Pular para o conteúdo

Tchau, 2020. Que venha 2021!

31/12/2020
Tchau, 2020. Que venha 2021!

Quando 2020 se iniciou era mais um começo de ano como outro qualquer: muitas resoluções, planos, promessas de um ano melhor. Mas o destino não quiz que fosse tão simples assim. 2020 veio, pra todos nós, como um furacão, derrubando nossas rotinas, arrasando nossos planos e inclusive sendo fatal a muitos de nós.

Em março, quando o mundo parou, pegou praticamente todos nós de sopetão! Tivemos que nos adaptar a viver sem o convívio social, viver em isolamento, e muito rápido, tivemos que nos moldar ao então ‘novo normal’. Nos acostumamos a mãos ressecadas de tanto álcool gel, ao uso de máscaras, óculos embasados e a ver todo o tempo as notícias de pessoas que se foram, de números e estatísticas crescentes, de novas descobertas e mais mudanças repentinas no nosso dia-a-dia. Nos adaptamos também aos encontros remotos, online, a aulas e reuniões de trabalho à distância, compras online, filas pra entrar em lojas e supermercados, falta de papel higiênico (!!!), empresas fechando, pessoas perdendo seus empregos e tantas outras coisas mais…

2020 foi um ano desafiador em quase todos os aspectos, porém desafios estes que, apesar de difíceis, nos fizeram crescer, aprender, renovar, descobrir. Todos nós tivemos que, de alguma forma ou de outra, nos reinventarmos em 2020. Tivemos que descobrir novos talentos, novos caminhos, novas tecnologias, novas habilidades.

E é por estes ensinamentos e aprendizados que eu digo: Obrigada, 2020! Obrigada por fazer com que a gente percebesse o que realmente importa. Por nos mostrar que a vida de luxo e artificial que muitos viviam, não é o que faz falta. Em 2020 sentimos falta de toque, de abraço, de uma conversa amiga cara-a-cara, sentimos falta de pessoas queridas que se foram.

Porém, todo o fim, é também um recomeço. Com o fim de 2020, se inicia 2021 com a esperança de dias melhores, de vacina, de um mundo mais saudável, de novas oportunidades, de esperança renovada, de resoluções, de planos, de novos desafios…

Que venha 2021 e que continuemos crescendo e desenvolvendo, como indivíduos e como humanidade. Certamente, o ano que se reinicia vai nos trazer novos obstáculos e estaremos ainda mais preparados para nos moldarmos a estes. Teremos crescido muito com as dificuldades que encontramos até aqui. Feliz ano novo a todos os brasileiros espalhados pelo mundo e que em 2021, todos os seus planos se tornem realidade!

 

Mais informações sobre como tornar-se professor na Inglaterra

14/12/2020
como tornar se professor na Inglaterra

Mais informações sobre como tornar-se professor na Inglaterra

 

Há algum tempo publicamos um vídeo sobre como se tornar professor(a) na Inglaterra. Nesse vídeo, dou algumas dicas e falo um pouquinho disso, dando apenas uma pincelada no assunto. A proposta deste texto, é de esclarecer algumas dúvidas frequentes pra quem vem do Brasil e tem interesse em trabalhar em uma escola aqui na Inglaterra. Mas de forma alguma, tenho a pretensão de que este texto tenha caráter exaustivo sobre o assunto. Até mesmo porque os padrões mudam com uma certa frequência e além disso, não sou catedrática no assunto!

Muitas pessoas me perguntam se podem lecionar na Inglaterra com uma faculdade de pedagogia ou uma licenciatura de alguma área de ensino cursadas no Brasil. A resposta é sim e não. Na teoria, tu pode lecionar aqui com estas qualificações. Porém, na prática, não. A grandíssima maioria das escolas daqui tem como exigência que os professores tenham uma qualificação daqui, chamada QTS, ou Qualified Teaching Status. Dizem que existem escolas independentes ou privadas que não exigem o QTS, porém, eu nunca encontrei. Isso em especial, nos últimos anos, pois há uma tendência que as escolas em geral exijam o QTS como forma de garantir um padrão mínimo de ensino. 

 

O que é o QTS?

