom a oferecer.

    • 04/05/2013 9:52

      Agostina,

      posso perguntar uma coisa? por que você não volta para o Brasil?
      não se sente mal de ficar num país para onde foi por decisão pessoal, se acha que o Brasil é onde viveria bem?

      sorry, mas isto me parece ingrato, para não dizer ‘incoerente’.

    • Mariana permalink
      04/05/2013 13:46

      Cara Agostina ! Claro quem tem razão é vc . Nós produzimos um discurso somente pra prejudicar o Brasil .
      Meu Deus como se a culpa do Brasil não funcionar bem fosse nossa.
      Gostaria de saber pq vc saiu do seu pais pra viver em outro,e gostria de te alertar minha amiga se a saude dai não funciona vem olhar a saude do seu pais de perto como funciona,se ai tem corrupçao ?? Claro que tem mas vem ver aqui de pertinho o que a corrupçao faz com o cidadão de bem que levanta cedo pra trabalhar ou ate mesmo pro rico que vive com medo de bandido.
      Vem pra sua patria amada vem :)

    • Kal permalink
      20/05/2013 8:10

      Outra que reclama,mas nao larga o osso.

  69. Gio Carlosi permalink
    08/02/2013 18:46

    Meu Deus!!
    Me emocionei com seu post. Me identifiquei tanto. Infelizmente, ou feliz – ainda tenho que descobrir, voltei ao Brasil há 2 meses depois de ficar 1 ano na Irlanda. Voltei pelo meu profissional já que na Europa não conseguiria meu lugar ao sol, na minha área e, como você citou, a situação para imigrantes nem sempre é justa.

    Contudo, minha percepção de conforto e felicidade mudou completamente. Aprendi a ser feliz com pouco. Vi felicidade em minimalismos. E agora que estou no Brasil, me sinto triste por não me adequar ao senso comum difundido nessa pátria.

    Mole não, viu!
    Força e Fé!

    Obrigado pelas palavras!

  70. Carolina permalink
    09/02/2013 3:31

    Glenda, seu texto é legal quando mostra que sua perspectiva e seu olhar pra vida mudaram depois que saiu do Brasil, mas realmente, tenho que discordar quando vc e tantos outros generalizam o Brasil como se bala perdida fosse comum em todas as cidades. Onde moro, posso andar a noite pelos parques, voltar a pé pra casa, vou a pé pro serviço, meu marido, consegue trabalhar de casa quase todos os dias, temos bons empregos e boas perspectivas para o futuro, viajamos com freqüência, mas quando o fazemos para fora do país, descobrimos na volta como é bom voltar pra casa. Conheço muitas pessoas que se zangam com nosso pais e vão tentar a vida em outro lugar e mesmo quando voltam, pois nao foi como o esperado, terminam por se lamentar e criticar o Brasil; nao posso generalizar, mas na maior parte são aqueles que tiveram a oportunidade de tentar o melhor lá fora, pois quem nao tem essa chance aprende a batalhar aqui e a valorizar o Brasil com todos os seus defeitos. Como alguém de nome Antônio disse acima, a felicidade e o lugar ideal com certeza é algo MUITO relativo. Pra mim, o melhor lugar do mundo é aqui, na minha cidade pequena, com meus amigos, vizinhos, familiares, comunidade, onde nasci e aprendi a lutar para conquistar o que queria, e onde pretendo criar meus filhos, ensinando-os que o importante mesmo não é morar onde se gosta, mas gostar de onde se mora e que mesmo num país com tantas dificuldades, desigualdades, injustiças é possível encontrar um lugar ao sol, só é preciso coragem para enfrentar. Mas que se um dia for essa a escolha deles, vou ensina-los a nao criticar o país onde nasceram e se formaram como ser humanos que aprenderam a batalhar, a compartilhar, a conviver com todas as diferenças. É facil ter a oportunidade de partir e apontar os defeitos do lugar que deixou pra trás. Dificil seria retornar e tentar mudar um pouquinho a realidade que nos cerca trazendo pra cá tudo o que se viu de bom lá fora.

    • Kal permalink
      20/05/2013 8:17

      Que sorte que voce tem,mas venhamos e convenhamos que essa nao e a realidade para a maior parte do Brasil.

  71. CassiJanes permalink
    09/02/2013 4:35

    Olá a todos!

    Perdi bem umas duas horas de uma sexta de Carnaval por que me interessei muito pela discussão e aí realmente resolvi contribuir.
    Saí de casa muito cedo e morei em cidades maiores e menores no Brasil, o que me fez ter a experiência de viver no interior e numa capital monstruosa como Sâo Paulo.
    Pra discutir a experiência de morar no Brasil ou em qualquer lugar do mundo, a gente tem que pensar como cidadão e não somente olhar para o próprio umbigo. Eu adoro meu país, minha cultura, a alegria que todos têm aqui, mas, realmente, quando passo as dez da manhã ou às dez da noite debaixo do Minhocão em SP eu fico com o coração partido por ver tantas vidas desperdiçadas.
    O problema de nosso país é o quanto você tem estômago (como cidadão) para lidar com a quantidade de injustiças sociais que você vê, todo santo dia. O problema do nosso país é você ter a melhor formação possível e não ganhar por isso. O problema de nosso país – e acho que de todos os problemas, esse é o pior – é você querer e tentar fazer alguma coisa e muitas vezes sentir-se sem poder.
    Sou professora e quando preciso levantar a voz com meus alunos uma coisa muito estranha fala dentro de mim – o que está acontecendo? Por que tenho que ser mal educadas com essas pessoas? Mas quando olho em volta na escola em que trabalho fico horrorizada – meus alunos não tem o mínimo de higiene e educação para usar o banheiro! E não estou falando de uma escola pública, estou falando de uma escola particular!
    Estive na Europa um mês o ano passado, e fiquei triste e feliz ao voltar ao Brasil. Feliz por que é meu lar e sempre vai ser. Mas fiquei triste em pensar em quanto tudo poderia ser tão diferente e não é. E mais triste de pensar que o que eu posso fazer para mudar alguma coisa é realmente muito pouco.
    Se eu tivesse a oportunidade de ir embora, eu iria. Infelizmente, meu país não me dá condições mínimas para eu viver uma vida tranquila. Tenho que me matar para poder pagar um aluguel caríssimo em SP, para poder pagar um plano de saúde que ainda me paga mal, para poder manter um carro simples e segurá-lo para que não seja roubado. E apesar de tudo isso, mal posso usufruir da cidade em que vivo, pois (pelo menos a mim) me faz muito mal ver o trânsito caótico, as pessoas mal educadas, os meninos de rua se acabando pelo crack. E mesmo morando numa cidade pequena, você pode enumerar uma série de outras coisas em que sua vida vai ser afetada negativamente pela desorganização que é o país (basta ler ou assistir um telejornal).

    Por isso, e somente por isso, eu iria embora e realmente não voltaria.

    CassiJanes.

  72. Luiz Francisco Avila permalink
    09/02/2013 12:32

    Glenda, o texto eh mesmo excelente.Eu tive uma duvida muito parecida na minha adolescencia, pois a grande maioria dos meus amigos era de outra religiao. Certo dia fui questionar todos os pontos negativos em uma demorada conversa com minha Mae. Ela ouviu pacientemente e, ao final, me fez apenas uma pergunta: se as pessoas que enxergam, de fato, o que precisa ser feito simplesmente mudarem…como vamos tornar nosso mundo melhor? Tenho pensado (e aplicado) esta questao desde entao.
    E o que eu poderia te dizer eh que SIM voce deveria voltar….Sevilla nem sempre foi esta Sevilla….as pessoas a fizeram assim.

  73. Inês Saber permalink
    09/02/2013 14:15

    Eu estive exatamente no seu lugar. Eu tive um experiência horrível quando voltei, por não sentir que era a hora de voltar, por vivenciar violência de forma que nunca tinha vivido bem no mês de regresso. Tinha vontade de chorar cada vez pegava um ônibus porque me acostumei com os de SF e San José, e esqueci a sensação de ser chacoalhada segurando um cano. Fiquei frustrada por não ter dinheiro para nada, apesar de ter sempre trabalho. Quando volltei aí consegui ver coisas com o afatamento que tive que me fez ver coisas sobre o BR.
    Vivi com pessoas americanas que são a exceção. O meu host da father é uma pessoa crítica, que sabia muito de geopolítica falava alemão e mandarin, minha host mother amava o México e tentava sempre falar espanhol, mas tinha muitas opiniões americanas babacas. Eles não compravam um carro todo ano, ela não trabalhava a jornada de trabalho inteira pra ter uma tarde com as filhas, enquanto sabemos que a maioria dos pais deixam em Daycare.

    Morando fora vi coisas do meu próprio país que não percebia antes. E tive uma vida mais próxima do que sonho em ter. Foi lá que aprendi que é possível viajar mais. Conheci o couchsurfing, e nesse grupo muitas pessoas que viajaram pra mais diversos lugares do mundo e tem a cabeça aberta. E esse grupo existe aqui. Centenas de pessoas que querem viver melhor, e muitos estrangeiros que vivem melhor aqui do que fora.

    Sinto falta de escutar violino na rua? Sim. Mas existe vida cultural aqui também em Curitiba, nada parecido com SP e Rio, mas dá pra viajar pra lá com mais freqüência. Aqui tenho orquestra de graça, vi balés maravilhosos. Pra SP vão todas as exposições e pro MON ainda vêm algumas boas. Aqui tem pessoas me ajudando. Pessoas que não me conhecem me chamam pra sair, lá todos tem os mesmos melhores amigos desde a infância e não precisam de mais um. Quando voltei pros EUA vi como era sozinha lá e vivia em um mundo fora do real. Meus amigos de lá continuam meus amigos, mas são poucos. Aqui eu também moro com as exceções: convivo com pessoas que produzem arte, convivo com a classe pensante, professores/pesquisadores que dão o sangue por algo que acreditam.

    Tem violência? Sim. Educação básica aqui e frustrante? Dinheiro não dá pra nada? Mas acho que é muito do jeito que vivemos. As pessoas querem comprar tudo, ter um carro, tudo lindo. Já vi tanta casa de rico, que vai pra Europa e não entra em um museu. A vidinha bunda que eles tinham aqui tem lá, só com mais glamour.

    Aqui no Brasil eu também vou construindo o meu mundo, trabalho igual uma louca. Mas moro na casa que eu quero, como comida fresca e não é um luxo, trabalho num lugar que gosto, consigo viajar, vivo a minha cidade, como todos os defeitos que tem. Aprendi que odeio ônibus e prefiro andar a pé e nunca fui assaltada porque sei lidar com isso. Aqui tem muita gente alienada, assim como lá. Precisamos querer saber mais das coisas. Quero saber mais dos meus países vizinhos que tem coisas melhor resolvidas que o Brasil, e também tem outras piores.

    Vc que teve oportunidade de 2 realidades, mais que tudo, pense que tipo de vida quer levar. Vc não precisa ter a vida que tinha antes de ir, quando voltei achei que estaria presa num tipo de vida que não queria mais ter e quase fiquei louca. Hoje eu tenho muito a vida que eu quero, tenho muito trabalho, tenho lazer, tenho um namorado mente aberta que me faz tentar coisas novas e sempre está tentando coisas novas que eu proporciono. Tem coisas pra melhorar, e tenho coisas pra oferecer ao país que nasci. Onde estiver, coloque seu coração ali. E se quiser saber se ainda penso em sair do BR digo que sim porque quero ver mais coisas que me façam descobrir coisas sobre como quero viver. E “so soy de aqui ni soy de allá .. y ser feliz és mi color de identidad”.

    • 05/05/2013 21:51

      Oi Ines lendo essa sua frase “nunca fui assaltada porque sei lidar com isso.” Gostaria de saber como nao ser assaltada sabendo lidar com isso… o que eh lidar com isso !?!?!? Me conta menina !! To curiosa !!! Oxala vc veja esse post e mata minha curiosidade e um aprendizado que eu gostaria de ter sobre “lidar com assaltos no Brasil !!”… Apesar que nao eh so isso que nao tenho a minima vontade de voltar ao Brasil. Moro em Toronto – Canada.

      • paulo permalink
        06/05/2013 19:14

        Concordo plenamente..abandonei o brasil ja a 16 anos, moro em Portugal e ca e que sou feliz , Brasil nunca mais.
        Brasil e que nao presta nunca prestou , nem nunca prestara.
        viva Portugal…

  74. Vic permalink
    10/02/2013 6:57

    Esse seu manifesto eh tipico de jovem com menos de 30 anos e que mora na Europa a nao mais do que 8-10 anos…. Espere mais alguns anos e suas frustracoes comecarao a ser mais reais…

  75. Vic permalink
    10/02/2013 7:39

    Esse texto foi um completo dejavu dos meus pensamentos quando tinha 20 e alguns anos vivendo na Europa… Depois de mais de uma decada de indas e vindas, e agora passando dos 30, meu pensamento mudou muito. Nao que nao gosto de morar fora, porem na minha opiniao todos paises tem seus pontos positivos e negativos. Uma coisa eu digo, a lua de mel passa, e mesmo o “melhor” pais do mundo passa a ser monotono e tedioso p/ se morar. Essa eh a natureza humana; a curiosidade eterna… Porem chega uma hora, uma idade, na qual voce se cansa. Cansa das aventuras, descobrimentos, e o peso da maturidade te bate como uma pedra no estomago. O seu pensamento se foca em buscar estabilidade, conforto e familia. Quando este tempo chegar, voce vai perceber que nao importa aonde estiver morando; tanto faz Brasil, Canada, Irlanda, Espanha….. O que importa eh estar e ficar no local aonde voce tem ou criou familia, conforto e suporte. Hj em dia nao digo que nao volto p/ o Brasil pelo fato de meu pais ter corrupcao e problemas, mas pelo simples fato de que criei uma situacao confortavel e estavel alem de ganhar uma nova familia por aqui. Porem, se nao fosse a minha mente juvenil persistente de tentar achar um lugar melhor que o Brasil, hj provavelmente estaria de volta e vivendo tao feliz quanto vivendo por aqui.. Pois sem o amor de sua familia e a sensacao de conforto e estabilidade, nao importa o tao quao estavel, seguro e rico um pais seja, a aventura sempre passara e no longo prazo a solidao eh a unica que tende a ficar!

  76. 10/02/2013 12:35

    Tente se colocar na pele de outras pessoas.

    Imagina alguém famoso em seu país… que vai trabalhar em um desses países que você acha uma maravilha. Bem melhor do que aquela que Deus escolheu para você nascer… e.. não.. melhor parar de falar e mostrar.. vê isso:

    youtube to mp3

    • 10/02/2013 16:30

      Racismo existe em tudo quanto é canto…inclusive no próprio Brasil onde o Seu Jorge é famoso e por isso hunca deve ter “percebido”. E não se pode falar da Itália como um comportamento que se pratica em toda Europa. As vivências de cada um são bem diferentes e isso serve para formar cada opinião.

    • Kal permalink
      20/05/2013 8:31

      O pior racismo e o que sofremos em nosso próprio pais pelos nossos,seja pela nossa cor,condição social,ou ate mesmo por ser homossexual ou nao…e isso nos temos de sobra,o Brasil nao gosta e nunca gostou de negros,prova disso e fato de precisarmos de leis para poder proteger o negro contra ataques racistas,e na Italia racista,eu nunca vi tantas negras casadas com Italianos coisa mais difícil de acontecer no Brasil,quantos homens brancos de boas famílias do Brasil constituem família com mulheres negras e simples ???

    • Isadora permalink
      05/07/2013 22:21

      Se vc ouvir a entrevista até o final você vai ver ele falar que é amigo do Principe da Bélgica e que tem amigos europeus em vários países!

  77. 10/02/2013 12:37

    Queria poder ter uma oportunidade de ir para algum pais europeu para conhecer, culturas novas, habitos diferentes e trabalhar em um lugar novo para adquirir novas experiencias, já procurei alguns lugares, mas se tratando de brasil só acho picaretas que querem dar golpes com promessas insanas…
    alguem ai tem uma dica para mim?

    Abraços!

  78. 11/02/2013 0:34

    Me identifiquei com as palavras do texto, mas tenho que concordar com Antônio de que “a felicidade está dentro de cada um de nós”. Depois de 9 anos e meio morando nos Estados Unidos decidi regressar ao Brasil, ainda vivo o chamado “choque cultural” com algumas coisas, mas há 3 anos morando em São José dos Campos (SP) posso dizer que esse estilo de vida que você descobriu morando fora, e eu também vivenciei nos diferentes estados que morei na terra do Tio Sam, é possível de ser vivido no Brasil. Talvez não seja comum ver um casal jovem regressar ao Brasil e dois anos depois abrir mão de trabalho para ingressar num treinamento missionário de período integral…. e para agravar ainda mais, fazer tudo isso com sua primeira filhinha de apenas 4 meses. Não me importo com o que pensam, estou certa que vida, a liberdade de vida e o chamado de Deus valem muito mais do que os valores da sociedade de consumo que nos cerca. Sobretudo, percebo que aqui em São José dos Campos a mentalidade é bem inovadora, por isso quero te animar dizendo que tenho vivido num Brasil muito bom! Nunca fui assaltada e vivemos na contra-mão do mundo, mas tenho percebido que a movimentação neste sentido contrário tem aumentado, e a minha esperança também!
    Um grande abraço! ( E aos que desejam regressar ao Brasil…. venham para São José dos Campos!)

  79. 15/02/2013 16:44

    Concordo e compartilho de tantas coisas que você citou no seu texto. Nasci e morei no Brasil até meus 28 anos, e nunca, nunquinha me senti em casa. Mudei de Estado, de região, mas o sentimento era o mesmo: sempre achei que houve algum engano eu ter nascido lá. Daí em 2008 cheguei em Israel, onde vivo há 5 anos, e achei meu lugar no mundo. Não existe até hoje um lugar onde eu me sinta tão bem, tão local, tão à vontade. Não sei explicar o porquê, simplesmente me sinto bem, como se tivesse finalmente voltado encontrado meu lar. Porém, morro de saudade dos meus amigos que aí moram, sinto falta de morar em um país grande, onde eu possa viajar umas 10 horas de carro, onde a paisagem mude muito de uma região para outra. Sinto muita falta do preço da bebida alcoólica (adoro beber), do preço e da qualidade da carne (sou uma super carnívora) e às vezes também sinto falta do espírito festeiro do brasileiro. Acho que no Brasil as pessoas levam tudo muito menos a sério que na Europa ou aqui em Israel. Isso é bom para passar férias, mas ruim para morar. Aqui eu descobri um Brasil que antes eu desconhecia ou não via, mas apesar de tudo, não quero voltar a morar lá. A violência do Brasil é mais assustadora para mim hoje, pois aqui não existe violência urbana: eu posso tirar dinheiro no caixa eletrônico no meio da madrugada e ainda contar o dinheiro com calma, por exemplo. Caminhar na rua tranquilamente de madrugada ou sair com a roupa que eu quiser sem ouvir coisa trash é parte do meu cotidiano. Até hoje, voltei apenas uma vez ao Brasil por 1 mês. A segunda vez vai ser agora em março. Notei que o país está mais organizado, mais desenvolvido, muito mais caro também, mas para mim não dá. Meu problema com o Brasil é principalmente a mentalidade. Além de tudo, no Brasil eu sentia uma tristeza profunda de vez em quando, algo que não sei explicar de onde nem por que surgia, e que só senti novamente quando voltei de férias em 2011. Porém, é um país lindo com uma energia maravilhosa, com a melhor música do mundo (estou falando da música brasileira de verdade, não dos Michel Teló da vida), com uma comida maravilhosa e cheio de amigos que sempre me fazem falta.

    • 02/03/2013 14:45

      oi Arina,

      comento um fato em particular, referente ao que vocë escreveu: eu sei exatamente o que significa o sentimento do ‘nunca me senti em casa’ no Brasil. Alguns outros pontos, relacionados à minha experiência e análise você pode ler no post que coloquei aqui.

      siga feliz no mundo que teu coração escolheu!

  80. cidadão da banãnia permalink
    26/02/2013 16:00

    voltem para cá patricios ingratos , para poder ajudar a pagar as grandes aposentadorias de ( deputados , senadores , funcionario publico , viuvas virgens aquelas que o pai morre e ela se aposenta com 20 anos ) todos esses exemplos com beneficio de 10.000 para cima , aqui só existe dois tipos de pessoas 01 quem tem todas a benecis do estado 02 quem paga a conta. e precisamos dos patriotas para pagar esta conta amigo. pro exemplo 01 este é melhor país do mundo , 02 pro dois é pagar 40% de imposto na cesta basica , 60% de imposto em um financiado. agradeça a deus de terem podido sair da BANÂNIA.

  81. 28/02/2013 19:45

    Arina Alba falou bem, o Brasil é um país excelente pra TURISMO, vir aqui só a passeio é só alegria (se não for morto por bala perdida ou sequestrado, claro), afinal é bebida pra todo lado, o povo só curte carnaval, futebol, paquera e farra… mas pra quem vive aqui e tem de aturar uma cultura despreocupada demais, um governo corrupto que aproveita pra sugar o povo, uma TV completamente alienativa (por demanda do povo mesmo!) é barra…

    • Kal permalink
      20/05/2013 8:38

      Nem para turismo presta..péssima infra estrutura nos locais ditos turísticos,praias sujas e poluídas,sem cestos de lixo,com gente mal educada jogando lixo em tudo que e lugar,..preços exorbitantes nas altas estações,uma exploração sem tamanho,pagando se caro por um mal serviço,e falta de higiene,..falta banheiros públicos,salva vidas nas praias coisa rara…fora outras mil coisas ruins..de bom somente o sol…mas mesmo assim,na Europa,Eua,Caribe e etc ..tem praias maravilhosas..e muitos desses que exploram no Brasil…se comportam como se somente no Brasil houvesse praias,kkk isso eu nao aguento.

  82. 13/03/2013 16:27

    Acredito que o Brasil proporcione diversas experiências, é uma questão de escolha também do lugar onde se quer viver. A maioria das pessoas vive em grandes centros como São Paulo, Rio de Janeiro e como em qualquer grande capital com aproximadamente 11 milhões de habitantes, chegando a 18 milhões pelas cidades ao redor (São Paulo), muito da essência se perde. É assim também em NY por exemplo. PS: Também acho que falta um planejamento melhor para a cidade.

    Recentemente fiz uma viagem à Paraty e me deparei com uma Argentina servindo em um bar de frente para o mar, tocava jazz e mpb. Ela estava super feliz, uma vida totalmente diferente da que temos em SP. Comecei a pensar se não está em nós (MindSet) e as escolhas mecânicas que fazemos.

    Poderíamos escolher viver em outro lugar, como Itajubá, Paraty, Búzios etc, ter uma vida mais simples, com mais cultura, natureza e antigos valores como amizade.

  83. Alejandra sampaio permalink
    16/03/2013 7:37

    Querida,
    Cada ser tem uma vocação, uma motivação, uma alma que pulsa. Isso nada tem a ver com estar ou não no Brasil. O Brasil é um lugar extraordinário, talvez um dos pontos mais fascinantes do planeta. Da minha parte, posso dizer que sinto que temos muito a fazer por essa terra tão generosa, tão fértil e onde qualquer um pode fazer vida. É o novo mundo!E me atrevo a afirmar, o mundo vai dentro de nós, onde quer que estejamos!

  84. marc permalink
    17/04/2013 15:52

    Boas…
    Depois de mais de 20 anos fora do Brasil, só sei que nunca mais serei o mesmo…. sempre dividído entre dois mundos diferentes e, portanto, incomparáveis.
    A mudança de valores que ocorre com o passar do tempo nos faz mudar de idéias ( quando, por exemplo, realizamos que nossos pais, irmãos e amigos estão envelhecendo e que, não estamos convivendo e partilhando desta fase intransponível da vida).
    Cada um é cada um. Não existe uma resposta certa para todos. No fundo, depende de quão cedo nos concientizamos do que queremos pra nós, do que realmente importa nesta vida.
    Mas uma coisa é certa : nossas matas tem mais verde e as aves que aqui gorjeiam, não gorjeiam como lá!
    Felicidades,

  85. 17/04/2013 21:59

    ola, gostaria de comentar algo,
    eu sou uma das corajosas que largou tudo depois de viver 17 anos na cidade de mount vernon, ny pra regressar ao Brasil.
    Também tinha o mesmo pensamento, amava minha vida, meus dois filhos nasceram lá, tinha tudo que queria e dava tudo pros meus filhos, mas sempre sentia como se houvesse uma carga nas minhas costas, algo que pesava.
    Meu marido sempre falava em retornar ,mas eu dizia que nunca ia retornar, que ali era o meu lugar.
    Sofria muito com a distância da familia, venho de uma familia muito grande, principalmente nas festas de natal, porque sabia que eles estariam reunidos e eu era a unica fora da roda.
    mas logo que passavam as festas,ja estava tudo bem.
    até que um dia, exatamente no dia 23 de março de 2005, as 05hs da manhã recebi uma ligação que mudou totalmente minha maneira de ver as coisas, era meu aniversario de 42 anos, e naquele momento minha irmã mais nova me ligava pra dizer que minha mãe havia falecido devido a complicações a doença de chagas, meu mundo desabou, minha mãe, que eu tanto sonhava um dia abraçar e contar frente a frente todas minhas aventuras, conhecer meus filhos, que ela só conhecia por fotos e videos, ja não estaria mais lá pra me esperar, meu mundo acabou.
    então eu percebi, que a corrida atrás do ouro tinha acabado, que não valia a pena, eu ter o material e arriscar perder a familia, os sorrisos, as festas, os casamentos, os nascimentos e as despedidas.
    foi então que eu entendi, que meu lugar não era lá, mas sim no Brasil, mesmo com tudo de errado, ainda assim, minha familia era mais importante, por isso larguei tudo pra trás e voltei, ja fazem quase 4 anos , a volta foi maravilhosa, não me arrependi, amo estar aqui perto de todos eles, mesmo não tendo mais a vida que tinha.
    ficou agora as lembranças das pessoas maravilhosas que passaram plea minha vida.

    • gustavo permalink
      21/04/2013 23:37

      oi lena quanto tempo voce passou sem ver sua mae??as vezes eu penso como voce!!ja sao 12 anos que nao vejo minha familia!!o tempo pasa tao rapido que voce nao ver!!!tem que trabalhar paga aluguel sobreviver!!quando voce esta trabalhando nao pode ir!!!sem fala que um fica 5 6 7 anos ilegal no pais nao pode ir mesmo!!!assim tempo passa me dar medo de nao te tempo para ver minha mae!!e agora com crisi na europa cada vez mas dificil ir!!! e uma bola de neve que nunca acabar voce fica atrapado nela!!logo eu penso volta por brasil sem pega passaport!!ta no brasil com medo de ser robado leva tiro ser gingado na ruas por pessoas que voce nem conheçe!!por ser mas bonito leva uma roupa mas sexy por ser gay e conplicado mora no brasil!!nao sei que fazer so deus sabera porque eu ja nao sei que fazer!!

    • Laura permalink
      02/05/2013 22:57

      Concordo. Mal posso esperar pra abraçar meus pais! Só mais um mês!!! =)

  86. Salete Manfri permalink
    18/04/2013 1:17

    Parabens pelo texto tanto Glenda quanto Antonio. Voces dois estao certos. A verdade e que uma vez que voce sai do Brasil seu coracao estara partido para sempre. Nao importa se voce vive 30 anos em um outro pais, voce nunca pertencera 100% aquele pais. Mas voce nunca mais sera 100% brasileiro. O Brasil esta longe de ser perfeito, mas conheco muitas pessoas que falam mal do Brasil sem conhecer a realidade. Se aventuram pelo mundo afora sem ter nunca conhecido o lugar que nasceu. 100% das pessoas que conheco aqui em NY jamais pensaram em conhecer o Amazonas, ou os estados do Nordeste brasileiro. A maioria nao conhece Sao Paulo, que e a 5 maior cidade do mundo, com Universidades e Hospitais associados a instituicoes de prestigio international como a Fundacao Getulio Vargas, USP, Hospital do Cancer, etc. SP ganhou premios na Europa por causa do Metro , o Brasil tem a melhor rede de informatizacao bancaria mundial, assim como o melhor sistema informatizado de votacao (ate 2 anos atras o sistema de votacao aqui em NY era de alavanca, como era no Brasil ANTES da ditadura). Tem tambem a violencia, o governo sujo e sem escrupulos, que suga toda riqueza economica, etc, etc… Ha alguns anos atras minha familia ainda morava em SP e eu tinha ate medo de levar presentes para meus sobrinhos e eles serem assaltados por causa de um par de tennis ou outro artigo de pouco valor. Mas tambem tem a cordialidade que pais nenhum tem, o calor humano que nenhum outro povo tem. Eu sei que todos nesse blog sao jovens e talvez nem saibam quem foi Ayrton Senna (peco a Deus que voces saibam), mas o orgulho que cada um sentia a cada final de corrida quando o Senna erguia a nossa bandeira na volta da vitoria, ou quando o Pele ainda e citado como o melhor atleta de todos os tempos…. Esse orgulho nao vai morrer nunca. Doi saber que um ignorante foi nosso presidente e se passava por nosso representante. Doi saber que Dona Dilma continua sendo o que sempre foi, uma pistoleira deslumbrada, conivente com a dilapidacao moral e financeira do nosso pais. Mas nosso pais e admirado internacionalmente por autoridades do meio ambiente, da sociologia, da technologia e outras areas. Nao ha nada aqui em NY que nao tenha em SP, apesar da diferenca de preco ser exorbitante. A vida noturna de SP nao se iguala a NY, acreditem que a cidade que nunca dorme praticamente fecha depois do encerramento dos shows da Broadway. As duas da manha voce morre de fome porque nao tem alternativas para comer, o que jamais aconteceria em SP. Eu sou feliz morando em NY, mas nao passa um dia que eu nao pense em voltar ao Brasil. Sou covarde, nao sou tao forte quanto meus conterraneos que la residem, enfrentando tantas dificuldades. Hoje minhas irmas estao aqui ou no Canada, mas meu coracao ainda esta la, com amigos de muitos anos e muita historia. Ja estou sofrendo porque tenho a triste certeza que passarei vergonha junto aos meus amigos nao-brasileiros e meus colegas no trabalho quando acontecer a copa do mundo e os jogos olimpicos. Vivo aqui, mas torcendo a cada eleicao que apareca um politico de valor (NUNCA DEIXE DE VOTAR). E peco a Deus que permita que eu (e todos voces) volte para o Brasil um dia, orgulhosa do meu pais, que ja saiu do aperto tantas vezes e que vai sair desse tambem. Nao percam a esperanca e nunca se voltem contra seu pais. Ele esta longe de ser perfeito mas foi ele que te deu condicoes de estar onde voce esta hoje, foi la que sua familia conquistou o que voce desfruta hoje. Nada e 100% bom ou 100% ruim. Nem nos mesmos. Copiando o Antonio, beijinhos na bochecha, so que em SP sao tres beijinhos.

    • Rose permalink
      03/05/2013 21:48

      Muito triste ver tantos brasileiros falando tão mal do Brasil. Corrupção tem em todo lugar, assim me diz um amigo Europeu quando eu me queixo dos políticos. Violência? Para que maior do que as bombas e assassinatos coletivos? Qualidade de Vida: alguém aí já morou no Rio Grande do Sul, em Curitiba, em Natal, em Floripa? Gente, nós temos um país lindo! Ele está somente em um momento de transição, porque de um dia para outro virou gente grande! Os Europeus estão vindo pedir emprego aqui, olhem as noticias nos jornais!! A Espanha está com 25% da população desempregada, os jovens saem das universidades e não tem emprego!!! Desculpem mas a Europa é muito bom pra passear, eu adoro! Os Estados Unidos idem! Mas morar, jamais! TENHO MUITO ORGULHO DO MEU PAÍS!!

      • Andreas Friedrich Berendsen permalink
        20/10/2013 15:41

        Corrupcao tem em todos os lugares. Verdade. O brasil apenas esta’ no topo da lista. O impacto social da corrupcao pode ser muito bem visto na pessima qualidade dos hopsiatsi, educacao, etc.

        Violencia tem em todos os lugares do mundo. O nivel de violenci ano Brasil so’ se compara a paises em guerra. Voce ja’ se habituou com guerra e acredita que em todos os lugares e’ o mesmo.

        Ja’ imaginou se toda a populacao do Brasil se muda-se para o Sul? Ou entao voce afirma que somente os esatdos do Sul sao menos baguncados do que o resto? Entao voce apenas utilizou a excecao para compravar a regra.

        A Espanha, um unico pais do continente Europeu, tem 25% de desemprego entre a forca de trabalho ate’ 30 anos de idade.Voce sabe qual e’ a taxa de desemprego na Europa inteira, um continente com 500 milhoes de pessoas? 11%. E isto por causa da Espanha, Portugal, Italia. Piases como mesmo fundo cultural que o Brasil. Entao, novamente, a excecao comprovando a regra.

        Se o seu mundo se resume aos EUA, entao voce devria rever seus valores. Os EUA nao sao referencia positiva para nenhum dos outros paises do OCDE.

  87. 29/04/2013 21:02

    Tudo que escreveu eu concordo. e parabéns pelo texto. Lendo um dos comentários me lembrei de mais um aspecto me faz insistir em querer ficar não importa quão grande seja a saudade, quao “nao me sentindo em casa” ou quão “não fluente com a lingua” eu esteja.

    Penso assim: em algum momento sua familia teve que vir da europa (ou outro lugar) para criar suas raizes no brasil. Os adultos sofreram, as crianças se adaptaram, e os netos que já nasceram no brasil nunca nem souberam o que era sentir falta de um lugar que não conheceram (país de origiem).

    Nesta mesma analogia, eu e minha mulher escolhemos que vamos ser nós 2 que vamos “sofrer” os problemas de integração e lingua, para que nossos filhos nascam e sejam criados em um país que julgamos ter melhores condições de vida, educação, segurança e futuro para nossos (futuros) filhos. Nós tomamos essa difícil escolha para que nossos filhos não precisem. Não importa quao difícil seja, estou pensando no futuro deles. Porque se eu não tiver a coragem de tomar esse passo, meus filhos terão de ter.

    Só algo amais a se pensar.. e dar força aos que de vez em quando se deparam com a difícil questão de voltar ou não.

    Abraços.
    ps. descobri o site só hoje, vou voltar mais vezes para ler mais textos. mt interessante.

  88. Fellipe Giesel permalink
    29/04/2013 21:13

    Glenda. É tudo verdade, aqui há muitos problemas e os europeus estão à frente em muios pontos! Mas não posso deixar de dizer que seu posicionamento é um grande exemplo de falta de cidadania. Quantas vezes vc foi a uma audiência pública? Quantas vezes vc foi a uma manifestação na rua, seja contra o aumento da tarifa de ônibus, contra o desrespeito ao piso salarial do professor, ou contra as escolas ou hospitais caindo aos pedaços? Você esqueceu de mencionar, que aí, na linda Europa, tudo funciona graças à pessoas que há tempos atrás não foram passivas. Fizeram revoluções, foram às ruas, se organizaram em sindicatos e conselhos. Mas não é só isso. Você também esqueceu de falar das riquezas saqueadas da América Latina, África, Ásia e Oceania, que financiaram a construção da infraestrutura das grandes cidades daí. Mesmo a Sevilha onde você mora hoje está diretamente relacionada à essa história. Era daí que partiam a maioria dos navios para saquear a América Espanhola. A escravidão nas minas de prata de Potosí (Bolívia), que já foi a cidade mais rica do mundo na época da ocupação espanhola, podem confirmar essa história. É fácil chegar cem anos depois e encontrar tudo pronto e funcionando. Enquanto aqui, se você defende a escola pública ou o piso salarial do professor, é chamado de PTralha, na melhor demonstração de analfabetismo político, como se mensalões nos partidos que se autodenominam democráticos não existisse (obs: eu não sou do PT e nem defendo o PT). Precisamos aprender que o exercício da cidadania não se faz apenas por meio do voto, mas sim da participação.

  89. Raquel Gariani permalink
    29/04/2013 23:35

    Adorei seu texto. Morei 8 anos na Espanha e nunca tive vontade de voltar ao Brasil. Acabei voltando pois conheci meu namorado nas ferias e como ele nao teria o visto, voltei para ficar com ele mas sem sombra de duvida ficaria na Espanha forever. mesmo com todos os problemas do país, me senti acolhida e com amigos de verdade e uma vida rica nao de dinheiro, mas de tudo o que valorizo: bons amigos, qualidade de vida, acesso a tudo, segurança e IGUALDADE. ahhhhhh, o Brasil nao vai mudar! se eu pudesse escolher realmente estaria longe mesmo daqui! Nunca me adaptei e nao acho isso ruim, prefiro nao me adaptar e manter meus valores. super beijo.

  90. Leonardo Corrêa permalink
    30/04/2013 0:19

    Tenho 54 anos e te digo por conhevimento de vida : O melhor lugar para se viver é aquele que vc tem amigos pra te dar alegria e uma familia para te dar colo, o resto cada lugar tem seus problemas, não existe mundo perfeito. Eu pessoalmente sempre digo que o melhor lugar pra se viver é onde nasci, onde tenho raizes, amigos, confidentes que me fazem ser feliz, até porque ninguém é feliz sózinho.

  91. Lau permalink
    30/04/2013 15:03

    Glenda, AMEI seu post…moro no Canada há 5 anos( a cada ano o país recebe cerca de 250 mil novos imigrantes!). Se é que podemos resumir, mas aprendi que que morar fora nada mais é do que o exercicio continuo da tolerancia….. nos mais diferetes âmbitos da coisa!…..
    A unica coisa que realmente sinto falta no Brasil??? Minha familia…acho que essa é a única coisa que me faria voltar um dia…

  92. 30/04/2013 16:41

    Ola Glenda,
    Belo texto, simples e justo. Algumas observações críticas que vi no blog são interessantes, e até enriquecedoras (o que aliás é o grande barato de um blog), mas devo dizer impertinentes. Afinal, você não se pôs a escrever sobre “Um brasil horrível… uma Espanha linda…”. Ao contrario, você usou de uma subjetividade objetiva :) e de humildade literária, sugerindo um questionamento “porque é tão difícil ter vontade (elemento personalissimo) de voltar para o Brasil”? E nos fez todos embarcar nessa análise super válida, mesmo para quem está de fora. Seu ponto de vista é partilhado por várias pessoas que não negam sua origem, mas, tendo saido do ninho, estenderam suas asas, aprenderam a voar, viram toda sorte de espécies diferentes compartilhando perspectivas e, eu acredito, se ressentem de ter de retornar a um ninho que parece encurtar as asas de quem volta.
    Porque, sejamos francos, todas as nossas neuras coletivas se materializam nesse tal de status e morar fora é um dos incontornáveis predicativos dele. Assim, ter de voltar para o Brasil, depois fazer da bicicleta seu transporte favorito e morar em um pequeno apart com móveis alugados, e aguentar geral te tratando de “metida” porque você morou fora, não é mole não… sem contar o fato de ver a brutalidade no tratamento íntimo das pessoas umas com as outras, a começar pelo tom de voz altíssimo, que fere parece ferir o ouvido e também a alma…
    Antônio, apear da sua escrita agradável, acho que você não entendeu a proposta da Glenda, pelo simples fato de que sua resposta se inicia com “eu tenho x, y, z….” além de “sou origem muito humilde” (clássico estereótipo brasileiro) ou sou “casado com uma mulher linda…”. A critica dela é exatamente a esse arrefecimento aos teres e seres brasileiros, em vista de um desapago e civilismo que quem mora fora experimenta e adoraria poder compartilhar com seus conterrâneos (porque, sim, somos 190 mi, todos diferentes, como um normand é diferente de um marseillais, ou um catalunho de um sevilhano, mas temos uma identidade e cultura nacionais que se beneficiariam muito de um aprendizado com outros países mais organizados, e não falo da Europa, mas, por exemplo, de nossos vizinhos chilenos).
    Não se trata de felicidade interior ou exterior, ambas tem um peso na condição humana. Diga a uma pessoa inocente presa no carandiru “a felicidade está dentro de você”… e me chame para ver de soslaio o que acontece :)
    Brincadeiras à parte, pessoalmente, gostaria de poder voltar para o Brasil (sou brasileira, filha de imigrantes e já morei em vários lugares do mundo) e ver os frutos dessa geração de pessoas que tiveram essa perspectiva multicultural aplicada em benefício de melhorias para o país. Pois várias das coisas que os brasileiros valorizam como simbolos de luxo (carro americano, comida francesa, etc) carecem de ser desmistificadas e eu, ao menos, não tenho notícia de nenhuma cultura que se pretenda impassível ao apelo de exemplos melhores. Pois “quando uma mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original” ;-)

  93. 01/05/2013 15:02

    Enquanto isso abro o noticiário brasileiro e vejo “Greves e manifestações marcam 1º de Maio em países de Europa e Ásia”. Logo, meu pai aparece com um discurso de que a Europa tá um caos, pobreza, desemprego, e finalmente pedindo pra que eu regresse da Suíça.
    Os índices estão realmente muito favoráreis ao Brasil, já na frente do Reino Unido e daqui a pouco ultrapassando a França na lista de maiores economias do mundo. Claro, são índices em dólares, mais do que qualquer outra coisa. Dinheiro pode não ser um problema para um país que investe bilhões em uma Copa do Mundo (leia-se investimento em Estádios, porque em infraestrutura, que é a única coisa que a população herda de um evento como esses, até agora nada). O Brasil ainda é uma economia baseada em commodities, e o minério de ferro exportado a preço de banana (mas que pela quantidade nos torna bilionários), vira ferrovias, usinas e infraestrutura de verdade em países como a China. Isso é uma questão à parte, mas essa economia deveria solucionar os principais déficits do país em comparação ao primeiro mundo: déficit educacional, cultural, entre outros.
    Enquanto isso, logo abaixo da notícia sobre greves e manifestações na Europa, vejo “São Paulo tem opções de lazer neste feriado; veja o que está aberto hoje”. Pois bem, amo o meu Brasil, e claro que gostaria de vê-lo emergir como primeira economia mundial um dia. No entanto, nada vai mudar enquanto tivermos esse comportamento avestruz, cabeças nos bares, fingindo que está tudo bem.

  94. Ju Colpani permalink
    01/05/2013 15:25

    Simplesmente demais! Moro em Cingapura a pouco mais de 6 meses…outro continente ate! Mas o teu texto fez eu me identificar DEMAIS!!! Obrigada por traduzir um sentimento meu!!!!
    “Aprendi que o normal pode ser qualquer coisa, que cada pessoa é um mundo e que cada um de nós cuida do seu próprio mundo pessoal, sem precisar de aparências ou máscaras. E ao mesmo tempo aprendi que todos devemos cuidar do nosso mundo coletivo, que a força do ser em conjunto é muito importante e que, melhor de tudo, dá resultados.””
    Adorei essa parte!!! Se o mundo pensasse assim, poderíamos viver em qualquer lugar!
    Super beijo e, mais uma vez: PARABÉNS!

  95. Isabela Pupo permalink
    01/05/2013 18:15

    Olá. Adorei seu texto. Moro há 10 anos em Santiago do Chile e nem pensar em voltar ao Brasil. Me sinto muito identificada com tudo o que voce indica, apesar de algumas diferencas, principalmente por estar na América do Sul. Parabéns e muito boa sorte com os seus projetos.
    Isabela Pupo

  96. 01/05/2013 19:07

    Estou estupefata! Meu sonho é sair daqui e nunca mais voltar! Uma pena que minha vida tomou rumo diverso, mas ainda dá tempo, afinal não tenho família, filhos, marido, nada por aqui! Teu texto abriu meus olhos, pois ainda há tempo para mudar!

  97. Rodrigo permalink
    02/05/2013 9:29

    Muito bom o seu texto. Não posso deixar de concordar com as suas colocações, mas eu quero só deixar aqui a minha posição, que é contrária à sua. Olha, eu sei que o Brasil está longe de ser perfeito, mas eu não consigo deixar de pensar em voltar a morar lá.
    Eu moro na Macedônia. Aqui não é França, Espanha nem Alemanha. Aqui a vida é dureza. Só o que eu quero é voltar pro Brasil.
    Porque sabe também. Praticamente tudo que se lê são de pessoas que moram na França, na Escandinávia. Ficam deslumbradas com a vida no “primeiro mundo”. Olha, quantos países existem no mundo? Em quantos deles vive-se melhor do que no Brasil? Conta-se nos dedos.
    Tudo bem, você está expressando uma opinião pessoal sua e tenho que concordar com o que você diz, mas acho interessante também mostrar um outro lado, das pessoas que saem do Brasil e não vão morar nos países da Europa ocidental. Aí você vê que o Brasil é um dos países mais incríveis do mundo.
    Então é isso. Pra mim, não é nem um pouco difícil voltar para o Brasil.

  98. 02/05/2013 13:04

    Não tenho experiencia para falar sobre viver fora do país. Mas conheço gente que vive e viveu lá fora e retornou ao Brasil. Sei apenas de uma coisa: aqui é minha pátria, estou em casa e com toda dificuldade, aqui posso falar mais alto (não é desacatar) meus direitos em geral são respeitados. Lá fora a prioridade é dos que são nativos. O grande problema do brasileiro é achar que o que vem de fora é melhor. A diferença está em que eles no melhor que produzem fica lá e o que sobra ou é excedente é que é exportado, enquanto no brasil é o contrário. Falha nossa? sim, mas podemos consertar com consciência. Lá se ganha melhor, mas o custo de vida é maior também. Não gosto de novelas, nem de BBB, nem de futebol. Mas o gostar de coisas boas como teatro, bons filmes, documentários e outros eventos é uma questão cultural e cultura se aprende. Conheço gente que não teve acesso a grandes escolas e quando percebeu não se acomodou: usou as bibliotecas, publicas, de faculdades. Hoje a internet te dá acesso a inúmeros conhecimentos. É só filtrar o que presta e o que não presta seja aqui ou lá fora. Morar fora do Brasil? Talvez um dia com tempo contado para voltar.

  99. Luiz permalink
    02/05/2013 16:27

    Bom dia,

    Gostaria de deixar umas dicas, morei aí ma europa na infancia e meu problema foi jusatamente o oposto, me acostumar com o Brazil. Acreditem, não conseguia comprar sequer uma coxinha na cantina da escola qdo voltei.

    Minhas dicas são ótemas, pq aprendi essas coisas na idade certa, a maioria de vcs talvez não entenda e ainda sinta saudades do feijão, a minoria vai entender, mas é pq na verdade já entendeu e poderá aperfeiçoar. Certas pessoas nunca vão entender e é melhor que voltem mesmo:

    1- Vc entrou numa comunidade diferente, exceto se caiu num bairro de estrangeiros, com direitos, MAS muitas obrigações implicitas para com a comunidade local, coisas óbvias para eles, mas que ninguém vai te falar a menos de uma breve e leve sugestão. Saiba ouvir e entender quais são. E faça! Aí não é BR que vc nem sabe o nome do vizinho. A obrigação é toda sua.

    2- Se algum lugar estiver lotado, vá embora e volte mais tarde, não crie filas nem torne o dia do atendente pior, volte daqui 15 minutos, volte amanhã. Se acostume com a possibilidade de alguém não querer te atender pq simplesmente está de mau humor. Vá embora, não é humilhaçao.

    3. Vc é responsavel pela limpeza de tudo o que vc usar, seja onde for, não importa como estava antes, se não aceita isso procure outro lugar. Aceitar significa colaborar.

    4. A loja de alguém é a casa de alguém, a maioria das vezes da família. Entre como se estivesse pedindo desculpas por invadir e só se sinta em casa se te derem esse direito, que não é algo implicito. Gaste seu tempo, mas não desperdiçe a paciencia dos outros.

    5. Aceite que cada individuo presa pelo seu espaço privado, ninguem liga pra ter 100 amigos no face ou estar numa roda de 10 fazendo barulho, eles tem horror a isso, vc não será melhor, mais legal ou mais popular assim. Meta-se com a sua vida, seus hábitos, não imponha as suas regras, e quando fizer um amigo, isto é muito sério, como um contrato, com obrigações e deveres.

    6. Aceite que vc está numa cultura que se dá direito de nem sempre ser feliz, e não há mal nenhum nisso, ninguem é realmente obrigado a sorrir o tempo todo, indices de suicidios tem mais a ver com deficiencias de vitamina pela falta de sol, ma stbm pela subnotificação destas coisas no BR, eles são tão feliz ou infelizes quanto qualquer outro seria num lugar daqueles, vc não é melhor, o carnaval não é nenhuma vantagem, e eles não vão disfarçar isso só pra serem popular.

    7. Aliás eles vão ser mais sinceros, os espanhois vão se expor mais, os ingleses menos, de todo modo, eles vão falar coisas desconfortáveis e vc tbm pode, e deve falar coisas desconfortáveis desde com intuito aceitável. Discutir e brigar, nunca fisicamente, nunca, é algo que pode ser construtivo desde que dentro das regras do local, não seja um banana. Crie seu espaço,s eu respeito, seu carater, sua opinião, seja ela qual for, isso sim é importante ter, carro não.

    8. Esportes, religião e artes são bons meios de vc se tornar mais rico para sua comunidade, futebol é só um dos tantos possíveis. Minha sugestão é participar de comunidades de rugby, lá vc vai entender muito melhor todo o resto – a disciplina, o rigor, a responsabilidade a lealdade, a comunicação, a ordem. Fica difícil explicar, isso é uma vida, aliás, diria que são várias.

    Por hora é o que me vem a cabeça, depois posso continuar.
    Estou preso até as entranhas nezte país.
    Mais pra frente, talvez quem sabe, mudo meu destino
    Abraços com uma pontinha de inveja

  100. Aline permalink
    02/05/2013 19:17

    O fato eh que colocar os pros e contras na balanca eh mto dificil e varia de pessoa pra pessoa… nos devemos pensar no que, na nossas proprias opinioes, eh mais importante: calor ou frio? solidao ou companhia? Seguranca? Casa propria no Brasil ou viver de aluguel na Europa? Criar meus filhos sozinha ou rodeada da familia? Etc etc… O problema eh que as diferencas entre a vida no exterior e no Brasil eh cheia de opostos, o que faz a tomada de decisao ser um processo longo e dolorido. O dilema passa pelas nossas cabecas todos os dias, e dizer finalmente: SIM, vou voltar ou NAO, nao vou voltar eh uma das coisas mais dificeis pra quem mora fora.
    Depois de 7 anos, eu acho que encontrei minha resposta. Tem uma pergunta que me faco todos os dias que eh: eu quero mesmo morar O RESTO DA MINHA VIDA aqui? E a resposta eh claramente um NAO… entao, mais cedo ou mais tarde eu vou ter que tomar a decisao e ir embora. Quanto mais demoro, mais dificil sera a readaptacao ao Brasil entao, no meu caso, a conclusao que cheguei foi: a hora de voltar eh agora! A economia esta muito boa no Brasil e se eu preciso reconstruir minha vida e carreira la, agora sera a hora certa de tentar… Good luck everyone! :)

  101. 02/05/2013 21:13

    Perfeito seu texto. Não acrescento uma palavra, nem altero. Passo por uma situação semelhante, mas ainda no Brasil: sou de São Paulo, estava morando numa cidade do interior, Ribeirão Preto, AMANDO e precisei voltar para SP. Está muito difícil. A vida no interior, naquela cidade é muito mais tranquila, com muito mais qualidade do que nesta megalópole louca que é São Paulo. Apesar de meus amigos e família estarem aqui em SP, vou voltar para Ribeirão. A saudade aperta, mas poder viver tranquilamente, deixar o carro na rua para tomar uma cerveja com os amigos sem me preocupar se terá um arrastão no bar é uma coisa que não vivenciei lá e está muito frequente em SP. Se fosse te dar um conselho seria este: fique onde está! Um beijo, Alle

  102. Laura permalink
    02/05/2013 22:55

    Eu estou voltando para o Brasil, não consegui me adaptar fora, não tenho vida social para andar na rua as 3h da manhã sem medo de ser assaltada. O Brasil não tem problemas por si só; NÓS somos o Brasil, e todo mundo se acha ingênuo de pensar que algo pode mudar e ningém faz nada, essa é a verdade. Trabalhar, se engajar pelo país para que o futuro seja bom ninguém quer. O que a gente quer é viver no país bom e pronto dos outros pra aproveitar o nosso presente. As pessoas, no passado, construíram a Europa, os EUA… não foi mágica. Embora tenha problemas, eu vou voltar. Porque eu acredito que a gente tem que ser a mudança que a gente tanto quer viver! Eu também aprendi a viver com pouco e sem essa de me importar com a classe ou altos salários… tô pensando em ir morar numa praia… veremos.

  103. Cassia permalink
    03/05/2013 1:08

    Voltar para um Brasil que:

    – Elege o ruralista Blairo Maggi (maior produtor de soja do país) para presidente da Comissão de Meio Ambiente do Senado.
    – Coloca o evangélico fundamentalista Marco Feliciano (preconceituoso, racista, homofóbico e crente radical) como presidente da Comissão dos DIREITOS HUMANOS da Câmara dos Deputados.
    – Onde Suzane Richthofen (a menina rica que matou os pais) vira pastora e é nomeada presidente da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados.
    – Lugar onde Renan Calheiros (político alagoano patrão do escândalo Renangate) preside o Senado Federal Brasileiro
    – Nação onde José Dirceu, José Genoino, Roberto Jefferson, Valdemar Costa Neto, Delúbio Soares (entre outros protagonistas da vergonha de um dos maiores roubos da história desse país – o mensalão), continuam a viver em alto estilo como se nada tivesse acontecido.
    – País onde Aécio Neves e Antonio Anastasia (políticos mineiros acusados de desviar R$ 4,3 bilhões) riem no banco dos réus, e o primeiro ainda é eleito a Senador com interesse à presidência. O segundo? Essa semana disse que não precisa ser Educador Físico para dar aulas de educação física nos colégios.
    – Uma nação que admite pessoas como Silas Malafaia (terceiro pastor mais rico do Brasil de acordo com Forbes e televangelista que “pilha” cotidianamente famílias pobres desse país) a proferir discursos de ódio e a falar asneiras como sendo verdade absoluta dando pitaco na política.
    – Brasil em que as televisões transmitem e representam só 20% da realidade social e territorial to país (e olhe lá)… onde tudo é massificado em torno de Rio e São Paulo, e o resto tem que engolir e lidar culturalmente com isso.
    – Onde espote é sinônimo de futebol.
    – Onde BBB domina todas as mídias (televisiva, radialista, virtual) e rodas. Pior é você ser obrigado a conviver com isso.
    – País em que você TEM que ouvir funk, axé, brega, joelma e uma lista de ritmos bestiais, como se você fosse obrigado a gostar disso tudo e mais a muvuca carnavalesca idiotizante só porque é brasileiro.
    – Local onde andar de bicicleta virou tentativa de suicídio.
    – Transporte público é… essa porcaria que você vê.
    – Saúde e Educação virou piada na tv.
    – Segurança pública não existe, e flanelinha ganha mais que muita gente formada e registrada.
    – A publicidade e propaganda fingem respeitar o CONAR (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) e em qualquer esquina você é bombardeado por outdoors cada vez mais iluminados.
    – Brasil em que bala vira troco, e é cafona contar e usar moedas de 1 e 5 centavos. Tudo é redondo aqui.
    – País em que só recebe nota fiscal quem pede, se não passa a limpo…. quer dizer, a sujo.
    – Vamos falar de impostos? Dos 88 tributos federais, estaduais e municipais, que fazem tudo nesse país custar o triplo do preço.

    Na boa? Fui!

    • 04/05/2013 9:29

      oi Cassia,

      parabéns! com objetividade e de forma criativa, voce conseguiu expor a realidade brasileira. A triste realidade brasileira.

      eu também não volto (veja meu post). Acho que querer viver em tal contexto é para herói ou iludido. Não sou eu quem vai tentar salvar o insalvável…

      na boa? também fui.
      e fico onde estou.

      felicidades para você.

  104. 03/05/2013 2:18

    Sou brasileiro, trabalho e estudo. Tenho um trabalho digno, não preciso me matar de trabalhar para conquistar as coisas e/ou me divertir, viajar etc. Tenho vontade de morar em outro país, mas acho que nunca me adaptaria em outro país diferente do Brasil, apesar das “vantagens” percebidas. Acho isso, mais por conta do nosso povo e não por questões políticas e econômicas.

    Gostei do post. E acho que essa música descreveria muito bem o momento que vocês estão vivendo:

    Valeu

  105. Aurea Borne permalink
    03/05/2013 4:00

    Perfeito! Parabéns Glenda.

  106. Sidney Sobral permalink
    03/05/2013 7:13

    Muito interesante o texto e mais o menos como me sinto,ja recomecei minha vida 3 vezes comecei 3 anos en Londres,depois 6 anos en Barcelona onde formei minha familia com minha mulher que e de Barcelona e agora estamos en Canberra(Australia) recomeçando tudo de novo ,sempre com um pouco de preocupaçao mas feliz de poder conhecer otro pais e outra cultura ,so nao tenho voltade de recomeçar minha vida novamente no Brasil nao me vejo novamente trabalhando no Brasil no meio do transito e com tanta gente no mesmo lugar como e Sao Paulo de onde sou,vivo con menos que vivia no Brasil mas vivo com mas intensidade e tranquilidade ,se um dia volto pra algum lugar e para Barcelona .

  107. 03/05/2013 7:55

    Parabéns, Glensa! Gostei principalmente da parte em que você diz:
    “E entre recomeçar com qualidade de vida e recomeçar rodeada de violência, desigualdades e injustiças, só fico na dúvida porque neste último caso também estaria rodeada de muito amor, amigos e família (únicos motivos reais que me fazem pensar em voltar a viver no Brasil).” Eu estou morando em Vancouver por 7 meses e penso muito nisso também, no recomeço. Se me permitir, gostaria de compartilhar seu blog com amigos e família, bem como a frase citando que foi você quem escreveu! Obrigada! Mariana

  108. 03/05/2013 7:56

    Ops… só corrigindo: Glenda!!! Hehehe! Desculpa!

  109. 03/05/2013 11:56

    Glenda, seu texto é otimo. Parabens !

    Vivo em Paris a 6 anos e dificilmente conseguirei viver continuamente no Brasil/SP. Uma vez que conhecemos a forma como o contribuinte/cidadao é tratado na França, faz mal para a saúde viver a realidade do Brasil.
    Ao meu ver a Europa tem dois unicos problemas para um tupiniquim como eu : 1- a falta de afeto nas relaçoes do dia a dia 2- o frio desgraçado de novembro até março. No mais, eu posso dizer que amo a França tanto quanto amo o Brasil e hoje meu espirito e mente vivem a realidade de dois mundos e duas culturas.
    Acabo de ser pai e quero que meu filho desfrute disso, desta multicultura. Trata-se de um privilégio que so pude desfrutar na idade adulta mas que ele tera desde pequeno. Acho isso incrivel e ele sera cidadao do mundo, nem brasileiro, nem frances, mas os Dois!

    Achei interessante o ponto de vista do Antonio e concordo em parte com ele mas seu comentario me fez lembrar a vida de conto de fadas que vivia Maria Antonieta no castelo de Versailles enquanto Paris pegava fogo. Sua opiniao reflete a vida de menos de 5% da populaçāo e nāo da para levar muito em consideraçāo, mas é verdade que quando se ganha 30.000 reais no Brasil da para se ter uma vida muito boa. O Brasil é um otimo pais para se viver quando se tem muita grana. Para os outros 95% da galera, europa é bem mais interessante nao tenho duvida.