 

O QTS, ou Qualified Teacher Status (Status de Professor Qualificado) é uma certificação dada a profissionais de educação treinados de acordo com os padrões mínimos exigidos na Inglaterra. Todos os professores aqui tem que seguir um conjunto de normas chamado Teacher Standards (Norma/Nível/Padrão Mínimo dos Professores), estabelecidos pelo governo. Durante o treinamento, os profissionais de ensino aprendem sobre estes padrões e como colocá-los em prática. O QTS dos profissionais de ensino garante um padrão mínimo a ser seguido por todos. 

 

E como se obtém o QTS? 

 

Existem várias maneiras, e vou falar de algumas delas nesse texto. Uma delas é cursar um curso de graduação que inclua o QTS. O treinamento de professores aqui, em geral, é voltado para algum nível específico de ensino: por exemplo, forma professores para o ensino primário (Primary School), secundário (Secondary School) ou educação continuada (Further Education). Caso você esteja considerando seguir este caminho, certifique-se que o curso escolhido lhe dê o QTS ao final da graduação. 

PGCE

O caminho mais conhecido, é fazer um curso de pós-graduação chamado PGCE ou Post Graduate Certificate in Education, que é um curso de pós-graduação com um caráter prático muito forte, porém, não deixando a teoria de lado. Uma grande vantagem do PGCE, é que ele também é aceito em vários outros países, o que é bastante interessante para aqueles que pensam em ir morar em algum outro lugar no futuro. Durante um PGCE, que pode ser de um ano (em tempo integral) ou dois (estudo em tempo parcial), tu cursa (em geral) 60 créditos de um mestrado. Porém, toma cuidado: se o que tu quer é o QTS, nem todos os cursos de PGCE levam a esta qualificação!

Além das aulas teóricas e produção de textos para o curso, tu tem no mínimo dois estágios orientados em escolas (mínimo de 24 semanas de estágio). Cada um dos estágios vai ter um mentor e vai ser em uma escola com um caráter diferente da primeira. Por exemplo, um pode ser numa escola bastante homogênea, enquanto que o segundo numa escola muito mais inclusiva, ou um em uma escola em uma área mais carente, entre outros fatores. 

PGDE

Existe também o PGDE (Post Graduate Diploma in Education) que tem 120 créditos de um mestrado. Ah, e tem um PGDE também na Escócia, mas esse é o equivalente escoces de um PGCE. Confuso, né? 

SCITT

Tem também o treinamento chamado School Direct (SCITT), que pode ser remunerado (difícil de achar e super competido, recomendado pra quem já tem bastante experiência) ou não-remunerado. No segundo caso, as taxas normais pagas por um aluno de pós-graduação se aplicam. No caso do primeiro, já que a pessoa recebe um salário, não pode receber bolsas ou ter custeio governamental. O salário pode variar de provedor pra provedor, mas ambos os cursos SCITT te dão o QTS. 

Estágios

O site do Get Into Teaching fala de estágios de treinamento para professores, onde tu trabalha em uma escola como professor não-qualificado e estuda em 20% do tempo. Eu não encontrei esta opção no mundo real, mas certamente ela existe e alguém está tirando proveito dela. Se te interessar, pesquisa, procura e corre atrás!

Teach First

Uma outra opção bastante interessante é o treinamento da ONG Teach First. O treinamento deles leva dois anos, mas é 100% remunerado. No primeiro ano, em especial, a remuneração não é muito alta, mas tu não tem custos com o treinamento. O treinamento deles é voltado não apenas para te desenvolver como professor, mas também como líder. Eles fazem um treinamento intensivo no verão inglês, durante cinco semanas. Eles treinam professores para atuar em escolas em regiões carentes, tu vai pra sala de aula desde o primeiro dia (muita, muita prática, mas também com estudo de teoria) e no final dos dois anos, tu recebe o QTS e o equivalente ao PGDE (120 créditos de um mestrado), com a opção de completar um mestrado no terceiro ano. 

Assessment Only

Existe também a opção de simplesmente fazer uma avaliação da tua prática, para saber se tu tem conhecimento e experiência suficiente na Inglaterra para obter o QTS. Essa opção chama-se Assessment Only. Tu tem que apresentar evidências muito detalhadas de que tu conhece e pratica há tempos os padrões mínimos de um professor e tem que ter um mínimo de 2 anos de experiência como professor não-qualificado na Inglaterra, além de vários outros critérios. Esse caminho tem um custo também, mas bem mais baixo que o custo do treinamento completo do PGCE, por exemplo. 