    Quanto a voltar ou nao, minha conclusao é que se nāo for por motivos afetivos (solidao, doença grave de familiar querido) ou profissionais claros ( realizaçao de projeto pessoal bem definido no Brasil ) nāo se deve voltar meeeeeesmo !!! Só de férias de no maximo 3 meses.

    Aurevoir !

  110. Washington Bianchi permalink
    03/05/2013 14:20

    Faco das suas as minhas palavras, me senti inteiramente em seu texto, As vezes encontro meus amigos que vivem aqui em New York, (onde moro a 5 anos) e conversamos sobre sentir saudades do Brazil, eu falo para eles que saudade dura 30 minutos, isso e, ate terminar o cafezinho, ou o almoco, ou o jantar, kk . Como contar as pessoas (familia, amigos(pois eles vao perguntar) O que voce passou em 5,6, 10 anos vivendo em outro pais? dificil? pois e.
    Por isso acho que nao viveria mais no Brasil, gostaria sim de ter liberdade (nao tenho Green card ainda) para visitar o Brazil, ficar la 1 , 2 , 3 semanas e poder voltar a minha vida aqui, nao tenho problemas em comecar a vida novamente, mas sei que seria muito dificil para mim de acordo como esta passando os anos, tenho 56 anos e estou cheio de planos ainda, dentre eles quero o Green card (espero pela reforma imigratoria) depois meu trabalho como Personal Trainer que e muito valorizado aqui, dou aulas de capoeira, e tenho outro emprego junto a um ex aluno da capoeira que e empresario aqui, gosto dessa agitacao, Entao, salve a tecnologia, assim continuo vendo minha familia e meus amigos pelo SKYPE, pelo telefone, etc. Adorei suas palavras e espero que tome a melhor descisao quando for toma la.abraco

    • 05/05/2013 22:41

      Legal vc dizer sua idade Washington Bianchi, 56 anos… pq num texto que li acima nao lembro de quem, foi dito mais ou menos que so jovem que pensa que viver fora do Brasil eh bom e que qdo vem a maturidade vai ver que nao… eu tenho coincidentemente tb 56 anos moro no Canada e nao penso em voltar ao Brasil para morar !!

  111. Andrea permalink
    03/05/2013 14:23

    Prezada Glenda, nem li os outros comentarios ainda, corri logo para o final da pagina para pela primeira vez na minha vida, escrever um comentario em um texto… e o que posso dizer, em primeiro lugar, eh: PARABENS!
    Vc teve a sensibilidade e a lucidez de traduzir, em poucas e boas palavras, o que uma comunidade de brasileiros inteira pensa e sente… e olha que eu moro em outra cidade e pais!
    O seu texto eh mesmo de se tirar o chapeu!
    um beijo,
    Andrea
    (Londres – UK)

  112. Natália permalink
    03/05/2013 14:29

    Gostei muito do texto, me lembrou uma discussão que tive sobre a necessidade de sair do Brasil pra ser “gente” (respeitar o próximo, ser mais cidadão, ser menos preconceituoso, etc). Sonho com o dia em que ninguém precisará mais morar no exterior pra descobrir tudo isso.

  113. Bianca permalink
    03/05/2013 14:45

    Acho muito engraçado pessoas que vão morar fora do Brasil dizendo que aqui existe muita desigualdade social e injustiça. Como se sua existência fosse muito valiosa para poder permanecer num lugar assim. Tem tanta gente inconformada com esse tipo de coisa no Brasil, mas em vez de fugir pra outro país, permanece aqui e luta por uma mudança de cenário. Isso, pra mim, é uma atitude muito louvável.

    • Vinicius permalink
      11/05/2013 4:17

      Falou algumas das coisas que eu penso, : D.

    • Leila permalink
      05/10/2013 1:13

      Muito bem dito, Bianca!

  114. Vinícius permalink
    03/05/2013 17:14

    O lugar não faz a pessoa. A pessoa faz o lugar! Me desculpe, não sou patriota e muito menos xenofóbico, mas faço muito do que você disse e muito mais aqui no Brasil.

  115. 03/05/2013 17:16

    Você escreve muito bem mas, com todo o respeito, é uma pena que pense como pensa! Digo isso porque você, como profissional e pessoa com acesso a bons níveis de escolaridade, é exatamente o tipo de pessoa de quem precisa o Brasil pra se tornar um país capaz de proporcionar aos cidadãos condições de vida como esse que você descreve, em que as pessoas pensem não só em “ganhar” a vida, mas também em aproveitá-la, em produzir e apreciar cultura, em ser feliz. Não precisamos ser mártires, mas podemos nos comprometer a melhorar o lugar onde nascemos, contribuir, adicionar, em vez de simplesmente ir embora. O Brasil é formado por pessoas. Pra que esse país se torne o lugar que desejamos, devemos nós mesmos fazer o papel de transformar, não simplesmente esperar, não simplesmente sair. Talvez um dia você volte e traga consigo todo esse conhecimento acadêmico e sobre a vida que, segundo você, é tão diferente da realidade brasileira. Aí então você estará transformando seu lugar em um lugar melhor. Estará fazendo pelo Brasil o que você vê os espanhóis fazerem pelo seu próprio país, a Espanha.

  116. Carol permalink
    03/05/2013 17:50

    Convenhamos, dizer que o pobre é o que menos necessita é hilário. Já dizia Rousseau que pobre é o que MAIS necessita.

  117. Naty permalink
    03/05/2013 17:59

    Realmente é muito mais fácil deixar o país a lutar por melhores condições para todos… O Brasil é o que é graças a passividade de seu povo. O que inclui todos nós!

  118. Arthur permalink
    03/05/2013 18:16

    Morei em Sevilla por um tempo e regressei ao Brasil para concluir a Faculdade. Seu post descreveu os maiores aprendizados, as maiores lições que esse tempo fora me ensinou. O mundo é grande, muito maior do que eu pensava.

    Hoje eu vivo no Brasil, na cidade onde nasci e cresci (recife) e não sei se o fato de ‘me sentir em casa’ é suficiente para amortecer toda a avalanche de problemas (que não vale nem a pena listar) que me atravessam sempre que ponho o pé na rua.

    Não estive mais em Sevilla desde que voltei pra casa. Vez por outra me sinto atravessado por um sentimento cruel de saudade (ler você falando ‘cheiro das laranjeiras’ reaviva muita coisa em minha memória). Espero voltar em breve, nem que seja para visitar.

    No mais, ótimo texto.

  119. 03/05/2013 18:44

    Glenda, ótimo texto. Passei por essa experiencia, morei 2 anos em Berlin e voltei ao Brasil porque meu visto expirou e, na época, nao era possivel renová-lo. Pretendo voltar para o mestrado, mas nos poucos meses que estou em Sao Paulo de volta, percebi que as diferencas vao mais além de problemas sociais. De fato, aqui se vive para trabalhar.

    Em Berlin trabalhava apenas 20 horas por semana (também por causa do visto), mas mesmo assim ganhava relativamente bem e tinha uma qualidade de vida como nunca imaginei, com tempo e dinheiro para viajar e viver, de fato, todos os dias. Claro que ficam os amigos, fica a família, mas acredito mesmo que o mundo seja grande demais pra nascer e morrer no mesmo lugar.

  120. Daniela permalink
    03/05/2013 18:58

    realmente, a maioria dos que escrevem neste site estão em países com um nível de qualidade de vida melhor do que o Brasil. Eu sou expatriada e vivo em Moçambique, meu atual país não se enquadra na classe de país desenvolvido. Mas, acreditem, eu sou do Rio de Janeiro e me senti muito triste em me sentir estrangeira em minha cidade natal. Fui ao Rio passar o último Natal e Ano Novo e onde vivo hoje me pareceu o paraíso. O Rio de Janeiro é bonito, mas não é a cidade mais linda do mundo porque está suja e desorganizada. O carioca quando vai a Cape Town morre de vergonha porque eis uma cidade linda e organizada. A África do Sul é violenta? MUITO. entretanto, o turismo que eles se propõem a fazer, o fazem muito bem feito. o único que só existe no Brasil é a boa acolhida ao estrangeiro. Realmente, na maior parte do mundo, se vc é estrangeiro, nada muda este fato. No Brasil, vejo pela minha família, que não há diferença no tratamento. A sensação ruim, além de ter vindo pra África e percebido que algo realmente não vai bem de onde vim, é que eu quero, sim, voltar pro meu país. Só no meu país eu não sou estrangeira, tenho a minha família e muita gente que me ama, mas me sinto impotente por não saber o que fazer pra melhorar a situação da minha terra natal onde a maioria das pessoas não quer se responsabilizar por nada, o civismo foi jogado na lata do lixo e parece que o cidadão médio desistiu de ser uma pessoa melhor: não se arrisca, não estuda, não consome cultura, não viaja para conhecer possibilidades diferentes de vida.

  121. Tupã permalink
    03/05/2013 19:12

    Cada um cada um cada qual cada qual, mas cá entre nos, o Brasil é o país mais bonito do mundo, tem o povo mais gente fina do mundo, tem a comida mais gostosa do mundo, tem as praias mais belas do mundo, tem a cultura mais diversa e interessante do mundo. Quer mais o que? Políticos mais honestos do mundo? O povo mais correto e consciente do mundo?

    Aí é querer demais, né não?

    Aqui dá pra ser feliz com pouco coisa sim, mas tem quer ser brasileiro com S e ter muita criatividade, cintura mole e samba no pé.

    Se você não tem esses atributos, é melhor mesmo fugir para a gringolândia.

    Eu fico aqui, desviando de bala, picaretas e canivetes mas sempre com o coração explodindo de amor e a barriga cheia de feijoada.

  122. Virginia permalink
    03/05/2013 19:28

    Nossa como me identifico com tudo que vc falou!!! Sino exatamente o mesmo! Ate tentei voltar ao Brasil em Novembro do ano passado mas não me readaptei e voltei a minha linda Inglaterra :) obrigada por compartilhar seus sentimentos tão similares a fé muitos que moram fora do Brasil!!

  123. Mirela Trevisan permalink
    03/05/2013 19:41

    O seu texto representa com perfeicao o sentimento que tenho. Estou de volta no Brasil ha 3 anos ja, e te confesso que nem por um so dia me faltou vontade de voltar pra Dublin, onde morei por 2 anos. Parabens, escreveu lindamente! abraco, Mirela

    • 04/05/2013 9:14

      oi Mirela,

      me permito uma opinião: acho que voce deveria voltar para Dublin. Minha postagem talvez ajude a explicar porque penso assim. Se quiser ler, eu teria prazer em receber teu feedback.

      outra coisa: tenho uma amiga e ex-aluna em Salvador, que quer ir estudar na universidade em Dublin, no ano que vem. Voce teria dicas para dar? ficaria muito grata, como amiga dela e, sobretudo, como pessoa que busca ajudar os outros a serem felizes.

      obrigada,

  124. Rafael Adler permalink
    03/05/2013 19:45

    Uma pena as pessoas terem que viajar para “dar o click”, em algumas coisas que voce pode perceber sem sair de casa, e so para para observar . Uma pena ainda maior sao destes nacionalistas ao extremo, que nao perecebem que estas tradicaoes, nacionalismo e outros so causam mais limitacao na mente humana e o provem de ver uma realidade

  125. Guil permalink
    03/05/2013 19:49

    Bem, pra dizer a verdade, não li todos os comentários feitos aqui. Somente parte de uns e de outros. Porém, como acho que tenho experiência no assunto me atrevi a vir aqui deixar a minha opinião.
    Sou carioca e morei fora do Brasil por quase 18 anos, mais precisamente na Austrália, onde até sou cidadão. É mesmo uma experiência fantástica viver em uma outra cultura, outros hábitos e visuais ( apesar de que onde morava parecer bem com Floripa no Sul do Brasil). Quando mais jovem era só o que queria fazer. Viajar, viajar e viajar. Acabei surfando ondas inciveis e conhecendo 5 continentes e por conta disso acabei me formando em Turismo, pois era o que mais se aproximava da minha paixão. Sim, sempre fui guiado pelo coração. Porém agora estou de volta a terra Tupiniquim. Por que? Talvez quando chegamos na meia idade as coisas passam a ter um sentido diferente, os valores mudam e o coração (mais uma vez) fala mais alto. Talvez se tivesse feito uma família por lá, talvez pensasse diferente, mas como isso não aconteceu, aos poucos ia me sentido como um peixe fora da água, sempre meio diferente de todos, apesar dos bons amigos. Digo o lance de família, pois quando formamos uma família no exterior, criamos um núcleo ” brasileiro ” no exterior e assim podemos apaziguar nossa carência da terra natal. A vida de imigrante não é fácil e se você não possui isso, as vezes a vida fica vazia. Bem vazia. Também sentia uma certa culpa de sempre reclamar do que era a vida aqui no Brasil e de certa forma não ter contribuído para a melhoria da situação aqui. É complicado…enfim por essa e por outras acabei retornando ano passado e apesar das dificuldades encontradas, ainda estou no gás de conhecer isso aqui melhor e ver como como posso contribuir pra melhorar esse caos.
    Viajar é preciso, mas morar por toda a vida é outra estória. Amo viajar e a Austrália, mas sou brasileiro e acho que pertenço aqui. É um pais lindo, com uma diversidade estonteante e muitas pessoas legais. Por isso vou insistir aqui agora pra ver o que acontece. Para finalizar deixo um comentário de uma lenda brasileira, nosso querido Tom Jobim, que além de grande poeta viveu muito tempo no exterior e sempre dizia: viver lá fora é bom mas é uma merda e viver aqui é uma merda mas é bom. Acho que dependendo da fase que estamos na vida isso se encaixa muito bem. Viajar sempre; mas viver sempre fora de seu país é outra estória .

  126. Thatiana permalink
    03/05/2013 19:54

    Vc desceveu exatamente o que venho tentando explicar, esse sentimento que vivemos “ao sair da bolha”, quando descobrimos o que o mundo aqui fora tem a nos oferecer, a simplicidade que nos contenta e a tranquilidade de viver bem! Tentei voltar pro Brasi,l e não aconselho, a constante decepção de que nada funciona e a sensação de impotencia ao tentar mudar o errado, nos faz correr de volta pra esse lugar novo! Claro, td tem seu lado positivo e negativo! Perfeito seu texto, gostei muito!

  127. 03/05/2013 20:03

    Adoro o Brasil! Era muito feliz lá mesmo morando em São Paulo com todo o trânsito e violência. Dois carros, casa confortável, com espaço para minhas duas filhas… O que me fez vir morar em NY foi minha carreira que começou a consumir minha saúde. Trabalhava em média 13 horas por dia, muitas vezes no fim de semana e não ganhava 1 real a mais por isso. E infelizmente isso está se tornando comum no Brasil.

    Adoro a segurança daqui e o fato de entrar as 10 e sair as 6 sem ser chamado de vagabundo pelos outros colegas de trabalho, que no Brasil são os que perdem saúde, relacionamentos, família… A vida é o entorno do trabalho pra mim, então, esse é o principal motivo me mantém aqui…

  128. Renata permalink
    03/05/2013 20:42

    Veja que coisa mais maravilhosa a liberdade de expressão e de escolhas! Cada um de nós tem o direito – e porque não dizer a obrigação – de encontrar o seu lugar e de buscar ser feliz. No Brasil ou em Paris, não interessa em que país, tudo o que cada um quer é ser feliz! Participar ativamente da mudança que queremos para o nosso país também é uma maneira de ser feliz……vivendo aqui ou não!

  129. Marcos permalink
    03/05/2013 20:45

    Olá Glenda,
    Muito bom o texto e sua experiência! Em boa parte compartilho com o seu dilema existencial, se assim me permite classificar rs (inclusive também sei que tudo isso faz com que alguns de nós seriamente questionem ter ou não ter filhos).
    Nunca morei fora mas já viajei um pouco e acredito entender que por aí algumas coisas realmente são bem diferentes. Por aqui apesar de todo o suposto bom momento econômico e incrível quantidade de recursos naturais, ainda há a sensação que para haver uma mudança mais profunda ainda vai demorar bastante para sabermos aproveitar tudo tão bem (se é que vai acontecer). Digo isso pela forma de pensar das pessoas e pela priorização ainda muito baixa da educação. É realmente difícil acreditar, e dá desânimo de lutar, sendo que cada um de nós também tem seus problemas pessoais e outras aspirações. Mas enfim, só nos resta continuar tentando aos poucos melhorar…

  130. Lili permalink
    03/05/2013 20:56

    Brasil…
    nossa, sinto até um frio na barriga quando penso em voltar (a passeio!).

    O que antes eu chamava de “frieza européia”, hoje (com gratidão) reconheço que é uma das grandes lições que aprendi por aqui. (Moro no sul francês).
    A “aparente” simpatia brasileira não me conquista, não me atrai.

    Ao mesmo tempo, cada pessoa tem uma historia de vida…e uma visão das coisas. E viva a diferença!

    Eu não me sinto brasileira ou qualquer outra coisa. Meu coração não esta partido não…esta mais “remendado” do que antes! Rss
    Meu lar é aqui, onde vivo e ponto (de exclamação!)!

    Gostei muito do texto e dos comentarios!
    (Abraço em todos!)

    • 04/05/2013 9:08

      oi Lili,

      na minha postagem você pode constatar que pensamos da mesma forma.
      sim, é isso aí.
      gostei mesmo do que li e ficaria muito contente com um comentário teu sobre meu depoimento.
      salut!

    • 05/05/2013 23:05

      Oi Lili, compartilho com vc qdo diz o que antes eu chamava de “frieza europeia” (eu mudo para Canadense), hoje (com gratidao) reconheco que eh uma das grandes licoes que aprendi por aqui. (Moro em Toronto-Canada). A “aparente” simpatia brasileira nao me conquista, nao me atrai !!! Nossa vc tirou daqui de dentro de mim rs……

  131. 03/05/2013 21:04

    “(…)não é pobre o que menos tem, mas o que menos necessita.” Não seria ‘não é rico o que mais tem, mas o que menos necessita’? Pq pra mim quem tem necessidade de pouco é rico, pois o pobre não tem nada…

  132. Eliani permalink
    03/05/2013 21:57

    Um continente, um país, uma cidade milenares já era um bom motivo para se ter um nível cultural, econômico e social muito melhor do que o do brasileiro de verdade que não tem a menor condição de ir nem em uma outra cidade, o que dirá a outro país.
    O problema maior porém, não reside nestes pequenos, poderia-se dizer choramingos de pessoas sem cultura e sem educação que vive no BraSil. O problema é que para as pessoas na Europa viverem esta vida maravilhosa, este paraíso, o BraSil é até hoje explorado e roubado pelo continente europeu, principalmente a Espanha. Acho um absurdo brasileiros saírem do Brasil para depois falar mal do país onde nasceu. É no mínimo, cuspir no prato que comeu.

  133. Moncosso permalink
    03/05/2013 22:07

    Vivi por três anos e meio fora do país. Minha ‘base’ foi o Porto-PT. Bom trabalho, bem remunerado, viagens pela Europa,vida bacana, agitada, com regalias quase luxuosas, bons amigos. Batia o banzo algumas vezes, nada muito frequente. Até que um dia me perguntaram qual era a motivação que eu tinha para continuar por ali … não tive o que responder. Depois de dois dias era um retornado. só então percebi que não era banzo, era falta de motivação, e não importa qual seja, quando ela falta, a motivação para se continuar a viver onde se está, realmente não há sentindo em permanecer nesse lugar.
    Ultimamente tenho pensado muito na Patagônia… acho que vou virar pinguim.

  134. 03/05/2013 22:18

    Parabéns Glenda pelo texto. Você conseguiu fazer com que eu imaginasse esse lugar incrivel. Quando você falou do cheiro das flores das laranjeiras ou na praça com as crianças ou no bar vendo os velinhos e velinhas bebendo cerveja pude me imaginar ai.
    Então, como brasileiro nato assim como você, nascido na cidade de Divinópolis nas Minas Gerais e morando nessa mesma cidade até hoje e vendo todo o panorama social, cultural e político, posso te dar um conselho. Não volte a morar no Brasil. Venha a passeio e para rever a familia e amigos.
    Infelizmente aqui está um país “sem dono”! São as leis e o sistema que parece não beneficiar o cidadão de bem, são os políticos que parecem quer piorar cada vez mais as coisas, é a sociedade como um todo que é omissa e parece não ter animo para lutar para as coisas melhorarem para ela mesmo.
    Não li todos as postagens do pessoal acima, talvez, alguém vai te falar que o Brasil está melhor, que temos a menor taxa de desemprego, que a criminalidade caiu, que educação melhorou, que o sistema de saúde está melhor. Pode ter certeza que é uma grande mentira. É só uma maquiagem, uma bela maquiagem. Tudo truque. Então continue ai que me parece que realmente é outro mundo.
    Tenho um primo que mora em Palma de Maiorca na Espanha também e ele fala exatamente isso que você escreveu.
    Parabéns e Sucesso.

    • 05/05/2013 23:15

      Oi Sandro, moro ha 13 anos em Toronto no Canada e sempre dou de frente com brasileiros que me criticam por eu preferir morar aqui. Todos que foram no Brasil “a passeio” dizem que o Brasil esta bem melhor do que antes e esta otimo para viver !!! ai eu lhes pergunto… Entao pq voltou ? Se la esta melhor do que aqui ficasse la… ai nao escuto resposta nenhuma !! E essas pessoas continuam morando aqui !! Estranho ne !?!? Nao eh melhor ser honesto consigo mesmo e dizer… adoro morar fora do Brasil !?!?! Eu adoro Toronto !!!!

  135. 03/05/2013 22:26

    Na Espanha, tomando uns bons drink… E ainda disseram que a Espanha estava na pior,… Se isso é estar na pior…

  136. Renata permalink
    03/05/2013 22:42

    Passei 6 anos fora do Brasil, tive a oprtunidade (ou seria vontade?!) de morar nos EUA, Nova Zelândia e Austrália. Mesmo com ‘sub-empregos’ sempre me senti mais ‘humana’ do que me sinto aqui, em casa, no Brasil. Ainda não sei se dessa vez eu fico pra valer ou só por um tempo, mas uma coisa eu sei: lá fora a gnt pode ser quem realmente é, sem preconceito e sem julgamento. As pessoas te respeitam simplesmente porque respeitam á todos e não por ‘quem’ você é pu pelo carro que tem. Como pode as pessoas darem mais valor ao carro do que a própria casa? Só porque as pessoas do escritório não vão saber onde você vive mas irão ver o que você dirige? Queria sim encontrar pessoas com a mesma mentalidade que eu, pra poder ser quem eu sou vivendo em casa, mas por enquanto tenho que escolher se sou ou se vivo em casa!

  137. Chaiene permalink
    03/05/2013 22:48

    Texto maravilhoso, me identifiquei completamente., morei 10 anos na Europa 5 anos na Holanda e 5 em Barcelona, desde Fev tomei a dificil decisao de voltar para o Brasil, devido a crise na Europa., a verdade é que estou me sentindo um peixinho fora da agua. Choro a cada dia me lembrando de Barcelona, e espero que esta crise possa melhorar pq tenho bem claro que o meu lugar nao é mais em SP, e sim em Barcelona.

    • 04/05/2013 9:02

      oi Chaiene,

      tenho uma postagem aqui, se quiser dê uma olhada.
      só tenho tres palavrinhas para voce: volte para Barcelona!
      boa sorte
      não desista de ser feliz!

  138. Cláudio Godoi permalink
    03/05/2013 22:59

    Cada um vai em busca do seu maior desejo.
    Se o seu está em outro país, que assim seja, mas afirmo uma coisa…
    pra quem tem coragem, iniciativa e criatividade, oportunidades nunca faltam.
    Seja no Brasil ou no exterior.
    O Brasil não é mais o país do futuro, é o país do presente.
    Se vc não esta aqui, agora, está perdendo…
    Eu estou aproveitando, vivendo melhor, e mais feliz na terra em que nasci.
    Pensa aí…
    O Brasil e os brasileiros te esperam.
    Abrçs!

  139. Ravi permalink
    03/05/2013 23:54

    Não que eu concorde ou discorde, não se trata disso. Apenas acho que você está esquecendo o tamanho e a diferença que existe pelo gigantesco Brasil. O que você chama de Brasil eu identifico como umas 7 grandes capitais, o Brasil é imensamente maior que isso. Talvez, se você voltasse com essa mentalidade que desenvolveu em Sevilha conseguisse enxergar as belezas que perambulam pelos Brasis.

  140. Beatriz permalink
    04/05/2013 1:31

    Glenda, simplesmente amei seu texto! Na verdade, eu ainda moro no Brasil, mas estou com passagem marcada, dia final no emprego agendado e de mudança para a Inglaterra. Confesso que tenho sentido um frio na barriga muito constante, pensando se tomei a decisão correta em largar meu emprego certo aqui, na área que eu sempre quis trabalhar e me dedicar ao meu mestrado. Apesar disso, não penso em voltar, tampouco. Já estive na Inglaterra e realmente a sensação de voltar pra casa segura, ter assistência do governo, menos desigualdade… meu caso pode ser um pouco mais simples, pois tenho nacionalidade portuguesa. Mas confesso que ainda estou com medo por um lado.
    Bem, só queria dizer q seu texto confirma todos os meus motivos para querer ir embora do Brasil… mesmo com família, amigos e uma vida aqui, quero viver longe! Para uma vida melhor…
    beijos e obrigada!!!
    Beatriz

  141. dogao permalink
    04/05/2013 1:40

    Mais ridículo do que o texto é a censura feita pela “dona” do espaço que só permite publicações que a bajulem.

    • 04/05/2013 4:10

      Glenda.

      Compartilho com sua ansiedade. Atualmente já vivo a parte descendente da curva da vida e vivi, até a data de hoje, no Brasil/Brazil/brasil. Conheço quase toda a Europa mas nunca permaneci, em pais algum, tempo suficiente para observar as comparações feitas por você, com muita firmeza. Acredito nas suas palavras e, de certa forma te invejo por “morar” em Sevilha. Linda cidade. Você me deu coragem, confirmou meus pensamentos, mostrou a grande realidade entre nossa “cultura” e a educação européia. E você não falou dos grandes culpados, responsáveis pelas discrepâncias entre os povos: nossos políticos e suas arrogâncias, ganâncias, egoísmos, pré-potências, desonestidades, despreparos, irresponsabilidades, egocentrismos, e muitos e muitos outros adjetivos qualificativos que não me sobra tempo e espaço para enumerá-los. Sou professor doutor aposentado daUnicamp e estou pensando seriamente emmudar para a Europa (Malta, Sardenha, Palma de Majorca, quem sabe?). Se der certo, venderei o que tenho aqui no nosso pais, mudarei para a Europa e, inverterei os programas: hoje moro em Campinas e vou de férias para aí. Futuramente virei de férias para o Brasil. Só para rever os parentes e amigos, comer uma feijoada e um churrasco, rever nossas belas praias e retonar para zerar meu QI, antes que eu seja multado, assaltado, roubado, enganado, falsificado, desrespeitado, etc.
      Espero conhecê-la pessoalmente aí em Sevilha.
      Abraços e obrigado pelo seu texto desabafo.
      Bráulio Araújo Júnior

  142. 04/05/2013 4:51

    Triste, triste. Mais triste do que os problemas (e olha que são muitos!) do Brasil seja talvez o preconceito dos próprios brasileiros quanto ao seu próprio país (e os erros de português, isso melhor nem comentar!). Morei 6 anos fora do Brasil. Uma parte do meu coração está e sempre estará na Inglaterra, país no qual sonhava morar desde criança. Fui muito, muito feliz lá, nem dá para expressar em palavras o quanto. Sou grata pela experiência que tive e jamais esquecerei o que vivi. Sinto saudades. É claro que aqui não é o paraíso, não sou uma iludida (e nem quero ser). Para que o Brasil seja uma nação de verdade ainda falta muita coisa. Aqui não é o melhor lugar do mundo, está longe disso. Concordo com quem disse que será sempre estrangeiro quem mora fora de seu país, mas também devo concordar que aqui tem mesmo uma parcela considerável de babacas, egocêntricos, deslumbrados e ignorantes. Mas também não será deslumbramento e babaquice generalizar toda uma nação? E quem sente-se feliz no Brasil, quem nunca quis morar fora ou veio de outro país e fez do Brasil sua casa? Por acaso isso é algo menor? Ignorância não será também acreditar numa única possibilidade de felicidade? No fundo, fico me perguntando se toda essa discussão, essa necessidade que todo brasileiro tem de depreciar tanto o nosso país e valorizar tanto o que é de fora (estou me incluindo nessa), não paira naquele velho sentimento de inferioridade que temos como povo. É triste ver que o estrangeiro valoriza muito mais o Brasil do que os próprios brasileiros. Não estou falando de tampar os olhos para a realidade, de achar tudo aqui lindo, que o povo é mais caloroso, que está melhorando e blábláblá, porque acho bobagem; mas também é meio irreal achar que tudo é negativo. Já vivi um pouco e sei que o mundo é algo muito mais complexo do que a minha parcial e limitada visão das coisas jamais poderá imaginar. Tem coisa boa e ruim e gente boa e ruim em todo o lugar. Tudo é relativo, certezas absolutas não existem.Tem gente fazendo fila para sair do Brasil e tem gente fazendo fila para entrar também. Questão de perspectiva. Fui feliz antes e durante a fase Europa. Sou feliz hoje no Brasil. Se viverei aqui para sempre? Sei lá… me permito deixar em aberto. Estou sempre disposta a mudar de ideia, graças a Deus! Querida Glenda, assim sendo, não tente justificar nada… de verdade, siga o seu coração. A questão não é ser o Brasil melhor ou pior que a Espanha, se assim fosse, não teria tanto Espanhol, Português, Inglês, etc. vivendo no Brasil e amando! A questão é estar feliz com você mesma, onde quer que esteja. Fique o quanto seu coração quiser, volte se ele disser para voltar; hoje ou daqui há 10 anos. Ou não volte nunca. O importante é ser feliz. bjs

    • Juan Pablo Murillo permalink
      07/05/2013 1:15

      Que palabras mas hermosas lo que hace a un país diferente definitavemente es su gente !

    • 11/05/2013 10:48

      Que lindo minha filha, vai assistir salve jorge e Zorra total e sonhar com esse Brasil varonil aí, vai… quanta besteira.

  143. 04/05/2013 5:25

    P.s.: A verdadeira simplicidade vem de dentro. Vivo uma vida simples e proveitosa, com acesso a muitas das coisas sociais e culturais que vc cita no seu texto. Descobri que é possível ter uma vida simples, respeitando meus valores, onde quer que eu esteja.

  144. Sidney Sobral permalink
    04/05/2013 5:47

    E muito engraçado ler isto de que nos que estamos foras fugimos do brasil em vez de estar ai para ajudar melhorar o Brasil, eu nao sai do Brasil por necesidade financeira ,eu sempre fui motoboy en Sao Paulo e ganhava mais que muita gente que tem estudo ,coisa que eu nao tenho,como sabem ninguem gosta de motoboy no Brasil,fui para londres na aventura para ficar somente 6 meses e no começo queria voltar depois percebi que a unica preocupaçao que eu tinha era aprender o idioma e que me respeitavam como motoboy e que ainda me pagavam bem,nao tinha que estar preocupado se me roubarian a moto,bom tudo isto nao vem ao caso ,qdo voce sai fora e ve que vive melhor ,que tem segurança ,boa educaçao e saude tudo isto publico ,hoje eu nao vivo mais en Londres ,ja pasei por Barcelona e agora estou por um tempo na Australia nao sei qto vou durar aqui ,mas estou seguro que nao voltarei para um pais onde nao se tem o basico para viver que e educaçao ,saude e segurança ,a tranquilidad nao tem dinheiro que pague.Sou Brasileiro e tenho orgulho de ter nacido no Brasil meu filho e Espanhol de Barcelona e tenho orgulho de falar com ele en portugues e que ele me responda en portugues.Cada vez que vou para o Brasil de ferias me da mais voltade de nao estar ai se nao tivesse minha familia pai ,mae e irmaos estou seguro que iria com menos frequencia.

  145. Ciro Flamarion permalink
    04/05/2013 7:31

    É, eu vivo hoje um dilema, amo uma pessoa que apesar de ser brasileira vive aí, em Madri. Gostaria de viver aí, não porque morra de amores por essa terra, que tem suas peculiaridades, boas e ruins, ou melhor, excelentes e drasticamente horríveis, mas, gostaria de viver aí pelos motivos óbvios.
    Me considero um nômade, me sinto bem e me adapto a qualquer lugar, mas, te confesso que ler o que você escreve me soa muito estranho, não sou nacionalista extremista, não sou daqueles que acha que uma terra, ou uma bandeira são como uma tatuagem em sua pele, mas, ler que você se acha no paraíso, depois de em minhas viagens à Espanha ter visto tanta discriminação aos brasileiros, ter visto como as mulheres são tratadas, como se ainda estivessem no inicio do seculo XX, donas de casa, criando filhos, sem direitos perante os maridos, um povo que acha que brasileiras são p… e brasileiros são vagabundos, um País que só não se esfacela e divide em 4 por força de poder centralizador, senão vejamos, bascos, catalães, madrilenhos, ETAS da vida, 9 meses de inverno, 3 meses de sol abrasador de 40°C. É, cada um tem sua motivação para se sentir bem em um canto, não estou te criticando, respeito sua opinião sobre esse seu paraíso, que não é o meu, mas, eu gostaria e planejo em algum momento de minha vida ir morar aí prá estar perto de quem eu amo, porém, não me iludo com essa terra de parques imaculados, de prédios históricos maravilhosamente bem conservados, de auto estradas incríveis, apesar de não serem nem de perto as estradas alemãs. Um pais de respeito ao pedestre, coisa que levei algum tempo prá me adaptar, um pais em que as ruas e calçadas são tão limpas que impressionam, mas, também é um pais de corrupção, de um rei que acha graça em fazer safári em tempos que a natureza pede socorro, um pais em que políticos são corruptos, em que torcedores jogam bananas para jogadores negros, um pais em que a lingua é dura, não tem doçura, quando se ouve um espanhol falar, parece que estão sempre discutindo. Um pais em que uma boa parcela do povo, não todos, acha graça em ver um animal magnifico como um Miura ser sangrado até a morte e ainda aplaude e grita olé, hummm, esse povo não me parece assim tão gentil. É, essa Espanha que você enxerga não é a mesma que eu vejo em minhas viagens. Mas, como se diz, o nosso lar é aonde nos sentimos bem, e eu adoro estar aí, pelo pais, pela preservação da história, pelo meu amor, mas, apenas por isso, não troco uma familia brasileira, a nossa culinária, o nosso sol e nossas praias pelas da Espanha, mas, como voce disse, gosto do happy hour, gosto das noites quentes de verão em que o sol se põe as 22h e os bares ficam cheios, gosto do fato do espanhol preferir passear a colar numa tv, mas, creio que nesse ponto não é o espanhol, é o europeu.
    O que voce precisa se lembrar quando fala sobre o Brasil é que as pessoas que aqui ficaram e que lutam por fazer dessa terra um lugar melhor, que pagam seus altos impostos, que produzem, enfim, as pessoas que estão roendo o osso no futuro colherão os louros da luta e que prá ser bem honesto, quando tudo ficar ruim pros estrangeiros na Europa voces se lembrem que se não contribuiram na luta não terão o direito de reclamar para si as condecorações da boa batalha.
    Um Pais é feito por seu povo, por suas lutas e conquistas, e, pessoas inteligentes como voce fazem falta, nunca se esqueça disso.
    Seja feliz na Espanha, quem me dera, sinto uma inveja boa, mas, meus compromissos me prendem aqui.

    • Sidney Sobral permalink
      04/05/2013 14:28

      Aonde 9 meses de inverno e 3 de sol ?Na Espanha ? Mentira, Isto que voce diz e en Londres onde vivi 3 anos esei como e o clima ,na Espanha nao e assim vivi 6 anos en Barcelona desde 2007 ate janeiro de 2013 e agora me mudei para Australia ,mas penso e voltar para Barcelona ou qualquer lugar da Espanha no futuro ,todo pais tem seus problemas ,mas voce e simplesmente exagerada no que diz ,vai ser dificl encontrar un lugar perfeito ,mas tenho certeza que o Brasil vai demorar muito para evoluir talves nao vamos nen estar vivos para ver isto e ja que e assim para que vou ficar parado ai no Barsil de cara pro mundo ,como ja diseram antes o mundo e muito grande pra nascer e morrrer no mesmo lugar.

  146. andre permalink
    04/05/2013 9:25

    Muito bom o texto, parabéns.

  147. willian permalink
    04/05/2013 9:45

    sinto falta do calor e dos amigos… o resto eu amo muito… se o brasil tivesse a seguranca que tem aqui na suica seria otimo

  148. maria alice permalink
    04/05/2013 11:08

    Morei 5 anos na Nova Zelândia e por motivos de saúde na familia estou de volta ao Brasil há um mês e não há um dia em que não pense em pegar o avião para retornar a minha “terra da grande nuvem branca”!

    • 05/05/2013 9:28

      oi Maria Alice,

      espero que brevemente voce possa viver na ‘terra da grande nuvem branca’ de novo, porque, no Brasil, se vive constantemente sob uma nuvem negra, carregada de desrespeito, violência e corrupção impunes.

      guarde sua nuvem branca no coração e volte para a Nova Zelândia.
      boa sorte! seja feliz.

  149. Helo permalink
    04/05/2013 12:35

    Não precisei sair do brasil pra aprender a conviver com famílias homoafetivas. Ou a almoçar no mesmo restaurante que o motorista ou a faxineira. Eu me pergunto que tipo de vida alguém leva no Brasil pra ter que aprender esse tipo de coisa somente quando pisa no exterior. Viver numa bolha elitista não é exatamente conhecer o Brasil.

  150. Nina permalink
    04/05/2013 13:01

    Elite brasilieira novamente falando merda e tendo ideias muito irreais do Brasil. Bom saber que você não aprendeu nada esse tempo todo aí. Além disso, só de pensar que esses países europeus tem tudo o que tem de bom porque eles exploraram (e ainda exploram) o mundo por pelo menos 500 anos eu nem exito em dizer que estou morrendo de vontade de voltar para o Brasil. Não gosto de viver aqui porque sei que cada facilidade veio da extrema exploração de outros países. Prefiro não utilizar essas “facilidades”.

    • Sidney Sobral permalink
      05/05/2013 0:07

      Elite brasileira ? nao entendo ,se voce se acha elite brasileira por estar vivendo fora do Brasil ,eu nao me acho somos imigrantes como qualquer pessoa fora do seu pais ,se voce nao for de familia rica e nao nacer en berço de ouro voce vai ser explorada onde voce estiver e sobretudo no Brasil onde voce paga muito e nao tem nada que vale o que se paga. Eu penso que voce tem que voltar para o Brasil e sentir se explorada por seu propio pais seguramente voce se sentira mais feliz.

  151. Tayná Nesci permalink
    04/05/2013 13:48

    Cada um enxerga como quer e se opinião fosse bom eu estaria aqui vendendo, mas falando como uma pessoa que TOMOU ESSA DECISÃO e VOLTOU para o Brasil, posso falar que embora ela esteja falando da Espanha e eu NUNCA tenha morado lá, estamos dando um baile nos Estados Unidos em MUITA, mas MUITA coisa mesmo. Não podemos dizer que temos a mesma segurança do que morar em Danbury (mas quem mora em NYC não pode dizer que tem a mesma segurança que uma cidade do interior, embora ainda esteja falando dos Estados Unidos). Falo sobre a minha cidade, pois as demais sou leiga e não posso afirmar isso, mas trabalhar de carteira assinada, sem “overtime” e horas escravas de trabalho, ter um seguro de saúde para mim e para a minha família, sem ir só ao médico quando estou morrendo e ouvir que “É só tomar Gatorate e Tylenol que passa!”, entre muitos outros benefícios trabalhistas e sociais que não temos ai, é encantador e faz uma diferença absurda na minha vida. No texto, a autora relata que aprendeu a viver com morar no mesmo prédio do lixeiro, da empregada… Mas nos Estados Unidos, não estamos no segundo ano de doutorado como ela, NÓS SOMOS OS LIXEIROS, AS EMPREGADAS, AS BABÁS… O transporte público do nosso país dá show no dos EUA e me arrisco dizer que a saúde pública também, pois meu pai descobriu um câncer que ele tinha por 10 anos e nunca tinha descoberto ai, com acompanhamento médico mensal e exames específicos. Ela também menciona, que ela aprendeu o que é divertimento… O Brasil é um país cheio de feriados e mesmo que ninguém tenha dinheiro, todo mundo está sempre viajando, sempre bebendo, sempre fazendo um churrasquinho, fora do país, não se engane, as pessoas pensam individualmente NELAS próprias, tiram foto dentro de casa (e na frente do espelho – já fiz muito!) e o frio não dá vontade muitas vezes de se quer sair de casa e ir na casa do seu irmão ou amigo, que morava no meu caso, uma rua acima da minha. A grande verdade e eu falo isso sem julgar ninguém, é que brasileiro é MUITO BABA OVO de outros países e muitos que até estão lá, acabam com o nosso nome. O Brasil é cheio de problemas SIM, afinal não MAQUIAMOS muitos deles, como fazem fora. Eu reconheço toda a política suja, toda a marginalidade e todo o respeito e educação que precisam melhorar… MAS NÃO EXISTE LUGAR COMO O LUGAR DA GENTE e assim como um americano levanta para beijar a bandeira deles com bombas, terrorismo e com um monte de retardado entrando em escola matando um monte de criancinha, eu beijo e levanto a nossa e digo que eu NUNCA ESTIVE MAIS FELIZ de estar em casa.

  152. Anderson permalink
    04/05/2013 13:56

    Muito bom.
    Seu texto reflete os sentimentos e pensamentos de muita gente.
    Inclusive de quem ainda não saiu do pais (assim como eu) mas que já está de saco cheio de tanto roubo e coisa ruim.
    … …

    Parabéns pelo texto!!!

  153. Julian permalink
    04/05/2013 14:34

    Infelizmente o brasileiro que teve uma oportunidade melhor , e condições de bancar o início de uma vida fora do Brasil quer tomar as dores do país onde está. Não devemos esquecer nossas raízes e fugir da realidade, essa é a realidade do Brasil. Exigir que o Brasil seja um país com costumes europeus? Isso é fora de cogitação, ainda que quem estudou um básico de geografia sabe que não somos país de e primeiro mundo,e estamos em pleno desenvolvimento. Cada país tem seu costume, suas dificuldades, e vitórias.Muitos brasileiros não vestem a camisa do p por pessoróprio país,e têm vergonha de dizer que são brasileiros, e inventam essas desculpas. Brasileiro de verdade não é covarde, não desiste, luta em terra, não perde a guerra, grita,reclama, chora,tenta ser alguém e ainda por cima consegue sonhar que aqui ele pode conseguir fazer algula de ma coisa para melhorar o sistema.
    Isso é egocentrismo, você querer viver sozinho, num mundo que acha perfeito, e não fazer nada para o próximo, ficar alienado vivendo num meio em que fica pensando oa de p que os estrangeiros vão pensar de você,se vc é educado ou não. Nada a ver ! Fala de preconceito, mas você mesmo declarou ter preconceito pelo próprio país.

    • Phelipe permalink
      05/05/2013 11:06

      Mais ou menos assim. Repito onde estão os bons brasileiros? Onde está a qualidades do Brasil? Será que está tudo perdido? Por que a maioria pensa assim? Ter vergonha de ser brasileiro, porque teve uns que fizeram coisas más? Não somos culpados, pelos os que querem fazer o mal. Isso não é Cultura. É a escolha de cada um…

  154. Marcelo permalink
    04/05/2013 14:52

    Comovente. Adorei sua visão de mundo. Sei que vc não odeia o Brasil, mas odeia o que fizeram dele. Comungo com vc da ingênua idéia de um dia poder testemunhar um país mais justo e melhor. Boa sorte.

  155. wellington mendes permalink
    04/05/2013 15:17

    Não se iluda com esta ideia de “meus”. Os nosso nem sempre são do nosso círculo, seja familiar, municipal ou nacional.

  156. 04/05/2013 18:57

    Acho incrível o debate e respeito o ponto de vista de cada um, mas essa coisa de poder ser o que se quer apenas no exterior e ser menos julgado fora do país é uma questão muito relativa. Eu já morei fora do país por alguns anos, tinha um namorado estrangeiro. Realmente, pelo menos na Europa, a coisa da liberdade de expressão é maior mesmo, até porque cada um só se preocupa com a sua vida, o que é ótimo. Aqui ainda causa espanto certas roupas e tribos e tal, já melhorou, mas é lento. Aqui em SP vejo o pessoal bancando essa coisa do diferente cada dia mais, enfrentando. A coisa de te julgarem, isso te julgam em qualquer lugar. Quando convivia com meus amigos estrangeiros e Londrinos viajados, realmente a coisa era bacana, até porque todo mundo estava na mesma condição de trabalhador meio braçal. Agora, quando ia para festas com meu namorado inglês, os amigos dele tinham um outro padrão de vida… o padrão de vida que tenho hoje no Brasil, de empregado de empresa privada, profissional liberal, etc. Dai, meus amigos, ser humano é tudo igual e me julgavam sim. Achavam “estranho” ele namorar uma vendedora de loja, apesar de saberem da minha formação universitária no Brasil, e olha que eu fazia especialização na época. Isso, principalmente as meninas. Os meninos eram mais simpáticos, achavam uma sorte ele ter uma namorada exótica, mas nunca levaram nosso namoro a sério. O lugar onde senti essa aceitação mais ampla foi na Escandinávia, no resto, tudo meio igual a Londres. Passei um tempo em NY e era igual. Hoje aqui no Brasil, tenho um padrão de vida bom, mas mantenho a simplicidade da vida que escolhi para mim: moro num apto pequeno, num bairro central. Não tenho carro, não tenho empregada, não faço compra mensal, só semanal (trouxe esse hábito de Londres), não tenho roupas caríssimas… meu marido é Engenheiro e partilha dos mesmos valores. Vamos muito ao cinema, teatro, comemos fora, viajamos, sim, isso é verdade. Aproveito tudo o que SP tem a oferecer em termos de cultura e tenho coisas supérfluas também, gosto de comprar. Mas também vou almoçar pf, tenho amigos de todas as classes sociais. Se me julgam no meu local de trabalho? Claro que sim. Tenho colegas com o mesmo pensamento que eu e procuro me cercar deles. O resto, com certeza, não entende muito bem porque continuo usando transporte público e porque moro ainda num 1 dorm tendo condições para ter mais, já ouvi comentários, mas que me importa? Não deixo de fazer ótimos amigos por causa disso. Respeito a opinião de cada um. Valores cada um tem os seus, cada um está num momento e tem suas necessidades. Não sou melhor nem pior que ninguém e de forma alguma me sinto inferior por não ter um carrão ou apto alto padrão. Digo e repito: a questão não é o lugar onde se vive, a questão é o que você carrega como verdade dentro de você. Tem que investigar p orque esse julgamento dos outros incomoda tanto… julgamento e preconceito, infelizmente, tem em todo lugar. Se para você for importante ter um carrão ou uma casa com piscina ou ter o cargo XYZ (nada contra, cada um na sua) para se sentir alguém melhor, para se sentir aceito, isso vai ser assim aqui ou na Somália.

    • Phelipe permalink
      05/05/2013 11:34

      Quase bem assim, acontece que claro concordando com quase tudo dito por vc. Só que existe o fator sorte, existem Pessoas tão ruins em outros países, que nenhum brasileiro tem idéia. E acha, que todo mundo é bom, menos os brasileiros… tentando assim generalizar maldade com Cultura, maldade não é Cultura, morei um tempo fora, e sofri, com estrangeiros, ruins Pessoas com costumes piores do que muitos brasileiros, coisa de ser esperto, passar a perna no outro, pois foi, me passaram a perna, a Pessoa a qual confiei, e contei sobre meus planos, então fica a dica, para quem vive no Mundo encantado. Em todo o lugar do Mundo existe gente boa, e gente ruim, uns mais do que o outro mais existe, podem até me dizer que sofri, racismo, por terem feito isso comigo, mas acredito que foram pessoas ruins… questão de sorte, e de procurar as Pessoas realmente, legais que possam trabalhar com voce sem te passar a perna… Pessoas honestas, também foi difícil de encontrar fora do Brasil, questão de julgamentos, depende de onde surje e de quem? As Pessoas ruins adoram fazer assédio Moral, perseguir, humilhar isso não é coisa de Criança, vi um africano sofrer isso sem nunca ter feito nada, tem coisa, que voce pode deixar para lá, mas tem coisa, que te prejudica, por que Pessoas assim, não param, elas continuam, a fazer até te prejudicar. Coisas de voce ter procurar autoridades competentes… então isso não é coisa de Brasil, acontece, que a Maioria que faz isso, faz com os estrangeiros, e tem mais, tem estrangeiro que discrimina estrangeiro… é só morar fora, para ver isso, não é questão de ter ou não dinheiro no exterior, e sim de voce encontrar Pessoas boas. Meu meio era de Pessoas ricas e bem sucedidas, mas ninguém gosta de viver procurando Justiça, por mais dinheiro que se tenha a gente só quer viver em Paz….

  157. Catarina permalink
    04/05/2013 20:00

    Adorei seu texto, mas, não compreendo a necessidade de alguém ter de buscar em outra terra uma fonte de virtudes que faltam dentro de si. Será que é tão difícil entender o quão simples é ser feliz para si e para os outros? Ora, a frase imperativa, apesar de imperativa, é bem cordial e explicativa: Seja a mudança que você quer ver no mundo. Ponto. É claro que outros meandres políticos implicam na construção desta felicidade coletiva, mas creio com afinco que tudo parte da coragem constante de fazer o bem, sem vergonha de alguém está olhando e julgando seu “puritanismo” – e isso acontece. Ou seja, os políticos corruptos e inescrupulosos que apontamos o dedo são tão filhos desta sociedade como nós. São eles, sim, um produto na nossa cultura e da cultura torta consumista da felicidade em forma de dinheiro; assim como qualquer um de nós. Muito do que acreditamos piamente nunca fora questionado, apenas acreditamos. Uma alienação que surge da consciência coletiva. Quando todos pensamos juntos, praticamos juntos e juntos permanecemos neste estado letárgico, juntos também criamos um só pensamento e passamos a agir cegamente, reproduzindo hipocrisias sem nem mesmo notarmos nossos rastros de preconceitos, defeitos e equívocos pelo chão. Isso não é uma questão de nacionalidade. O Brasileiro tem sua cultura própria, mas não se esqueçam que os efeitos nocivos do modo de pensar capitalista é o mesmo na maior parte do mundo. Esse lance de fora do Brasil descobrir a inutilidade do consumo é utopia, se assim fosse o mundo ainda estaria insistindo em desenvolver um novo sistema socioeconômico para reger a sociedade. Então, é só pensar mais um pouquinho que você verá que, na verdade, estando em outro “mundo” você apenas se sente mais livre de desfrutar e contribuir para a cultura local de mentalidade coletiva mais aguçada (muito por sua idade incomparavelmente afrente da nossa sociedade infantil-adolescente), pelo simples fato de que é difícil ter coragem de fazê-lo aqui. Não lhe acuso, não é privativo, todos são assim. Ainda, assim, é claro, se você quer atravessar na faixa sem olhar para os lados, segura de que nenhum carro passará em alta velocidade ultrapassando o sinal vermelho, seja você – aqui também – uma motorista consciente, bem como uma pedestre consciente. Não suporta o preconceito que identifica nas relações interpessoais? Seja um exemplo! Não digo que devemos pregar por aí nosso modo de vida, pois só de viver naturalmente o nosso modo de vida, já estamos sendo um exemplo. Palavras não são necessárias se seus atos te preenchem. Comece a agir conforme a postura que falta na sua vida em todos os lugares do mundo. Agora, se o assunto em pauta é a questão social (vulgo desigualdade social), compreenda que ela é fruto do sistema capitalista e que enquanto este estiver em vigor ela será irrevogável e, assim, sempre haverá desigualdade em TODO O MUNDO; a diferença é que a desigualdade da Europa reside em outros países (periféricos) por ela, e outros, sempre explorados; como nós – um exemplo disso é você, que teve de sair daqui para buscar em outro lugar aquilo que aqui faltava. É claro que falta, sempre vai faltar, quando não faltar aqui, faltará em outro lugar – capitalismo. Uma rua sem saída. Bem, teria alguém coragem de boicotar o capitalismo, e não digam que isto não tem nada a ver com capitalismo, se disserem, peço que retornem à faculdade e estudem mais um pouco…?! Ninguém tem. Ninguém REALMENTE quer ver essa mudança que tanto deseja para o mundo. É muito mais fácil ser a mudança em um lugar onde bons hábitos são e um melhor serviço do aparelho do Estado já foram conquistados pela sociedade através de lutas, revoltas e revoluções mil ao longo da história. Fato é, ninguém quer que acabem com o capitalismo, todos queremos ter dinheiro para beber um pouco, comprar nossas coisinhas, viajarmos, não é? Nós vivemos o mundo dos sonhos. Fingimos mudarmos internamente porque em outro lugar não temos que confrontar o pior de nós, a versão retrógrada do nosso padrão comportamental.
    É assim: Me incomodo com a falência progressiva da saúde pública brasileira, vou buscar uma saúde pública melhor! Bom, mesmo longe, a nossa continua lá, falindo. Ninguém mexeu nela, ele está lá, parada, do jeito que deixaram. Idem para a educação; para a segurança…; para a habitação…; Para a cultura… Acredito que temos que nos desacomodar no nosso vitimismo brasileiro, “Trabalho muito, não tenho tempo para refletir e pensar nisso, quero tomar meu chopp, rir de uma piada sobre bunda e voltar a trabalhar.”. É como se o problema só fosse problema quando chega a nós, se é do outro não é problema – não posso ver daqui. E isso que relato não é você, somos todos assim. A gente pode perceber e se renovar, ou não. Eu até posso acabar mudando de ideia daqui a uns anos, mas, por mais incrível que pareça, eu quero ser e construir a mudança que eu quero ver, sim. Não sou comunista, não sou socialista, sou capitalista; sim, uma vez que trabalho e consumo, eu sou capitalista. A cada dia que leio mais, estudo mais, pesquiso mais, menos consigo conviver com isso, e é assim que capital vive, da nossa ignorância, quem está muito ocupado trabalhando como um corno, rindo de uma bunda ou simplesmente longe da possibilidade de se desenvolver sua capacidade natural teleológica, não critica, não quer mudança, se revolta e não faz revolução. Só que, se determinar ações através do raciocínio é uma habilidade própria do ser humano, ainda há esperança. É estranho ter crença na capacidade dos homens de se reinventarem e, ao mesmo tempo, saber que capitalismo é fatalismo. Então, assim, entre altos e baixos de devaneios, o certo é subir, sem medo nem vergonha, degrau por degrau do progresso pessoal e coletivo. Atravesso na faixa aqui, levanto para um idoso se sentar ali, espero o sinal fechar cá, penso e estudo melhor na hora de votar lá, analiso mais criticamente a economia aqui, pesquiso mais aculá, observo a sociedade, as pessoas, converso mais sobre a estrutura social aqui, compartilho de ideias lá, me ponho aberta à outras cá, questiono lá, agindo e pensando, pesando e agindo e assim vou.. E assim vamos. Mudar nos pequenos hábitos não basta se não se continuar com o processo de mudança, progredindo, sempre!

  158. Leticia permalink
    04/05/2013 21:22

    Ola, li o seu texto e achei os pontos interessantes, mas quanto mais eu ouço os argumentos de quem não quer voltar pro Brasil, vejo que qualidade de vida é um conceito extremamente relativo e que o problema real é o brasileiro tendo dificuldade em ser o exemplo que ele exige do Brasil.

    Injustiças, preconceito, falta de segurança, serviços públicos precários, um trânsito impossível – sim, a gente vê por aqui. Mas essa comparação “Europa-paraíso” e o “Brasil salve-se quem puder” está muito longe da realidade.

    Eis o Brasil, um país com tantas qualidades quanto defeitos e mesmo assim, preferimos dar as costas a ele pelos defeitos, do que defendê-lo em nome dos méritos que tem.

    – os EUA deveriam ter inveja do nosso transporte público e mais ainda do nosso sistema de saúde.
    – Aqui, podemos até esperar longas horas numa sala de emergência, mas nos 4 cantos do país você nunca será negado assistência médica gratuita.
    – Aqui, mulher vota, mulher estuda e trabalha, mulher usa a roupa que quer, mulher têm uma lei específica que a protege contra violência doméstica – já ouviu falar da África muçulmana? Das mulheres de Juárez?
    – Aqui tem o processo eleitoral mais moderno do mundo. EUA, com suas filas de até 12 horas para idosos na última eleição e suas falhas de contagem de votos, também deveria invejar.
    – Aqui, o turco, o grego, o português ou pessoa de nacionalidade alguma sofre preconceito generalizado baseado somente na origem, como acontece na Alemanha.
    – Aqui uma criança de cor pode chegar a ser Ministro da Justiça.
    – Aqui se promove tolerância e respeito – todos os anos, temos a maior parada gay do mundo.
    – Aqui temos chuvas e deslizamento de terra todos os anos. A Austrália tem inundações, a Califórnia tem seus incêndios, na Europa tem pessoas que morrem de frio. Todos temos o que melhorar quando se trata de mitigar danos de desastres naturais.
    – Aqui tem o melhor ensino superior da A-me-ri-ca-La-ti-na inteira e ele é grátis. “Ah mas só entra quem fez colégio particular”. Eis as cotas. Os melhores do ensino público também tem seu lugar garantido. O Chile, considerado um país justo e organizado, não tem.
    Na Alemanha, as taxas de universidades públicas são 500 Euros por semestre. No México, 50 centavos por mês para o uso do estacionamento. No Brasil, nada. E a população inteira tem acesso às bibliotecas.

    Ao invés de responder a pergunta, por quê é tão difícil voltar ao Brasil, deveríamos nos preguntar por quê é tão difícil reconhecer as coisas boas que ele tem a oferecer. E quando você vive cada dia respeitando as leis, o meio-ambiente, as demais pessoas na Espanha, por que é tão difícil você fazer o mesmo aqui? Porque isso ja seria o suficiente. Tudo bem, todos corremos algum risco de vida diariamente e a nossa paciência é testada cada vez que precisamos de um serviço público. Mas não é como se isso aqui fosse uma guerra civil do Congo, o PT não é o Taliban, ninguém aqui tem que fazer sacrificio humano aos deuses da chuva para alimentar a aldeia (nem mais o nordeste, acredite se quiser). O europeu vem até aqui conhecer nossas belezas nas férias, e nós não podemos passar nossas férias aqui? Até parece que só na Europa a gente pode dar um pulinho ali pra conhecer um novo lugar, uma nova cultura. Ninguém está pedindo para que você sofra na sua existência vivendo no Brasil. Então por que não tentar melhora-lo aqui?

    Quanto à mulher descabelada na padaria, as unhas sem pintar e a falta de preocupação com a aparência física – essa sou eu. E não sou só eu. Tem um monte de mulher no Brasil que decide ser o que quiser e não tá nem aí pro que pensam. O país é livre, ele fez a sua parte. Quem não tem coragem para ser o que quer, sugiro que a encontre.