 

Quando devo me candidatar?

 

Quanto antes, melhor! As aulas, em geral, começam em setembro. Aconselho que preencha tua ficha pra te candidatar assim que as inscrições abrirem, em outubro/novembro do ano anterior ao que tu queres começar os teus estudos. 

 

O que preciso como pré-requisito mínimo? 

 

Isso vai depender do curso que tu vai fazer, de qual a ênfase e do provedor. Mas em geral, tem que ter um curso de graduação pleno, completo (a não ser que a rota escolhida seja fazer a graduação que te dê o QTS), além de GCSE (General Certificate of Secondary Education) – ou um equivalente, para quem não completou os estudos aqui – em inglês, matemática e em alguns casos, ciências. Porém, estes requisitos podem divergir do que menciono para certos cursos ou certos provedores. Meu conselho é pesquisar muito e entrar em contato com o provedor e com a equipe do Get Into Teaching, para obter mais informações sobre o curso que tu pretende fazer. 

 

E como me candidatar a uma vaga no treinamento? 

 

Comece por obter algum tipo de experiência em escolas, pode ser como voluntário ou assistente de professor. Isso vai te ajudar MUITO. Tu vai precisar também de duas referências, das quais pelo menos uma deve ser de alguém do ramo da educação. E tu vai ter que escrever um Personal Statement, que é importantíssimo! O teu Personal Statement serve pra que tu possa relatar os motivos pelos quais tu quer ser professor, o que tu aprendeu com as tuas experiências em educação até aqui, quais teus pontos fortes e os motivos pelos quais tu quer lecionar certa matéria ou pra certa faixa etária. 

As inscrições são feitas pelo site do UCAS (Universities and Colleges Admissions Service), onde tu vai ter que reunir muitas informações sobre tuas notas e certificados e diplomas. 

 

E depois que me inscrevi pra tentar entrar num treinamento, o que acontece?

 

Fica sempre ligado no portal do UCAS, que vai te manter informado sobre a tua candidatura. Tu pode escolher até 3 cursos diferentes e caso tu seja bem sucedido nessa primeira instância, o provedor do curso escolhido vai te convidar a fazer uma entrevista. Essa entrevista pode incluir muitas etapas diferentes, desde um bate-papo, uma entrevista formal com um painel de professores, atividades práticas pra tu preparar antecipadamente (ou não) para alunos da faixa etária escolhida, exames e testes de conhecimento, apresentações, etc. O provedor, ao te convidar pra entrevista vai te passar mais detalhes. 

Depois da entrevista, cada provedor vai ter um prazo pra recusar ou aceitar a tua candidatura. Caso seja aceita, ela pode ser aceita plenamente, ou com certas condições, que devem ser cumpridas até a data estipulada pelo provedor.

 

Como obtenho mais informações sobre assuntos tratados nesse texto ou pontos não mencionados aqui?

 

Eu aconselho a todos que estejam pensando em lecionar no Reino Unido, que se inscrevam no site do Get Into Teaching, pois tem muita informação importante e além do mais, vão te alocar uma pessoa como conselheiro. São pessoas que atuam/atuaram como professores aqui e tem conhecimento de causa. Eles vão te ajudar com informações, dicas e estratégias para o sucesso para o teu treinamento. Podem te aconselhar com o teu Personal Statement e te ajudar a te preparar para a entrevista. 

Outra dica é buscar grupos no Facebook ou outras mídias sociais. Lembra, porém, que as informações nesses sites de mídias sociais nem sempre são de fontes seguras. Mas são um bom espaço para compartilhar experiências com outras pessoas buscando o mesmo objetivo. 

 

Boa sorte a todos que estão buscando o QTS para poder atuar como professores qualificados no Reino Unido. 

 

Confira aqui o vídeo mencionado no ínicio do texto – “Como Se Tornar Professora Na Inglaterra”

Bate Papo Com Autor Arthur Galamba Sobre Seu Livro ‘Veneno E Fraternidade’

29/11/2020
Bate Papo Com Autor Arthur Galamba Sobre Seu Livro 'Veneno E Fraternidade'

Bate Papo Com Autor Arthur Galamba Sobre Seu Livro ‘Veneno E Fraternidade’

Bate papo com Arthur Galamba, o autor do livro Veneno e Fraternidade. No seu livro, Arthur compartilha suas experiências com o NHS (o sistema de saúde pública no Reino Unido) durante seu tratamento de leucemia.