    Eu morei em vários países no exterior com estabilidade, por 8 anos, desde criança e decidi voltar, pelo bom que o Brasil tem e o bem que ele faz a mim e a todos os estrangeiros que o escolhem como lar todos os anos. Você, minha cara, tem todo o direito de escolher outro país para morar, mesmo. Mas por preferências pessoais. Não culpe o Brasil por essa escolha, porque ele não força ninguém a sair por necessidade ou desamparo.
    Eu mesma sou incomodada com algo no Brasil – que alunos de pós-graduação, os mais instruidos da nossa sociedade, percam a oportunidade de serem líderes em levantar a autoestima brasileira. Não é a nossa obrigação, mas é quase.
    No entanto, sorte a você e a todos os brasileiros no exterior. Eles podem não torcer pelo Brasil mas o Brasil ainda torce por eles.
    Abraço.

    • 06/05/2013 17:59

      Leticia, você “realmente tem razão” quando diz, entre várias outras coisas parecidas, que: “decidi voltar, pelo bom que o Brasil tem e o bem que ele faz a mim…”, pois é só percorrer uma das “comunidades” do Rio, por exemplo, para ver as caras de felicidades do pessoal fazendo churrasco nas lajes de puxadinhos sem acabamento, tomando cerveja barata, ouvindo pagode e funck, olhando o mar bem longe e se acham num paraíso…. porque nem entendem o que são cidadania, direitos, república, impostos indiretos,…
      E lá embaixo no Leblon, caras como o funcionário público carioca (Eduardo?), cujo salário é bem maior que o mesmo cargo em empresas privadas, e por isso é um dos principais motivos dos grandes impostos, também acha que está num país maravilhoso e bonito por natureza… e quando vai nas praias da Zona Sul nem sabe que a maré costuma trazer quase todo o esgoto de volta, após ser lançado in-natura pelos interceptadores submarinos, pois foi a maneira econômica do governo gastar menos, e ter mais para corrupção.

  159. 04/05/2013 21:38

    O Brasil é um país pobre. Você não gosta de país pobre (embora tenha estudado numa instituição federal, onde o estudante custa 10 mil reais por mês). Por que não diz apenas isto, em vez de ficar se justificando?

  160. 04/05/2013 21:48

    Eu amo o Brasil, mas como muita coisa na vida temos que fazer a escolha do que é melhor para gente, infelizmente o Brasil não é a melhor escolha para mim no momento e não penso em voltar. Não sou classe média, muito menos filhinha de papai, sempre tive que vencer muito preconceito pela minha origem no Brasil e felizmente onde moro posso ter meu cabelo afro in natura sem ser criticada, sem ser chamada de cabelo de bombril ou coisa e tal.

  161. Paula permalink
    04/05/2013 21:50

    Adorei os textos do Antonio! Parabéns!
    Sinto muito, pelos brasileiros que estão desacreditados de nosso país.
    Estou morando nos EUA há 5 meses e para mim, não há melhor lugar que o Brasil. Não nasci rica, nem sou. Cresci tendo que ajudar no trabalho duro da roça. Sou muito grata aos meu pais – mesmo sendo muito humildes sempre me incentivaram a estudar – graças as bolsas que tenho conseguido, estou quase terminando os meus estudos.
    Quando voltar, quero poder contribuir com o desenvolvimento do nosso país sim, que talvez só não esteja melhor, justamente porque é sempre mais fácil reclamar e apontar os defeitos, do que tentar fazer a diferença.

  162. 04/05/2013 22:57

    O texto é perfeito! Descreve muito bem essa eterna contradição que vive dentro de nós. Ou melhor, nós somos uma eterna contradição. “Não estar satisfeito” é da essência do ser humano.
    Moro no Rio de Janeiro, mas nasci e morei muitos anos nos EUA. Gosto muito do Rio de Janeiro, do Brasil, mas toda vez que viajo para fora, volto deprimido, anestesiado, sem vontade de sair às ruas. Mas minhas viagens, encontro sempre tanta civilidade, educação, honestidade, respeito com as pessoas e com as leis, que a depressão pós viagem é inevitável.

    Tenho casa em Portugal, mas aqui é o meu lugar, apesar dos pesares. Como alguém disse aqui, ainda existem “cantinhos” nesse nosso Brasil (me considero brasileiro) onde podemos dormir de porta aberta, deixar o carro aberto, passear tranauilamente à noite sem qualquer preocupação com assalto.

    Enfim, parabéns pelo texto, Glenda. Pense bem, antes de tomar qualquer decisão no final do seu doutorado.

    Na verdade o ser humano é uma eterna contradição. Boa sorte.

  163. Naadja L Marcondes permalink
    04/05/2013 23:16

    Muito bom texto, Glenda.
    Vejo que aqui todos colocam sua opiniao contra ou a favor da sua colocao o que isso prova a democracia que desejamos.
    Depois de ter vivido por 12 anos em USA e me tornado residente legal, voltei ao Brazil e me sinto dominada pela tristeza por ver que o meu lindo Pais esta pior do que antes… Claro que existem diferencas que contamos como positivas porem o desenvolvimento nao melhorou em nada muito pelo contrario, a qualidade de vida, em termos de educacao e governo, esta um verdadeiro chaos.
    Glenda, caso voce decida voltar leve em conta todas suas colocacoes de diferencas mas existe uma ainda maior que vai deixar voce totalmente perdida. A discriminacao do povo brasileiro por voce. A discriminacao por voce ter uma nova visao de vida social, de voce ter mais conhecimento do que muitos e muitos brasileiros. Voce vai ouvir alguem te recriminar dizendo que voce nao esta em outro Pais que portanto viva como o Brasil eh lindo e solto..
    Na minha opiniao, pior do que entrar em um onibus lotado, sujo, com um motorista sem conduta profissional eh ter que ser vista por amigos e parentes como uma gringazinha ridicula.
    Sou brasileirissima, amo meu Pais como se so ele existisse. O Brasil eh lindo demais por suas riquesas naturais e por seu povo simpatico, mas o nosso governo eh um dos piores, que faz questao de manter o povo ignorante para nao poder lutar contra eles (governo).
    Hoje me programo para voltar a viver no meu segundo Pais (USA) porque aqui no Brasil eu nao vejo que havera mudancas ate a proxima geracao (isso se Deus ajudar).
    Boa sorte pra voce Glenda.

  164. 04/05/2013 23:18

    Você resumiu mt bem todos os meus motivos para querer ficar na Espanha, mas como estudante sem bolsa, e com a crise que dificulta cada vez mais conseguir trabalho, resolvi voltar com o doutorado concluído. Tem sido mt difícil (por todos os motivos que vc citou e outros), grande parte do meu coração ficou aí, e se voltei foi apenas por questões profissionais. E a readapção é mt ingrata e cruel. Mas discordo de vc no que diz respeito ao pessimismo em relação a formação de um novo Brasil, na verdade, mais do que nunca o Brasil precisa de nós que tivemos o privilégio de viver outras realidades e ser crítico com o que se tem aqui, a maioria dos brasileiros têm visão distorcida da realidade, e cabe a nós contribuir para a melhora, cada um com um fragmento minúsculo na luta diária, mas sim, podemos e devemos fazer parte dessa mudança!

    • Fábio permalink
      05/05/2013 5:21

      Já tive também a minha parcela de tempo fora do país. Particularmente sou um grande admirador da Itália! Achei muito interessante os textos e comentários que li e realmente me fizeram pensar um bocado. Há cada dia que passa vejo tanta violência e corrupção nos jornais e ao vivo que considero fortemente viver fora do país, ainda mais agora que planejo ter uma família, filhos, mas quando paro e reflito um pouco mais percebo que penso parecido com a Ana. O Brasil tem muitos defeitos, mas aprendi que não é fugindo dos problemas que eles irão se resolver. A grande lição que aprendi visitando outros países é o amor e respeito que eles tem por seu país, por sua terra e lutam de todas as formas para manterem a sua cultura e terem seus direitos e o suor de seu trabalho respeitado. O brasileiro por outro lado nunca perde a oportunidade de falar mal do seu país de minorizá-lo de achar que tudo que é de fora é melhor. Todos os imigrantes que vieram pra cá procuraram manter sua cultura, suas tradições e lembram com saudade da sua terra de sua origem. Muitos brasileiros vão pra fora e fazem de tudo pra se adaptar e evitam tudo que possa lembrar o Brasil por achar errado. Não podem dar risada alto por ser falta de educação, não abraçam os outros ou mesmo chamam alguém que mal conheceu pra sua casa por não ser o jeito que eles fazem as coisas lá, somo brasileiros temos o nosso jeito de fazer as coisas de viver e posso de dizer que é muito bonito, é receptivo é caloroso como em nenhum outro país eu vi! Essas experiências fora da nossa terra deveriam nos ajudar a melhorar o nosso país, se algo não está certo, porque não tentar algo diferente, ao invés de apenas criticar, é assim que começam as mudanças. Infelizmente isso não é um processo rápido e ainda vai demorar muuuito tempo ainda mais com aqueles que poderiam ajudar preferindo viver longe e expor seus motivos do porque estão longe. Se a razão for simplesmente por se sentirem bem e por estarem feliz, ótimo! Agora ficar usando os problemas do país pra justificar isso, sinceramente não concordo. E dizer que aprendeu a viver com pouco e ainda ser feliz fora do país realmente nunca conheceu uma família que vive com salário mínimo e ainda assim encontra um motivo pra sorrir e dizer que sua vida é boa por poder ter comida no prato. O problema é que essas pessoas que se contentam apenas com comida no prato não sabem que merecem e podem ter mais que isso, merecem ter qualidade de vida, boa educação, saúde de qualidade, e as pessoas que tem consciência disso preferem se mudar do país. Acredito que é isso que temos que mudar e essa é uma grande lição que aprendi com os povos de outros países, a respeitar o seu país e tentar fazer dele um lugar melhor!

  165. dani permalink
    05/05/2013 2:35

    Pra mim, essa questão – voltar ou não para um país – tem relação com aspectos psicológicos, processos internos, e quase que somente isso. A dimensão cultural, social, econômica, etc de cada lugar/país, afeta cada um de modo muito específico. Uns não aguentam ver pobreza. Outros convivem bem com ela e são felizes assim de alguma maneira. Outros morrem de medo de ser assaltados ou sequestrados e vivem com paranoia. Alguns não conseguem ficar longe de familiares, Outros querem é ter distância deles. Uns querem trabalhar com o que gostam, enquanto outros preferem grana e/ou estabilidade. Alguns tem experiências fantásticas como imigrantes, outros sofrem preconceito… e por aí vai. Muitas vezes, sair de um país – ou voltar para ele – significa buscar resolver alguma questão interna. E tudo bem também. Só acho equivocada a mania de alguns em insistir numa avaliação totalmente negativa do Brasil, desqualificando-o com unhas e dentes, como se o país fosse uma espécie de “entidade”, um ser execrável e perigoso, enquanto se exalta com muito vigor somente as qualidades de outros lugares.

    • Phelipe permalink
      05/05/2013 11:01

      Verdade. Onde estão os bons brasileiros? Onde estão as qualidades?

  166. Layla permalink
    05/05/2013 3:58

    Ler esse texto me deixou triste :(
    Moro nos EUA ha 5 anos com visto de estudante, e me formo em Agosto. Eu nao decide ainda, se quero voltar ou nao. Na verdade, eu tenho esperado por esse momento ha tanto tempo. Quero tanto voltar para o Brasil! Morro de SAUDADE do nosso povo, da nossa cultura e da minha familia, claro. Nao da pra comparar, a ”qualidade de vida” dos EUA com o Brasil. Aqui, tudo funciona. Nao tem filas, o transito e minimo( comparado com SP), precos acessíveis, infra estrutura e educacao de ponta. O que nao falta nos EUA e dinheiro. Isso se reflete em tudo, e por isso a vida acaba sendo tao ”facil”. Porem, eu vou ser bem sincera, a cultura americana e uma das piores culturas que eu ja vi! Aqui tambem e similar a Europa, em termo de poder viver uma vida normal com um emprego razoavel. No entanto, o anti-intelectualismo do povo americano e uma das razoes pelas quais eu sinto mais falta do Brasil. Vi muita gente falar ai que no Brasil, o povo e mal educado. Mas essas coisas sao muito relativas. O que significa ser mal educado? Os americanos sao mais fechados, e por isso da uma impressao de serem mais ”educados”. A maioria deles nao tem NENHUMA nocao de mundo, nao sabem que existem outras culturas, outros paises, nao da a minima pra isso. Nao tao nem ai pras noticias, nao valorizam uma boa refeicao e um e encontro com os amigos. As coisas sao absurdamente estruturadas, e embora isso possa ate ser bom de um certo ponto de vista, eles acabam virando um povo triste. Um povo que vive ao redor de extremo MATERIALISMO E INDIVIDUALISMO. Tudo isso me faz refletir muito, toda vez que volto pro Brasil fico chateada com o transporte publico, violencia, desigualdade, mas nao tem nada que me faca sentir mais feliz do que estar pero do jeito Brasileiro. Nos EUA eh mais facil nao ter que se preoucupar tanto com dinheiro (custo de vida baixo, todo emprego eh valorizado), porem ter tudo isso traz mesmo felicidade?

    A maioria diz que nos os Brasileiros sao os que estao atras de dinheiro e prestigio, mas se voce pensar bem, nos EUA eles ja tem tudo isso, e nao sao felizes (na minha opiniao).

    Ate hoje me arrependo de nao ter me mudado pra europa. Acredito que ao menos na Europa, as pessoas tenham um nivel intelectual maior do que nos EUA (devido ao anti intelectualismo das culturas anglo saxoes). Nao posso responder pela Europa, mas pelos EUA, honestamente eu ainda prefiro o Brasil.

  167. Layla permalink
    05/05/2013 4:03

    http://www.fluentin3months.com/why-i-love-brazilians/

    Pra quem entende ingles, leiam isso. Uma perspectiva de um estrangeiro morando no Brasil. E sempre bom ouvir uma outra perspective. :)

  168. Layla permalink
    05/05/2013 4:06

    Esse aqui esta em Portugues, perspectiva de Frances!
    http://www.opiniaosa.com.br/2013/04/18/os-comentarios-do-frances-sobre-o-brasil/

  169. saulo permalink
    05/05/2013 9:28

    Crambas è assim mesmo! gostei

  170. 05/05/2013 10:20

    Um bom texto que nos remete a pensar inclusive sobre a nossa liberdade. Se entendermos que somos cidadãos do mundo, nossas possibilidades de sermos felizes se ampliam. Assim como nós não escolhemos a família com a qual queremos viver, não escolhemos o país. E uma pena que os governos não pensem assim porque tenho absoluta certeza que um cidadão de um outro país que escolhe por amor a um outro, certamente ele respeitará e zelará pela sua nova pátria do que aquele que nasceu e muitas vezes só o ama por ser obrigado… Parabéns pelas suas palavras.

  171. 05/05/2013 10:25

    Me chamou atençao o modo que vc postou…
    pq tao apaixonada pelo Brasil….senti vontade de ler,,e entendi .pq vc foi viver
    saiu da bolha…tenho certeza que a patria amada tá la..no seu amago..sempre
    trazendo lembranças…mas claro que novos costumes são benvindos e a descoberta
    de valores eticos…sustentaveis tem grande valor…mas o nosso Brasil esta querendo mudar…dia a dia..basta a integraçao de todos nos…
    Parabens pela sua coragem…e siga seu coraçao sempre
    um abraço de quem ainda só conhece o BRasil.
    Lady Dell

  172. 05/05/2013 10:38

    Um texto de tirar o folego de qualquer um. Trata a realidade, como diria um alemão Kurz und schmerzlos (Breve e indolor). Acredito que todos aqueles que saíram da barra da saia da madre pátria brasilis chegaram a mesma conclusão ou espero que pelo menos a maior parte deles tenham conseguido refletir desta maneira. Muitas vezes me fizeram está pergunta e nunca soube o que responder. hoje em dia, apenas digo: quero viver o meu presente e construir o meu futuro. Está é uma decisão que se tem que pensar. Por outro lado, vivemos entre o amor de familiares e a vontade de vencer e ser feliz. Sim, aqui aprendemos, não todas claro, que felicidade não pode ser encontrada nas idas ao cabeleireiros e nas compras de mês nem tão pouco nas roupas caras de grife que apenas servem para sublinhar mais as diferenças sociais e econômicas.
    Para concluir quero parabenizá-la por descrever com simplicidade e clareza um fato que está nos pensamentos de poucos que tiveram a oportunidade de ver o mundo desta forma. Sim, o poeta tem razão quando diz que o mundo é grande para morrermos onde nascemos, não obstante, a vontade de vencer sem necessitar derrubar os fracos é maior. Acredito que o individuo que quer vencer, vence!
    Se conscientização fizer parte da vitoria, acredito que você é vencedora

  173. Phelipe permalink
    05/05/2013 10:38

    Bom, o texto é o ponto de vista de muitos, mas minha opinião é: por que o Brasil ainda não mudou? E se mudou, mudou para pior? Por que será? A diferença de outros países ainda que em crises, voce pode ver e sentir algo de bom, algo prosperando… em uma só frase podemos responder essas e tantas perguntas. Falta Amor. Amor próprio. No povo brasileiro, querer mudar, mudar sua mente, em achar que só os outros podem que os brasileiros nunca serão capazes, claro digo aqui que não são todos, mas como isso é a maioria, os demais se omitem e só sabem reclamar observandos outros Blogs, como tantos na Internete que só fala dos defeitos dos brasileiros, e aponta seus defeitos, suas imperfeições reclamam, e reclamam, achando que isso vai fazer os demais mudarem, a maioria já se acostumou, que no Brasil não dá certo então uma outra parte acredita, e vira vício, onde a desigualdade social cresce, pois a maioria, que tenta fazer a sua parte, faz apenas para si, e ainda tem o fator de que muitos pensam que o dinheiro compra e consegue tudo, e muitos acreditam, e isso só cresce, e não para…pensamos, se amassem , se gostassem da sua terra de verdade, e gostassem de si mesmos, não haveriam, tantos no poder, pensando somente em si, pois os que estão no poder, sairam desse povo, que em sua maioria não se ama, então não pode mudar isso, pois mudar é difícil, mas não é impossível… quando de fato de direito o povo brasileiro se valorizar e valorizar suas raízes, querer o bem, para seu conterrâneo, não só apontar os defeitos, mas enxegar as qualidades, dividir, se unir, são tantos, somos muitos, mas muitos que ainda sofrem de baixa auto estima… estão desanimados, e não acreditam, mais o que estão no Brasil, pensam em ir embora, por não encontrar solução… os brasileiros precisam se amar mais, e gostar de ser brasileiro, ajudar seus conterrâneos, como a si mesmos, querer o melhor para os outros, existem paises piores e Pessoas ruins em qualquer lugar do Mundo, mas existem neles ou na maioria deles o fator amor próprio… alguns podem observar, quando a maioria dos estrangeiros que chegam no Brasil, eles fazem questão de dizer que não são brasileiros, eles se sentem bem, em ser do País de onde são, ainda que sejam dos piores países… ainda que não tenham dinheiro, eles gostam deles mesmos, o brasileiro tem vergonha dele mesmo, então faz com que os demais, também tenham vergonha dos brasileiros. Repito sem generalizar.
    Agora, os brasileiros precisam viajar, e passar um bom tempo, e ver o bom e o ruim, diz o ditado “aquele que nunca sofreu, nunca poderá passar experiência… a Vida é muito mais, que ter muito dinheiro, e maldade não é cultural, as Pessoas que são muitos no Brasil que praticam violência, são Pessoas sem amor próprio, e que nunca, pensaram em mudar, já se acostumaram a isso… quem sabe um dia, isso possa mudar, quando se acostumarem a fazer o bem, para si, e para os seus conterrâneos, falar, fazer sempre o bem, mostrar em fim que temos muitos… assim como se acostumaram a fazer a maioria o mal, se acostumarão também a fazer o bem.

  174. Diego Hydalgo permalink
    05/05/2013 11:01

    Parabéns pelo texto, muito autêntico e “emocional”, bem hoje vivo novamente no Brasil, fui como estudante morar na Alemanha, trabalhei e fiz de tudo um pouco, até jogar futebol por lá e por fim voltar, Para se ter uma idéia do choque de realidades que sofri, digo sofremos(eu e minha esposa, então minha namorada), com duas semanas de brasil, comprei um carro novo e não tinha fechado o seguro ainda, fomos então vítimas de um assalto típico, bandidos vem em um carro já roubado e levam o seu deixando o outro, pois bem, fizeram isto, quando eu estava saindo de uma festa, com minha esposa, minha avó, minha tia e minha prima, imaginem o choque que não foi, principalmente da minha esposa, passei meses por todos os dias ouvindo. “Quero Voltar pra Alemanha, eu não quero sair de casa”, se a readaptação já não é simples, imaginem num caso desses, bem, vi vários relatos e passei um bom tempo tentando imaginar a realidade dos amigos que aqui postaram, claro, a europa é muito missigênica, logo culturas diferentes , países diferentes, rodei a europa inteira e não consegui me sentir tão seguro quanto me sentia na Alemanha, era simples, primeiros meses de Germânia, cheguei a sair de festas e ir dormir na estação de trem, porque meu trem só passava as 6 da manhã e eram 4horas, acha que alguma vez fui abordado por alguém ?! FUI ! por policiais mandando que eu ficassem sentado no banco! eu morava perto de Mainz, mas ia muito para Frankfurt, 45 minutos de S-Bahn, Como posso dizer, resumindo tudo, um país que a alimentação é barata, a segurança é total a educação nem se fala, que o único ponto negativo é o trasporte público ser um pouco salgado, mas jus, é o melhor do mundo, e você encontrar a realidade de Brasil posteriormente, eu vos digo amigos, meu sangue é latino e ferve ao falar de BRasil, amo isso aqui, não viveria sem essa emoção e relação de Amor e Ódio chamada Brasil, mas meu coração chora ao lembrar de Alemanha, e da realidade que espero dar aos meus filhos, porém tão longe de “casa” .

  175. Helena permalink
    05/05/2013 11:34

    Olá pessoal,

    Eu mora a 13 anos na Alemanha, e já sou naturalizada ( gracas a Deus) nao levo mais o codinome ” barsileira”, Agora explico por que : O Brasil lindo, maravilhoso em riquezas naturais, praias maravilhosas, e um povo ( falo em maioria) semi-analfabeto, se contenta com bolsa-familia, bolsa-esmola sei lá mais o q, assaltos todos os dias as casas cada vez mais fechadas, as pessoas vivem em jaulas como presos e os “presos” soltos nas ruas, fazendo de tudo e nada acontece.
    As leis brasileiras totalamente arcaicas favorecem aos bandidos e os politicos sao nada mais nada menos que ladroes de colarinho branco.
    A maior taxa de impostos do mundo, o povo vive arrochado e se conforma, nao tem saude pública descente,morrem em filas de hospitas por falta de vagas e de medicos.
    As escolas entao nem se fala ,os professores ganham o mais absurdo dos míseraveis salarios, quem quer ser Professor no Brasil?,quem quer viver morto de fome?
    Escolas que mais parecem casas abandonadas ,pela total falta de infrainstrutura de apoio ao ensino pelos governantes, onde o ex prsidente falou q é besteira ler livros.
    O Brasil é o Pais dos absurdos, o que deu os escandalos do mensalao? quem foi pra cedeia? E a fila anda ,segue o baile.
    O povo nao tá nem ai, votam nesses expurias de novo e ainda querem reclamar, reclamar pra quem?
    Nem penso em voltar num Pais onde voce vive amedrontado de sair nas ruas , de sair até na rua de noite de dia, qualquer Hora vc pode ser assaltado e morto,como foi meu irmao , a 9 anos e até hoje a policia nao achou quem foi,e nem vai achar.
    A tv brasileira é um lixo, nao tem nada além de novelas que favorecem meninas desce Cedo ao erotismo,BBB que é isso?
    pra mim é um programa Porno ao vivo.
    Brasil somente a minha familia e quando todos estiverem aqui comigo, nemvou lembrar do Brasil, prais bonitas tem em muiiitos lugares e melhores, com uma total infraestrutura coisa que no Brasil nao existe.
    Quando voce fala que é brasileiro no exterior ,como as pessoas veem voce, logo elas ficam desconfiadas, com medo ,porque brasileiro apronta,rouba etc.( claro que nao sao todos nem todas) as mulheres sao Vistas como prostitutas.
    Eu gracas a Deus construi minha vida aqui e sou respeitada por todos e procuro agir de acordo com as leis e costumes daqui, porque aqui é um pais organizado onde as coisas funcionam e as leis sao pra todos ,quanto a comida já me acostumei.

  176. Patricia permalink
    05/05/2013 11:34

    Achei muita coisa que você descreveu muito verdade, principalmente a parte de “Aqui aprendi que não preciso de luxos para viver feliz, que com pouco dinheiro no bolso posso me divertir, ter uma vida cultural relativamente agitada e ainda viajar de vez em quando. Aprendi que a felicidade não se encontra em shopping e que autoestima não está diretamente relacionada com chapinha e unhas bem feitas.” que eu sei que a uma grande realidade no Brasil e que me frusta muito. Porém eu morei na Alemanha, e durante meu último mês lá, tudo o que eu mais queria nesse mundo era voltar para meu Brasil. Eu não era nem um pouco patriota, mas depois de ir morar fora do Brasi pela segunda vez, nada poderia ter me tornado mais patriota. Apesar de todos os problemas, pelo menos o Brasil é um lugar com gente feliz, muito sol, e pessoas educadas que te falam bom dia e perdem 5 minutos do tempo delas para ajudar um completo estranho na rua. Fui furtada pela primeira (e única) vez não no Brasil, mas na Alemanha. Tive problemas absurdos por falta de organização do banco alemão (DB). Vi que quem sabe mesmo como se divertir, são os brasileiros, não importa o nível social em que a pessoa se encontra. Querendo ou não, os brasileiros são quem sabem pensar “out of the box”, resolver qualquer coisa, dar uma solução para qualquer problema.
    Infelizmente, sim, os brasileiros ainda tem todo o problema da pobreza (as vezes financeira, as vezes de cabeça). Ainda falta muito protesto do povo. Ainda falta muita mudança no governo. Sim, eu fico pensando como será minha vida quando eu terminar minha faculdade e começar a trabalhar, quanto vou trabalhar, quanto vou ganhar, quanto terei que me dedicar, mas apesar de tudo isso, nada no mundo me faz querer viver em outro lugar.

  177. Rodrigo permalink
    05/05/2013 11:53

    Pelo que percebi pelas minhas vagas experiencias obtidas fora do Brasil, em diferentes etapas da vida, ‘e que a percepcao do que “‘e ideal” para nos, brasileiros, vai se cambiando com o tempo. Quando solteiros, em um relacionamento, casados e, por fim, tendo constituido uma familia completa com filhos.
    Tenho percebido, por minhas proprias experiencias e pelo relato de amigos e conhecidos, que quanto mais jovens estes sao, o peso da saudade do Brasil se torna grande, a ponto de desembocar em ideias de quando retornar `a terra brasilis. A meu ver, isso se da mais pela vontade de aplicar os conhecimentos adquiridos la fora para a melhora de nossa pais, ou, pelo peso da juventude, a companhia de pais e amigos se torna intoleravel. ( Skype, FB e outros, sabemos q nao substitui o convivio e contato pessoal).
    Contudo, quando nos tornamos mais do que apenas nos mesmos (filhos), e pelo maior peso de um senso critico mais exarcebado e quica mais acido, o qual advem de nosso amadurecer, ao colocar na balanca o carinho e amor que temos pela nossa terra natal, cidade natal, ou qualquer ligacao afetiva a um determinado local, e a seguranca e bem-estar de NOSSA PROPRIA FAMILIA, o pensamento preponderante (e aqui me incluo) ‘e que o mundo civilizado ‘e BEM mais atraente do que, por exemplo, o meu Rio de Janeiro. (acho que ‘e desnecessario entrar em detalhes o quao deteriorada ‘e a qualidade de vida no Rio – acho que a musica Rio 40 Graus , de Fernando Abreu, reflete bem o que vos relato.)
    De que adianta, sinceramente, vc morar em uma cidade ou um pais de blz natural exacerbada, clima muito favoravel, onde todos riem para vc, desde quando vc sai de casa ate quando vc chega, e nesse interim vc percebeu que arranharam seu carro, te assaltaram no sinal, mais um escandalo politico nas manchetes de jornal, 5 horas perdidas no transito, poluicao…??? Isso tudo acabara por refletir no tipo de relacao e interacoes que alguem estabelecera com os membros da familia.
    Se hoje nao estou morando novamente no exterior, ‘e pq ainda nao descobri uma forma de exercer uma atividade profissional compativel (em termos meramente remuneratorios) com a que tenho no Brasil (somente o compativel para uma vida apertada de classe media baixa), em outro lugar. Embora que saibamos todos aqui, que ciclos economicos sao exatamente ciclos. E que politicas de migracao variam com o tempo. Na Espanha, muito citada aqui, ja foi relativamente simples vc obter autorizacao de residencia e ate mesmo cidadania, mesmo que a entrada tenha ocorrido de maneira ilegal. Hoje sabemos muito bem o que ‘e a Espanha.
    Entao, desta forma, no Rio de Janeiro continuo. Por falta de opcao no momento, e ansioso por sair, por decisao unanime da minha familia. Escolhi conviver com pessoas que, para nossos padroes, sao mais reservadas, porem EDUCADAS (nao digo aqui cultas), clima mais dificil para nossos padroes, e ter QUALIDADE do meu tempo e de vida para passar com minha esposa e filhas.

    • Rodrigo permalink
      05/05/2013 12:40

      Uma questao que me ocorreu?

      `Aqueles que tanto moraram fora, anos no exterior, conheceram paises e culturas, e querem voltar ou ja estao no Brasil. Quantos de vcs estao aqui ganhando de 1 a 3 salarios minimos, com familia para sustentar??? E deste universo, quantos moram nas capitais, principalmente no eixo RJ-SP???

      Somente por curiosidade. Sem presuncoes. Ou nao.

  178. Alessandra permalink
    05/05/2013 13:22

    Amei o seu texto, ele relata a minha angústia pior … o meu sofrimento !
    Depois de mais de 17 anos na Europa, marido e filha estrangeiros, por força da crise financeira que nos atingiu com a grandeza de um tsunami, eu e o meu marido decidimos “tentar/recomeçar” no Brasil, pior ainda … a “melhor opção familiar” era no Nordeste.

    Acredite, acaba de fazer um ano que a minha realidade tornou-se um verdadeiro trauma, é que depois de tantos anos fora, aprendi que ter laços sanguíneo não significa ter intimidade, que depois de conhecer a amplitude verdadeira da palavra “QUALIDADE”, não dá para voltar ao “kualiudade” (escrito errado propositadamente), que o sol aqui pode ser mais forte mas que bom mesmo é ter praias com bandeiras azuis, enfim, ficaria relatando e relatando todo o meu estado de choque (sem falar evidentemente do terror que esta experiência tem sido para o meu marido e a minha filha, cidadão europeus habituados desde a nascença com uma realidade à parte), não conseguiria traduzir o que é ter voltado.

    • 05/05/2013 19:02

      cara CCMM,

      me solidarizo com teu sofrimento. E desejo, sinceramente, que voce consiga sair de novo da pátria-amada-salve-salve, onde o salve só existe para os que são ‘bem-amados’ na pátria. O ‘resto’ fica no ‘salve-se quem puder’.

      não desista e volte para o mundo onde voce se sente bem. Se teu marido e filha sao europeus certamente fica menos difícil. Não digo ‘mais fácil’, que sabemos que fácil não é. Mas possível é, se voce acredita e tenta.

      boa sorte!

      ps: concordo: ‘laço sanguíneo’ não signfica intimidade. Nunca significou.

  179. 05/05/2013 14:51

    O artigo é de 2011, mas parece ser feito ontem…

    O que me prende em meu país é justamente o que você encontrou na espanha.

    Porém, penso diferente de você. Não é o MEU Viver bem que me interessa no dia de hoje, essa lição já aprendi desde 2002. Ano em que foi eleito o grande presidente, Luis Inácio da Silva, nosso amado ex-presidente.

    Mas Hoje é um dia muito especial. No dia 5 de Maio, nascia para o mundo o grande Karl Marx !!!

    Que aprendizado ele me proporcionou ao longo dos anos. Me fez entender que a não existe lugar melhor para se viver do que a sua terra. A terra no conceito compartilhado que fiquem bem claro. Então, em vez de fugir de meu país, resolvi melhora-lo. Que orgulho me dá tentar conseguir as conquistas citadas no artigo. Elas não servirão para EU VIVER, servirão para NÓS. A palavra NÓS, foi usada quantas vezes no artigo ???

    Fica aqui o meu recado. O NÓS para viver bem é o mais importante. Enquanto a forma de vida sustentável for pautada no EU, não volte para o Brasil. Recomendo inclusive, que todas que desejam viver o EU FELIZ, que desembarquem onde quiserem longe do Brasil.

    O NÓS enquanto coletivo podemos melhorar a vida das pessoas. Melhorando a vida delas, iremos melhorar a nossa.

    Viva o socialismo e nossa luta por mais igualdade, justiça social e educação para a nossa gente.

    E a segurança ? Se resolvermos o coletivo social a segurança será equacionada. BRASIL !!!!

    Obrigada

    Marly

    • 06/05/2013 16:19

      Sao os comunistas que acabaram com o nosso país, e voce ainda idolatra esse povo ? Procure os video de Olavo de Carvalho ou Rodrigo Constatino no youtube, que eles te explicarao melhor que eu.

  180. Julia permalink
    05/05/2013 14:52

    Desculpa, mas não consigo concordar com o que li no seu texto. Eu também tenho meus pensamentos sobre minha volta, a parte da “falta segurança, falta educação e saúde pública, falta tolerância, falta tanta coisa e sobra outras mais, como desigualdades, exclusões, injustiças” é a parte que me faz pensar 2 ou 3 vezes se quero mesmo voltar, mas sinceramente, você não fala do BRasil
    no seu texto. Você fala de um setor da sociedade de uma cidade e de um estado do pais (desculpa às vezes a falta de acento, estou na França e o teclado aqui não tem todos os acentos).
    “não é pobre o que menos tem, mas o que menos necessita”. Me desculpa, mas não é necessario sair do BRasil e morar 6 meses aonde quer que seja pra saber disso, e muito menos pra saber que “não preciso de luxos para viver feliz, que com pouco dinheiro no bolso posso me divertir, ter uma vida cultural relativamente agitada e ainda viajar de vez em quando” e que “felicidade não se encontra em shopping e que autoestima não está diretamente relacionada com chapinha e unhas bem feitas”. Isso é uma falha na sua educação ou na cultura que você tinha
    antes de ir morar fora.
    Andar de bicicleta para onde quer que você queira ir e comer em retaurante com empregados, faxineiros etc é possivel no Brasil também. Não faço idéia de onde você costumada morar ou como era sua vida la, não sei nem seu nome, mas sinceramente a melhor coisa que você fez foi viver sozinha, provavelmente. Você provavelmente vivia com a cabeça fechada no Brasil e não abria os olhos ao que tinha à sua volta.
    “ser tolerante, a respeitar mais as diferenças, a descobrir a diversidade de raças, culturas, estilos de vida e pensamento muito diferentes dos nossos” isso vem da educação, da sua formação como pessoa, e não exatamente do Brasil, isso é falha dos conceitos que você tinha com a vida que levava la!! Não posso discordar de que o brasileiro tende a ser muito machista e hipocrita, mas eu descobri que isso é um problema da sociedade mundial, e não so do nosso povo.

    “Aprendi a conviver com famílias com dois pais, duas mães e até duas mães e um pai (juro), a não falar mal de uma mulher escabelada na padaria, a não ficar horrorizada com um «modelito» fora do «normal». Aprendi que o normal pode ser qualquer coisa, que cada pessoa é um mundo e que cada um de nós cuida do seu próprio mundo pessoal, sem precisar de aparências ou máscaras. E ao mesmo tempo aprendi que todos devemos cuidar do nosso mundo coletivo, que a força do ser em conjunto é muito importante e que, melhor de tudo, dá resultados”
    Eu so tenho é que ficar feliz por agora termos menos uma pessoa no mundo que pensava qualquer coisa contrario a tudo isso!!!! E eu torço é para que você volte ao BRasil e ensine isso a todas aquelas pessoas que compartilhavas seus preconceitos e sua mente tão estreira. Espero que você volte à sua região e ensine a todos o quão esses novos valores são importantes.
    Mas o mais importante é que esse valores não são valores gringos, não são valores europeus. é uma pena que você pense isso, mas talvez você possa aproveitar sua nova tolerância e abertura à novas possibilidades e ser mais aberta e tolerante quanto ao seu proprio país.

    ” Quem depois de dar risada (ou se irritar, no meu caso) com as crianças de uniforme do colégio jogando bola em plena praça central, de se habituar a pegar a sua bicicleta e fazer um piquenique no parque público ou de ver uma roda de velhinhos e velhinhas tomando cerveja (sem álcool) felizes e cheirosos no mesmo bar que a garotada de 20 anos pode cogitar a hipótese de não viver mais essas coisas, aparentemente tão banais, mas que no Brasil parece que há muito tempo não existe?”
    Mais uma vez, não sei de onde você vem. Mas no Rio de Janeiro podemos pegar bicicletas e irmos à varias praças e parques estaduais, onde fazemos pique niques e jogamos bola, ao som de instrumentos tocados por qualquer um que simplesmente esta afim de tocar pros outros que querem ouvir. Com quem quer que esteja la afim de comer o pique nique ou jogar a bola com a gente.
    Temos praias, temos a lagoa Rodrigo de Freitas, temos o espaço dos nosso edificios onde podemos compartilhar com nossos vizinhos o que quer que seja!

    Sim, atravessar a rua e andar de biclicleta sem ser atropelado é mais complicado la do que aqui, mas por favor, não confuda a vida que você levava onde você levava com a vida que se leva no Brasil inteiro.
    às vezes pessoas que vivem no seu estado, na sua cidade, no seu bairro, fazem tudo o que você passou a fazer na Europa, so que do seu lado, enquanto você ia pra shopping e pra salão de beleza…

    “Tive que cruzar o oceano para perceber isso? Sim. Não poderia ter aprendido tudo isso no Brasil? Claro que sim, mas quem sabe a comparativa não existiria. Enquanto isso, continuo aproveitando esta grande oportunidade de fazer parte de outro mundo, que apesar de todos os problemas que existem como em um lugar qualquer, parece que é mais justo e respeitoso que o mundo onde nasci.”
    Aaah com isso eu concordo com você. E mais uma vez fico torcendo com todas as minhas forças pra você voltar. Fico feliz por mais uma ter mudado seus habitos e conceitos, e qcredite, você não é a unica a duvidar do desenvolvimento, mas também não é a unica querendo o desenvolvimento do BRasil. Você é uma pessoa, é, mas nossa, uma pessoa ja pode fazer TODA a diferença.
    Se tiver mais UMA pessoa que te escute, que aprenda com você sobre tudo isso que você nos disse nesse texto, e que essa pessoa ensine à UMA pessoa, e essa à outra..imagina? é muita gente que muda de postura.

    Enfim, não escrevi nada do que escrevi por mal ou pra te humilhar, mas so pra abrir um pouco mais seus olhos pra esse grande erro que, acho eu, todos acabam cometendo às vezes, o de chamar de “Brasil”, uma parte infima que a gente conhece e onde nos vivemos.
    Eu às vezes falo do Rio e da minha vida e cito Brasil ao invez de Rio, e é um grande erro, porque o que nos conhecemos da nossa cidade e estado e região, o que a gente vive, não é geral ao Brasil.

    Enfim, não concordo com o texto inteiro e precisava me expressar um pouco sobre isso.

    Ainda torço pra que você volte.
    Beijos,
    Julia

    • Layla permalink
      06/05/2013 0:37

      Embora ate concorde com voce em alguns pontos, voce esta esquecendo de uma coisa crucial aqui. O Brasil e um dos paises MAIS DESIGUAIS DO MUNDO. Tudo que a autora disse que so conseguiu aprender fora do pais, e fruto do sistema desigual que a sociedade brasileira esta fundado. EH FATO, que no Brasil as pessoas tendem a conviver menos com pessoas de classes diferentes da sua. No Brasil existe uma lua de classes. Dificilmente pessoas de mesma classe frequentam as mesmas escolas, moram nos mesmos bairros, frequentam os mesmos lugares e etc. Isso eh o tipo de coisa que nao acontece em paises desevolvidos como EUA ou no continente Europeu. Essa tamanha desigualdade nao existe. Nao importa de qual classe social voce seja, dificilmente as classes juntam, porque eh um sistema hierarquico com baixa mobilidade social.

      O que eu quero dizer aqui, eh que sim, a educacao e a formacao da pessoa influenciam como voce ve o mundo, mas no Brasil, onde as pessoas tendem a ter contato apenas com pessoas de sua classe, elas passam a ter apenas apenas uma perspectiva. Nao importa de que classe voce seja, por mais que voce pense que esta acostumado a diversidade, voce percebe que a realidade eh outra. A opiniao da autora reflete EXATAMENTE isso que acontece no Brasil. Voce nao precisa morar no exterior pra criar tais valores mencionados pela autora, ou pra fazer tais descobertas, mas com certeza a desigualdade do Brasil dificulta a harmonia de classes.

      Voce pode ate achar que tem uma ”mente aberta”, mas quando voce vivencia outras realidades, percebe o como as coisas sao diferentes. Apenas reflita, sobre os lugares e insituicoes que voce frequenta ou ja frequentou em sua vida, pessoas de convivio proximo, seus lugares e costumes favoritos…pense e reflita sobre a classe de pessoas que voce esta rodiada…Voce vai perceber que a maioria das pessoas que estao ao nosso redor tendem a ser relativamente uniforme e ter padroes de vida similares. E nao necessariamente por nossa escolha, ou porque nos nao gostamos de diversidade, mas porque o sistema nos leva a isso. Isso acontece com qualquer indivíduo, independente de sua classe.

      Em outros paises, onde a educacao eh publica em sua grande maioria, pessoas de todas as classes e racas frequentam as mesmas escolas, e consequentemente criam lacos diversos. E o mesmo tendem a acontecer nas universidades.

      So porque voce respeita diversidade, nao significa que voce o que seja.

      O Brasil pode ser um pais diverso racialmente, mas o termo diversidade se encerra por ai.

      Sao essas pequenas coisas que fazem a diferença, e que muitas vezes voce so percebe quando convive em outras sociedades.

  181. Cavalcanti permalink
    05/05/2013 15:05

    Nunca morei fora do Brasil, mas estou pensando seriamente a respeito, acho até que qualquer pessoa que queira ter um nível cultural-educacional de padrão universal tem que sair do Brasil e ir viver fora por um tempo, além disso há os vários amigos que moram fora e me contam suas experiências lá fora, o que me dá mais certeza ainda que irei sair do Brasil um dia.
    Para todos aqueles que pensam em voltar para o Brasil por saudades de suas famílias e amigos, o meu concelho é: FIQUEM!, Saudade, pelo menos pra mim se resolve em um mês, tempo em que vocês podem passar aqui de férias e depois se mandarem pra lá, mas a qualidade de vida, o respeito entre as pessoas, a civilidade e o civismo que há nos países desenvolvidos jamais será esquecido por quem já teve oportunidades de ter eles, vocês vão ter sempre a sensação de que algo poderia estar melhor, e isso é chato, deixa a pessoa pessimista e pra baixo, digo isso porque observo os vários amigos que já moraram fora e voltaram para o Brasil e não conseguiram se readaptar a esse país tão caótico e carente de tudo. Fiquem, pelo bem de vocês.

  182. paulo permalink
    05/05/2013 15:23

    Sensacional, deixei o Brasill….. a muito e nunca mais retorno…
    fantastico…

  183. 05/05/2013 15:39

    Eu me sinto como em relaçao em morar na Europa. Nao me sinto totalmente em casa, porque aqui nao é o meu país, mas, mesmo assim, essa casa em moro me faz sentir segurança. Segurança q jamais sentir morando no Brasil, infelismente. E hoje com 1 filho, penso menos em morar no meu país, pois aqui ele tem segurança, tem escola publica de qualidade, tem saude de primeiro mundo. Eu nao preciso trabalhar so para pagar uma escola particular pra ele. Aqui nao somos ricos, mas vivemos com dignidade, viajamos, e nao precisamos ter dinheiro pra poder se divertir, pois no verao tudo acontece na rua e de graça pra todos. Mas mesmo pra ir a um cinema ou museu, vc paga muito barato pra isso. Todos tem acesso a diversao e cultura.
    Meus pais e amigos q moram no Brasil, temo por sua segurança, tenho muito medo dessa violencia gratuita, onde dentro de um restaurante, se vc for roubado pelo dono, nao pode reclamar, senao corre o risco de levar um tiro. Pagar impostos e nao ter retorno. Morrer em uma fila de hospital, por nao ter um plano de saude. Morrer trabalhando, sem ter condiçoes de ter sua propria casa. Apesar da minha familia ter uma vida de classe media no Brasil, e poder pagar pra ter o bom e do melhor, nada disso vale apena, se nao temos segurança, saude e educaçao. Meus paismoram numa casa onde o muro chega a mais de tres metros e ainda com cerca eletrica. Onde nao pode sair de casa e pensar em voltar tarde da noite, por medo de ter um bandido na espreita pronto pra te assaltar e te matar. Do q adianta, a simpatia do Brasileiro, as praias lindas, a comida deliciosa, se nao podemos nem ao menos sentar na frente de casa com alguem, por medo.
    Hoje, brasil so de ferias, e isso porque a familia mora la, senao nem isso. Inelismente! Queria poder falar o contrario e ter orgulho, mas nao consigo. E orgulho de q? de ser brasileiro? nao basta!

  184. 05/05/2013 15:43

    realmente há tudo, ou melhor falta tudo isso no Brasil.
    mas lembrem que o Brasil tem apenas 513 anos.
    é uma pena que nascemos agora, e não quando ele tiver a idade da Europa.
    obrigado

  185. karlos permalink
    05/05/2013 16:17

    Que sim que sevilla es una maravilla. Os problemas europeos para um brasileiro nao sao nada comparado com braZil.

  186. Vagner kavallera permalink
    05/05/2013 16:30

    Concordo que o Brasil tem coisas horriveis, que tem muito a melhorar, que falta segurança, e que há diferenças nas classes gritantes, mas sinceramente, se vcs que estao fora nao querem voltar tudo bem, sem problemas, mas eu que estou aqui não penso em sair, tenho fé e vou com certeza fazer a minha parte, seremos o melhor pais do mundo…um dia…aqui ainda tem pessoas boas…e nao desisto jamais do meu BRASIL!!!

  187. Luana permalink
    05/05/2013 17:12

    Muito bom o texto, parabéns, você pós em palavras meus pensamentos!

  188. Eduardo permalink
    05/05/2013 17:45

    Com todo respeito, penso que antes de escrever algo desse tipo, devia procurar viver a vida de milhões de BRASILEIROS que ralam prá caramba, prá levantar um Continente que vive de ilusões, que continuam com seu ar de superioridade em relação à “nosotros brasileños,, que sacrificam seu próprio povo ( porpque já cansaram de maltratar os outros no passado). Vivi nesse Continente por um bom tempo,, construi muitas amizades ( e inimizades também), passei treze anos de minha vida prá tentar dar um futuro melhor para meus filhos….. pura ilusão, tudo isso está aqui nesse País que , como diz é difícil retornar, pois passei o pão que o capeta amassou e a EUROPA cuspiu em cima e, graças a Deus, consegui voltar e , sim senhor , estou melhorando minha vida com toda dificuldade que o Brasil oferece.Bem resumindo, ( tenho que trabalhar agora..) antes de dizer qualquer coisa , tenta viver a vida de cada brasileiro que está aí fora e não tem a mesma FELICIDADE que vc… ÓTIMO DOMINGO!!

  189. 05/05/2013 18:05

    Obrigada por vc traduzir tudo oque sinto eoque penso em relacao a Volta pra casa ? casa? que casa?…… eu ja nao tenho casa tudo oque deixei foi roubado tudo tudo colcao colher livros a meus livros …. enfim tantas lembrancas daquilo que comprei com carinho para o meu coforto e de meus filhos minhas fotofrafias queimadas com os meus livros minhas paredes defecadas pelos marginais nao satisfeitos por tudo oque levaram….mas enfim….dizer oque de um pais onde educacao e trocadodo por futebol, onde as mulheres nao se valorizam,oque mais me chocou foi a nudez dos corpos que existe no brasil depois de 14 anos vivendo no japan nao deu pra tolerar tanto absurdo …entao 6 meses na minha Patria …somente 6 meses.. arrumando mala de volta nao necessariamente no japan que amo tudo comida pessoas vida tranquila paz seguranca transporte tudo maravilhosso, ..estou hoje vivendo aqui na carolina do north e sou muito feliz aqui bay bay brasil. nem preciso dizer ne aque sou feliz aqui e me sinto sim em casa. obrigada pelo blog realmente vc diz aquilo que nao conseguimos falar.

  190. Vanessa permalink
    05/05/2013 20:04

    O lugar perfeito para se morar é você quem faz! Sou muito feliz no Brasil e nao sairia por nada daqui.

  191. sabrina permalink
    05/05/2013 20:05

    Se eu pudesse voltar atrás e se eu soubesse como seria ao voltar ao Brasil, jamais teria voltado de vez, teria somente vindo para visitar e passar férias… Saudades imensas que tenho de Londres… Os melhores e os piores anos da minha vida! ;)

  192. Carla permalink
    05/05/2013 20:42

    adorei o assunto e toda a elaboração dos pensamentos e sentimentos aqui expostos belamente… vivi 4 anos nos EUA, 5 meses na França e quase 6 anos em Londres… e digo,
    voltei e me arrependi!!! voltei cheia de cursos e aqui não consigo emprego porque me acham super qualificada!!! e ai não empregam! impressionante… ao voltar pensei que iriam brigar pra me ter… sem arrogância, gente… sério mesmo, já que trazia um monte de novidades, de pesquisas, de treinamentos inovadores… me deparei com uma dura realidade… por outro lado, tive um filho lindo e a facilidade de ter uma babá é gratificante… mas viveria com um filho na boa sem babá, só que num país mais “civilizado”.. desculpem, mas depois que a gente conhece o que é um verdadeiro transporte público, fica difícil acreditar que no Brasil isso é possível… bom, fica aqui a minha indignação com nosso país… infelizmente!!! não vejo a hora de terminar meu mestrado e ir pro doutorado fora… sorry…

  193. 05/05/2013 21:47

    Oi Glenda!

    Pena que voce aprendeu tudo isto fora do Brasil nunca sai daqui não por falta de oportunidade, realmente amo meu país e mais ainda a minha família, não trocaria meu
    convívio familiar e de amizades por nada neste mundo, ouço muitas pessoas falarem mal
    daqui, mas quando moravam aqui não se sujeitavam a fazer tarefas que fazem em outros
    paises, muitas meninas não lavavam nem suas calcinhas e acham o máximo fazer faxinas
    em outros paises, trabalham em sub empregos as vezes mais que um pra poderem se sus
    tentar, eu sempre digo o sol nasceu para todos mas a sombra só pra quem merece, traba
    lhe bastante em qualquer lugar do mundo e conseguirá seus objetivos, com certeza temos
    muitos imigrantes que aqui chegaram e não tem vontade de voltar ao seu país de origem.
    VIVA O BRASIL E O POVO REALMENTE BRASILEIRO.

    • IPSantos permalink
      06/05/2013 15:23

      Concordo c vc Terezinha Souza Borges. Nunca sai do meu país e nunca tive vontade de morar em outro, apesar de todas as dificuldades daqui, mas dizer que tudo é lindo e maravilhoso em outros países acho que é “tapar o sol com a peneira”. Tenho sim vontade de conhecer outras culturas , conhecer um pouquinho do mundo, mas viver em outro lugar?nem pensar. É muito mais fácil cair fora do que ficar aqui e enfrentar as dificuldades e tentar melhorar o país onde nascemos e crescemos. A todos estes “brasileiros” que saem daqui e ficam “metendo o pau” na sua terra : façam-nos um favor : NÃO VOLTEM, o BRASIL não sente falta de vcs e não precisa de vcs. Fiquem onde estão já que é tudo tão maravilhoso!!!!

  194. henrique melo permalink
    05/05/2013 21:53

    parece que o Brasil que vivo não é o que comentam, não moro numa zona de guerra,moro num país novo que foi justamente extraida suas riquezas para dar esta condição aonde estão e nem isto souberam muito, gastaram demais, evidente que a qualidade de vida por lá é melhor, mas daí a dizer que espanhol curte mais a vida que brasileiro, me poupe, não existe um povo no mundo igual ao brasileiro. alegria pura, comemora batizado ate de boneca, tudo é festa, concordo parcialmente mas sem exageros, não dormimos duas horas no almoço, trabalhamos não para superfluos ou luxos mas para sobrevivencia

    • Zelda permalink
      06/05/2013 1:08

      tenho a impressão de que as pessoas dão mais credibilidade àquilo que veem na televisão ou em jornais do que em suas experiências cotidianas. também não vivo nessa “zona de guerra” tão disseminada pela mídia e comprada facilmente pelo público. claro que tem muito o que ser trabalhado, melhorado, mas é exatamente isso que você disse: essas diferenças de qualidade de vida entre Europa/Eua X Brasil/América Latina se dão principalmente porque, pra manutenção dessa qualidade de vida nos países do hemisfério norte, foi e ainda é necessária a exploração (até hoje) dos países do hemisfério sul, e portanto, a manutenção dessa realidade triste que vivemos, da desigualdade social. e essa mentalidade de valorizar mais o que vem de fora, só tende a contribuir também pra manutenção desse modelo. Bacana aqueles que moram fora e conseguem trazer a experiência de modelos bem sucedidos no exterior e adaptá-los para a realidade de seus países, ao invés de simplesmente exaltar e tentar copiar aquilo que vem de fora.

  195. Madá permalink
    05/05/2013 22:00

    Vivo em Kristiansand na Noruega, amo morar aqui, voltei para o Brasil uma vez para execer a mesma profissão que exerço aqui ( DESIGNER DE INTERIORES ) era uma exploração do capeta, trabalhava 3 domingos por mês e sabado trabalhava das 09 as 20 horas, ganhando uma mixaria….. ainda tinha que enfrentar a fila dos SUS porque não tinha dindin para pagar um plano de saude.. Aqui vivo bem, ganho bem, tenho uma carga horária justa, a saude pública é de primeira, segurança de rei e estudo alemão de graça….. Mas tem muita gente que tem tudo isso no Brasil, principalmente aqueles que moram lá no Planalto Central em Brasília…

  196. Marineide permalink
    05/05/2013 22:02

    Oi Glenda, vivo na Nova Zelandia e como voce tenho uma qualidade de vida excelente. Unico inconveniente pra mim aqui, as vezes, faz muito frio. Moro com um Neozelandes e ja tenho residencia entao estou numa posicao bem confortavel.. Amo o Brasil e tenho muita esperanca que as coisas melhorem por la e se um dia, de alguma forma eu puder colaborar pra isso eu o farei. Enquanto isso todos nos de dentro ou fora do Brasil podemos colaborar gerando Luz e espalhando por todo o Planeta. Bj grande e muita Paz, Amor e Alegria pra voce onde estiver. Muito bom adquiri conceitos mais coerentes sobre a vida, Amor e Luz

    • sabrina permalink
      06/05/2013 12:05

      Sabe tive que me pronunciar novamente. Logo que voltei para o Brasil, tive que escutar diversas coisas do tipo ´ah não gosta do Brasil, cai fora de novo.´ ´Você não é brasileira? Então seu lugar é aqui, sossega.´ ´Ah essas pessoa que saem do Brasil por algum tempo e depois voltam se achando, porque moraram no exterior.´ ´Eu não trocaria o Brasil por nada.´ ´O Brasil e o povo brasileiro são os melhores do mundo.´
      Provavelmente essas pessoas nunca sairam daqui ou se sairam foram para ´passear´ ou ´fazer compras´, o fato é que morar é diferente! É diferente quando você tem a vida deles, você ganha como eles, você frequenta os mesmos lugares, você convive com eles, você começa a ter os costumes deles, você sente que lá você não precisa ser alguém, você simplesmente é você e isso é que basta!
      Ah! Me poupem de hipocrisia gente! O Brasil é um país continental, tem de tudo, poderíamos viver muito bem sim, mas vamos combinar? Eu jamais entraria em uma loja como a tal ´Daslu´ aqui no Brasil, pois certamente iriam me tratar igual lixo e eu jamais conseguiria comprar uma bugiganga que fosse, parcelada em mil vezes com o salário que eu ganho, totalmente diferente da ´Harrods´ em Londres, onde entrei diversas vezes, fui bem recebida, bem atendida e eu nem estava de salto alto, comprei diversas coisas e nem precisei parcelar (pois esse negócio de crediário é somente aqui no Brasil, lá você compra tudo a vista…)
      Aqui na minha cidade onde tem 300 mil habitantes, eu tenho é medo da madrugada, de chegar em casa e abrir o portão, depois que saio das baladas, já em Londres eu andava de ´night bus´ e jamais tive medo de chegar em casa.
      Sobre sub empregos que falaram, que quando saimos do Brasil, vamos nos sujeitar a isso fora daqui, vou ser bem sincera: Ganhava muito mais sendo cleaner lá do que Assistente de Compras aqui e outra lá eu era estrangeira, não tinha cidadania, era estudante, para eles o fato de eu ser graduada ou pós graduada não interessava (sabendo inglês e tendo a cidadania européia, seria o canal para conseguir um emprego legal) agora aqui? Não consigo um emprego que me pague aquilo que acho que mereço (após 2 faculdades, 1 pós, inglês fluente, ah e boa aparencia né? porque aqui, ou você tem isso e uma indicação ou não tem nada…) O Brasil é o lugar da roubalheira política, da impunidade, das injustiças, das malandragens, do jeitinho brasileiro, das desigualdades infinitas (somos felizes, o tal povo mais alegre e acolhedor que existe, pois, temos isso dentro de nós, as vezes eu acho é para tentar esconder de alguma forma as frustrações e os medos que temos por sermos brasileiros)
      Pensa bem, em Julho de 2012 (férias, verão e olímpiadas na Europa) eu fiquei 30 dias viajando, conheci 9 países e em 3 deles eu fui alone e mesmo o inglês não sendo a língua oficial de alguns desses países eu conseguia que me entendessem e me auxiliassem quando eu precisasse. Gastei um valor X e não me privei de nada, lógico fui estilo mochilão (nada de luxo) mas tudo de bom, fiz compras e tudo. Agora esse ano resolvi (depois de ouvir diversas vezes: você conhece quase toda a Europa e nem conhece um estado sequer do Nordeste Brasileiro) Confesso que sou louca para conhecer todos aqueles lugares maravilhosos! Pois o Brasil é lindo de ´cabo a rabo´! Então vou para um mochilão no Nordeste esse ano (Julho, férias, nordeste) Vou te contar que vou gastar um horror para ficar 15 dias e conhecer ´malemal´ e porcamente 4 estados (os menores). Será que conseguem perceber as diferenças ou ainda vão ficar naquele lenga-lenga de: ´O BRASIL É PARA BRASILEIROS QUE AMAM ESSE PAÍS´.
      Antes que me perguntem, porque eu voltei da Inglaterra: primeiramente visto negado, dai cidadania italiana não saiu, depois nunca tinha vindo para cá depois de ter ido (e nunca tinha saído da minha cidade do interior, antes de ir para Londres), então não sabia como seria a volta, além da curiosidade do retorno, teve a saudade da minha família e das pessoas que amo!
      O Brasil é lindo sim, é bom de morar sim, mas quando você conhece outra realidade, essa aqui, é muito injusta…

  197. JOE permalink
    05/05/2013 22:38

    Ciao Glenda
    Lendo teu texto me fez voltar a 3 anos atraz quando fui passar ferias no Brasil, amo aquele pais,mas tive um choque tao grande que nao esperava ter… Moro a 10 anos na Italia e por 7 anos nao voltei no Brasil, sou de Brasilia de uma familia digamos financeiramente tranquilla onde eu nao precisaria ir atraz de um trabalho, nao vim morar aqui pra conseguir fazer dinheiro mas para ter uma experiencia de vida diferente, passei por varios momentos bons e ruins, hoje estou terminando minha faculdade em turismo e fazendo minha sexta lingua.
    Creio que o que me faça ficar por aqui nao e nada mais que a seguranca que nosso pais nao nos oferece sei de ser estrangeiro na terra alheia, porem te digo que nao me sinto em casa quando vou no Brasil a minha sensacao e de nao ter mais uma nacionalidade digo de ser cidadao do mundo de nao ter uma identidade propria e nao sei ate que ponto seja bom ou ruim , mas te confesso que voltar nao passa nem mesmo na mais possivel parte remota do meu cerebro.
    Aqui e muito dificil mas creio que estamos muito mais seguros que la
    JOE- Milao

  198. Patricia permalink
    06/05/2013 0:36

    Demais seu texto!!!! Morei na Espanha por 6 anos e há 7 meses voltei para o Brasil e estou sentindo muito, muito mesmo…. A readaptação está sendo muito difícil. O q sinto mais falta é a qualidade de vida e de estar ao meio de pessoas q não se deixam se levar pela futilidade, pela importância de TER… São Paulo está demais em todos os sentidos.