Assista o bate papo e compre o livro: todo o lucro da venda do livro é doado para a Rede Feminina De Combate Ao Câncer De Pernambuco. Links para a compra do livro estão abaixo.

Para adquirir o livro impresso (por enquanto somente no Brasil)

Para adquirir o livro eletrônico de qualquer lugar do mundo

Instagram do Arthur

Links Mencionados

Se você deseja ajudar a Rede Feminina De Combate Ao Câncer De Pernambuco, compre o livro. 100% do lucro da vendas do livro é doado para esta instituição.

Para sabe mais sobre a instituição filantrópica acesse o website aqui redefemininapedotorg.wordpress.com

Livro Mencionado

‘Catcher in the Rye’ by J.D. Salinger (em inglês)

‘O Apanhador No Campo de Centeio’ (Versão em Português)

Explorar a Natureza em Trilhas Pelo Reino Unido

21/11/2020
Explorar a Natureza em Trilhas Pelo Reino Unido #blogbrasilcomz @blogbrasilcomz

Neste vídeo te contamos um pouquinho sobre como se comportar ao explorar a natureza aqui nas terras da Rainha (ou em terras privadas no Reino Unido). Existe, por aqui, o direito de passagem dos cidadãos, que permite que rotas e trilhas antigas continuem sendo exploradas, inclusive cruzando terras de propriedade privada. Mas não significa que tu possa ir entrando em qualquer lugar privado. As trilhas com direito de passagem são devidamente demarcadas e mapeadas. Assiste o vídeo pra saber mais!

 

VAT – O Que Você Precisa Saber se Tem Empresa ou se Você for Autônomo no Reino Unido

06/11/2020
vat sole trader pessoa juridica autonomo

VAT – O Que Você Precisa Saber se Tem Empresa ou se Você for Autônomo no Reino Unido

Tu tem empresa no Reino Unido ou trabalha como autônomo? Quer saber mais sobre como funciona o VAT do ponto de vista da pessoa jurídica? Assiste o vídeo até o final que eu te explico!

Precisa de Informações Básicas sobre o VAT?

Se tu ainda não sabe o que é VAT, quem precisa pagar e quanto custa assista esse vídeo também, pois explica um pouco mais sobre esse imposto no Reino Unido.

Quando Devo Registrar Minha Empresa para Recolher o VAT?

Se tu tem uma empresa ou trabalha por conta própria, como sole trader, tu não tem obrigação de te registrar pra cobrar dos teus clientes e pagar para o governo o VAT, desde que a tua empresa arrecade menos de £85,000.00, num mesmo ano fiscal. 

O ano fiscal no Reino vai de 06 de abril de um ano até dia 05 de abril do ano seguinte. 

Caso a arrecadação total da tua empresa num dado ano fiscal seja mais de £85,000.00 (ou tu saiba que o teu faturamento vai passar desse patamar), tu tem obrigação de registrar tua empresa para o VAT. Tem também alguns casos específicos em que tu tem que registrar tua empresa para esse imposto independentemente do faturamento. 

Como Registro Minha Empresa para Recolher o VAT?

O processo de registro, em geral, não é complicado e pode ser feito online pra maioria das empresas, mas caso tu esteja meio perdido, aconselhamos que tu busque um contador confiável pra te ajudar com esse processo. Pra registrar tua empresa, tu tem que disponibilizar dados de faturamento, tipo de atividade da tua empresa e dados bancários da empresa. A partir da data de registro, tua empresa tem que pagar VAT sobre todas as transações de venda cobertas pelo imposto. 

Se tu precisar de indicação de serviços de contador confiáveis aqui no Reino, manda um email pra gente que te colocamos em contato com uma das maiores empresas de contabilidade aqui. Eles atuam em todo o território nacional e são especialistas em contabilidade. 

Onde Deve Constar o Número de Registro do VAT?

Depois de registrar tua empresa pra cobrança e pagamento de VAT, em alguns dias tu vai receber um número de registro de VAT. Esse número deve aparecer em recibos, faturas, orçamentos e papel timbrado da tua empresa. Além disso, o valor de VAT cobrado sobre mercadorias e serviços deve vir discriminado nas faturas e recibos, e orçamentos devem deixar claro se incluem ou não o VAT no preço mencionado.  

Como Calcular o VAT?

E tem um jeito bem fácil de calcular o valor do VAT: divida o valor final de um item com a taxa padrão de VAT, que atualmente é de 20%, por 1.2. O valor final deste cálculo e o valor do produto ou serviço sem o imposto e a diferença e o valor do imposto. Por exemplo, um item que custa £10 incluindo o VAT, na verdade custa £8.33 mais £1.66 de imposto. O mesmo princípio pode ser utilizado pra calcular o VAT reduzido, porém neste caso, tu divide o valor por 1.05. 

Pra calcular o VAT a ser adicionado ao valor de um produto ou serviço, é só fazer o cálculo inverso: pegue o valor do item e multiplique por 1.2 pra itens da taxa padrão, e por 1.05 pra taxa reduzida. Então, um produto que tu precisa vender a £2 e com taxa de imposto de valor agregado padrão, basta multiplicar por 1.2 e tu descobre que o preço final do teu produto pro teu consumidor vai ser £2.40. 

Como e Quando Minha Empresa Paga ou Recebe Estorno do VAT?

Tua empresa vai cobrar o VAT dos clientes de acordo com as regras estabelecidas pelo governo. Quando da prestação de contas do VAT, tua empresa tem que declarar o valor cobrado dos teus clientes por esse imposto, mas também o valor que tua empresa pagou de VAT por produtos e serviços adquiridos. 

Em geral, as empresas fazem a prestação de contas deste imposto ao governo 4 vezes por ano, a cada 3 meses. Mas em alguns casos, é possível fazer esta prestação de contas uma vez por ano, mas com pagamentos trimestrais. Basicamente, tua empresa faz pagamentos estimados trimestralmente, e faz a prestação de contas anualmente. Se pagou a mais, recebe um estorno, e se nao pagou o suficiente, tem que pagar a diferença no ajuste de contas anual. O ideal é obter aconselhamento profissional de um contador sobre qual o melhor método para o teu caso. 

Existe também o Sistema de Taxa Fixa de VAT, ou em ingles VAT Flat Rate Scheme. Como eu já mencionei, a empresa paga ao governo (ou recebe de estorno) a diferença entre o que cobrou e o que pagou de VAT. Se cobrou mais que pagou, tem que pagar essa diferença ao governo, e se pagou mais do que cobrou, recebe esse valor da diferença de volta. Caso tua empresa tenha a previsão de faturar menos de £150.000.00 por ano fiscal, tu pode tentar registrar tua empresa nesse sistema. Existem algumas regrinhas, mas se tua empresa for aceita, vai pagar um percentual fixo de VAT ao governo, ao invés de uma diferença entre o pago e o recebido. O percentual vai depender do ramo de atividade da tua empresa, mas pode ser vantajoso para empresas menores. Mais uma vez, um contador pode te ajudar com isso e te aconselhar se é uma opção para o teu caso específico. 

Gente, imposto é sempre complicado em qualquer país. Nosso objetivo com esse vídeo não é sanar todas as dúvidas sobre esse imposto, mas sim te dar uma luz sobre alguns pontos-chave que poderão te ajudar na tomada de algumas decisões e te dar uma base pra discutir com o contador da tua empresa algumas opções a serem escolhidas ou não! 

Te inscreve no nosso canal no YouTube e compartilha nossos vídeos com quem tá perdido sobre impostos aqui no Reino. 

Por hoje era isso, até mais! 

O Que é VAT? Quem Precisa Pagar? Quanto Custa?

30/10/2020

O Que é VAT? Quem Precisa Pagar? Quanto Custa?

Tu chegou aqui no Reino Unido e ouviu falar de um tal de VAT, mas não sabe o que é isso? Quer saber? Assiste o vídeo até o final que eu te explico. 

O Que é VAT e Quem Paga?

Bom, o que é esse tal de VAT? Em inglês a sigla é pronunciada VAT e é um acrônimo para Value Added Tax ou em português, Imposto de Valor Agregado. Mal comparando, ele seria o equivalente ao ICMS no Brasil. Quase todos no Reino Unido pagam VAT, direta ou indiretamente. As empresas ou pessoas jurídicas pagam diretamente, e o consumidor final ou pessoa física, paga indiretamente quando adquire produtos ou serviços. As empresas privadas arrecadam este imposto e repassam os valores para o governo. 