  199. Zelda permalink
    06/05/2013 0:51

    Curioso. Que o Brasil é um país cheio de defeitos, não é novidade, mas também são todos os outro países. O mundo é um lugar repleto de defeitos e repleto de qualidades, ponto final. A questão é que brasileiros CMS (Classe Média Sofre) fazem questão de focar nos defeitos do Brasil e nas qualidades do exterior (leia-se países do hemisfério norte – EUA e Europa), ao invés de fazer o contrário. Essas mesmas pessoas orgulham-se das mudanças e adaptações que fizeram morando fora, mas a verdade é que, no Brasil, jamais estariam dispostas a fazer esses mesmos sacrifícios.
    Eu, por exemplo, não precisei ter morado fora para não dar importância a status e imagem. Não precisei ter morado fora pra saber como me divertir com pouco dinheiro. Ou a valorizar a qualidade de vida, no lugar de status, conforto e riqueza. Pra desprezar passeios em shoppings centers. Pra fazer uso de transporte público e dessa coisa moderníssima chamada pernas pra me locomover. Aliás, nunca nem quis nem tirei carta de motorista, essa decisão já tinha sido tomada até anos antes de eu completar 18 anos. Ou seja, essas “epifanias” que você teve em Sevilha não são exclusividade de quem vai viver no exterior.
    A verdade é que esses mesmos brasileiros (esses CMS) tem esse hábito de desprezar tudo que vem de dentro e valorizar tudo o que vem de fora. Essas mudanças só tem valor, quando realizadas fora do Brasil, na linha “olha só como eu valorizo a vida, aprendi na Europa”. É muito fácil sair do país, criticar, só falar dos defeitos, realizar as benditas “mudanças internas”, “melhorar como pessoa” e parar por aí. Se as mudanças forem realmente legítimas, elas independem do contexto, vão persistir independente do lugar em que você esteja. A diferença tá na vontade. Acreditar que esse estilo de vida não é possível no Brasil, é compartilhar da cultura do status. Viver esse estilo de vida na Europa é cool, em São Paulo é loser; basicamente é o que está sendo dito, nas entrelinhas. Tenho um monte de amigos endinheirados que adoram se gabar de utilizarem transporte público na Europa – porque lá o transporte público é decente. Mas falam isso sem jamais terem testado o transporte público em São Paulo, então estão falando baseados em quê exatamente? Falar que não quer voltar pro Brasil porque aqui esse estilo de vida não é possível, é a mesma coisa. Se só tentou na Europa, diz que no Brasil não é possível baseado em quê? É possível sim. Eu vivo assim, tenho muitos amigos que vivem assim e vejo pessoas vivendo assim diariamente. Uns moraram fora, e voltaram. Outros, como eu, não precisaram disso. Mas, se nós conseguimos, é porque é possível. Mais do que isso, é necessário. Só assim é possível realizar uma mudança de mentalidade, que valorize a vida, a simplicidade, no lugar da ostentação. O que é desnecessário é criticar por criticar, sem tomar nenhuma medida pra realizar a mudança que diz querer ver, que diz ser.
    (Espero que nada aqui tenha sido interpretado como “ofensivo e mal educado”. Zelda

    • wnaty permalink
      06/05/2013 1:51

      Concordo em gênero, número e grau! é exatamente isso que penso!!!

    • 06/05/2013 13:43

      Muito bem escrito! Compartilho com a mesma opinião! Criticar é muito fácil, como se no Brasil não fosse possível ser feliz!

    • Beto Lima permalink
      06/05/2013 19:04

      perfeito. Na minha opinião o problema do Brasil somos nos brasileiros. acho q o povo mais hipocria que existe.

  200. wnaty permalink
    06/05/2013 1:44

    Quem não prefere morar numa casa já arrumada a morar numa casa que precisa de reformas??? Usando um pouco da analogia…. O Brasil tem seus problemas, não nego isso e até prefiro que brasileiro que nasceu aqui por acidente saia mesmo, mas depois não volte quando melhorar! Não precisamos de brazucas que se vendem… Prefiro ficar e lutar pelo meu país, pois não vai ser chinês, espanhol, americano que vai fazer isso….Só cabe aos brasileiros!!! Lamento que, pessoas com grande potencial (por causa do ensino adquirido), sejam egoístas a ponto de não ficar e lutar, mas cada um sabe o que é melhor pra si… e por isso só me resta lamentar e dizer adeus!

    • Sidney Sobral permalink
      07/05/2013 12:52

      Bla bla bla! Estou forta do Brasil ja fazen 9 anos e ja fui ai 3 vezes e sempre sigo as noticias do Brasil ,e na verdade nao vejo nada extraordinario ,creio que voce nao esta cuidando bem do Brasil ,estar vivendo fora no e uma questao de egoismo e uma opçao que uma pessoa toma em um momento da sua vida ,se um dia eu voltar nao esquenta reclamarei se nao estiver bom .

  201. 06/05/2013 1:56

    Gleida, já senti e comparto tudo que escreveste neste post… apesar de eu ainda ser “novinha” (tenho 24 anos), já morei em Portugual, Espanha e no Uruguai. Sempre foi difícil voltar (mas bem fácil reencontrar amigos e familiares) e ver que muitas coisas que eu não julgo como corretas ocorram com tanta frequência. Porém, eu paro e penso.. se nós brasileiros com uma mentalidade aberta e uma carreira de estudos de qualidade não quisermos mudar a nossa realidade, quem vai? Acredito que os ditados populares se tornam o que são pela sua aplicabilidade ao nosso cotidiano, portanto acredite: de grão em grão, a galinha enxe o papo. Ou melhor, de ação em ação, a gente pode transformar o Brasil. Quando tu quiser começar, é só me chamar. Até lá, vou tentando fazer as minhas…

  202. 06/05/2013 2:56

    Sensacional seu texto. Morei fora alguns anos e não queria voltar. Fiquei sem opção quando meu visto venceu e o dinheiro havia acabado. Amo o Brasil só quando estou fora dele. Morando aqui via como era muito mais feliz com o pouco no bolso e muitas idéias na cabeça. Era ter onde sentar no final de tarde no parque e poder ler um livro sem incomodos. Era viver a educação que meus pais me deram, dizendo “bom dia”, “com licença”, “desculpe”, palavras que aqui pouco são usadas porque a violência- seja verbal ou física- pode vir antes. Definitivamente, se eu tive a oportunidade sairia do Brasil e não voltaria mais a viver aqui, apenas para visitar é mais que o suficiente. Prefiro ter um bolso vazio no exterior mas um coração cheio de sonhos e cultura.

  203. Rodrigo permalink
    06/05/2013 4:31

    Aos criticos de plantao do Velho Continente, por que sera que o Sul do Brasil possui os melhores indices socioeconomicos do Brasil???? Peguem indices que comparem Santa Catarina com Maranhao. Nao ‘e tudo Brasil? Feito por e para brasileiros? O que distinguiu um e outro ao longo da Historia? Ambos os lugares possuem defeitos, obviamente. Mas o que sintetiza a essencia de um e outro lugar?

  204. Fernanda permalink
    06/05/2013 5:51

    Concordo plenamente com a Zelda. Engraçado como vcs aceitam ter um emprego mais ou menos lá fora, mas aqui a maioria jamais lavou uma louça ou sua própria roupa. O Brasil é feito de brasileiros e todos q criticaram provavelmente nunca fizeram nada para mudar.Fora, os brasileiros respeitam as leis, quando estão aqui jogam o lixo na rua. Quanta hipocrisia.Eu faço o que gosto, tive uma boa educação, trabalho razoavelmente, me divirto o necessário, tiro férias. O que eu não suporto são os brasileiros. Povo hipócrita e sem cultura. E digo, sou parte dessa hipocrisia também, então não tenho o direito de criticar. Não sei se o Brasil vai mudar, gostaria que os brasileiro mudassem. Mas se a Europa é melhor é claro q é por causa dos europeus. Quem elege o governo é o seu povo.

  205. Carolina permalink
    06/05/2013 6:52

    Concordo com tudo o que voce escreveu! Eu moro na Italia desde o inicio de 2007 e hoje sou cidada italiana. Eu fui acolhida muito bem, os italianos sao muito parecidos com os brasileiros, sao muito alegres e amigaveis. Eu me casei com um italiano no final de 2008, a nossa primeira filha nasceu em 2013 e em outubro chega mais um nenenzinho… Eu me sinto completamente em casa e posso dizer com toda certeza desse mundo que eu nao penso em voltar a viver no Brasil.

    Quando eu vim pra Europa eu precisei de um tempo pra me acostumar com essa segurança que existe aqui. Tudo o que voce escreveu em poder voltar pra casa de madrugada sem se preocupar, passear de bicicleta, usar o transporte publico (que na maior parte das casos é muito melhor que usar o proprio carro!!), a saude publica que funciona, as escolas publicas que funcionam (e a maior parte dos estudantes estudam nas escolas publicas!!)…

    Me faz falta estar perto da minha familha, da comidinha mineira… Mas todas as decisoes que a gente toma na nossa vida tem uma consequencia e a minha decisao de estar longe do Brasil tem como consequencia estar longe de pessoas que amo tanto, mas eu sou muito feliz aqui. E eu nao consigo me ver de volta ao Brasil, a nao ser em uma viagem de “turismo”.

  206. Ticiano permalink
    06/05/2013 6:52

    Oi,
    Infelizmente so entenderao o seu texto pessoas que moraram fora por um bom tempo, estudando, trabalhando ou ate mesmo viajando, mais que tiveram bastante tempo para viver a vida dos locais. Eu moro fora a mais de 8 anos, e toda vez que alguem me pergunta se nao tenho vontade de voltar, os pensamentos que vem a minha cabeca sao exatamente os que voce escreveu no seu texto. Por mais triste que seja, eu respeito quem tem vontade e corage de voltar, mais acho, do fundo do meu coracao que e’ uma perca de tempo, remar contra a mare, lutar contra um sistema que esta encravado na mente do brasileiro a ponto das pessoas acharem que ser assaltado na rua, dentro do seu carro eh uma coisa normal.

  207. 06/05/2013 12:01

    Lindo texto, mas
    Você já pensou que tudo o que você falou foi a sua percepção particular, que tinha um visão destorcida de valores reais e que precisou ” sair do salto” para crescer ? Agora, falta cair do salto aí na Espanha pois talvez sua vida de ” estudante” não lhe deixe ter uma percepção adulta, não do Brasil, mas do mundo inteiro.

  208. Camila permalink
    06/05/2013 12:10

    Perfeitamente perfeito! Por isso, aos trancos e barrancos sigo minha vida na Australia! ;)

  209. Joel M permalink
    06/05/2013 12:22

    Muito legal o texto. Guarde esse vídeo, quando bater a vontade de voltar ao Brasil, assista.

  210. Mayana permalink
    06/05/2013 13:21

    Tudo que foi colocado no texto, como justificativa, poderia ser feito aqui no Brasil! Não precisa ir morar fora do país para aprender a viver de forma mais simples, sem muitos luxos. Não precisa morar em Sevilha para andar de bicicleta e usar transporte público. Não precisa ir morar fora do país para aprender a ser tolerante com o próximo. O que o Brasil precisa é de pessoas que realmente valorize o nosso país mesmo ele tendo todos os defeitos e de pessoas que lute por um país melhor e não fique sentado em frente a um computador reclamando! Isso não é clichê. É a mais pura verdade. As pessoas acham que Suíça, Noruega, Holanda, entre outros, são assim e pronto. Não! Foram países construídos por pessoas com vontade de ter uma cidade mais limpa, com pessoas capazes de buscar melhorias. Identificar o erro é muito bom. Mas o que cada um pode fazer para melhorar? Isso ninguém quer né?!

  211. Léo permalink
    06/05/2013 13:38

    Muito legal o seu texto, muito mesmo. Eu morei por um ano em Barcelona e digo, sem pestanejar, que foi o melhor ano de toda a minha vida. Quando estava lá, às vésperas de voltar ao Brasil, tinha muitas expectativas e não via a hora de chegar aqui, pois imaginava que teria um futuro à minha espera. Pura decepção. Da mesma maneira que há crise em outros países, há aqui também. Na minha área, biologia, é muito difícil conseguir emprego, mesmo aqui, que apresenta taxa de desemprego bem mais baixa que em muitos países da Europa, como a Espanha. Quanto a voltar ao Brasil, nem era uma escolha, mas uma obrigação, pois quando se sai daqui com uma bolsa do governo, somos obrigados a voltar, não temos opção. Deixei amigos lá, amigos de verdade. Aliás, algo que me chamou a atenção é que fazer amizades lá foi mais fácil que aqui, pois encontrei muitas pessoas que são completamente desprendidas e alheias às futilidades que imperam aqui, e mais, são politizadas e críticas. Nem é preciso falar com relação à segurança, pois poder sair às ruas sem olhar para os lados a qualquer hora do dia é algo que não tem preço e só se sabe quem vivenciou. Além do mais, os únicos delitos dos quais se ouve falar por lá são os furtos em meio a locais com muita gente. Levam algum pertence seu sem que você se dê conta, ao contrário daqui, cujo confronto com o bandido é inevitável e cada vez mais vemos que é seguido de morte. Acho que a felicidade está atrelada à segurança e à liberdade, à paz de espírito e, infelizmente, não conseguimos mais encontrar locais assim no Brasil. Mesmo no interior, o crack já chegou e se mata a troco de nada. Aqui, sempre que chego em casa à noite, sinto uma satisfação por nada ter me acontecido, algo que nunca me passou quando estava em Barcelona.
    Outra coisa que admirava na Espanha era que vaidade é um conceito bem diferente do daqui. As pessoas não se importam com a aparência alheia e se vestem à sua maneira. Não seguem correntes ou modismos, simplesmente vivem. Vão à praia peladas, mesmo não tendo corpos esculturais ou em forma e ninguém olha. Cada um vive sua vida, sem interferências ou falta de respeito com os outros. Ninguém julga a roupa ou a atitude de ninguém, isso é muito legal.
    A variedade cultural que se ê por lá é impressionante. Imigrantes de todas as partes do mundo, cores, sabores, lugares, músicas, caras, tudo numa só cidade, ao seu dispor.
    Viver fora é uma experiência única, algo que muda a cabeça de qualquer pessoa. É realmente uma pena que nem todos possam fazer isso e, por isso, sei que sou um cara de muita sorte.
    Mais uma vez, parabéns pelo seu texto, é muito bom poder dividir ideias semelhantes com quem passou pela mesma experiência.

  212. 06/05/2013 13:40

    Concordo com várias coisas do texto, mas acho que algumas coisas estão um pouco superficiais. Por exemplo, em SP existem parques mantidos (e bem mantidos) pela prefeitura da cidade onde constantemente recebem visitas de escolas para fazer piquenique ou levar os alunos para brincar a céu aberto. Além disso, quem mora nas grandes cidades, como Rio, SP, Salvador aprende a usar transporte público, sim. Morei em Portugal ano passado e já estava acostumada a transporte a muito tempo, como muitos estudantes que vão a minha universidade, ou que vão trabalhar e etc. Apesar de ter morado lá, não os vejo como um povo muito respeitoso e fantástico, pois com a grande quantidade de brasileiros no exterior, muitas vezes eles são fonte de intolerância e preconceito por causa da nacionalidade. Outra coisa também é o uso de bicicletas. Quanto maior a cidade, mais difícil locomover-se por meio de bicicletas, isso em qualquer lugar do planeta. Não podemos comparar o tamanho das cidades brasileiras com as cidades europeias, o que torna as coisas bem mais difíceis.
    Se nós, jovens que ficamos fora do Brasil não voltarmos por um motivo muito mais amplo do que nossa própria família ou amigos, quem vai acreditar em um Brasil melhor? Quem vai lutar por maior respeito, solidariedade e tolerância?
    Acho muito fácil colocar que na Europa tudo dá certo, ou melhor, quase tudo né? Por que na visão de muitos o único problema é a crise, por que o resto está superado. Não é verdade! Eles também arcam com problemas sociais sérios, como por exemplo bebida e direção, ou suicídio, etc.
    Cabe a nós, jovens, sonharmos e lutarmos por um Brasil mais justo. Olhar para a Europa e só criticar quem está do outro lado do Atlântico não é um bom começo.

    • Beto Lima permalink
      06/05/2013 19:00

      o comentario mais censato ate aqui. Parabens!

  213. 06/05/2013 15:00

    Vivo a quase 11anos fora do BraZil. E, costumo dizer que tenho o coração Basileiro mais a minha alma e Dutch. Tudo que você escreveu e a mais pura verdade. Morro de saudades de minha família que amo tanto. Mais viver aqui não tem comparcao nenhuma.

  214. Murilo Regebe Costa permalink
    06/05/2013 15:26

    Sou um brasileiro que moro na Espanha também estudando medicina na universidade se Salamanca e concordo con todas as palavras que você escreveu. Assino embaixo.
    Parabéns pelo seu texto.

  215. 06/05/2013 15:51

    Incrivel, vc conseguiu colocar em palavras o que sinto no meu coração! Moro na Holanda, e estou vivenciando esta msm duvida, estes mesmos sentimos…

  216. Eliseu permalink
    06/05/2013 16:12

    realmente concordo com muitos, e discordo de muitos, talves minha experiencia de viver aqui na europa desde 1997 possa trazer meneficio ao meu tipo de pensar: pontos positivos e negativos p/ se viver de ambas parte (Brasil e Europa) ..Tenho vontade de voltar e claro,tenho meus motivos,,, jamais voltaria a morar em grande centros ou metropoles,no Brasil e optaria por cidade do interior com poucos habitantes e com pessoas simples igual a mim mesmo..depois de conhecer aqui,, sou bem sincero povinho do Brasil deixa muito a desejar em tudo…claro nem todos…como disse.. em muitos falta educacao respeito e honestidade , e cumprir c/ obrigacao…por outro lado temos povo feliz acolhedor, carismaticos, e o clima que nao deixa a desejar nada,,, e excelente…estarei voltando sim..so aguardando minha aposentadoria aqui na europa. e no Brasil pe na estrada.. viver junto c/ Antonio..rsrsrsrsr..

  217. Sheila permalink
    06/05/2013 16:28

    Eu tomei a fatídica decisão e voltei pro Brasil, infelizmente. Me arrependo disso todos os dias e juro que, se não tivesse toda uma vida aqui, já teria feito as malas novamente.

  218. 06/05/2013 16:31

    Moro nos EUA por 25 anos e aqui fiz minha vida e das minhas filhas. Depois de alguns anos aqui, fui visitar o Brasil e la os amigos me perguntaram o que eu estava achando. Respondi que via o Brasil com a sindrome da lajota aparente ou seja, tanto Rio, SP ou MG as construcoes eram feitas e nao se embolsava a parede externa o que dava um aspecto muito ruim para quem visse. 5 anos depois os mesmos amigos me perguntaram o que eu estava vendo agora e disse-lhes, a sindrome da lajota continuava e agora agravada pela sindrome do puxadinho ou seja os filhos cresciam e constituiam familia na area da casa de seus pais o que obrigava o tal aumento ou seja “puxadinho” Depois de muito raciocinar cheguei a conclusao que uma coisa tinha a ver com a outra pois: no mesmo espaco dos pais, agora viviam netos ou bisnetos e a culpa era dos fiscais de construcao municipal que se omitiam ou ganhavam por fora para autorizar a bagunca, gerando, as minis favelas e a
    perca da paz familiar. Aqui nos EUA nunca morei em casa com cerca e para fazer um simples reparo o fiscal municipal tem que autorizar. Aumento ou puxadinho nem pensar.

  219. João Sena permalink
    06/05/2013 16:47

    Olá Glenda!
    Em primeiro lugar parabéns pelo blog e pelo seu texto.
    Prenuncia alguém que efectivamente tem uma educação bastante acima da média no Brasil.
    Eu sou Português, ( poderia ser ingles, indiano, guineesnse, ou outra coisa qualquer) .
    Não é a nacionalidade que interessa, mas a educação e experiência de vida.
    Vivo no Rio de Janeiro desde 2006, vindo de Coimbra- Portugal.
    Depois de uma infelicidade na vida profissional, com o inicio da grande crise, que abalou de imediato as empresas fabricantes de bens de equipamente e maquinaria e também depois de um divorcio algo conturbado, decidi emigrar para o Rio de Janeiro, onde me esperava uma oportunidade de trabalho. Aqui fiquei e casei de novo.
    Após 7 anos a viver aqui ( vou a Portugal/Espanha 1 vez por ano) para estar com os filhos que ali moram, estou de tal maneira no limite das minhas resistências, que apesar da severíssima crise que assola o País e a Europa, estou a ponderar a hipotese de regressar.
    Mesmo sem trabalho, mesmo sem dinheiro!
    A minha mulher, nascida em São Paulo e que vive no Rio desde os 17 anos ( há 30) já me disse que me acompanhará de bom agrado!
    Adora o Rio, a praia, o sol, mas…… assim como eu, tem coisas que , apesar de estar desde pequena habituada a lidar, estão a matá-la aos poucos.
    A mim, que já cheguei aqui com 42 anos, estão de facto a matar-me.

    O grande mal do Brasil, são os eternos pseudo-politicos que enganam os cidadãos há decadas, empurrando mensagens via REDE GLOBO, em massa, mantendo os niveis da educação a niveis de 4º mundo, permitindo que se saia das universidades sem saber escrever portugues, que se obtenham dois e tres cursos universitarios na base da “compra”, pseudo-mestrados, pseudo-doutorados, escola publica praticamente inexistente(não basta erguer predios é preciso ensinar) que se vá dirigir para as ruas e estradas sem o saber fazer, que se vejam todo o ano os mesmos programas televisivos de nivel zero, ou as novelas caricatas que distorcem a realidade a 100%, onde não se vê um documentário sério, onde todos os dias e durante 1 hora na radio ( na hora de maior audiencia pois é a hora onde todos vão de van, onibus e carro para casa) se lava o cerebro das pessoas com a chamada “hora do Brasil” que nada mais é do que uma lavagem cerebral que só tem pararelo na alemanha de hitler.

    tenho pena dos sofredores deste País, de todos os Brasileiros que não podem nem nunca poderão aproveitar o seu País, pois têm de ser permanentemente roubados, para a elite ( diga-se super inculta) poder ter 10 carros na garagem e pagar R$ 18.000 por mês aos garçons que lhes servem os cafezinhos…

    Lindissimo País, infelizmente muito muito atrasado em termos cívicos.

    Costumava escutar desculpas de alguns Brasileiros, que diziam que a culpa era dos Portugueses, que deixaram aqui essa cultura.
    Até que acabei por responder:
    – mas meu Deus , se nós que somos chamados por alguns de vós, de burros conseguimos livrar-nos de certos maus hábitos, voçes que são bem mais inteligentes e numerosos, não conseguem? e ainda andam para trás?!

    Abraço

    • Léo permalink
      06/05/2013 17:08

      Parabéns pelo comentário, excelente análise a sua.

    • Mario Paraiso permalink
      07/05/2013 14:16

      Caríssimo João Sena, morei em Portugal por 11 anos, fui para lá com 42 anos, voltei em 2011, me arrependo imenso de te lo feito, tb penso em retornar, pois aqui eu agora sou chamado de Portuga, tenho orgulho disto, pois não consigo aceitar o que vejo todos os dias nas ruas, sempre ouvi está estória de que Português e burro, etc…, mas nunca fui desta opnião, nem podia, me sentia ofendido, minha avó é portuguesa de Trás os Montes, região de Vila Real. Em Portugal realmente constatei que nós os brasileiros é que somos burros, por não termos aprendido o que é ser cidadão, lá vemos o que é ter respeitados os direitos e o que é realmente viver, e acho o país muito bonito, o Brasil é muito lindo no cartão postal, andar pelas ruas aqui é horrendo. Parabéns pelo depoimento.

  220. Rodrigo permalink
    06/05/2013 17:21

    Não há dúvidas de que migrar para um lugar que já é bom é muito mais confortável do que tentar melhorar o que existe por aqui. E isto é uma decisão pessoal.
    O que me entristece é que infelizmente o brasileiro prefere criticar seu país a tentar melhorar. Nem Europa nem Estados Unidos foram sempre assim e hoje possuem um luxo, uma qualidade de vida superior muito por conta da corrupção que implementam aqui e pelo mundo “subdesenvolvido”. Sim, os maiores corruptores, desde os tempos do descobrimento. São muitos exemplos disso como multinacionais que ganham licitações através de fraudes, que exploram nossas riquezas e nada retribuem ao país, ou melhor, investem somente o suficiente para produzirmos para eles para mandarem o lucro de volta para a Europa ou EUA.
    Prezo muito pelos princípios que foram descritos no texto, mas pense que essa qualidade de vida aí é obtida a custas de guerras na África, no Golfo, crianças passando fome no Nordeste e por aí vai. Você já se perguntou o que a França está fazendo agora com seus exércitos no MALI? ou o porquê Inglaterra, Espanha e EUA possuem contratos com privilégios para explorarem petróleo no IRAQUE?
    Além disso, também já tive vontade de ir embora quando era mais jovem, mas com algumas temporadas em outros países percebi que por mais que você se sinta bem por lá, você JAMAIS vai ser um deles. Você SEMPRE vai sofre um preconceito e NUNCA vai estar no que é seu. Leva em média 3 gerações para seus familiares deixarem de ser tratados como imigrantes e passarem a ser nacionais.
    Eu vou ficar por aqui e lutar para melhorar o que é meu.

  221. Samantha permalink
    06/05/2013 18:01

    Morei durante 1 ano em Berlim e retornei ao Brasil devido a uma decisão de meu esposo que é estrangeiro e ama morar no Brasil, eu certamente preferia continuar vivendo no Brasil, mas na época dependia dele financeiramente e nem ainda dominava o alemão, estava ainda no nível intermediário, e se continuasse por lá com certeza já estaria fluente muito bem obrigada! Com todos os contrastes que existem em Berlim, por exemplo bairros onde imigrantes não são muito bem vindos e até mesmo alemães de outras regiões que também não são bem vindos em alguns pouquíssimos bairros, a cidade é enorme, cheia de cultura, morava em um bairro maravilhoso, muito comércio em volta, sem medo de ser surripiada de repente ou de pegar um transporte público e ser assaltada. Quantas vezes voltamos tarde da noite para casa, num frio danado, e eu sentia falta do sol, do calor supostamente humano dos brasileiros, mas sinceramente ainda estaria vivendo em Berlim ou em outra cidade da Europa. Claro nem tudo eram flores, mas sinceramente a segurança, educação, transporte público de qualidade onde sabemos até o horário para pegar a condução, a educação do povo, certa polidez é algo maravilhoso que aqui no Brasil somos empurrados para entrar no trem, no metrô. Semana passada no vagão das mulheres tinha uma mulher querendo brigar com a outra que sem querer empurrou ela para poder entrar no vagão pois também foi empurrada para que a porta fosse fechada. Os governantes fazendo o que querem, mandam e desmandam e a população não faz nada de concreto só querem saber de quadradinho de oito, funk, futebol. Essas obras da Copa do mundo tirando a paz de muitos, muitos foram retirados de bairros onde viviam a mais de 30 anos, o governador manda os índios desocuparem com o uso da força policial e total truculência um espaço que era dedicado a eles para no lugar dessa contrução tombada pelo patrimônio histórico construírem o museu do futebol. Passagens dos transportes públicos caras e sem qualidade alguma. Motoristas que não respeitam os pedrestes, os ciclistas, os passageiros, mulheres violentadas dentro de transportes públicos sem segurança alguma onde nem a presença de uma câmera intimida um criminoso apenas pela certeza que eles tem da impunidade…enfim um tremendo caos. Com certeza voltarei no futuro a viver em outro país.

  222. Luiz Carvalho permalink
    06/05/2013 19:29

    O Brasil tem potencial. Grande parte dos brasileiros é que não. Falta caráter, honestidade, atitude empática, vontade. Ele só quer é se dar bem. Não liga para o seu semelhante contanto que ele esteja bem. O brasileiro não protesta, tem vergonha de se expor. Compra tudo mais caro do que em outros países e se achando superior por ter comprado mais caro. Acha que é melhor que seu vizinho por isso. Aceita e vota em políticos corruptos com salários, regalias e funções incoerentes, conchavos, impostos escorchantes sem nenhum benefício em troca, como saúde, saneamento, transporte e educação públicos e de qualidade. Projetos de leis absurdos, bandidos e quadrilhas no poder e dirigindo suas vidas, ainda em excesso, pois não são necessários nem a metade dos senadores, deputados e vereadores para fazer quase nada e ganhar muito. Deixam um partido como o PT garantir votos eternos com bolsas mil para se perpetuar eternamente no poder e roubar bilhões na nossa cara sem praticamente nenhuma consequência. Dá vontade de ir é pra Turquia, mesmo que com a Vanda. Afinal, o que se vive aqui já é uma forma de prostituição.

  223. 06/05/2013 22:40

    Me encontrei nas tuas palavras. Moro na Inglaterra, em Newcastle e vivo o dilema de ficar ou voltar. O que me empurra de volta para o Brasil é o frio, a lembrança da praia de Ipanema, as corridas no Aterro do Flamengo de manhã, as noites de sábado na quadra da Mangueira, e meus pais. Amigos, descobri que são pouquíssimos e que continuam amigos apesar da distância. Trabalho? Trabalha 5 x mais no Brasil para ganhar 10X menos. Qualidade de vida? Bom, só de lembra da Braca RIO-Niterøi para poder ir dar aulas em Niterói, sexta à noite, sinto calafrios. Pesno que é melhor sentir frio aqui do que medo lá!

    • 06/05/2013 22:43

      sorry for my typos… soo late
      Correção:
      Me encontrei nas tuas palavras. Moro na Inglaterra, em Newcastle e vivo o dilema de ficar ou voltar. O que me empurra de volta para o Brasil é o frio, a lembrança da praia de Ipanema, as corridas no Aterro do Flamengo de manhã, as noites de sábado na quadra da Mangueira, e meus pais. Amigos, descobri que são pouquíssimos e que continuam amigos apesar da distância. Trabalho? Trabalhava 5 x mais no Brasil para ganhar 10X menos. Qualidade de vida? Bom, só de lembrar da Barca Rio-Niterói para poder ir dar aulas em Niterói, sexta à noite, sinto calafrios. Penso que é melhor sentir frio aqui do que medo lá!

  224. 06/05/2013 23:10

    O problema do Brasil sao os brasileiros, moro na NZ ha 6 anos e digo com conhecimento de causa que o que faz o pais sao as pessoas que nele vivem, ja vi casos de brasileiros aki explorarem outros brasileiros em situacoes dificeis, o que me da nojo e um pouco de vergonha de ser brasileiro. Respeito e consideracao nao fazem parte da cultura brasileira!

  225. Mah permalink
    06/05/2013 23:20

    Eu fiquei pensando sobre o texto. Acho que nesses países é mais simples querer levar uma vida simples, ao invés de se matar p trabalhar e fazer fortuna. Pelo que a autora disse, lá o acesso à cultura e ao lazer é mais fácil e atinge a qualquer classe social. Como ela mesma disse, é normal sentar em um restaurante e ter sentada ao lado a sua faxineira. Quando que no Brasil a sua faxineira vai frequentar os mesmos lugares que vc? Aqui também não é uma simples questão de querer ter hábitos mais saudáveis indo pro trabalho de bicicleta, vc corre sérios riscos de ser atropelado por um ônibus.
    E nessa lista, se vão todos os direitos sociais previstos na Constituição, mas negligenciados pelo Estado. Na nossa realidade só quem ganha bem, tem condições de estudar em escola de qualidade, fazer viagens, ter acesso à lazer e etc.
    Acho que é isso que nos faz querer ter dinheiro e trabalhar muito p isso. Os europeus podem se dar o luxo de trabalhar pouco.

  226. 06/05/2013 23:21

    Caros,

    Aqueles que tiveram experiências ruins no Brasil, deveriam experimentar morar em cidades do interior, por exemplo no meu caso, interior de São Paulo. Temos relativamente boa qualidade de vida aqui associada a bons empregos. Nem ao céu, nem à terra, mas quando se comparam cidades do exterior somente às grandes metrópoles do Brasil, onde o caos já se instalou faz tempo, acaba sendo covardia… mas pensem em experimentar nosso “interiorzão”… muito bom!

  227. Marcia permalink
    07/05/2013 0:11

    Oi Glenda, depois de morar 7 meses me Dublin, voltar para o Brasil, partir para a França por mais 2 anos e agora, de volta ao Brasil, entendo bem a tua opinião. Parabéns pelo blog. Um abraço, Márcia

  228. Egberto Esmerio permalink
    07/05/2013 0:12

    Acho o discurso de todos que moram fora do pais muito semelhante. “O Brasil tem muitos problemas, então prefiro morar fora”. Depois de ter voltado e passado o sufoco desta volta pra cá, vim a entender o quanto este pensamento é egoísta e simplista. Egoísta porque se você acha que o país tem muito a melhorar, deveria estar aqui ajudando a construir um país melhor, e não lá na europa aproveitando tudo o que já foi feito pelas sociedades mais antigas. Simplista porque quando você mora fora você só foca nas coisas ruins do país. E todas as coisas boas que temos? Deixar de andar de carro e andar de transporte público? Se mais pessoas como a autora resolvessem fazer isto aqui no Brasil, talvez o poder público investiria mais no nosso transporte. Estamos implantando ciclovias, bicicletas de aluguel. O nosso sistema de saúde, embora muito criticado, é um dos melhores do mundo, sorte da autora do texto que não esta morando nos EUA. É muito fácil criticar estando a milhares de quilômetros de distância. Quero ver assumir a responsabilidade e vir lutar junto por um país melhor.

    • Vanina permalink
      07/05/2013 7:54

      Egberto, pode até ser verdade e eu até me sinto covarde por “abandonar o barco” não lutando pela melhora do meu país. Mas aqui eu pago impostos e tenho direito aos beneficios, então não acho que eu esteja abusando/me aproveitando do que a sociedade antiga fez, estou tendo o justo. Eu não vejo o que eu sozinha poderia fazer pra mudar o Brasil. Qual é a minha responsabilidade, como eu poderia “lutar”? Eu me perguntava isso quando morava aí e ainda não tenho a resposta. Sério, como isso pode ser feito?

    • Mario Paraiso permalink
      07/05/2013 12:49

      Caro Egberto Esmerio, se fosse o Gismonte eu entenderia, mas acho que você precisa sair de seu país e conhecer um de verdade, este “seu Brasil” que sonhas ter é o que todo brasileiro sonha também, mas quando se vai para outro país é que sentimos na pele o que é ser cidadão brasileiro, lá fora não é moleza como parece, somos muitas vezes tratados como merda, desculpe a rudeza, mas á assim, depois que nos conhecem, em geral, nos respeitam, mas não por sermos brasileiros, mas por sermos civilizados e principalmente por viver como dita a lei daquele país, caso contrário estamos fritos, no Brasil, infelizmente, poucos seguem o que dita a lógica e os bons costumes, aqui todos se orgulham de ser o país da bagunça, do lixo nas ruas, dos políticos ladrões, de furar um semáforo (sinal de transito), em todo o mundo também os há, mas sempre estão com a justiça atrás a caça los, por aqui é o contrário, a justiça são os ladrões, o povo nada pode fazer, pois estão ligados na Globo, no BBB ou no fantástico e claro, nas novelas, lindas e na moda. Amigo saia do seu conforto e vá lutar para sobreviver em um país desemvolvido, em um país que dá valor ao cidadão, não importando de que nacionalidade seja. Não fale do que não conhece, só pela TV não se tem noção da realidade, não é vida mansa que temos lá fora, muito pelo contrário, sofremos muito com as prostitútas e ladrões brasileiros, que a fama leva para todo o mundo, vá lá ver de perto, depois venha falar. Abraço.

  229. Lucas permalink
    07/05/2013 2:12

    Sempre tive uma opinião muito negativa sobre pessoas que migram e dizem que o Brasil é ruim. Mas depois de visitar parentes no Canadá vi e vivenciei coisas que me destituiram de qualquer preconceito. Percebi que como no texto não precisamos viver para trabalhar, mas sim, trabalhar para viver, e viver bem. Como farmacêutico, percebi uma profissão diferente, onde se é respeitado, onde mesmo a menor remuneração, propicia uma vida com boas mordomias. A diferença entre o modo de vida do motorista do onibus não é diferente de uma pessoa graduada, e nem deveria ser. Transporte público que funciona. Um mundo de cores e sabores ao alcance. Na mesma cidade da região metropolitana de Montreal, viajamos entre os sabores da Ásia e do Mediterrâneo, quem sabe sem sair do mesmo bairro. Viajar e ver que na realidade, sem o “custo e o lucro Brasil”, posso ter os carros que sempre almejei. No meu Brasil, me entristesse ver que no último dia do trabalhador, foram registrados 11 brigas de rua entre jovens. De saber que após trabalhar toda minha vida e contribuir religiosamente com a Previdência Social, além de receber uma miséria, posso não ter direito a aposentadoria. Por que ainda não migrei? Pois só agora me dei conta do pais que realmente moro, que, apesar, de lindo, começamos errado. E por mais que eu tente reverter a situação, sozinho não conseguirei. Que apesar de ter montado toda a minha vida aqui, gostaria que meus filhos não fossem bombardeados com a violência e toda a hipocrisia que vivemos e convivemos. Não quero um pais que as crianças maiores de 2 anos não tenham direito a vacinação gratuita contra a a gripe, mas onde presidiários sim. Um país onde se gaste mais com um preso que com uma criança em idade escolar. Vivi todos os meus anos aqui, e digo, não quero que eles tenham que conviver com isso. Loucos e maníacos sempre existirão. Mas que sejam uma pequena parte da sociedade, e não a maioria.

    • Mario Paraiso permalink
      07/05/2013 14:02

      Esta é uma declaração verdadeira, foi o que senti tb na Europa, onde se pode ter um carro e não roubado no preço, é barato e durável, no Brasil não posso ter um carro, pois custa muito, um velho caindo aos pedaços, custa 3.000 reais, absurdo, lá temos uma vida decente, sem enganar os outros e sem sermos enganados, transporte público de verdade, etc… Parabéns oelo seu depoimento. Abraço

  230. Ana permalink
    07/05/2013 3:11

    Acabei de voltar de uma viagem de 15 dias por NY e Toronto… Juro que fiquei com vontade de ficar e não voltar mais pra cá…

  231. Marcelo permalink
    07/05/2013 6:22

    Glenda… Parabéns pelo post. Única coisa que gostaria de alertar… sinceramente, eu estou me programando para viver em outro país, e a algum tempo parei de divulgar todas as vantagens ou de querer convencer as pessoas, simplesmente pelo fato de não querer que os brasileiros se debandem para o lugar que escolhi para viver. Quem vê o comportamento da maioria de nossos conterrâneos no exterior sabe do que estou falando. Infelizmente, pelas experiências que tive em outros países, quando juntam muitos brasileiros, na média, estraga todo o ambiente. Claro que sei que existem muitos brasileiros que possuem uma cabeça diferente e também já tive a felicidade de encontrar muitos que se tornaram grandes amigos. Porém, de modo geral, eu costumo fugir de brasileiros para não ter que conviver com certos comportamentos que eu atualmente abomino (e devo confessar que talvez um dia eu já tenha achado normal e até mesmo tido alguns dos tais comportamentos).

  232. Vanina permalink
    07/05/2013 7:10

    Muito bom o texto! Morei da Suecia por 2 anos, e há 4 anos moramos na Finlândia. A idéia de “voltarmos pra casa” está sempre pairando no ar, como se a nossa felicidade estivesse lá. Mas nós sabemos que não é verdade que que jamais nos adaptaríamos. O Brasil é um lugar muito injusto, bom pra quem tem dinheiro, pra quem “é alguém”, o que não é o nosso caso, nem para a maioria das pessoas. E mesmo que fosse, viver com as desigualdades é uma coisa frustrante demais, por que não podemos fazer absolutamente nada pra mudar o sistema. Então vamos ficando no Norte da Europa enquanto tivermos emprego. Aliás, aqui consigo trabalhar como pesquisadora, coisa que no Brasil é praticamente impossível. Dizem que aqui estão as melhores escolas do mundo, pagas pelos nossos impostos. Esse é um simples motivo pelo qual eu não posso voltar, não posso tirar essa oportunidade (que eu não tive no Brasil) da minha filha. Sem contar a seguranca, saúde, organizacão, respeito pelas pessoas, pro que aqui elas parecem valer alguma coisa! E o tempo vai passar, e o aperto no coracão, a saudade, sempre vai estar com a gente. Mas precisamos escolher e pesar as vantagens e desvatagens de ser estrageiro. Não é bom ser estrageiro, mas enquanto isso for melhor do que ser cidadão brasileiro no Brasil, é isso que eu vou ser.

  233. Vanina permalink
    07/05/2013 7:26

    Das pessoas que voltaram pra o Brasil depois de morar no exterior, a maioria se arrepende? Existe alguma pesquisa sobre isso?

  234. 07/05/2013 11:21

    Muito legal o que voec escreveum estou ha 5 anos fora do Brasil e nao tenho a minima vontade de voltar, pelos mesmos motivos que voce citou e alguns mais sem falar que sou do Sul e la as coisas sao um pouco diferentes quando eu ainda morava por la (agosto 2008), hoje ja nao tenho mais ideia do que acontece por la, mas continou mantendo contatos com familia e amigos.
    Sinto muita falta de tudo, mas a “Qualidade de Vida” que tenho aqui, mesmo sendo estudante, “e uma piada”.

  235. Hélio Pereira permalink
    07/05/2013 12:44

    Depois de morar 21 anos em Barcelona assino embaixo tudo o que aqui esta escrito, quando cheguei aqui foi dificil se adaptar mas retormar seria muito mais.

  236. Mauricoo Belotto permalink
    07/05/2013 13:16

    Glenda.
    Seu texto é incrível.
    Compartilhei com meus amigos, para que eles, com a clareza de suas palavras me entendam.

  237. Brsim permalink
    07/05/2013 13:20

    muito bom esse texto. me fez ver que criei uma vida européia no interior de São Paulo e não sabia.
    tem gente que fica tanto tempo e se apega tanto a metrópoles que se impede de vislumbrar a beleza da vida no interior. aqui há tudo isso, paz, vendi meu carro, ando de bike e apé, vivo em república, exercito as virtudes de espírito, trabalho só dois dias(13h/semana), estudo, me alimento super bem, viajo, junto $, dedico-me aos muitos hobbies, participo de ações filantrópicas, ajudo o país a sair dessa situação de “melhor é de fora, vamos para lá”, a meu ver, e ainda meus familiares estão próximos.
    enfim, já pensaram em melhorar o país-lar das pessoas que vocês amam e passaram a maior parte da vida juntos?
    talvez seja melhor que viver em uma ilha de bem estar, em outra “bolha”…
    é isso que faz a diferença, no fim.
    é só não se contaminar pela inveja alheia e não se deter a felicidade de posses.
    ou a felicidade que conquistada no exterior é tão vulnerável que qualquer vento tupi leva?

  238. Hervé permalink
    07/05/2013 14:21

    Parabens pelo seu depoimento. Sou Françês, mas eu morava no Brasil desde 1994 … até 2012, inicio do ano passado. Era no Brasil que eu me sentia em casa. Sempre falava “Eu nao entendo vocês Brasileiros!!!” mas num tom de brincadeira. Nao me lembro ter passado por um periodo de adaptaçao, logo me senti acolhido e aceito. O Brasil tem os seus defeitos e curiosidades, ilustrados prefeitamente por um outro françês Olivier (http://olivierdobrasil.blogspot.ca/2013/04/curiosidades-brasileiras.html), mas apesar de tudo me sinto mais Brasileiro de que Françês. Solteiro e sem compromissos, o Brasil é um pais fantastico … So que … agora casado ha alguns anos com uma linda Brasileira e 2 filhos pequenos, você vê o Brasil com outros olhos e o pais que você considerou a sua casa ja nao é mais o lugar adequado para criar os seus filhos: insegurança, educaçao cara, vida engaiolado entre condominio fechado e shopping centers, corrupçao endêmica (acompanhando as noticias, so vejo a “coisa” piorar e os “bandidos” fazendo a festa de maneira cada vez mais descarada as custas do povo Brasileiro, sem sinal de melhora nem por parte dos politicos nem do povo que continua aceitando). Nao quero que os meus filhos crescam achando que corrupçao, malandragem, insegurança, assaltos sao coisas normais. Eu adoraria voltar a morar no Brasil, mas no momento vivo no Canada, aonde eu encontrei a tranquilidade que eu queria para a minha familia. Continuamos mantendo a lingua em casa e os meninos ja estao falando outros idiomas, livres de ir e vir e desfrutar da infância. Moramos no Canada, somos felizes ai, mas ainda me sinto um exilado, refem da desigualdade social Brasileira. Voltar para a França, também nao, é aqui em terreno neutro que achamos a paz e um futuro melhor para os nossos filhos.

  239. Roberta Crispim permalink
    07/05/2013 14:55

    Eu nunca fui à Europa (e confesso não saber se um dia terei condições de ir), mas concordo com vc em tudo que foi dito. Se não fosse todas essas faltas (educação, segurança, saúde…) o Brasil seria muito melhor. Para não dizer que nunca saí de meu país, fui ali na Argentina e nossa! Já senti uma diferença enorme em termos de segurança e educação (ao menos onde passei não tive nenhuma má impressão! ;P)… só o fato de caminhar rua afora sem medo já é um motivo pra lá de grande para querer se mandar daqui.

  240. Gabriela permalink
    07/05/2013 16:49

    eu morei 3 anos na Austrália, voltei fazem 2 anos e ainda nao consegui me encontrar por aqui. Trabalho numa agencia de intercâmbio, vejo as pessoas indo e voltando todos os dias! Uma cliente nossa esses dias definiu bem essa decisão do ir e vir: quando você está no Brasil, você sente falta do lugar e da qualidade daquele país que você “visitou”. Quando você está morando fora, não sente a mínima falta do Brasil, sente falta sim das pessoas que estão nele. A maior duvida é: escolher as pessoas opu escolher o lugar? Eu escolhi as pessoas, ficar perto da fampilia e dos amigos. Hoje me sinto a ovelha negra. E depois de dois anos me dei conta que a família e os amigos são e sempre serão o porto seguro, ,as a gente precisa ser egoista na hora de decidir nossa vida! Já to louca pra me mandar denovo! Dessa vez, vou pro Canadá! Amei o texto, e inclusive ajudou os meus pais e a minha irma a entenderem melhor como eu me sinto! have a good one! xx

  241. GutoM permalink
    07/05/2013 17:25

    Voce utilizou uma maneira muito educada e profunda para expor a sua realidade. Infelizmente tem gente que não suporta nada diferente, somente porque não consegue suportar a si mesmo e vive de criticas e planos mirabolantes que nunca darão em nada. Se fosse para morar na Islandia mas, ser feliz lá, que bom. Fico feliz por gente que procura ser feliz e não pelos “sugadores de energia” tão presentes no nosso pais. O Brasil…bom…é e sera um pais em eterno desenvolvimento. Falo isso com um olhar financeiro, matematico e economico. Vai ser sempre uma grande promessa, uma linda promessa. Agora, continua nele quem quer ou não pode sair. Abs Glenda!!

  242. 07/05/2013 20:53

    Glenda!
    Parabéns!
    Irretocável!

    Permiti-me ler todos os “posts” deste blog. Por conseqüência o seu adendo ao final do texto, onde você indica o “link” para o novo texto denominado de ”O livre arbítrio”, considero 100% procedente. Naquelas suas constatações fica clara a razão pela qual a idéia de tentar mudar este verdadeiro CAOS que é o Brasil, é coisa para ingênuos ou sonhadores.

    De fato existem diversos Brasis dentro do Brasil, concordo plenamente com quem escreveu isto em algum dos comentários!
    Eu, diferente da grande maioria que visitou seu “blog”, pertenço ao estado menos brasileiro da federação. Temos muito mais afinidade cultural com Los Hermanos Uruguaios e Argentinos ( que hoje aliás estão enfrentando terríveis dificuldades econômicas e sociais – sobrou somente a arquitetura européia de Buenos Aires e Montevidéo ) do que com o norte de nossa fronteira, resguardado aí o estado vizinho Santa Catarina. Somos uma população que em sua maioria descende de imigrantes germânicos ou italianos ( principalmente fora e ao norte da capital ), o que nos dá uma percepção bem diferente no que diz respeito ao modo de entender este país. Para nós o Rio de Janeiro ( capital ) não é tão bonito não! Provavelmente já tenha sido no passado. É bom para se conhecer e visitar, bem rapidinho de preferência! E o carioca da capital, com sua letargia característica é algo surreal. Parece que o sujeito, se sofrer um ataque fulminante do coração, levará uma semana para morrer. É completamente outro “timing”! Por sua vez São Paulo ( capital ) beira a insanidade! O cidadão que se sujeita a se deslocar naquela loucura por mais de uma hora para ir e outra para voltar do serviço, deve realmente ser assessor direto de DEUS! Que emprego bom este em?!!! Mas, brincadeiras à parte!
    Aqui no sul há algumas cidades com padrão de qualidade de vida diferentes ( o que também podem ser encontradas no interior dos estados do Rio de Janeiro e São Paulo ) mas os problemas, decorrentes da negligência do governo federal, são exatamente os mesmos!

    Vi os mais diversos posicionamentos quanto ao texto, a maioria escritos de maneira inteligente e fazendo jus a idéia proposta por você. Mas, também opiniões lamentáveis de quem na verdade não faz a mínima idéia a que você está se referindo e também o gratuito depoimento de alguns românticos incuráveis, o perfil típico cantado em musicas sertanejas… ele me bate, me espanca, “me faz de lagartixa”!… Mas ele é lindo, sou apaixonado(a) por ele, não posso deixá-lo!
    Por favor!…

    Assim como você mencionou, não vale à pena discorrer sobre os conhecidos problemas do país, penso que estas manifestações romântica são falar sobre o óbvio! Mas, aproveitando a deixa: Eu acredito que a beleza e a riqueza natural deste território geográfico conhecido por Brasil são incontestáveis, também penso que ninguém em sã consciência sendo filho desta terra pensaria em deixar tamanha riqueza para trás, e ficaria em dúvidas de regressar ou não mesmo deslocando-se para países pobres e limitados como são na grande maioria os estados europeus, sem que houvesse alguma razão muito forte para tal! Fato é, que tal razão… quero dizer RAZÕES, de fato existem HOJE!

    Se a natureza foi, é e certamente continuará sendo generosa com esta “Terra Brasilis”, da mesma forma não foram os “descobridores”, seus descendentes no poder desde os idos 1500 até os dias de hoje. A máxima dos primeiros dias é 100% viva, explorar recursos NATURAIS e HUMANOS para o benefício de uma pequena elite! Espoliar, acumular, ignorar e abafar qualquer sinal de instabilidade no processo contínuo de saque.
    Assim deu-se margem ao surgimento do típico cidadão brasileiro, que tendo o exemplo dos poderosos, tenta na medida do possível, apanhar a sua fatia ou “migalha do bolo”. Dando então origem ao pensamento já há tempo corrente, e muito bem representado em todas as instâncias dos poderes políticos a lei de Gerson, além de cada um por si e deus contra todos ou mesmo “Salve-se quem puder!” Pasmem!… Totalmente vivo e presente em boa parte das novas gerações! Isto é o mais triste de tudo!
    O mais básico do ser humano não está presente na grande massa, o verdadeiro poder de indignação e revolta que o impulsiona a bater de frente com seu opressor de forma violenta e agressiva. Princípios estes, que são fundamentais para chegar-se a estados com uma justiça social mais apurada, como é o caso de alguns estados europeus onde eu destaco, sem medo de errar, a Alemanha. Tudo aquilo foi conquistado a duras penas, muito sangue, consciência popular e em um segundo momento da elite. Elite esta que aceitou que é necessário provir ao menos o fundamental para que o ser humano possa viver com “relativa” dignidade, e tendo isso possa então almejar novos horizontes! Crescendo assim todos juntos! Fundamental este que é terminantemente negado ao povo brasileiro!

    Assim fica garantindo um interminável estoque de alienados, facilmente programáveis pela barata mídia televisiva, dia após dia. A tal ponto que o contato com a realidade fica prejudicado. Acrescente a isto dois agravantes, população jovem e população sem memória ( não conhece a história recente do país )! Aí fica fácil colar esta :
    Brasil! Um país de todos!
    Estando plenamente em contato com a realidade, seria fácil de perceber que estamos andando para trás!

    O que realmente deverá acontecer nos próximos anos é que a maior parte dos estados europeus deverão cair em suas tristes realidades, assim como já aconteceu com Grécia e Espanha, gastavam como ricos sendo na verdade pobres. Chegou a hora de pagar as contas! Os cofres estão vazios! Os direitos sociais que a população usufruía irão “água abaixo”, os empregos “nas tetas” do governo minguarão, pelo simples fato de não haver geração de receita para mantê-los. E, é bem provável, que esta triste realidade que se vive hoje no Brasil, vá bater às portas aí na Europa, ligeirinho! Ao contrário, em países como Brasil e México, deverão de fato ocorrer desenvolvimentos econômicos que talvez sejam de alguma maneira revertidos em melhora nas questões extremamente críticas que nos abalam hoje, falta de saúde pública, falta de educação e falta de segurança. Esta última não poderá mais ser negligenciada por muito tempo. A situação na verdade, já está fora de controle! O que se falou em algum comentário sobre as unidades pacificadoras é um engodo! Quantos foram para a cadeia ou executados daquela massa de delinqüentes? Só estão menos visíveis ou se deslocarão para outros lugares.

    Confundiu-se neste país liberdade com libertinagem, democracia com hipocrisia, premiar o contraventor as custas do cidadão de bem, por aí vai…

    Não posso deixar de comentar o depoimento do Sr. Antônio! O qual foi literalmente agredido por alguns comentários…
    A profissão de servidor público é tão honrosa e relevante quanto qualquer uma outra que seja desenvolvida na iniciativa privada! Em um país onde absolutamente nada funciona como deveria, refugiar-se “nas tetas de governo” não me parece de maneira alguma uma atitude insensata. Antes pelo contrário!
    A indignação na verdade se dá, provavelmente ao fato de o servidor público, de fato poder contar hoje, com uma provável aposentadoria futura que lhe oferecerá dignidade, a qual não deverá ser encontrada na iniciativa privada. Benefícios e salários coerentes ( em sua grande maioria )! Ao contrário da verdadeira exploração humana que está acontecendo na iniciativa privada. Porém, o Sr. Antônio não percebeu que a realidade que ele vive é própria de uma minoria da população deste país. O que não lhe credencia usar seu exemplo como referencial!
    Quanto a oferta de empregos… desculpe! Há, certos segmentos que de fato há falta de mão de obra QUALIFICADA, o exemplo TI é um dos poucos. No mundo inteiro faltam profissionais desta área, não só no Brasil. Os bons são disputados no mercado mundial! Não precisando se sujeitar a trabalhar por “merrecas”!
    De maneira geral, o que já está acontecendo hoje por aqui é a falta de emprego para pessoas qualificadas ou especialistas. Estão absorvendo mão de obra de terceiro grau em todos os postos de trabalho, seja o que for, ofertando-lhes salários de técnicos. Isto esta mostrando-se através de um verdadeiro processo de achatamento salarial na parte “um pouco mais elevada” da pirâmide.
    Cada vez mais pessoas chegando ao mercado em uma economia que não cresce o suficiente para absorver todos que já estão no mercado, complicado!
    Veja só o exemplo de boa parte que deu seu depoimento neste blog… jovens, estudando fora do país, pós ou doutorado. Caso o sujeito não tenha o intuito de fazer algo SEU MESMO por aqui, resta-lhe dar aulas ( concorrência será grande ), já que em nosso país se faz muito pouca pesquisa, onde seria o ambiente ideal para o aproveitamento de doutores.

    Prezada Glenda, seja feliz em suas escolhas!

    Mas tenha certeza de uma coisa! Hoje não há como prever praticamente nada no médio prazo. Tudo é possível! Até um milagre como o Brasil funcionar!

    Paulo v.d.T

  243. Vlad permalink
    07/05/2013 20:54

    As pessoas lutaram muito nesses países, como a Espanha, para que chegassem a ser o que são hoje. Ótimo que vc tenha saído da bolha e tenha enxergado tudo isso que descreveu, ainda que tenha sido necessário mudar de país para tanto (acho que esse sair da bolha acontece com muitos brasileiros em seu desenvolvimento natural como pessoa, aqui no Brasil), mas pena não poder contar com você para tentar mudar a realidade daqui. Me parece uma saída… cômoda, no mínimo.

  244. N.C.A permalink
    07/05/2013 22:01

    ainda bem que temos livre arbítrio, o Brasil também é um lugar de oportunidades só nao acha quem nao quer, morei fora 2 anos e nao tive a oportunidade de fazer o que faço aqui com o tempo livre , e a cada dia vejo pessoas proximas a mim melhorando a qualidade de vida e sendo feliz por cada conquista, viver dividido com uma vida fora e a vontade de estar aqui pra mim é uma infelicidade constante mesmo que tenha conquistado dinheiro bens materiais, será um eterno visitante e quase sempre discriminado. Amo a alegria, do nosso povo que nunca vi em outro lugar .amo o Brasil