 

Que Produtos Estão Sujeitos a Cobrança de VAT?

Como regra geral, o VAT é cobrado sobre vendas de produtos e serviços, aluguel de mercadorias, venda de bens comerciais, comissões, itens vendidos a preços mais baixos para funcionários, bens de negócios usados para razões pessoais e sobre permutas e brindes. Mas várias destas categorias tem algumas regras especiais, que não vamos entrar em detalhe neste vídeo, pois senão faríamos um longa metragem! Ah, e as regras de VAT também são diferentes para empresas beneficentes. 

 

Quanto Custa o VAT?

Existem três níveis de VAT: a taxa padrão ou em inglês, standard rate, a taxa reduzida ou em inglês, reduced rate e os itens de taxa zero, ou zero rate em inglês. 

A taxa padrão e a que cobre a maioria dos produtos e na data de gravação deste vídeo, essa taxa é de 20%. A taxa reduzida é de 5% e a taxa zero é zero! E tem também produtos e serviços que são isentos da cobrança de VAT, como por exemplo, seguros, selos e serviços de postagem e serviços de saúde, entre outros. 

 

Como Saber Quanto Estou Pagando de VAT?

O valor do VAT cobrado sobre qualquer mercadoria tem que vir discriminado no recibo ou fatura do produto ou serviço. Inclusive, vários lugares que vendem produtos a granel, mostram o preço do produto sem o valor do imposto e é sempre bom verificar ao obter um orçamento de serviços se já inclui o VAT, caso não seja especificado, pra não ter surpresa na hora de pagar a conta. 

Se tu quiser mais detalhes sobre quais itens em específico são sujeitos a cobrança do VAT e qual a taxa que se aplica aquele item, aconselhamos que tu busque estas informações no site do governo Britânico. 

Quer que a gente fale mais sobre o VAT, do ponto de vista da pessoa jurídica? Então, escreve nos comentários: VAT e compartilha esse post e vídeo com quem precisa dessa informação! 

Por hoje era isso, até mais!

Por que as Garrafas de Vinho Tem 750ml e Não 1L

17/10/2020
Porque as Garrafas de Vinho Tem 750 ml e Não 1 Litro

Tu gosta de tomar vinho? Eu adoro. Tanto que nos dois últimos anos, eu até fiz vinho em casa! E tu sabe por que as garrafas de vinho tem 750ml e não 1L? Não sabe? Assiste o vídeo até o final pra descobrir! 

Transcrição do vídeo:

Nesse vídeo, falo de vinho! Tu gostas? 

As garrafas de vinho são, em geral, de 750ml ou 75cl  e não de 1L (1.000 ml).

Mas por que é assim?

A capacidade de uma garrafa de vinho foi normalizada no século XIX e daí surgiram várias explicações bem malucas para isso: que essa seria a capacidade pulmonar de um vidreiro; ou o consumo médio numa refeição; a melhor capacidade para conservar o vinho; a facilidade de transporte. Mas na verdade, não era nenhuma delas. 

Simplesmente foi uma organização prática e com uma base histórica:

Naquela época os principais clientes dos vitivinicultores franceses eram os ingleses. Mas os ingleses não adotaram o mesmo sistema de medidas dos franceses.

A unidade de volume dos ingleses era o “galão imperial” que equivalia precisamente a 4,54609 litros.

Para simplificar as contas na hora da conversão, transportavam o vinho de Bordeaux (ou Bordéus em português) em pipas de 225 litros, ou seja, 50 galões, correspondendo a 300 garrafas de 750ml (75 centilitros).

Pra ficar mais fácil o cálculo, adotaram que uma pipa era igual a 50 galões que era igual a 300 garrafas.

Entao, um galão correspondia a 6 garrafas.

Aliás, é por isso que ainda hoje as caixas de vinho têm em geral 6 ou 12 garrafas.

Vai um vinhozinho aí? E tu prefere vinho tinto, branco ou rosé?

Comenta com a gente, qual a tua preferência de bebida e te inscreve no canal do YouTube pra não perder nada, nem mesmo um belo copo de vinho!

Por hoje era isso, até mais!

%d blogueiros gostam disto: